Google+ Badge

sábado, 31 de janeiro de 2015

ABSOLUTAMENTE...LIVRES...






Existe um constante buscar dentro das almas...
O que falta contudo a muitas é o senso de saber como usar a bussola chamada consciência.

Valter Taliesin


O amor explode a partir de dentro do coração e parte por todos os poros até vibrar poderosamente sobre a pessoa amada...

Nesta vibração TUDO fica para trás e o mundo se faz novo...


Valter Taliesin


"NO CENTRO DO CORAÇÃO, SOPHIA E O LOGOS SE ENCONTRARAM E SE ENLAÇARAM PARA SEMPRE...ALI, CORAÇÃO E MENTE SE TORNARAM EM UM SÓ E MISTERIOSAMENTE... NO CENTRO DA MENTE, NO MESMO INSTANTE O MESMO PROCESSO SE DEU, MENTE E CORAÇÃO UNIFICADOS...FOREVER!..." - OM SHANTI  SHANTI SHANTI

Valter Taliesin


 
Os grandes mistérios do mundo como o de cidades sagradas, rios de água de vida e do santo graal só podem ser entendidos e compartilhados a partir de um ponto dentro de Si mesmo onde as diferenças e divergências deixam de existir e o convergir é algo absolutamente natural.

Antes de serem locais realmente específicos no espaço e no tempo ou de outras dimensões do Ser que os transcenda eles são antes de tudo figuras de linguagem, imagens mitológicas, representações pictóricas de verdades internas de cada ser humano, de cada homem e mulher da Terra que se abre ao Infinito e quer Dele beber...

Como poderá o Infinito comunicar-se com o finito?

Criando pontes representativas cujas interpretações por aqueles que se acham presos a finitude possam ser em todo, ou ao menos em parte compreendidas...e quanto maior for o sucesso, o mergulho da alma nesta compreensão, mais fácil sera o assimilar da Vida que brota em nós vinda deste manancial Infinito.

Assim surgem nos mitos as imagens sagradas quer calcadas em realidades literais ou ficcionais  imagens que nos trazem ao momentum sublime de algo novo sendo gerado e criando a partir de nós.

A cidade sagrada assim é uma imagem do próprio Infinito sistematizado para nossa compreensão...o templo é o próprio senso de sagrado, de divino, de transcendente, que o Infinito contém em si... as sacerdotisas, o feminino sagrado que se expressa harmoniosamente em todas as partes procriativa, suas vestimentas em azul, da cor da água, denotam o ambiente sagrado, o receptáculo divino que recebendo em si o gerador produz uma nova vida... o hierofante, veste vermelho simbolizando o fogo, o fogo do espírito gerador que traz em suas mãos este elemento, o elemento sagrado que doado ao grande feminino que traz consigo, em suas mãos, o graal, que receberá este fogo, este elemento gerador, servirá para criar nova vida... e em meio a tudo corre o rio da Vida...o rio que simboliza o constante fluxo das idas e vindas das almas...por toda parte em cores e imagens podemos ver símbolos do eterno materializado em imagens...e assim a alma capta o sagrado e depois a transmite para suas irmãs menos afortunadas(que ainda não abriram de todo os olhos para ver) para que todos possam beber da mesma Fonte e um dia ninguém ensine ninguém mas tudo e todos sejam uma constante em plena...sintonia...e esta alimentando e sendo alimentada numa eterna e infinita troca de energia amorosa...


ASSIM É!!!

Valter Taliesin




 
Ela caminha firme e decidida por um caminho belo mas repleto de perigos, de armadilhas, de aparências e ilusões.

Por entre folhagens se escondem olhos mortais que a espreitam mas ela nada teme...

Ou melhor; vence seu medo com a confiança segura dos grandes conquistadores de si mesmo.

As brumas a envolvem anunciando que a noite chega cerrada mas nada neste mundo a fará desistir de conquistar aquilo que lhe cala fundo na alma...com as brumas chega um frio enregelante, mas ela segue firme...destemida...

No seu coração só a imagem de seu amado....daquele que ela por receio, por pudores, pavores instintivos , convenções sociais e familiares um dia voltou as costas...ou mesmo a segurança do conforto do conhecido.

Mas ela percebeu que morreu neste processo, algo dentro de si tornou-se mais duro que o diamante e não para melhor...

Agora ela parte só, abandona tudo e todos que um dia a feriram de morte na alma para um destino que somente o amor sagrado pode como bussola lhe dirigir...e ela não teme ser devorada pelos monstros do caminho pois o maior dos monstros ela já venceu...seus próprios medos e preconceitos.

Dentro dela ela sente, queima uma chama que dissolve o que parecia duro como diamante...

Cada passo que ela dá parece forrado e cercado deste fogo de decisão como um tapete ou um bolsão de ar caliente que a envolve e que faz com que o frio suma, as brumas se abram e a escuridão se torne em dia e mantenham ao longe os devoradores de almas.

Ela anda horas, dias a fio, seu belo traje agora não passa de um farrado, seu corpo cansado pelos perigos constantes e pela escassez de viveres é já não tão belo... suja pelas chuvas torrenciais que caíram e formaram lamas, irreconhecível, ela finalmente chega ao centro de uma bela cidade e senta-se cansada em um dos bancos de sua praça....ali acaba dormindo e acorda com um toque delicado e caloroso em seus ombros e uma voz que lhe diz:

-Vem, estava te esperando...

Levanta-se e vê diante de si o seu amado...

Sim, ele que quando foi ao seu encontro encontrou a mais, cruel desilusão, ele que esperara pacientemente por ela, ele que fora tão aparentemente friamente rechaçado por ela... ela tenta explicar as coisas, "os porques", mas ele sela-lhe os lábios com um beijo... porque o maior porque entre duas almas que realmente se amam....é o amor....o resto é resto...

E abraçados ele a leva para sua casa, o peso da caminhada não existe mais e na verdade depois daquele beijo ela se sente completamente revigorada...não vê a hora de tomar um bom banho, colocar a melhor roupa que puder, cear decentemente, beber uma fresca água e depois abraçar-se a seu homem e nunca mais o deixar por nada deste mundo.

O mundo é cheio de espinhos nos mais belos roseirais... às vezes temos que aceitar estes espinhos, mesmo ferindo com eles nossas mãos se quisermos colher as melhores rosas.

Valter Taliesin




 
Estradas percorridas...
Caminhos no Caminho...
Os humanos entram em saem de cena todos os dias neste cenário luxuriante e natural brotado do seio de Mãe Natureza.
Dia e Noite novos personagens, novas personalidades, são acrescidas a histórias que estão rolando e em lugar de histórias que se findam.
Um constante ir e vir de consciências...
Uma busca intermitente de e em Ser...
Nada parece saciar esta sede, esta fome...
Sede de viver...
Fome em viver...
Cada pessoa encarnada um dia foi desencarnada. Mesmo nos fechando para a reencarnação como muitos fazem, não é raro até estes se pegarem se perguntando e tentando entender: - quando este fato se deu eu não estava aqui...aonde eu estava?
Por mais fundamentados que possamos ser ou estar melhor dizendo, em nossas mais caras teologias, ideologias e filosofias... quando paramos de perguntar, num cenário onde SABER ainda é uma necessidade da alma...morremos de fato e de direito...ou seria sem direito?
Sim...
Pois o direito implica em aceitarmos o que somos naturalmente e naturalmente como disse Chardin, somos espíritos vivendo uma aventura humana e não humanos buscando uma aventura espiritual.
Somos Deus em evolução...o Deus interno atua em nós e a partir de nós e quem lhe der ouvidos terá finalmente direito a unir sua personalidade ou conjunto de personalidades vivenciais à sua alma e esta a este divino em si, a esta Presença sagrada...e ai sim teremos o Nirvana, pois "conheceremos como diz Paulo, como somos conhecidos", e para ele falar isto obviamente que isto implicava em um grau de evolução e consequente ascensão, onde "o mortal se revestirá de imortalidade e o corruptível se revestirá de incorruptibilidade" como ele também diz em outro lugar dos textos sacros.
O que ele falava aqui que não na divinização do humano?
Como conheceremos como somos conhecidos sem nos tornarmos de fato e de direito...Deus em ação???
IMPOSSÍVEL!
Por isto, para conhecermos como somos conhecidos, temos que nos tornar imortais, incorruptíveis e ligados à Fonte de toda ciência e saber, como se dela sempre tivéssemos feito parte, e em verdade sempre fizemos, só nos esquecemos disto neste hiato de tempo narrado por nossas personalidades no espaço...as vezes bem, as vezes mau, mas SEMPRE, mesmo nos piores momentos, aprendendo alguma coisa, agregando algo, por mais insignificante que seja...entretanto um dia isto nos servirá como aprendizado em outro lugar.
Basta entendermos nossos erros não com condescendência mas com tolerância, conscientes de que erramos sim, mas temos condições de mudarmos, que NADA nos torna perdidos...nem a morte...nem o inferno... mas que na mais abissal fossa ou fosso infernal DEUS ESTA e quando a alma levanta seus olhos e diz...EIS-ME AQUI...ELE OUVE E ESTENDE SUAS MÃOS MISERICORDIOSAS...
Ah! Mas não existe inferno, certo, que seja purgatório, umbral, ilusões de Mara ou o nome que se dê ao sofrimento atroz da alma distante de Si mesma, do divino em si...é DESTE sofrimento que falo, este causado pelos piores percalços das personalidades...ATÉ ALI esta o(a) Senhor(a) da Vida e até ali HÁ salvação para quem dela se apropria.
Sem isto teremos uma tirania cósmico/divina que condena almas que pecaram temporalmente, por mais longo que seja este tempo, a um inferno eterno, e se isto não depor contra a lógica, a razão e contra o amor divino sinceramente não sei o que mais deporia...isto não é justiça...justiça seria alguém pagar o que deve ou seja; O TEMPO que pecou, que falhou, não ficar eternamente pagando por coisas temporais.
Enfim...
NUNCA é tarde para se começar uma nova aventura do Ser...
Basta querer...
E o problema da humanidade atual é só este...QUERER...
NESTE sentido, e só neste...querer é poder, pois sem o desejo de, sem a vontade de, não tem como se iniciar as mudanças necessárias para retornar-se ao rumo, ao prumo, ao Caminho.

Em amor e luz

Valter Taliesin


 
Disse o grande Mestre dos Mestres...
" AQUELE(A) QUE NÃO SE TORNAR COMO UMA CRIANÇA NÃO PODE VER O REINO DOS CÉUS"
Obviamente que a leitura desta frase é completamente iniciática e não literal.
E com certeza, é uma das frases bíblicas melhor compreendidas neste sentido até pelos mais literalistas.
Ninguém que lê isto acha em sã consciência que Cristo nos convida a eternamente vivermos como infantes, sem responsabilidades, sem consciência do que é mais ou menos importante, sem senso de direção.
Mesmo as mais cruas leituras sugerem que estamos diante de uma alegoria, de uma figura de linguagem, de uma exemplificação.
E o mais comum é entender-se que aqui ele fala da total fé, e absoluta confiança que uma criança(pelo menos as que tiveram o mínimo de infância sadia, sem grandes atropelos) tem no processo do viver, e como se entregam a ele sem medo de serem felizes.
Este sentido de que o amanhã sempre estará ali, ainda que o imponderável esteja à espreita é a grande dádiva desta mente infante, desta mente sempre jovem, rejuvenescida e não entorpecida pelos sentidos em vícios de diversas ordens.
Ela é pura, a criança é pura, porque sua mente não esta condicionada, é leve para caçar o rumo que melhor lhe convier.
Quando crescemos geralmente confundimos responsabilidade com aquiescência e dai engolimos tudo o que nos colocam diante dos olhos com medo de perdermos nosso status quo, conquistado à duras penas, sim, e que duras, pois o preço foi nossa alegria de viver.
E viver sem alegria de viver é vida de fato ou um arremedo dela?
Falar do conceito 'alegria de viver' em um mundo onde grande parte das pessoas NÃO TEM nem o mínimo para viver parece piada de mau gosto MAS...é EXATAMENTE porque no passado nossos ancestrais abriram mão disto, desta alegria de viver, de pertencer ao meio, de sentir o meio que lhe circunda como vivo, de beber na fonte do maná, de regalar-se com a vida em todas as suas nuances e facetas, que estamos nas condições em que estamos hoje, de total desastre climático e ambiental, de total desigualdade social, de absoluta falta de rumo e de prumo para a grande, imensa, maioria dos 7 bilhões de humanos que aqui estão...aliás; se tivéssemos de fato alegria de viver, responsabilidade sem luto, não existiria nem METADE disto vivendo no mundo pois entenderíamos o processo de encarne sob uma perspectiva completamente holística...mas espera lá...se existem 7 bilhões de pessoas no mundo é porque Deus quer, Deus permite que assim seja, pois estas almas TINHAM que estar aqui e agora no centro do cenário...
SIM E NÃO!
Olhando pela perspectiva do humano decaído, distante da graça divina em si esta visão tem toda lógica e consequentemente nossas escolhas erradas passadas nos trouxeram à necessidade de estarmos aqui, hoje, com mais de 7 bilhões de humanos, um em cima do outro, um sangrando o outro e pior; o meio ambiente, para sugar um tanto de ar, beber uma gota de água e comer um pedaço de pão, isto para citar só o mais elementar.
Mas como disse, se as escolhas dos antepassados tivessem sido outras, e se nós AGORA começarmos a gradativamente mudarmos nossas escolhas, a Terra um dia terá o número exato de vidas que comportaria uma sociedade realmente sustentável e holística!
Enfim, não adianta culparmos o todo poderoso...estamos aqui NECESSARIAMENTE com uma carga de 7 bilhões e tantos de almas encarnadas e necessitadas porque criamos este cenário não é de hoje.
Ele realmente é necessário porque assim estamos escrevendo este script a milênios não porque Deus SEMPRE assim o quis.
Mudamos progressivamente, internamente depois externamente, gradativamente este script e muda-se o cenário!
Não acredito que a destruição ambiental e de espécimes é querer divino mas consequência do nosso querer humano desvirtuando a energia divina da vida.
O livre arbítrio tem consequências sobre nós e o que nos rodeia!
Paulo diz que a criação GEME esperando a ascensão ou manifestação dos filhos da luz ou de Deus...
Isto implica em que o grande apóstolo reconhece o holismo intrínseco entre criação e criador e mais...entre a imagem do criador ou sua manifestação em forma de carne...os humanos...e esta como RESPONSÁVEL por todo o dano causado a si mesma e aos demais seres vivos...
A criação geme e sofre, isto é um fato, é injusto? Sim, por isto que por sermos conscientes disto de nós ISTO será cobrado...
Toda a injustiça feita contra o meio ambiente, contra os demais seres vivos e contra outros seres conscientes entrará no computo final e do destino de quem ficará na Terra Radiosa e glorificada da quinta dimensão adiante, daqueles que por estarem aqui em missão voltarão ou não, para seus mundos ainda mais radiosos que esta radiosa e futura(mas já gestante) Terra, e os que empreenderão jornada para mundos similares a sua sintonia destrutiva e involutiva.
Ali o drama continuará!
Assim é!
Portanto tornar-se uma criança é imperativo enquanto abrir-se neste momento crucial para a beleza da vida em si e em torno de si...
De deixar-se curar da dor da existência através da percepção do Ser...
Deixar de ser existencial e passar a ser consciencial...
De ser absolutamente presente no momento...no agora...
Aliar a alegria de viver da criança com a consciência de um adulto evoluído é trazer o céu para a Terra!
Eis o grande Caminho da Felicidade...

Paz e Bem!

Valter Taliesin



VÍDEOS SAGRADOS

ELBOSCO - NIRVANA


LIMAHL -  THE NEVER EDING STORY

LIGHTHOUSE FAMILY  - FREE

MAGIC - RUDE

COLDPLAY - MAGIC

GREEN DAY - HOLIDAY

DUST IN THE WIND - KANSAS
FONTE YOUTUBE





FONTE DE IMAGENS GOOGLE



sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

O PROFETA...

O PROFETA



Houve uma vez um profeta que falhou em entregar sua mensagem a uma importante figura da sua cidade local.


Naqueles tempos duas coisas aconteciam com os profetas; ou eram honrados incensados, e enchidos de presentes quando acertavam suas predições ou mesmo acertando-as caso desagradassem os poderosos eram presos, torturados e mortos. Se errassem nem vamos entrar no mérito do que acontecia...


Não havia só a insegurança moral que há hoje em dia, quando os profetas ou sensitivos são vítimas de chacotas até que finalmente suas predições se concretizem ou quando então o oposto ocorre e as romarias enchem quadras e ruas de onde moram em busca de mensagens e conforto.


Havia o medo de perder a própria vida, e pior; de ver os familiares perseguidos e massacrados por causa de suas predições.


Claro, havia profetas e profetas...


Alguns além de predizerem, eram tão cheios de poder interior que confrontavam governantes e se estes se metessem a besta morriam comidos de bichos ou das formas mais horrorosas possíveis.


Mas ele não...


Seu poder era somente o de entregar mensagens fidedignas...sagradas, vindas do coração do Infinito para que as pessoas pudessem corrigir suas rotas, acertarem seus ponteiros e seguirem adiante...nada mais...


E naquele dia em que deixou de dar sua mensagem o profeta foi acometido de uma noite terrível de pesadelos. 


Sonhou que uma escuridão imensa dominava toda a sua cidade, e que o ponto focal de onde ela partia era exatamente a casa do figurão de sua cidade.


Dali partiam ondas e ondas de trevas e gritos horripilantes em meio à elas que gelavam a alma do profeta.


Este acordou assustado e decidido a dar ainda que tardia a mensagem ao príncipe local.


Foi até a residência deste e ao chegar notou que o grande e imenso portão da casa estava aberto ...entrou...caminhou por entre os jardins até finalmente atingir a porta...tocou insistentemente o pequeno sino logo acima e esperou que alguém viesse lhe abrir mas nada ocorreu...Ficou inquieto e tocou mais e mais vezes o sino até que se cansou...triste e pesaroso sentou-se à beira da porta quando percebeu um pequeno agito nas folhagens próximas....um homem chegou e sorrindo amistoso sentou-se ao seu lado.


- O que se passa amigo? Perguntou-lhe o homem...


E então o profeta relatou-lhe tudo o que lhe acontecerá e terminou chorando copiosamente... sentia que algo grave havia ocorrido ali para que tudo estivesse ao abandono.


- Bem, disse-lhe o homem, tenho duas noticias para lhe dar...primeira, você ainda esta a dormir...segunda, você ainda não passou da hora de dar sua mensagem ao príncipe...e dito isto, sumiu em uma bela explosão de cores e sons deixando um cheiro de jasmim no ar...



Finalmente o profeta acordou e foi resoluto dar sua mensagem...após entrega-la percebeu realmente um cheiro de encrenca no ar, mas sentia dentro de si uma paz imensa...muitos olharam-lhe torto, mas o príncipe nada lhe disse, nem de bem nem de mau....


Passado um tempo ele viu um movimento estranho junto as portas da cidade, encaminhou-se até lá e viu o  príncipe chegando com uma bela comitiva e entronizada entre todos uma linda mulher...a mais bela que o profeta já virá...


Foi então que ele entendeu sua mensagem ao príncipe...


"Vá até o ponto mais distante onde nosso mar interior alcança e colha a mais preciosa flor que encontrar e quando regressar toda a cidade sairá como que por encanto para ver-te desfilar com esta flor, e desta flor criar-se-á o mais grande e belo jardim de sua casa, que durará gerações e gerações e teu reino se erguerá sobre os dos teus rivais..."


Bem, por dois motivos o profeta teve receio de dar esta mensagem ao príncipe...por ele ser conhecido por sua aversão a flores, apesar de em seu palácio haver jardins nenhum deles tinha flores, somente árvores pequenas e porque ele não era nem de longe o mais próximo na linha de sucessão real...mas ao ver aquela comitiva e a beleza e o poder que emanavam daquela mulher o profeta entendeu um provérbio antigo de sua nação que dizia:


"Uma mulher sagrada é como uma imensa arca, dentro de seu coração cabe todas as melhores coisas desta vida e faz na vida de um homem a mesma diferença que faz o prumo na mão do construtor, tudo se ajeita e tudo se torna absolutamente nivelado"...


Passados alguns anos o rei morreu e em testamento passou o príncipe na frente de todos os demais herdeiros reais porque em seus últimos anos de vida se comprazia na companhia deste e da mulher e nas ricas e belas histórias que esta lhe contava aliviando as dores da velhice...foi assim que conheceu o príncipe, sua cabeça genial, sua forma de ser, seu caráter e principalmente a flor sagrada que lhe enfeitava a vida e foi ali que resolveu deixar seu reino se tornar o grande, o imenso jardim daquela flor e daquele jardineiro tão especial.


E ambos reinaram felizes por muitos anos e depois deles gerações e gerações de seus filhos e aquele reino se tornou uma verdadeira imagem do melhor que os humanos podem fazer quando dão ouvidos aos seus sonhos e quando enxergam nos seus dons realmente a voz do sagrado falando-lhes ao ouvido.


Ninguém se recorda e se lembra do nome do profeta mas todos sabem quem foi o grande rei e a grande rainha...contudo lá nos mais altos e excelsos céus...acima das glórias de tantos hierarcas , incluso do grande rei e da grande rainha desta história esta uma imensa luz brilhando e dizem que somente almas muito especiais entram ali....neste lugar esta entronizado o pequeno profeta que voltou atrás em seu medo e fez o que devia fazer num momento de crise e decisão para os seus.



Moral da história...


Nunca despreze o dom que há em ti por menor que ele seja, nunca se considere inferior aos demais, valorize o que tens e o que tu és e mais e mais coisas lhe serão acrescentadas e reveladas sobre si mesmo e o que podes fazer de diferente e para bem neste mundo.


Paz e Bem 


Valter Taliesin

VÍDEOS SAGRADOS

VANGELIS - 1492...A CONQUEST OF PARADISE - ÁLBUM


ENNIO MORRICONE - THE MISSION - ÁLBUM

ALBERTO IGLESIAS - EXODUS - GODS AND KINGS - ÁLBUM

FONTE YOUTUBE





FONTE DE IMAGENS GOOGLE

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O SANTO GRAAL...

"O MITO DO GRAAL NASCE NAQUELE PONTO ONDE O MISTÉRIO DIVINO EM NÓS SE FAZ MAIS SENSÍVEL, FEMININO, AMOROSO"

Valter Taliesin




Ter consciência de que somos mais, muito mais do que imaginamos e pensamos ainda que perdidos neste mar de lama em que vivemos é a grande via escapatória e evolutiva que temos para empreender.

O ser humano como barro, ou seja, como entidade encarnada aqui e dependente de tudo o que lhe cerca realmente nada é de especial, nada tem em si que o diferencie dos demais seres que vivem neste ou em qualquer dos mundos, mas quando olhamos da perspectiva do Eu Maior, tudo muda.

O que entendemos por Eu Maior?

Entendemos que é aquela parte em nós que é um verdadeiro portal rumo ao Infinito.

Uma expressão do divino, do sagrado DENTRO de cada um de nós que quando permitimos(sim porque apesar de todo poderoso Ele é todo respeitoso)direciona nossas vidas, nos mantém firmes ante as lutas e desafios desta vida e nos mantém ligados ao Infinito de uma forma toda peculiar e que somente Deus em nós pode fazer.

Portanto é da perspectiva Deste em nós que podemos ver o mundo ao escolhermos delegar a Ele o que lhe é de direito...o controle de nossa vidas.

Desta perspectiva o mito do graal, do Santo Graal, é um dos mais perenes e poderosos mitos da manifestação da vida divina na Terra.

O graal, ou Santo Graal, pode contudo ser lido por diversos ângulos, por diversas facetas e contudo ter no cerne de si um sentido absoluto de eterno, divino e sagrado.

Quer visto como o cálice que recolheu o sangue de Cristo em sua crucificação e que tinha sido usado por ele na última ceia, ou o ventre de Maria Madalena, sua suposta consorte, ou ainda o sangue real que corre nas veias de seus supostos herdeiros, ou a pedra que caiu da fronte de Lúcifer quando deixou de ser um anjo de luz para se tornar o senhor das trevas, ou o caldeirão mágico de Ceridwen, um mito fora do eixo interpretativo judaico/cristão... ou qualquer outra das visões que se tem dele o fato é que basicamente ele simboliza o receptáculo que recebe algo divino, vivo, sagrado e que tem poder de mudar todo o contexto humano. 

No mito da pedra que cai da fronte de Lúcifer, a própria pedra ou esmeralda, de cuja matéria o graal é feito é que é sagrada em si, e por ser sagrada não pode mais adornar a fronte do grande anjo caído, outrora um ser de perfeita hierarquia celeste. Nos demais mitos ele não deixa de ser sagrado mas a enfase maior esta no que ele comporta, no que ele recebe. à exceção talvez seja o caldeirão de Ceridwen que por si só transmutava toda e qualquer substância nele colocada, tornando-a sagrada.

Assim percebemos que no mito cristão a ênfase maior esta no que o graal recebe em si e que o torna tão sagrado quanto o que recebe.

No mito judaico esta no que ele é em si e que só pode permanecer em quem lhe seja atinente, sintônico.

E por fim no mito pagão é o receptáculo sagrado que tudo que entra nele santifica e consagra.

O porque destas pequenas mas substanciais diferenças míticas?

Porque no simbolismo cristão a figura de CRISTO, o Deus feito Homem, é essencial para a compreensão do contexto libertação e transmutação humana. Mesmo os veios gnósticos mais ecléticos preconizam isto:

Cristo quer encarnado na figura de Jesus ou uma potencialidade latente em cada um de nós é a essência ou a Fonte do que é essencial e que consagra de fato o graal, que se torna assim símbolo do que recebe o divino, o sagrado em si e como que por osmose se torna tão sagrado quanto, ou que em contanto com o divino fora de si  que então lhe preenche tem em si despertada sua própria potencialidade divina.

Seja como for quer simples taça feita com a pedra caída da fronte de Lúcifer, ou que foi usado na última ceia e como receptáculo, que colheu o sangue de Cristo na cruz, passando pelo grande caldeirão alquímico, o ventre de Madalena e o sangue da linhagem advinda dai, o fato é que em última instância começamos a perceber que por trás das metáforas e figuras o verdadeiro graal é o corpo humano.

Aquilo que Paulo tão profundamente chama em suas cartas como:

 TEMPLO DE DEUS!

E o que era recebido DENTRO do Templo divino na Bíblia?

A GLÓRIA DE DEUS!

Ou sua SHEKINAH  materializada como nuvem escura luminosa sobre a Arca ou KADOSH, a carruagem divina, materializada na figura da Arca da Aliança!

Que é compreendida como a percepção feminina do sagrado!

Dai porque em relação ao Cristo, todo o ser humano, independente de seu sexo faz parte de um organismo mítico e espiritual conhecido como Igreja, ou Noiva de Cristo, portanto um elemento feminino!

Esta Igreja ou Noiva de Cristo se manifesta antes como a mulher cuja semente esmagaria a cabeça da serpente, depois como a nação israelita, depois individualmente como Maria a Mãe do Cristo encarnado, em seguida como Madalena, o protótipo feminino pessoal maior deste contexto noiva, pois como "aquela que mais amou" o Cristo e melhor o compreendeu é o símbolo perfeito de toda a comunidade cristã e por fim, de toda a coletividade dos que o aceitam.

Por outro lado no contexto pagão esta Shekinah nada mais é que A DEUSA, a face feminina do sagrado e que é a origem de todas as formas de vida materiais deste mundo...dai que Matéria ter sua origem no nome da mãe titânida Réia...MATER-RÉIA do mito grego. 

Assim, como útero cósmico a Deusa recebe em si as sagradas fagulhas de luz emanadas do Espírito Supremo e as transforma em seres viventes desde a mais ínfima consciência mineral até as mais requintadas e poderosas entidades do cosmos!

Aqui portanto finalmente chegamos à conclusão que  na essência do mito tanto o que preenche o graal quanto o graal em si são de fato...sagrados!

O que preenche é o Espírito, o que recebe é a Matéria, mas dela depende o espirito para se materializar enquanto esta dele depende para se sutilizar...ele precisa daquilo que o torna um veículo de Si mesmo para evolução, ela  precisa por aquilo que tem em si mesma de espiritual mas como que embutido, dentro de si oculto, e que em contato com este Espírito, este fogo divino, a água que ela representa se torna em ebulição, se sutilizando, gaseificando-se, vaporizandose e revelando em si sua essência também espiritual.

Vamos agora analisar pormenorizadamente cada um destes que são as mais famosas interpretações do mito.

I. O CALDEIRÃO DE CERIDWEN

Na mitologia celta, Ceridwen era uma feiticeira, mãe de TaliesinMorfran e a bela filha de Crearwy (ou Creirwy). Seu marido era Tegid Foel e viviam perto de Bala Lake, no País de Gales.
De acordo com o Mabinogion, Morfran (também chamado Afagddu) era horrivelmente feio, e Ceridwen quis torná-lo sábio. Ela tinha um caldeirão mágico onde podia preparar uma poção que desse sabedoria. A mistura deveria ser cozinhada por um ano e um dia. Morda, um homem cego, mantinha o fogo aceso sob o caldeirão enquanto Gwion, um menino, mexia o conteúdo. As três primeiras gotas do líquido davam sabedoria; o resto, era um veneno letal. Três gotas quentes espirraram na mão de Gwion enquanto ele mexia, queimando-o. Por instinto, o garoto levou a mão à boca e instantaneamente ficou sábio.
Ceridwen perseguiu Gwion. Ele se transformou em um rato; ela virou um gato. Ele virou um peixe e se jogou no rio; ela se transformou numa lontra. Ele virou um passarinho; ela virou um falcão. Finalmente, Gwion se transformou em um simples grão de milho. Ceridwen então se transformou em uma galinha e o comeu. Quando ficou grávida, Ceridwen sabia que era Gwion e resolveu que iria matar a criança ao nascer. No entanto, quando o menino nasceu, era tão bonito que ela não conseguiu fazê-lo. Ao invés, ela jogou-o no mar dentro de um saco de pele de foca. A criança não morreu e foi resgatada numa praia britânica por um príncipe celta chamado Elffin. A criança renascida cresceu e se tornou o lendário bardo Taliesin.
No neopaganismo, Ceridwen faz um papel de deusa no Wicca, seu caldeirão simbolizando o princípio feminino.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ceridwen

Percebam que no mito Ceridwen é tanto uma mãe extremosa quanto uma mulher implacável.
Ama seu filho Moffran a ponto de criar para ele uma poção que amenize sua feiura o tornando sábio. Entretanto quando o pequeno Gwion ou Gwidion inadvertidamente bebe as 3 únicas gotas do líquido que poderiam tornar Moffran sábio Ceridwen se transforma em uma verdadeira predadora... A bruxa deixa então de ser benéfica e torna-se maléfica até que finalmente devora o pequeno.
Mas o tiro sai pela culatra e ela se vê grávida, e percebe que quem esta ali é o pequeno Gwidion retornando. Sua intenção continua a mesma, destruí-lo, mas quando este nasce seu instinto maternal fala mais alto e em conflito com seu lado vingativo faz com que desista de matá-lo mas não de abandoná-lo à própria sorte e esta o leva a ser criado por um príncipe celta, Elffin, e tornar-se entõ no maior de todos os bardos...TALIESIN...
Ceridwen como vemos, é um retrato perfeito da mãe natureza; extremosa em amor com os seus filhos e filhas, tudo fazendo por eles, mas insuportável com elementos alienígenas ou que lhe contrariem a vontade.
A Terra quando você age em perfeita sintonia com o meio ambiente funciona de maneira absolutamente perfeita na manutenção da vida mas mexa você com o ecossistema que tudo muda.
Gwidion é o elemento estranho que mexe como o meio em que vive e com isto desperta a ira da grande Deusa. Mas como bebeu da poção, mesmo que inadvertidamente, nem mesmo ela, a Deusa, pode devorá-lo ou seja; destruí-lo, assim ele renasce dela mesma e mesmo rejeitado por esta se torna paradoxalmente no seu mais belo e prodigioso rebento.
Miremos contudo no caldeirão...percebam que é aqui que esta o segredo do mito, a capacidade deste em tornar uma poção naquilo que chamam os antigos... a poção da Sabedoria.
Depois de 1 ano e um dia de preparo esta ficava pronta mas somente 3 gotas poderiam tornar alguém sábio, o restante se tornava um veneno mortal.
A sabedoria  transforma uma pessoa em algo sagrado, divino, acima da média humana, mas jamais acima do metrom, ou do limite que comporta um corpo humano, uma mente humana. Assim você pode beber 3 gotas e tornar-se sábio mas se sorveres o caldeirão todo morrerás pois agora é veneno o que bebes.
Nosso corpo como Templo Sagrado comporta a luz divina dentro de si mas só podemos manifestar dela uma centelha, uma fagulha deste sagrado, mais que isto nossos corpos deixariam de ser pois não comportariam tanta luz...assim é com a luz divina em nós; quanto mais ela se manifesta mais devemos brilhar, luzir no mundo para alcançar outros irmãos e irmãs...devemos compartilhar pois o invólucro que é nosso corpo se tentar reter esta luz além do que pode suportar(as 3 gotas) esta luz se tornará veneno ou seja; deixará de ser sabedoria e se tornará em outra coisa...Sabedoria que não é compartilhada torna-se um veneno mortal para quem a possui. Ao invés de curar, sarar, renovar...MATA!

II. A PEDRA QUE CAIU DA FRONTE DE LÚCIFER.

Lúcifer era um dos mais altos e excelsos luminares do céu.
Muitos entendem que ele pareava com o próprio Filho de Deus, estando à mão esquerda do Pai nos céus.
Entretanto é dito que ele caiu de sua graça!
Não sabemos se estamos aqui a falar de um mito com base em fatos literais ou lendários, mas o cerne do mito é que com sua queda ele perde sua graça, e esta graça é metaforizada e simbolizada como a pedra enorme, brilhante de esmeralda que ele trazia incrustada em sua fronte.
Ao cair na Terra esta pedra estilhaça-se em milhares de pedaços sendo que com um deles se faz uma taça que é o santo graal. Quem dela beber pode ter vida eterna, sabedoria plena e tudo o que ela toca floresce e viceja. Onde estariam os demais pedaços? Será que outros objetos míticos foram feitos com eles?
Aqui vemos como no caldeirão que o próprio graal é sagrado em si e sacraliza o que lhe preenche ou lhe toca...mesmo a mais simples água, se colocarmos dentro dele se torna na água da vida. É aqui portanto o graal o objeto da sagração em si...ele e somente ele é o elemento divino do mito.
Caiu da fronte do grande anjo porque este por sua desgraça não podia mais ostentar sua graça original. E assim ao estilhaçar-se ao cair na Terra esta graça se torna um objeto condutor para outros da graça perdida por Lúcifer. Se torna em veículo condutor da energia divina em um mundo carente do despertar em si deste elemento divino.
O verde da esmeralda é uma cor que simboliza bem o contexto vida. A vida floresce, a vida faz nascer,  a vida brota...portanto o verde das matas, dos mares contém em si o elemento vida em plena fluorescência.

III. O CÁLICE DE JESUS CRISTO

Na última ceia que participou com seus discípulos Jesus bebeu vinho, e num dos momentos mais dramáticos da literatura bíblica e universal ele usa deste cálice contendo vinho e do pão servido à mesa para instituir a eucaristia(a santa ceia evangélica) uma metáfora e um símbolo de seu próprio sacrifício na cruz.

Depois este mesmo cálice teria sido usado por José de Arimathéia para colher o sangue derramado do Cristo quando seu lado foi furado pela lança de Longinus e seria este sangue sagrado neste cálice que o tornou de fato sagrado.

Contudo há um elemento que pode unir dois mitos do graal em um e dai teríamos tanto um graal sagrado quanto o que ele contém.

Em algumas correntes do mito o mesmo cálice criado com uma fração da esmeralda caída da fronte de Lúcifer, ou sua graça perdida,  é o mesmo cálice utilizado por Jesus em sua ceia e por José ao recolher seu sangue na cruz. José então leva este cálice quando parte em missão para a grã bretanha, e posteriormente o coloca em um lugar secreto da mítica ilha de Ávalon onde lá permanece.

Obviamente que quem bebesse, tocasse ou somente visse tal cálice receberia as emanações benéficas das energia divinas contidas nele. Arthur e seus cavaleiros o procuram quando o rei perde sea conexão com a Terra. O rei esta enfermo devido ao que aconteceu entre Lancelot e Guinevere e somente o cálice sagrado pode curá-lo e por consequência a terra através de seu rei. Então os cavaleiros partem em busca dele, entre eles até o próprio Lancelot, pivô de tudo junto com a rainha por quem se apaixonara e esta por ele(ela passa então a amar os dois, rei e cavaleiro)...e são exatamente 3 os cavaleiros, assim como 3 são as gotas de sabedoria que podem ser sorvidas do caldeirão de Ceridwen que tem contatos mais estreitos com ele...LANCELOT...PERCIVAL E GALAHAD...

O primeiro só pode ver o graal e isto denota um nível de iniciação ou sabedoria obtida por seu merecimento.

O segundo toca nele mas não passa disto e assim atinge um outro nível de iniciação e sabedoria.

O terceiro não só o toca mas decifra seu segredo, sua senha de acesso e tem direito a beber dele, o que não o faz já que em verdade foi em busca dele para o rei beber. Estamos aqui diante de um outro nível iniciático e de uma compreensão e aprofundamento na sabedoria divina ainda mais elevados.

Os demais cavaleiros também são iniciados mas num nível bem primário aos destes três já que a própria busca, o caminho em si, é já uma iniciação.

Mas no final é Arthur, o rei ferido e a terra ferida através dele quem se beneficiarão dos efeitos curativos e mais potentes do graal...aqui neste quinto nível de iniciação o humano se torna um com o divino e tudo se faz novo!

IV. O VENTRE DE MARIA MADALENA

Esta parte do mito é o grande melindre da espiritualidade cristã atual.

Entretanto parece não ter sido um problema na Igreja primitiva. Parece que vários grupos surgiram das pregações dos apóstolos e muitos deles entendiam Maria Madalena de forma bem diferente do que interpretamos hoje.

Para boa parte deles, inclusive para o escritor de PISTIS SOPHIA, Maria era o mais eminente e próximo dos discípulos de Jesus e como os 12 um apóstolo.

Pelos termos encontrados em alguns escritos gnósticos pode-se aferir hoje com frases como; "beijo na boca", "companheira do Senhor" que ela seria mais que uma apóstola...ela seria a própria consorte do Cristo.

Isto na vida judaica de então não seria anormal...anormal ao contrário, seria o que a tradição nos impõe: um rabi sem ser casado!

Todavia NUNCA podemos nos esquecer que entre seus atributos mais poderosos estava o contexto REVOLUÇÃO no Cristo e como ser casado era um quesito da tradição e não das leis divinas para que alguém fosse um rabi ele bem pode ter querido em sua condição de solteiro ser um exemplo de algo novo para os seus.

Assim entendemos que a condição de um Jesus casado NÃO ERA improvável, nem impossível aos olhos de Deus, ainda que sendo ele a encarnação deste, como querem os ortodoxos, como pela peculiaridade da personalidade de Jesus o oposto também não seria improvável, ainda que não houvessem rabis solteiros.

Seja como for, nesta corrente de interpretação o graal nada mais é que o ventre de Maria Madalena, o receptáculo que recebe a semente divina do Cristo. O cálice onde se derrama o sêmen divino.

O graal desta forma passa a ser simbolicamente todos os ventres do mundo que concebem...

Não podemos nos esquecer que além de Madalena outro ventre até mais famoso abrigou uma semente considerada divina no mito cristão...Maria Mãe de Jesus...assim para muitos o graal é um ventre sim, mas o ventre de Maria a Virgem de cujas entranhas nasce o Cristo e seus irmãos e irmãs. Estes é que formarão a família de sangue real e não supostos herdeiros de Jesus.

V. A LINHAGEM DE JESUS...

Neste termo estão inferidos dois tipos de linhagem...

Uma lateral e outra direta!

A lateral é aceita pela tradição ortodoxa de duas formas...a Igreja católica entende estes irmãos de Jesus como primos deste ou filhos de um casamento anterior de José. Existe até um apócrifo que defende isto. Portanto Jesus seria o primogênito de Maria não de José. Entretanto esta visão fere a lei de sucessão real. Não sendo o filho mais velho de José(nem em suposição caso José ocultasse de fato sua origem) Jesus não teria direito legal a ser O FILHO DE DAVI, O MESSIAS, e sim seus irmão mais velhos caso a anterior esposa de Jose também fosse uma descendente legal de Davi! Pelo menos diante da lei judaica!

Se todavia estes fossem primos o problema estaria solucionado!

Já outro ramo da tradição ortodoxa, a partir dos reformadores entendem que Jesus é sim o primogênito do casal mas obviamente José seria seu pai postiço ou seja; adotivo, em verdade seu pai é Deus(como creem obviamente os dois ramos mais tradicionais do cristianismo o católico e o ortodoxo). E que após gerar Jesus o casal se relacionou normalmente e Maria teve outros filhos e filhas de José como dá a entender literalmente passagens do evangelho sem exigir contorcionismos interpretativos como é feito pelos que querem perpetuar não só a singularidade do nascimento de Cristo mas do ventre que lhe acolheu e deu a luz.

Alguns entendem que se Jesus não é filho de José não tem direito ao trono....nada mais errado...quem determinava quem era judeu, ou israelita ERA A MÃE, ou seja; a mulher tinha que ser judia ou israelita para que o filho fosse reconhecido como tal...Maria era não só israelita e judia quanto uma descendente direta do rei Davi(a linhagem alternativa de Lucas para José, diferente da de Mateus é reconhecida como sendo em verdade a de Maria)...portanto se a linhagem que define quem é um judeu parte a princípio da mãe, Jesus, mesmo que José não fosse pai carnal dele, mas ao ser reconhecido como este como tal(aceitou sua paternidade postiça), passa a ter direito legal sobre o trono de Davi porque SUA MÃE era uma descendente deste também, assim como José, e só não o seria como dissemos antes, caso a hipotética primeira esposa de José fosse ela também herdeira de Davi o que faria dos supostos irmãos mais velhos de Jesus, herdeiros legais. E mais, Maria poderia ser duplamente sagrada pois poderia conter em si duas linhagens principais; por um lado a real de Davi e por outro a sacerdotal de Aarão, como vemos no fato de ser prima de Isabel, e esta casada com o sacerdote Zacarias. Claro, Isabel poderia não ser uma levita como este, mas uma descendente de Davi casada com um descendente de Levi, mas o mais correto é que em algum período pós exílio, principalmente no período dos sacerdotes macabeus que se tornaram reis, para estes se legitimarem no trono, vários ramos sacerdotais casaram-se com ramos da família de Davi e mesclaram as duas linhagens sagradas; a real e a sacerdotal...Assim tanto Jesus como João Batista poderiam ser descendentes de uma como de outra e os Hasmoneanos ou descendentes dos Macabeus não seriam encarados como usurpadores do trono de Davi como Herodes o foi, ainda que tenha se casado para se legitimar, com uma descendente hasmoneana...seus filhos assim poderiam até ser vistos como regentes legais mas ele não.

Bom, seja o que for, o fato é que existe uma LINHAGEM REAL, DESCENDENTE DE DAVI, e a mesma ou é lateral ou direta à Cristo.

Lateral se parte de seus irmãos e irmãs nascidos de José e Maria, direta se são seus herdeiros quer com Madalena como reza os veios ditos heréticos, que com outra qualquer.

Alguns interpretam inclusive que Madalena seria herdeira de outra linhagem real,  a original, anterior a Davi, vinda de Saul...se assim for temos no casamento entre Jesus e Madalena a reconciliação entre as duas linhagens reais escolhidas por Deus para governar seu povo...a que caiu em desgraça com os pecados de seu pai Saul e foi rejeitada por Deus, e a que se perpetuou com os acertos mais que erros - pois seu coração era completamente entregue ao sagrado - de Davi...esta, mesmo tendo perdido o trono com a queda de Jerusalém para Nabucodonozor, continuou sendo o aferidor da medida real para os israelitas e depois judeus pois só pode ser rei de Israel um descendente de Davi!

Portanto os desposinyi ou descendentes de Jesus, ou da família de Jesus, perderam-se nas brumas do tempo e depois do século terceiro parecem ter entrado num ostracismo proposital que escolheram para si diante da mudança de contexto no cristianismo com relação a eles.

Eles passaram a ser vistos como uma ameaça pelo status quo!

Por exemplo, ninguém entende ou explica porque é que Tiago, "o irmão do Senhor", assumiu a liderança da igreja em Jerusalém se o mesmo era tido nos evangelhos como alguém à parte... ele e a família de Jesus em geral NÃO CRIAM NELE, ou seja; não aceitavam sua messianidade, pelo menos não do jeito com que ele a usava e atuava entre o povo. Talvez esperassem outro tipo de atitude mais digamos "real", dele. Mas o fato é que nos evangelhos é dito peremptoriamente que sua família, os seus não criam nele (E estava próxima a festa dos judeus, a dos tabernáculos.
Disseram-lhe, pois, seus irmãos: Sai daqui, e vai para a Judéia, para que também os teus discípulos vejam as obras que fazes.
Porque não há ninguém que procure ser conhecido que faça coisa alguma em oculto. Se fazes estas coisas, manifesta-te ao mundo.
Porque nem mesmo seus irmãos criam nele.


João 7:2-5). Entretanto aqui aparece em Atos dos apóstolos um homem chamado Tiago, diferenciado do irmão de João que morrera passado a espada por um dos descendentes de Herodes pouco depois da ascensão de Cristo, e que é chamado ao contrário, de irmão do Senhor, e que lidera a Igreja em jerusalém no centro de um triunvirato conjunto a João evangelista e Pedro... ao qual Paulo tem que dar contas quando de sua viagem a Jerusalém.

Neste ponto percebemos duas coisas...pelo menos dois tipos de cristianismo se originam aqui...apesar de Paulo ter se mostrado aparentemente submisso ao triunvirato e este aceitar a forma de agir do apóstolo, com o tempo vemos que as rosas se tornaram espinhos e vemos Paulo reclamando contra alguns que vieram da parte de Tiago tentar judaizar seus conversos...ali é claramente criada a primeira cisão...uma Igreja liderada por  Tiago e outra por Paulo...

Como Tiago teria se alçado assim, sobre os demais apóstolos, ainda mais sendo dito de suas reticências e de sua família quanto ao trabalho de Cristo, se não fossem POR SUAS CARACTERÍSTICAS DINÁSTICAS OU DE SANGUE REAL COM ESTE? Mesmo aceitando que depois da ascensão de Cristo tanto ele quanto seus irmãos e irmãs tenham reconhecido finalmente QUEM era o irmão?

O normal, se nada houvesse de normal em que a linhagem sagrada assumisse a liderança, era que eles entrassem no corpo da Igreja normalmente como qualquer um e galgasse posições dentro dela como todos os demais, por merecimento espiritual e escolha divina...assim o que vemos é o posto...eles chegam e se tornam...os líderes ! E sintomaticamente Tiago, dos irmãos restantes de Jesus...O MAIS VELHO!!! Ou o novo herdeiro ao trono com a morte do irmão! Ou quem sabe, caso o irmão houvesse se casado e tido filhos, o regente dinástico escolhido até que o herdeiro legal tivesse idade para tanto!

Assim parece que quando Cristo morre e ressuscita, sua família finalmente entende que tipo de MESSIAS ELE ERA e finalmente aceita seu legado, e ao aceitar seu legado tornam-se imediatamente e reconhecidamente líderes do movimento de Jesus, acima até de seus apóstolos escolhidos!

E durante um bom tempo vamos ver uma queda de braço entre este grupo de descendentes de Jesus que lideram um tipo de Igreja cristã mais ligada as tradições judaicas e outro, mais liberal, ligado ao ministério de Paulo que incorpora em si, apesar de seu um judeu, muito dos mistérios das grandes religiões de mistério de então...

Depois obviamente vieram outras cisões, acredito que tanto num ramo quanto noutro que deram origem a diversos grupos mas basicamente esta foi a original.

Com o tempo a corrente ligada a Paulo vence a queda de braço, principalmente quando os desposinyi, a linhagem real, perde seu centro de poder, Jerusalém, quando Roma destrói o Templo. A partir de então vão os desposinyi se perdendo nas brumas do tempo e o último relato que é feito sobre eles vem de Eusébio de Cesaréia em meados do século 3.

O que foi feito deles?

Será que se perderam nas brumas do tempo e da mesclagem com outros ramos humanos?

Ou não?

Ou será que, como nos conta o veio oculto, ela permanece ocultada dos olhos profanos porque sabe que a partir do momento que a Igreja rival, a do ramo liberal, assume o controle do império, a existência de um ramo real davídico, implica fatalmente em este ramo real ser reconhecido como governante da Igreja e quiça do Império, e portanto um perigo mortal ao status quo tanto do bispo de Roma de então quanto de Constantino?

E mais...quer seja descendente lateral ou direta de Jesus este ramo parece ligado a profundos mistérios iniciáticos e de ordem espiritual elevada e algum tempo é dito que ele teria governado diretamente um dos reinos cristãos, o dos Francos...eles seriam os merovíngios...descendentes dos filhos e filhas de Madalena  e Jesus com um grande barão franco. Depois com a queda desta é dito que subterraneamente a linhagem permanece legalmente oculta mas por baixo dos panos várias seriam as casas reais da Europa que contém em si o sangue ancestral de Davi por casamentos secretos com a linhagem....e que movimentos que com o tempo vieram abalar a fundação do ramo rival como as seitas ditas heréticas como o gnosticismo, o catarismo e os templários, a ascensão do Islã, a divisão entre oriente e ocidente, o surgimento do protestantismo e depois dos evangélicos nada mais foram do que movimentos deles, puxando as cordas por trás dos bastidores contra o ramo rival que na visão deles, deturpou terrivelmente o legado de Jesus Cristo.

E Madalena mesmo se tirássemos o fato de Cristo haver casado com ela poderia continuar sendo a grande matriarca deles pois, digamos que a tradição tenha razão e cristo jamais casou, Madalena poderia ter se caso....com Tiago...o irmão mais velho do Senhor e seu herdeiro legal...e os desposinyi mesmo sendo sobrinhos do Cristo não deixariam de ter a importância que sempre tiveram!

Enfim, relatei acima as 5 principais versões do Santo Graal...


Seja uma ou outra a sua favorita tenha em mente o seguinte:

TODAS ELAS ACENAM PARA UMA SABEDORIA PRIMORDIAL QUE PARECE TER EMANADO DE SI PARA TODOS OS MITOS POSTERIORES OS CONTEXTOS QUE FAZEM DO GRAAL O SIGNIFICATIVO QUE ELE É E CONTÉM...

TODAS ELAS ACENAM PARA O CORPO HUMANO COMO O VERDADEIRO GRAAL E PARA O ESPÍRITO DIVINO EM NÓS COMO O ELEMENTO SAGRADO QUE ELE CONTÉM...

TANTO O GRAAL QUANTO O ESPÍRITO SÃO SAGRADOS!

NESTA VISÃO O GRAAL APESAR DE MATERIAL CONTÉM EM SI O GERME DA ETERNIDADE QUE ESTE ESPÍRITO DIVINO AVIVA E SUTILIZA NELE À MEDIDA QUE O GRAAL O RECEBE...ASSIM HUMANO E DIVINO TORNAM-SE LITERALMENTE...UM...E O MISTÉRIO SE FAZ VIVO!!!

Mesmo lido com a literalidade da letra nos mitos acima se percebe no cerne dos mitos do graal O ESPÍRITO QUE VIVIFICA! Basta querer e ter olhos para ver!

Em Amor e Luz!

Valter Taliesin


VÍDEOS SAGRADOS

TRILHA SONORA DE O CÓDIGO DA VINCI




FONTE YOUTUBE






FONTE DE IMAGENS GOOGLE