Google+ Badge

sábado, 30 de julho de 2011

A TEIA DE INDRA



DEUS ARIANO INDRA



Indra é o Deus Hindu. 
Ele é o rei do Céu. 
Ele é  respeitado como o Deus da chuva. 
Deus dos Deuses, Senhor do Firmamento, é o mais importante deus védico; ele é o líder dos  Devas, o deus da guerra, o deus do trovão e tempestade, o maior de todos os guerreiros. 
Ele é o defensor de deus e dos homens frente às forças do mal.
Arquétipo de guerreiros e heróis arianos, ele derrota os demônios e mata o demônio-dragão Vritra. 
Sua consorte é Indrani, chamada também Sashi (o Poder).
(fonte: Portal Sintonia Saint Germain)

Tive a idéia de escrever sobre a teia de Indra ao lembrar de um capítulo de um livro que li uma vez que falava sobre a teia da vida e a associava a este deus.

Indra como se vê é um deus de deuses mas diferenciado da trindade sagrada BRAHMA/VISHNU/SHIVA que são considerados contrapartes uma das outras e transcendentes aos demais deuses.

Indra seria o equivalente a Thor na mitologia nórdica, Zeus/Júpiter na mitologia greco/romana e ao Arcanjo Miguel na mitologia judaico/cristã.

É um regente das forças da natureza e dos deuses que atuam nela.

Mas quando enfocado como senhor do firmamento é que vemos a analogia com a teia propriamente dita.


Firmamento e Atmosfera neste caso são sinônimos...significam o que envolve a Terra e possibilita a vida no plâneta. 
O livro do Gênesis bíblico dá a entender que esta abóbada protetora seria mais densa ainda antes do dilúvio e muitos estudiosos ortodoxos crêem que era isto que possibilitava a longevidade lendária dos antediluvianos.

Com o dilúvio a maioria desta rêde protetora, provavelmente gasosa desceu dos céus em forma de chuva e o envoltório atmosférico terrestre ficou mais rarefeito o que teria tido impacto direto na vida terrestre incluso a duração dos seus dias.

Uma diminuição gradual desta lendária longevidade é vista no dito livro após o dilúvio.

Este envoltório conhecido como firmamento na verdade exerce a função de uma verdadeira incubadora de vida no plâneta.

A teia de Indra seria formadora de cada molécula, cada célula, cada átomo, cada gen,da cadeia de DNA de todos os seres vivos do plâneta e que surgem mediante as condições atmosféricas peculiares que existem aqui.

Pelo fato de ser o senhor da chuva, tempestades,raios etc....supomos também que Indra seja o próprio autor do dilúvio na mitologia Hindu.

Indra exerce portanto todas as prerrogativas de um deus criador e sustentador da vida enquanto regente da teia da vida que atua na Terra, tanto trazendo à vida sêres vivos quanto eliminando aqueles que perderam a eficácia evolutiva.

Nesta teia da vida de Indra podemos ver a conexão que existe entre todos os sêres vivos pois todos tem em si os componentes presentes nos materiais que formam a matéria circundante.

Indra poderia também ser associado a Urano o deus do céu grego que acasalando-se com Gaia a deusa da Terra gerou todos os sêres vivos existentes.

Hoje estamos enfrentando problemas de ordem existencial muito fortes.

Perdemos a conexão que existia outrora entre nós mesmos e a natureza.

Não entendemos a vida como interrligada, como interrelacionada!

Não vemos como uma ameba pode ter relação conosco mesmo quando somos confrontados com virus poderosos que destroem nossas vidas.

Não percebemos que aquele vírus letal é tão parte da teia da vida quanto nós e sua eficácia em matar-nos pode estar associada a  forma irresponsável com que lidamos com esta teia da vida.

A morte segundo a Bíblia é o salário ou pagamento do pecado e o pecado significa ERRAR O ALVO!

O homem errou o alvo em algúm momento de seu longínguo passado e perdeu a conexão consigo mesmo, com as formas de vida que pululam no globo e com a divindade intrínseca à toda vida.

Nos tornamos predadores de nós mesmos!

Perdemos a capacidade de enchergarmos Deus em todas as coisas !

Criamos religiões que põem Deus num céu hipotético, antropomórfico e no mesmo instante afiançamos que este Deus nda tem a ver conosco,que transcende e muito a nós, que não esta presente no ar que respiramos, na agua que bebemos, na terra   cujo fruto nos alimenta, no fogo que nos aquece e mesmo dentro de nós.

Paradoxalmente para muitas religiões monoteistas do presente tempo Deus é ao mesmo tempo antropomórfico e totalmente distante do homem.

Antropomórfico porque alegam e asseveram que todas a histórias e mitica referentes a este Deus nos livros sacros são verdades literais e não metafóricas.
Que aquelas ações atribuídas a divindade e que tanto se assemelham as humanas foram de fato realizadas e vivenciadas por Ele.

Transcendente e distante porque alegam que Deus tudo criou mas não esta presente em todas as coisas e asseveram que isto...Deus presente na criação, é panteismo...é considerar a criação Deus.

Haveria um abismo entre o Divino e o Humano tão imenso que este poderia vir até nós na forma epifânica mas nós não poderiamos ir até Ele.

Entretanto se realmente cremos num Deus transcendente isto é incongruente!

Pois se Deus transcende a tudo conseguentemente ele pode absolutamente tudo!

Inclusive criar as dimensões, os universos e as formas de vida e estar PRESENTE de forma IMANENTE dentro de toda criação bem como manifestar de SI de forma EMANENTE todas as coisas.

Se a criação for considerada algo à parte de Deus ou criada a partir do NADA estaremos atestando que este NADA é algo à parte do Deus transcendente o que para mim é algo absurdo.

Assim este NADA na verdade é o Deus transcendente pois esta além de designativos, explicações e conceituações porisso é o NADA e de SI mesmo este NADA este transcendente manifesta e cria toda a vida emanando de SI desde as mais sublimes e  todopoderosas formas de vida até as mais simples, manifestando-se assim como o grande TODO  de onde tudo veio e para onde tudo um dia vai, num circuito interminável ascendente evolutivo...para dai no processo EM AMOR e unicidade plena viver dentro de cada uma delas ....imanente e na medida que cada uma delas evolui e desperta para a Presença  Dele(a) este sêr se torna cada vez mais semelhante a Ele(a).
Desta forma o transcendente aqui manifestasse como o grande TUDO, pois esta em todas as coisas.

A teia de Indra surge assim como esta vida que se manifestou do útero sagrado do grande NADA e gradualmente,escalonadamente, decrescentemente foi manifestando-se paulatinamente na imensidão do Divino NADA...

 VIVEMOS EM DEUS, ESTAMOS EM DEUS, E SEM ELE... NÃO SERIAMOS!

É o que Paulo diz em uma de suas preleções em Atos dos Apóstolos(Atos...17.22-32) inclusive corroborando a visão de poetas e filósofos gregos sobre a divindade.

A frase emblemática aqui é quando ele diz: 

'POIS NELE VIVEMOS,NOS MOVEMOS E EXISTIMOS'

Depois em Coríntios o apóstolo demonstra novamente esta concepção de sua visão sobre o divino(ICo.15.24-28) a frase: 'A FIM DE QUE DEUS SEJA TUDO EM TODOS' é extremamente esclarecedora desta emanência e desta imanência do transcendente com relação a criação !

Deus assim é não só o criador e mantenedor da teia da vida quanto a própria teia em sua manifestação na qual todos os seres vivos vivem  e tem suas existências !

Indra portanto é uma metáfora da regência de Deus sobre todas as formas de vida do sistema solar particularmente do terrestre!

A teia de vida interliga desde o mais ínfimo e micro ao mais glamuroso e macro!

Porisso que nossa preocupação com as atitudes humanas diante do ecossistema não é vã!

O mesmo Paulo diz que podemos reconhecer Deus através desta natureza(Romanos.1.19-23).

Isto é bem diferente de adorar-se a criação como se fosse o criador!

Reconhecer que tudo vêio Dele e que Ele esta em tudo e tudo Nele vive deve nos arremeter A ELE(A) não o oposto!

Porisso que apesar de reconhecer toda esta simbiose de vida vinda e advinda do Criador o apóstolo alerta para o perigo de adorar-se a criatura e não o criador.

Quando coloco logo acima a imagem de Indra é com a intenção de exemplificação não de motivar culto de quem quer que seja a uma imagem específica.

É como as imagens que os autores clássicos como Leonardo e Rafael pintaram de Cristo e da Trindade ou seja; mera exemplificação  do MISTÉRIO ÚLTIMO!

A sagrada religião solar egípcia de Aton,Amon,Rá,Ptah,Osíris,Isis,Set, Néftis,Thoth,Hathor e Hórus perdeu toda a sua ancestral eficácia quando paulatinamente os sacerdotes e seguidores abandonaram a metáfora do subjetivo sobre as divindades para enredar-se numa idolatria menor de estátuas e animais.

O mesmo vemos suceder hoje com as religiões ditas monoteistas....

Quando um livro é mais venerado do que Deus, mesmo sendo sua suposta palavra, alguma coisa esta errada...

Quando um intermediário por mais santo que tenha sido é mais venerado que o Criador algo esta errado no reino do culto monoteista!

Idolatria como querem os monoteistas não é somente venerar estátuas de deuses pagãos mas simplesmente não ver e honrar a Deus como Ele de fato é ou seja; A PRESENÇA em tudo e todos!

Desta forma um ícone tem tanta capacidade de CONTER o divino quanto CADA UM DE NÓS mas como diz Paulo também em outro lugar... 'já deixamos para trás o leite materno para nos alimentarmos de coisas mais substanciosas' ou seja;quanto mais nos aproximamos deste Deus EM NÓS mais se tornam irrelevantes os ícones externos que não são demonizados mas encarados como meros tutores de uma fase mais infante de nossas vidas espirituais!

Veneramos a presença divina em todas as coisas não porque aquelas coisas sejam Deus mas porque ELE em tudo esta.

Porisso a Arca da aliança hebraica era digna de veneração não porque era Deus mas porque SIMBOLIZAVA  a presença de Deus entre o povo....mas quando o povo passava a confiar mais na arca que no Deus da arca sempre recebiam uma digamos 'chapuletada' do divino para não confundirem alhos com bugalhos.

Assim são as entidades como Indra!

São manifestações específicas do divino que coordenam a vida universal e contém Deus tanto quanto nós em si!

Por mais elevado que seja Indra o Deus que mora nele mora em nós!

Buda expôs isto quando demonstrou a vantagem do iluminado sobre  o reino dos deuses ou seja; o nirvana da iluminação é mais real que o mais real paraiso celeste!

Voltando à teia de Indra... somos responsáveis por mantermos coesa esta teia de vida!

Cada humano que viveu, vive e viverá o é!

Pois além de fazermos parte da teia somo SERES CIENTES do que somos nesta teia!

Assim sendo nossa responsabilidade torna-se a do desperto em relação ao dormente!

O desperto tem responsabilidade multiplicada porque SABE e não esta mais no sono da inocência!

O Conhecimento e a Sabedoria são maravilhosos mas exigem um quinhão de responsabilidade monumental!

Percebo que a humanidade não se deu em si disto!

Vivemos como se NÃO FOSSEMOS responsáveis pelo nosso irmão
como tanto queria Caim!

E o nosso irmão ou irmã não é somente o humano mas toda a TEIA DA VIDA que permeia a Terra, o Sol, a Galáxia,o Universo ,Universos de Universos e Dimensões de Dimensões indo até o coração da Divindade de onde tudo emana e retorna!

Que sejamos cada dia e cada vez mais conscientes de que O DEUS QUE MORA EM MIM, MORA EM VOCE E EM TODAS AS COISAS E NELE ESTAMOS E VIVEMOS NUMA PARADOXAL E MARAVILHOSA TEIA DE VIDA SEM FIM!

Abraços....


Pax e Lux

Valter Holístico






2 comentários:

  1. Ainda que haja muita contradição no entendimento da vida, da fé e dos propósitos, as oportunidades prosseguem independemente de estarmos certos ou errados. Acho que é bom filosofar e ver que a verdade não é uma e sim muitas. Isto nos torma nais cientes da nossa pequenez e ignorância. Mas nos torna ainda mais humano e divino ao mesmo tempo. Bom te ler caro amigo.

    ResponderExcluir
  2. E é bom te ter aqui querida amiga sempre com suas reflexões atinentes e sábias.

    Beijão!

    ResponderExcluir