Google+ Badge

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

A Fonte da Eterna Juventude







        Fonte Google Imagens



        YHVH Deus plantou um jardim em Éden, no oriente, e aí colocou o homem que modelara. YHVH Deus
        fez crescer do solo toda espécie de árvores formosas de ver e boas de comer, e a Árvore da Vida no meio do jardim, e a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

        Gênesis 02. 08-09


        Depois disse YHVH Deus: "Se o homem já é como um de nós, versado no Bem e no Mal, que agora ele não estenda a mão e colha também da Árvore da Vida, e coma e viva para sempre.!" E YHVH Deus o expulsou
        do jardim de Éden para cultivar o solo de onde fora tirado.

        Gênesis 03.20-23


        Mostrou-me depois um rio de Água da Vida, límpido como cristal, que saía do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da praça, de um lado e do outro do rio, há Árvores da Vida que frutificam 12
        vezes, dando fruto a cada mês; e suas folhas servem para curar as nações.

        NUNCA MAIS HAVERÁ MALDIÇÕES.

        Apocalipse 22.01-03



        Segundo a mitologia bíblica e de diversos outros povos antigos, o ser humano esta muito distante do objetivo para o qual foi originalmente criado.

        O mito da Queda do homem com diferenças de enfoque e principalmente de interpretação pode ser visto nas mitologias de gregos, sumérios,egípcios etc...sendo que a Bíblia parece partilhar com estas outras fontes de uma origem comum no longínquo passado humano de tais relatos.

        Obviamente que o texto de Gênesis não pode e não deve ser encarado de forma literal mas tem como principal objetivo mostrar que o homem não é um acidente mas foi criado com um objetivo e que todas as coisas tem  enfim uma razão de ser.

        Assim os relatos bíblicos servem como analogias, como figuras de linguagem, como simbolismo de verdades espirituais sobre o homem e tudo o que lhe cerca.

        Em linguagem de prosa e verso, com pinceladas muitas vezes de poética a Bíblia procura nos levar até os segredos mais profundos do Universo em linguagem que os seres humanos pudessem entender e a partir dai tecerem juízos sobre todos estes assuntos.

        Tentar encontrar ' a verdade' literal das coisas através da leitura bíblica como muitos fazem é não só um desserviço a mesma como ao próprio Deus.

        Assim os dias criativos, as ordens criativas, o jardim do Éden, a queda do homem, o primeiro assassinato,o Dilúvio etc...servem de metáforas(ainda que alguns possam ter sido baseados em fatos, diga-se) para sermos apresentados ao conceito de um Deus único, imortal,eterno, e imutável  que se interessa por sua criação,ainda que se carregue demais na linguagem antropomórfica muitas vezes para descrever-se este Deus e seu relacionamento com esta.

        Sendo assim um dos assuntos mais instigantes da temática mítica é A FONTE DA ETERNA JUVENTUDE...

        Apesar do mito mais recente ser este de Ponce de Leon nunca devemos nos esquecer que tanto ele quanto muitos que vieram depois eram cristãos, alicerçados nas raízes judaico/cristãs e portanto viam o Novo mundo como o Éden, o jardim perdido da humanidade...assim a fonte da eterna juventude nada mais passava do que uma versão de tais mitos...

        Como pudemos ver na verdade em Gênesis a fonte da vida eterna(e consequentemente da eterna juventude) são os frutos da Árvore da Vida e não água...

        Todavia , no Apocalipse temos as duas coisas...Águas da vida e Árvores(no plural em algumas versões) da Vida...

        Se em Gênesis não se fala de águas da vida mas de Árvore(e esta no singular) contudo em outras partes da Bíblia o termo é usado  de forma direta ou indireta. Além de Apocalipse temos:João 04. 13-14; Isaías 55. 01;Ezequiel 47.01-12(daqui aliás saiu a interpretação da visão do rio de Apocalipse),Joel 04. 18; Zacarias 13. 01;14.08;Salmos 46. 05...

        Tenho para mim portanto que a busca pela fonte da eterna juventude no novo mundo na verdade esta embasada nesta crença dos descobridores de que aquela era a terra ancestral... que na verdade o novo mundo não era novo mas o antigo paraíso perdido.

        Hoje sabemos que o nome Brasil dado a nosso país nada tem a ver com o tal pau brasil(que se ganhou este nome também deve ser por causa do mito que descrevo a seguir) que aqui tinha de monte como diziam os antigos livros escolares, mas na verdade este nome foi dado porque muitos dos navegantes pensaram ter chegado a mítica HY BRAZIL, ilha perdida logo abaixo(na verdade um pouco abaixo mas mais no OESTE das ilhas) das ilhas britânicas.
        Esta certo que o Brasil esta BEM abaixo das ilhas britânicas mas como na ocasião supunham ser o mesmo uma ilha talvez tenham imaginado que mesmo estando tão distante assim das ilhas britânicas haviam chegado ao mítico lugar.

        Hy Brazil nestas lendas seria um lugar paradisíaco onde seu povo viveria em eterna comunhão com a natureza(o que deve ter entendido os colonizadores, viviam os indígenas daqui)e em algumas versões seriam também extremamente evoluídos e avançados(o que definitivamente em questão tecnológica não era o caso dos indígenas daqui).



        Hy Brazil em mapas antigos

        Fonte Google imagens

        Vejamos também um texto na wikipédia sobre Hy Brazil...

        A Ilha Brasil, ou mais comumente a Ilha do Brazil; Ilha de São Brandão; Brasil de São Brandão ou Hy Brazil, é uma das ilhas míticas do Oceano Atlântico ligadas à tradição de São Brandão das terras afortunadas sitas a oeste do continente europeu.
        A cartografia medieval européia inclui com grande constância a Ilha do Brasil, a par da Antília, da Ilha de São Brandão, das Sete Cidades e das Ilhas Afortunadas, entre as ilhas que existiriam no mar oceano. A posição e as dimensões da ilha variam de carta para carta, mas a partir de meados do século XIV a ilha começa consistentemente a ser colocada no Atlântico Norte centro-ocidental.
        A presença desta ilha mítica na cartografia fixa o topônimo em data muito anterior a 1500, a data da descoberta "oficial" das Terras de Santa Cruz, o atual Brasil, e invalida de todo a teoria de que o nome estaria ligado ao vermelho do pau-brasil. Na realidade, àquela data, o Brasil como lugar mítico já estava presente no vocabulário dos povos do ocidente europeu há muitos séculos.
        A procura da Ilha do Brasil foi uma constante nas navegações renascentistas do Atlântico até 1624. Desde o oeste da Irlanda, seu lugar inicial, a posição da suposta ilha migrou para oeste, primeiro para os Açores, onde a actual ilha Terceira aparece por vezes com esta designação e onde, muito antes de 1500, já a península fronteira à cidade de Angra ostentava o nome de Monte Brasil, que ainda hoje mantém. Dos Açores deslocou-se para sudoeste, primeiro para as Caraíbas, para depois se fixar no litoral do actual Brasil.

        Índice

         [esconder

        [editar] Origem do vocábulo Brasil

        Quanto à origem, a mais óbvia é de que o nome da madeira provém da forma adjetiva brasil, por sua vez derivada de brasa, já que, por sua coloração avermelhada, a madeira do pau-brasil parecia estar incandescente ou "em brasa". Entretanto, outras teorias associam o vocábulo Brasil ao nome dado na Irlanda ao cinábrio, o nome popular do sulfureto de mercúrio, um mineral de cor vermelha brilhante utilizado desde a antiguidade como base para corantes e para o vermelhão usado em pintura corporal. O vocábulo português cinábrio tem origem no grego kínnabar, latinizado como cinnabar. A palavra gaélica irlandesa equivalente é breazáil, ou simplesmente brazil, que depois aparece em castelhano como barcino ou bracino e em português como varzino ou brazino como designação dada à cor dos bovinos avermelhados. Todos estes vocábulos têm o significado geral de vermelho e confirmam a ocorrência das grafias celta e ítalo-celta. Contudo é no gaélico irlandês, onde permaneceu mais vivo o substrato céltico, que se documenta melhor a ocorrência do barcino, brakino e breazil. A palavra sobreviveu até ao século XVIII, como o documenta o título de O'Brasil dado a um poema do poeta irlandês Moore, sendo a palavra também referida pelo folclorista O'Flaherty.
        A ligação entre o cinábrio e uma ilha mítica sita para além do horizonte irlandês parece resultar dos contactos comerciais estabelecidos entre fenícios, gregos e celtas a partir do século VI a.C., através dos quais os celtas importavam brazil, ou seja o vermelhão de cinábrio, provavelmente de origem ibérica, através de mercadores que vinham por mar desde terras distantes. Por essa época, o celtismo brakino e o ítalo-celta verzino suplantaram respectivamente o grego kínnabar e o germânico zinnober, todos com sentido afim, como nome daquele mineral.
        A origem da palavra gaélica O'Brazil é o celta Hy Breasil, que significa descendentes do vermelho, ou os do vermelho, onde o s é igual ao z (de onde Hy Breazil), do celta breasil, breazil para vermelho. Ressalte-se que o s do celta breasil só foi transliterado pelo s latino por manifesto erro de interpretação gráfica.
        Neste contexto o vocábulo O'Brazil, os do vermelho, passou a constituir uma referência aos gregos e fenícios, os quais ao deixarem de comerciar o cinábrio com os celtas como que desapareceram nas brumas do Atlântico, tornando-se um povo mítico e afortunado, que nunca voltou à Irlanda, porque vivia feliz na misteriosa e paradisíaca ilha do Brazil. Esta ilha do Brazil foi depois incorporada no contexto mais vasto das ilhas míticas, ligando-se à grande tradição atlântica das ilhas de São Brandão.
        Eduardo Bueno, em sua obra "A viagem do descobrimento", diz que o nome Brazil vem do celta "bress", que deu origem ao verbo inglês "to bless" (abençoar). Assim, "Hy Brazil" significaria "terra abençoada".

        [editar] Mitologia

        Esta ilha, «erupção do maravilhoso celta», segundo diz a «Enciclopédia dos Lugares Mágicos de Portugal» de Paulo Pereira, volume 8, Lisboa, 2006, surge na cartografia náutica desde o século XIII. Tem diversos nomes, variantes do nome original e está localizada perto da Irlanda ou no meio do oceano Atlântico.
        Aparece num mapa da Catalunha de 1325-1330, no mapa de Dulcert de 1339, no mapa dos irmãos Pizagani de 1375-1378, no mapa do cartógrafo veneziano Andrea Bianco de 1436 (onde já se menciona explicitamente o Mar dos Sargaços). Esta ilha surge no mapa atlântico do cartógrafo veneziano Zuane Pizzigano e no mapa anônimo chamado de Weimar, ambos de 1424, com o arquipélago dos Açores, e as ilhas Antília, Satanazes, Saya e Ymana. O historiador português Armando Cortesão sugere uma «hipotética eventualidade do conhecimento tardo-medieval dos Açores, do Atlântico Central, dos arquipélagos das Caraíbas ou Antilhas», bem como do continente americano, pelos portugueses. Tais ilhas aparecem de forma idêntica na carta do cartógrafo genovês Battista Beccario, de 1435 (onde as ilhas lendárias são clara e implicitamente identificadas com os Açores reais na expressão adjunta figurante "ilhas nova ou recentemente descobertas") bem como nas de Bartolomeu Pareto, de 1455, e Gracioso Benincasa, de 1470 e 1482.
        Como «O'Brasil» é atualmente um nome próprio irlandês; «Hy Bressail» ou «O Brazil» (que significa «Ilha Afortunada»), «Brasil», «Bracil», «Bracir», que são corruptelas da palavra original gaélica. Acompanham-na nos mapas ilhas como a dos Demônios; Avalon, da lenda do rei Artur, ilha de São Brandão, Drogio, Emparedada, Estotiland e Grocelandia. Foi intensamente procurada, inclusive pelo «desconcertante Cristóvão Colombo», comenta a Enciclopédia acima citada.
        Os portugueses foram responsáveis por fixar tal nome a uma terra pois inicialmente denominaram ilha Brasil à ilha que se conhece hoje no arquipélago dos Açores como Ilha Terceira (ainda hoje ali existe um Monte Brasil). Depois que Pedro Álvares Cabral desvendou o continente sul-americano, o atual Brasil foi primeiro chamado Terra de Vera Cruz, depois Mundo Novo e depois ainda Terra dos Papagaios. Não retirou seu nome da madeira avermelhada mas sim das narrativas míticas que levaram à sua identificação. Pergunta o mesmo autor acima citado: «De resto, porque se chamaria àquela madeira pau-brasil, se a palavra brasil não tivesse um significado mítico, ligado com certeza às brasas, porque assim o admite a etimologia céltica e germânica de Renan.
        Mas mesmo após a consagração do nome Brasil para o continente descoberto, a ilha mítica permanece na cartografia, como no mapa de Fernão Vaz Dourado, de 1568.

        [editar] Ver também

        [editar] Ligações externas


        Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ilha_Brasil



        Assim para os europeus a
        'descoberta' do continente americano foi
        na verdade um redescobrir do paraíso
        perdido.

        Neste cenário a fonte da eterna juventude nada mais é que um detalhe, mas este extremamente singular e importante.

        O ser humano sente uma
        necessidade extrema de explicação para sua mortalidade.

        Não suportamos a idéia que um dia as coisas aqui na Terra terão fim.

        A Morte nunca foi digerida por nós.

        A Morte é o maior e pior
         inimigo para uma humanidade que se sente imortal.

        Na hora da morte, nossa
        finitude é apontada dian-te de nós com clareza absurda.

        Por mais que creiamos
        que não existe Morte que
        esta é mera passagem para um outro estado de
        ser e coisa e tal, a grosso
        modo NÃO É assim que nos sentimos quando nos
        defrontamos com ela.

        Assim a árvore da vida,
        o rio da vida, as águas da
        vida, a fonte da vida, são analogias que apontam para esta busca ancestral humana de vida eterna.

        Um desejo de que a experiência física não seja passageira, mas que aqui possamos ficar indefinidamente.

        Ao bebermos das águas da fonte e nos tornarmos
        jovens novamente perenizamos nosso corpo
        físico aqui na Terra.

        Se analisarmos os textos
        bíblicos sobre tais assuntos postados acima podemos ver duas coisas:

        1.A vida eterna é associada a uma vida espiritual renovada e transmutadora.

        Termos como rios da vida, fonte da vida, árvores da vida assim 
        surgem como analogias
        desta vida espiritual plena, como metáforas de uma transmutação alquímica que o ser humano sofre quando se aproxima da Deidade.

        2.Os textos acenam com uma possibilidade de que
        esta vida espiritual plena
        esta transmutação interna a partir do Ser possa vir efetivamente trazer uma mudança em contexto físico também se não eternizando pelo menos prolongando indefinidamente o atual patamar de idade limite do corpo humano(Isaías. 65.20-25)

        Desta forma a fonte da eterna juventude esta na verdade DENTRO de cada um de nós.

        Esperando para ser acessada e manifestada...

        Tudo relativo a saúde mental, física e longevidade estão ligados ao mundo do espírito.

        Enquanto o ser humano não acordar para esta verdade continuará procurando a fonte da eterna juventude fora de si em um lugar geográfico específico como fez Leon e tantos outros.

        Não chegamos a duvidar que em algum lugar do mundo exista algum tipo de panacéia ou elixir que ajude na longevidade humana...

        Mas a verdadeira fonte da juventude...

        O verdadeiro rio da vida...

        A verdadeira Árvore da vida...

        Esta dentro de cada um de nós...

        E quando aprendermos a acessar todas as nossas potencialidades intrínsecas descobriremos isto.


        Agora um vídeo de luz para todos nós...

        Alphaville... 
        FOREVER YOUNG...

        Fonte Youtube


        Abraços

        Pax e Lux

        VALTER TALIESIN

         





          



segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Aprendendo a ser Verdadeiro



    Fonte Google imagens



'O SIMPLES PASSO DE UM INDIVÍDUO CORAJOSO NÃO DEVE FAZER PARTE DA MENTIRA. UMA ÚNICA PALAVRA VERDADEIRA ABSOLVE O MUNDO.'


Alexandre Solzhenitsyn, prêmio nobel.




    Fonte Google imagens


'E CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ'


Jesus Cristo, o Supremo Avatar Divino.




    Fonte Google imagens







Ser verdadeiro...


Dizer a verdade...


A Verdade...


Quantas vezes já ouvimos pessoas tecerem discursos e sermões a este respeito?


Pilatos diante do Cristo não titubeou em perguntar...


O QUE É A VERDADE?


Jesus estava diante dele, entregue por um grupo de líderes religiosos viciosos e corruptos...Diante da pergunta de Pilatos para Cristo se este era rei (uma das acusações dos seus inimigos era que o mestre se fazia rei insurgindo-se assim contra o domínio de Roma e César)...


Jesus tranquilamente lhe diz....'você diz isto não eu'...


No lugar disto o mestre responde....


'Para isso nasci e para isto vim ao mundo:
PARA DAR TESTEMUNHO DA VERDADE
QUEM É DA VERDADE ESCUTA A MINHA VOZ'


João18. 33-40


Entretanto Jesus não nega que é um rei apenas enfatiza o tipo de reino que governa...


No verso 36 ele diz:


'O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO
SE MEU REINO FOSSE DESTE MUNDO,
MEUS SÚDITOS TERIAM COMBATIDO
PARA QUE EU NÃO FOSSE ENTREGUE AOS JUDEUS.
MAS MEU REINO NÃO É DAQUI.'


A mentira espiritual fazia com que as pessoas não entendessem e não compreendessem quem era Jesus, de onde tinha vindo e o sentido de sua missão... 


A mentira em entender-se de forma literal coisas que somente a analogia, a figura de linguagem,o simbolismo poderiam interpretar vem a partir de então sendo um dos maiores males da religião judaico/cristã no mundo.


Fundamentalismos tem sido erigidos e levantados em cima de versos bíblicos, de interpretações literais da Bíblia e consequentemente de outros dogmas e postulados de fé.


Por ser literal demais o povo de Israel daquele tempo tinha perdido a sensibilidade para captar o que realmente era o Messias e como se desenvolveria sua missão...


Por serem literais demais tinham se tornado reféns da mentira...


Assim tem-se sucedido com muitos ditos seguidores do Cristo hoje em dia...


Mas será que este apego ao literalismo ao fundamentalismo é um mal judaico/cristão apenas?


NÃO!


Mas estamos vivendo um verdadeiro 'empesteamento' fundamentalista em várias partes do mundo e em diversas religiões...


A frase de Alexandre Solzhenitsyn é extremamente reveladora a este respeito...


Analizemos...


'O SIMPLES PASSO DE UM INDIVÍDUO CORAJOSO NÃO DEVE FAZER PARTE DA MENTIRA'


Quantas pessoas em nome de uma ideologia, de uma religião, de uma compreensão da vida não tem empreendido guerras, chacinas e destruição no mundo?


Quando a coragem de um homem(e entenda-se também mulher) leva uma pessoa a agir como um intolerante, um fanático não estará ele preso e envolvido pela mentira?


Quantas pessoas acreditam estarem defendendo acirradamente a Verdade quando na verdade estão disseminando a mentira, a separatividade e o ódio no mundo?


A verdadeira coragem implica antes de tudo ser humilde para descobrir que a HUMANIDADE É UMA SÓ EM DEUS...


A verdadeira coragem implica em ir contra o status quo vigente e demonstrar uma nova visão de mundo para as pessoas...


Mas esta nova visão NÃO PODE estar alicerçada em uma mentira ou seja; em uma premissa falsa como a que diz por exemplo....que 'os fins justificam os meios'...


A única violência 'justificável'(e olha lá se podemos colocar desta forma) é a auto defesa ou a defesa de outrem...


JAMAIS sob a desculpa de estarmos implantando o reino de Deus na Terra devemos justificar a violência ativa ou seja; aquela que ataca para fazer as coisas acontecerem...nem também a violência coercitiva, psicológica, quando alguém inferniza a vida do outro sob a desculpa de querer 'convertê-lo' e 'livrá-lo' das chamas do inferno...


A mentira é sútil e quando nem bem esperamos ela instala-se em um casamento, em uma família, em uma relação de amizade, na vida de uma pessoa, em uma sociedade, em uma religião...


Nazismo(a deturpação do conceito racial), fascismo(a deturpação do conceito nacional),stalinismo(a deturpação do comunismo),capitalismo(a deturpação da livre iniciativa) são alguns dos exemplos de ideologias doentias que dominaram o mundo nos últimos 100 anos causando danos tremendos a toda sociedade humana...


São mentiras que foram instituídas sutilmente em meio a sociedade humana através das 'boas intenções' de um ou outro que queria mudar o mundo mas se esqueceu que a única forma de fazer isto é o homem reformando-se por dentro e deixando a mentira de lado...


Neste sentido o ditado que diz que 'de boas intenções o inferno esta cheio é mais que verdadeiro'...


A verdadeira coragem de um ser humano é ser honesto consigo mesmo, com Deus e com seu próximo...


O mundo precisa DEMAIS deste tipo de pessoa...


Vejamos agora a compreensão da segunda parte da frase de Alexandre...





'UMA ÚNICA PALAVRA VERDADEIRA ABSOLVE O MUNDO.'


Para ele a cura do mundo estava na Verdade, no verdadeiro...


E existe uma palavra que poderia curar o mundo todo se fosse dita com fé e confiança por todos os humanos da terra...


'EU SOU O QUE EU SOU'


Ao identificar-se com Deus dentro de si o humano é curado de todo egoísmo que domina a sociedade humana...


Ao identificar-se com Deus dentro de si o humano identifica-se com A Fonte da Verdade...


Enquanto preso e dominado pela ilusão , pela maya, pelas mentiras do ego, a humanidade não só não pode compreender a Verdade como continuará construindo um castelo de cartas para si como forma de vida..., um castelo que cairá ao menor dos ventos, dos sopros dos lobos travestidos de ovelhas que dominam este mundo...


Jesus exemplificou bem o poder do nome EU SOU em sua correlação com a Verdade ao dizer de si mesmo(do Cristo vivo nele)...


'EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA NINGUÉM VEM AO PAI SE NÃO FOR POR MIM'


A primeira coisa a se dizer desta frase é que ela não é sectarista ou seja; ela não determina Jesus como a única salvação do mundo como entende a ortodoxia, mas determina ser ele A  ENCARNAÇÃO DO EU SOU, A ENCARNAÇÃO DO CRISTO que é este sim a fonte de todos os demais salvadores do mundo dos quais cada um em um período definido do espaço tempo foi mais ou menos avatares sagrados.


Entendo Jesus como a suprema encarnação desta Verdade, deste EU SOU mas não a única...


Até porque se como se diz na Bíblia ele é a primícia ou seja; o primeiro de muitos seres que seriam cristificados como ele depreende-se que a cristificação não é algo singular, somente nele e dele...mas para todos os quais ele veio libertar...(Romanos15. 21-28)mas esta libertação de forma alguma é um serviço unilateral ou seja; só de Cristo como acreditam muitos mas....é necessário que cada um de nós acredite no Caminho que ele abriu e nos mostrou em SI MESMO...o caminho da cristificação, do EU SOU...Somente cristificando-se interiormente a humanidade se libertará...sem isto a vinda de Jesus a este mundo de nada vale para aquele que não empreende por si mesmo o caminhar crístico pois no reino de Deus ninguém é obrigado a nada...




Assim podemos penetrar na segunda frase que destaquei... a de Cristo...






'E CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ'


A Verdade é Cristo e este revelado em Buda, em Krishna, em Quetzalcoatl, em Moisés, em Maomé e sobretudo em Jesus.


A Verdade é única mas se manifesta MULTIFACETADA!


Assim cada um dos grandes avatares nos trouxe uma compreensão dela...


Jesus propõe ser a encarnação desta Verdade como O NOVO ADÃO, o primeiro de uma nova humanidade que viria depois de si e em suas pegadas...


Conhecer a Verdade enfim é a única premissa para que o mundo seja livre....e aqui Jesus e Alexandre se tornam um só em sentido e compreensão.


Que nós também nos aliemos a eles e entendamos que somente assim, sendo verdadeiros e defensores da Verdade sagrada de que somos UM , poderemos mudar de verdade em verdade...o mundo!




Agora um vídeo sagrado para todos nós...LESIEM...LA ROSE...


Fonte Youtube


Abraços...




Pax e Lux


VALTER TALIESIN




















sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Lembranças ancestrais para a cura planetária...

'Tudo o que já aconteceu na Terra nos é acessível. Todos nós podemos abrir nossa memória por vastas extensões de tempo simplesmente se seguirmos nossas paixões. Caminhando pela trilha de seus mitos pessoais você entra na busca.'


Barbara Hand Clow em Catastrofobia: A verdade por trás das mudanças na Terra com a chegada da Era de Luz...






Imagem de uma das concepções do mundo antes da grande catástrofe que mudou os pólos da Terra...



    Fonte Google imagens


Barbara Hand Clow é uma das mais prolixas e produtivas escritoras do seguimento New Age da atualidade.


Seu livro mais conhecido é Agenda Pleiadiana mas este... Catastrofobia também vendeu muito bem junto com um outro que ela fez sobre o calendário maia.


Em Catastrofobia Hand Clow tenta combater aquilo que chama de Síndrome do fim do mundo que estaria, segundo ela, criando um clima de negativismo e histeria tremendos na aura planetária por parte da humanidade.


Hand Clow afirma que esta Síndrome teria origem no passado longínquo , em uma grande catástrofe que quase dizimou com toda humanidade em torno de 9.500 AC e que ao mudar o eixo da Terra mudou a forma como os humanos interagiam com a natureza e a vida.


O mundo deixou de ser um paraíso com um clima estável e uma ordem plena que propiciava longevidade,felicidade e fartura inigualáveis para se tornar uma oscilação de opostos  e contrários que até hoje nubla nossa visão interior das coisas realmente significativas.


Este trauma terrível persegue a partir de então a humanidade criando nas mentes e corações humanos por meio destas memórias ancestrais uma situação energética que pode atrair mais que afugentar algo das mesmas proporções em futuro próximo.


Hand Clow alega que tal catástrofe é não só evitável quanto completamente desnecessária para nosso contexto evolutivo.


ELA NÃO TEM QUE ACONTECER PARA QUE AS COISAS EFETIVAMENTE MUDEM...


Não estariam as mesmas(as catástrofes) predestinadas e nem atraídas pelo carma humano...


É apenas nossa memória genética, o inconsciente coletivo humano que não esquece o trauma passado e que atrai este tipo de sintonia...


Desta forma eu destaquei um parágrafo da dita obra que achei mais interessante para comentar.






'Tudo o que já aconteceu na Terra nos é acessível'


Existe um banco de memórias ancestral, uma central de registros que Jung chama de Inconsciente coletivo,o esoterismo de registros akáshicos e a Bíblia de Livro da Vida onde estariam registradas todas as coisas feitas e acontecidas com os humanos desde o primeiro de nós a pisar esta Terra até agora e  vai registrar até mais além enquanto tiver humanos por aqui...




Assim ali estaria registrada esta tremenda catástrofe que quase dizimou toda a humanidade a mais de 10 mil anos atrás...Houveram outras depois, mas esta é a mãe de todas elas(pelo menos no contexto humano) já que os próprios polos terrestres foram invertidos.


Entretanto ali também estariam registradas todas as conquistas tanto tecnológicas quanto sociais e espirituais de todas as humanidades já existentes incluso a cura para esta síndrome.


Assim ao acessarmos tais registros não teríamos o poder de mudá-los ou influenciá-los no sentido espaço/tempo ou seja; mudarmos o que já aconteceu mas poderíamos não só aprender com os antigos como também mudarmos nossas vidas presentes moldando consequentemente o futuro da humanidade...








'Todos nós podemos abrir nossa memória por vastas extensões de tempo simplesmente se seguirmos nossas paixões.'


Nossas paixões aqui tanto podem ser vistas no bom quanto no mau sentido.


As paixões de uma pessoa que procura vibrar o bem com certeza diferem de outra que vê no mal seu interesse maior.


Mesmo nossas paixões básicas acenam para nosso nível evolutivo!


Hand Clow assim afirma que todos nós podemos abrir nossa memória por vastas extensões de tempo no passado simplesmente seguindo nossas paixões.


É assim que no registro akáshico todos os magos de todas as correntes buscam seu conhecimento mágico.


É no registro ancestral que todas as religiões bebem suas doutrinas e revelações.


Igrejas cristãs por exemplo, foram construídas em cima de antigos sítios de cultos pagãos exatamente por causa desta memória ancestral que indicava aqueles lugares como especiais, sagrados, de alguma forma diferente dos demais.


Locais de cultos antigos à Mãe como Chartrês e NotreDame hoje são alguns dos mais famosos centros de cultos cristãos.


Jerusalém talvez seja o mais famoso local de culto de todos os tempos onde pelo menos 3 grandes religiões tem em seus lugares e mitos seu alimento cotidiano.


Todavia antes do próprio patriarca Abraão - ancestral major de israelitas, árabes etc... e espiritualmente do judaísmo,cristianismo e islamismo - Jerusalém já era um local famoso, um sítio conhecido de culto.


Ali era invocado desde priscas eras EL ELYOM ou o Deus Altíssimo(o mais alto dos Deuses) nome aliás que se tornou um dos epítetos do Deus bíblico após Abraão assimilá-lo e reconhecê-lo, e o sumo sacerdote deste Deus era Melquizedeque, rei da cidade, um dos personagens mais míticos e misteriosos da História humana.


Desta forma um culto após o outro foram assimilando para si os mitos, os personagens e os lugares de culto ancestrais ligados a Jerusalém.


E isto se deu em várias partes do mundo antigo.


Por isso a autora afirma que seguindo nossas  paixões podemos acessar registros e memórias antiguissimas da humanidade...


É isto na pratica que cada fiel faz quando vai a um destes centros de culto ou quando queda-se em meditação buscando um encontro com o numinoso, o sagrado.


O problema como disse antes é que tais registros são amorais ou seja; as pessoas que os acessam podem ser de índoles boa ou má,a energia em si, o poder em si, o conhecimento em si não impede seja quem for de acessá-los, dai que como Hand Clow apresenta em seu livro existe uma elite global nefasta que segundo ela faz uso destes conhecimentos para dominar o mundo.


Assim depende dos servidores da luz também fazerem sua parte(acessar os mesmos registros) para combater os tais e mudar o jogo em favor da Luz.


Por isso ela afirma que cada um acessa os dados ....segundo suas paixões...








'Caminhando pela trilha de seus mitos pessoais você entra na busca.'


O que são mitos pessoais?


São nossa história de vida presente e nossas lembranças, nossa saudade de coisas que muitas vezes não conseguimos muito bem explicar mas sentimos vivas dentro de nós.


São coisas que nos atraem, energias que nos causam bem estar, linhas do conhecimento humanos que nos parecem chamar para empreendermos o aprendizado ou a missão nestas áreas, enfim;é tudo aquilo que influencia decisivamente em nossas vidas , em nossas escolhas...


Muitas vezes alguma face trevosa faz parte desta herança genética também, destas lembranças, e dai que... estamos aqui para trabalharmos esta parte, transmutarmos as energias que atuam através dela e torná-las favoráveis para nossa evolução presente.


NADA NO UNIVERSO SE PERDE....TUDO SE TRANSFORMA!


Assim podemos acessar nossos mitos pessoais, o que nos faz sermos o que somos,retrabalhá-los para podermos definir que tipo de vida queremos ter no presente e desta forma  construirmos nosso futuro.


Hand Clow apresenta isto como uma jornada, um caminhar por uma trilha.


Jesus também apresentava a vida humana como um caminhar; citava o caminho estreito da iniciação e o caminho largo da vida desregrada como dois tipos de caminhos que os humanos poderiam trilhar aqui na terra e mostrava as consequências de trilhá-los.


Hand Clow indica também que o objetivo do caminhar e da trilha não é nunca definido objetivamente já que ela chama este fim de...BUSCA...


A busca é o objetivo humano por excelência enquanto encarnados já que sendo Deus ilimitado, transcendente nunca terá um fim objetivo a busca humana enquanto descoberta do amor, da glória e da graça divinas.


Sempre  por mais elevados que sejamos estaremos crescendo em Deus de graça em graça, de amor em amor, de glória em glória...num mergulhar incessante no mar de sua divindade até o ponto que cesse a evolução e venha a comunhão pura e simples, o Nirvana, onde cessam as buscas; pois se o objetivo enquanto humanos é a busca em si o objetivo extra humano é nos realizarmos em Deus...


Assim nós podemos segundo Hand Clow usarmos estas lembranças ancestrais, este banco de registros, o inconsciente coletivo humano para curarmos o mundo.


Curarmos o mundo de todas as doenças físicas,sociais e espirituais que prejudicam toda a vida aqui manifesta...


Trazermos as energias de vida para um contexto de bençãos, de reconstrução social e espiritual nunca dantes vista, em escala global.


Cada servidor da luz que acorda para esta verdade se torna num xamã curativo da humanidade.


Cada servidor da luz que acessa estas lembranças , estes registros aprende como curar-se e curar o mundo.


Assim podemos criar um mundo onde finalmente a memória ancestral da humanidade seja restaurada à existência edênica original, anterior as catástrofes e a humanidade futura quando acessar tais registros terá auto domínio total sobre o que ali verá pois será uma humanidade restaurada que o fará.


Uma humanidade que como diz o livro sacro terá limpa de seus olhos....TODA LÁGRIMA....


NAMASTÊ






Agora um vídeo de luz para nós...a belíssima Atlantis Angelis de Patrick Bernhardt que fala deste contexto de memórias de um mundo anterior a uma grande catástrofe...


Fonte Youtube




Abraços


Pax e Lux


VALTER TALIESIN