Google+ Badge

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Mistérios de ANTARES E ESCORPIÃO

ANTARES



Fonte: Google imagens





Antares (α Scorpii, Alpha Scorpii) é uma estrela gigante vermelha na constelação de Scorpius. É a 16ª estrela mais brilhante do céu noturno (embora às vezes seja considerada a 15ª, se os dois componentes mais brilhantes da estrela Capella forem contados como uma estrela). Junto com Aldebaran, Spica, e Regulus, Antares é uma das quatro estrelas mais brilhantes próximas da eclíptica. Antares é uma estrela de variabilidade lenta com uma magnitude aparente de +1,09.[1]



Características



Comparação entre Antares e o Sol, que é mostrado como um pequeno ponto no canto superior direito da imagem. O círculo preto é do tamanho da órbita de Marte. A outra estrela é Arcturus.
Antares é uma estrela supergigante de classe M, com um raio de aproximadamente 800 vezes o raio do Sol; se fosse colocada no centro do Sistema Solar, sua parte mais externa se encontraria entre a órbita de Marte e Júpiter. Antares está a aproximadamente 600 anos-luz (180 pc) da Terra. Sua luminosidade visual é de cerca de 10 000 vezes a do Sol, mas como a estrela irradia uma parte considerável de sua energia na parte infravermelha do espectro, sua luminosidade bolométrica é de 65 000 vezes a solar. A massa de Antares é de 15 a 18 massas solares.[3] Esse tamanho grande e relativamente pouca massa dão a Antares uma densidade muito pequena.
O tamanho de Antares pode ser calculado usando seu paralaxe e diâmetro angular. O paralaxe de Antares é de 5,40 ± 1,68 mas,[1] e seu diâmetro angular é conhecido a partir de ocultações lunares (41,3 ± 0,1 mas).[4] Isso dá à estrela um raio de 822 ± 80 raios solares.
Antares é uma estrela variável irregular lenta de tipo LC, cuja magnitude aparente varia lentamente de +0,88 a +1,16.[2]
A melhor época do ano para ver Antares é em 31 de maio, quando a estrela está em oposição com o Sol. Nesse momento, a estrela é visível a noite inteira. Por duas a três semanas do final de novembro, Antares não é visível totalmente devido ao brilho do Sol. Esse período de invisibilidade é maior no hemisfério norte do que no hemisfério sul, uma vez que a declinação da estrela é ao sul do equador celeste.

Componente B

Antares tem uma estrela companheira, Antares B, que tem classe espectral B2.5 e está a 2,9 segundos de arco, ou 550 UA, do componente principal.[3] Com uma magnitude de 5,5, Antares B tem somente 0,37% da luminosidade de Antares A, porém é 170 vezes mais brilhante que o Sol. Normalmente é difícil ver Antares B com um telescópio pequeno devido ao brilho de Antares A, mas torna-se fácil ver as duas estrelas com um telescópio com abertura de pelo menos 150 mm.[5] A companheira é frequentemente descrita como verde, mas isso provavelmente é um efeito de contraste.[3] Antares B pode ser observado com um telescópio pequeno por poucos segundo durante ocultações lunares enquanto Antares A está escondida pela Lua. Isso foi descoberto por Johann Tobias Bürg durante uma ocultação em 13 de abril de 1819.[6]
A órbita de Antares B é pouco conhecida, com um período orbital estimado em 878 anos.

 Posição na eclíptica


Antares na cultura humana



Antares é uma estrelas de magnitude 1 que estão a menos de 5° da eclíptica e que podem ser ocultadas pela Lua e raramente por outros planetas. Em 31 de julho de 2009, Antares foi ocultado pela Lua. O evento foi visível em grande parte do sul da Ásia e no Oriente Médio.[7] Todo ano por volta de 2 de dezembro o Sol passa a 5° de Antares.
O nome Antares é derivado de Anti-Ares (Anti-Marte), pois Antares se assemelha em sua cor avermelhada e brilho a Marte, rivalizando com o planeta.
É conhecida como uma das quatro estrelas guardiãs do céu dos Persas em 3000 a.C.

Fonte:Wikipédia





Escorpião


Henrique Di Lorenzo Pires (Monitor UFMG/Frei Rosário)


Introdução

            De todas as 88 constelações Escorpião é uma das que mais se destaca. Notável por sua extensão, forma e pela riqueza em objetos interessantes à observação, Scorpius (nome latino) sempre surpreendeu aqueles que se dedicaram à astronomia nos últimos milhares de anos.
O padrão é inconfundível: o animal medonho disposto no céu, “caminhando” lentamente pela noite, parece superar a condição de mera constelação (a palavraconstelação” etimologicamente significa “estado do céu”) sugerindo uma entidade real locomovendo-se furtivamente entre as estrelas, com suas pinças e ferrão prontos para atingir alguma vítima.
A constelação de Escorpião foi identificada como tal tanto pelos gregos quanto pelos egípcios e persas. A origem egípcia remete às secas que devastavam a região do Nilo, que nessa época o Sol passava por essa constelação. Antares, a estrela mais brilhante de Escorpião, era considerada uma das “guardiãs” do céu segundo os persas. a mitologia grega tem outra explicação para a constelação. O escorpião foi o animal enviado por Ártemis (deusa da caça de acordo com a mitologia, embora ela também seja associada ao parto e à Lua. Artémis pode ser considerada a versão feminina de Apolo, seu irmão gêmeo) para matar Órion. Diz a lenda que Ártemis, fria e vingativa, sentia-se prejudicada nas suas atividades de caça pelo gigante caçador Órion. Uma variante do mito afirma que o escorpião nunca chegou a matar Órion – de fato, se observarmos o céu nessa época do ano veremos que a constelação de Órion se põe enquanto que as estrelas de Escorpião nascem no outro lado da abóbada celeste.
A figura abaixo é uma representação da constelação de Escorpião como é observada no céu. É interessante ressaltar que para a astronomia o termoconstelação” assume um significado um pouco diferente do que costumamos imaginar. Antigamente as constelações eram grupos de estrelas que formavam um padrão abstrato (uma cruz, um caçador, um cão, um escorpião, etc...). Atualmente utiliza-se o termoconstelaçãopara designar uma dada região do céu. Dessa forma a cúpula celeste foi dividida em 88 regiões, cada uma dessas regiões é uma “constelação”. Obviamente o nome de cada uma delas é dado em função do padrão de suas estrelas constituintes. Na figura abaixo, as linhas ligando as estrelas formando a figura do escorpião remetem à noção antiga de “constelação”. a área recortada na qual estão dispostas essas estrelas remete à noção de “constelaçãopara a astronomia hoje.

    







Representação artística do Escorpião como foi publicada no Atlas Celeste de Alexander Jamieson em 1882. 
      As próximas seções serão dedicadas à alguns objetos interessantes para a observação que estão localizados na constelação de Escorpião.

 Antares

             Antares (Alpha Scorpii) é uma estrela de 1ª magnitude (na verdade é uma estrela binária) – uma supergigante vermelha, distante aproximadamente 600 anos-luz da terra, 700 vezes maior que nosso sol e 10.000 vezes mais brilhante. O nome ´Antares´ significa ´Rival de Marte´ - rivalidade entre os dois objetos mais avermelhados do céu, que são freqüentemente confundidos.


            Abaixo temos uma belíssima foto de Antares e regiões próximas:

  • Parte superior esquerda – a nuvem amarelo-avermelhada é Antares – objeto mais brilhante da foto.
  • Parte inferior esquerdaSigma Scorpii envolta por uma nuvem vermelha. Nuvens gasosas cujos átomos são excitados por luz ultravioleta proveniente das estrelas produzem a coloração vermelha.
  • Parte central direita - Rho Ophiuchi está no centro dessa nebulosa azul. Poeira fina iluminada pela frente, refletindo a luz estelar é a origem da coloração azulada.
  • Parte central esquerda (entre Antares e Sigma Scorpii) Aglomerado globular M4 (veja mais sobre ele nas próximas seções).

  
Messier 7 (NGC 6475)
            Messier 7 (M7) é um aglomerado aberto de estrelas, isto é, um agrupamento de algumas dezenas de estrelas organizadas assimetricamente, próximas ao plano galáctico.  Consiste de aproximadamente 80 estrelas de magnitude maior que 10 e tem idade estimada em torno de 220 milhões de anos.
            O primeiro registro de observação do aglomerado M7 é creditado a Ptolomeu, que no ano 140 AD fez a seguinte observação: “Um conjunto nebuloso que segue o ferrão do Escorpião”.  M7 também é conhecido como o Aglomerado de Ptolomeu.
            Em 1764 Messier fez o registro da observação desse objeto: “Um aglomerado estelar, mais considerável que o precedente (M6). Para o olho nu esse aglomerado parece uma nebulosidade, pouco distante do precedente, disposto entre o arco de Sagitário e o ferrão do Escorpião”. 
            Pelo esquema a seguir pode-se localizar tanto M7 quanto M6, a partir do ferrão do Escorpião (como foi sugerido há mais de 2000 anos por Ptolomeu).
  




Foto do aglomerado M7.
Note a distribuição
assimétricadas estrelas.






Messier 6 (NGC 6405)
             Assim como M7, M6 é um aglomerado aberto de estrelas, cuja idade estimada é em torno de 100 milhões de anos. A descoberta de M6 é atribuída à Hodierna, que a observou em 1654.
            A descrição de Messier para M6, feita em 1764, foi que o objeto aparentava serum aglomerado de estrelas pequenas entre o arco de Sagitário e o ferrão do Escorpião. Para o olho nu esse aglomerado aparenta formar uma nebulosa sem estrelas, mas mesmo com o menor instrumento é possível se observar algumas pequenas e fracas estrelas”.
            Observe abaixo uma foto do aglomerado M6, também conhecido como o “aglomerado da borboleta”, uma vez que o arranjo das estrelas sugere uma borboleta de asas abertas. Note que a estrela mais brilhante de M6 é uma supergigante amarela, do tipo espectral K (veja o texto “Observando as cores das estrelas”) localizada à esquerda do aglomerado. As outras são em sua maioria estrelas bastante quentes e azuis, do tipo espectral B. Note também a assimetria característica dos aglomerados abertos.
  

Messier 4 (NGC 6121)
             M4, diferentemente dos dois últimos aglomerados, é um aglomerado globular de estrelas. Aglomerados globulares são concentrações de milhares de estrelas (entre 10 mil e 1 milhão!), com simetria tipicamente esférica, situado longe do plano galáctico. M4 especificamente seria um dos mais esplêndidos aglomerados do tipo, se não fosse as nuvens pesadas de matéria interestelar que absorve a luz, tornando sua coloração aparentemente mais alaranjada (note esse detalhe na foto abaixo).
            M4 é também um dos aglomerados abertos mais próximos da Terra (aproximadamente 7.200 anos-luz), bem como um dos maisdispersos” (menor densidade de estrelas). Sua descoberta é atribuída a  De Chéseaux, em 1745; sendo catalogado alguns anos depois (1764) por Messiser, que assim descreveu sua observação: “Aglomerado de pequenas (fracas) estrelas, por um pequeno telescópio. Aparenta ser uma nebulosa. Esse aglomerado está localizado próximo de Antares”. Muitos outros objetos interessantes foram encontrados nesse aglomerado: em 1987 foi descoberto um pulsar (uma estrela de neutrôns rodando em alta velocidadeem torno de 300 vezes por segundo, emitindo pulsos de ondas eletromagnéticas). Em 1995 o telescópio espacial Hubble fotografou estrelas anãs brancas, que estão entre as mais velhas da nossa Via Láctea; e em 2003 esse mesmo telescópio identificou algo que parece ser um, de massa 2,5 vezes maior que a de Júpiter, tão velho quanto o próprio aglomerado, cuja idade estimada é 13 bilhões de anos  (3 vezes mais velho que nosso sistema solar!).

  
Aglomerado globular M4.
note as diferenças entre
este e os dois últimos
aglomerado,principalmente
na quantidadede estrelas
e na sua simetria.

Fonte:http://www.observatorio.ufmg.br/dicas02.htm


Comentário

Os mistérios relativos a Escorpião e Antares em termos metafóricos e simbolistas advém da própria gene e estrutura dos mitos dos respectivos .

Escorpião é o animal predador que mata com uma picada mortal sua vitima; primeiro debilitando-a fisicamente e no caso de animais que consomem, depois devorando-os.

Ártemis a deusa da Lua e Apolo o deus do Sol mais o gigante Órion são associados ao seu mito.

Em algumas versões é Apolo que engana Ártemis e a faz matar o gigante que seria seu amante.
Em outras é a deusa que vingativa destrói Órion.

Seja como for , o que chama a atenção é o poder e energias altíssimas contidas nesta simbologia.

O rei escorpião foi um dos reis mais mortíferos e famosos do Egito antigo.

Pessoas do signo de escorpião são tidas como de personalidades fortíssimas e em alguns casos de difícil trato(quando há aspectos com Marte, Saturno, Plutão e cia então é uma beleza... rs)

Já Antares é simplesmente o AntiAres!

Que MARAVILHA!

O antideus da guerra!

Não no sentido de ser a paz, a concórdia mas....UM RIVAL deste no contexto de marcialidade e guerras carmáticas!

Antares teria assim na constelação de Escorpião o papel que  Marte tem no contexto mitológico solar potencializado ainda mais pelo seu gigantismo.

Muita gente nestes tempos turbulentos anda olhando os céus a procura de algum sinal que mostre o que se passa com o mundo e Marte é um dos objetos celestes mais observados pelos astrólogos neste contexto.

Seria de bom tom olhar-se também para Escorpião e sua grande estrela Antares caso se de valor a este tipo de previsão.

Eles podem trazer insights significativos sobre muita coisa do que estamos passando.


VEJAM ESTE MAPA  ASTRAL que designei como ERA SAGRADA MAIA:




 Fonte de pesquisa e calculo: www.astro.com

Vejam acima que calculei o mapa natal do famigerado dia 21/12/2012(somatória 11)  às 23 hs:11min(somatória 7)(Portal 11:11 ou seja;11 hs e 11 min da noite do dia que tem como valor :11... um numero mestre) horários: universal... 1:11(aqui tendo tb 22 segundos) e sideral... 4:8:28(somatória: 22... também um número mestre). 

O horário que entendem alguns estudiosos, deverá ser o mais importante para os eventos que supostamente se desenvolverão a partir dai(devem ter escolhido  este horário exatamente por causa da mítica do portal 11:11 )... resultando ou numa nova humanidade ou num novo mundo(só espero que não em uma outra grande decepção... rs).

Reparem que o ascendente é Leonino e o signo  natal Capricorniano.

Dois signos muito significativos quando o assunto é o Avatar de Síntese.

Vejam que o Descendente é Aquariano ou seja; o próprio signo da dita Era Sagrada porvir e o fato de ser esta a do descendente é mais significativo ainda já que o descendente tem a ver com a casa,o ambiente,o espaço, as relações, as pessoas com que o Ser  representado no ascendente interage. E aqui este Ser seria esta data específica, esta Era avatárica maia.

O meio do Céu e o Fundo do Céu estão respectivamente na casa de Gêmeos e Sagitário(a constelação em que esta localizado o centro galáctico..http://www.ccvalg.pt/astronomia/galaxias/via_lactea.htm..) mas reparem como aspectam com Escorpião que inclusive esta MUITO próximo deste centro galáctico!!!

Reparem que o nódulo lunar norte ligado a resgates de Carma e inicio de um novo ciclo esta em Escorpião praticamente conjunto a Saturno o Planeta do carma e resgate por excelência.

Reparem Júpiter presente no MC em Gêmeos.

Reparem que tanto o Ascendente  quanto o descendente não tem planetas dentro de suas casas e não aspectam significativamente com ninguém.

Mas observem o peso de aspectos que recaem sobre Escorpião,Gêmeos,Sagitário,Capricórnio, Áries e Peixes.


Marte aparece em exaltação em Capricórnio, Mercúrio em detrimento em Sagitário,Netuno em domínio em Peixes e Júpiter em detrimento em Gêmeos.


Observem que temos um GRANDE DRAGÃO(um dos mais poderosos e enigmáticos aspectos astrológicos)unindo Jupiter e Aldebaran em Gêmeos com Saturno em Escorpião, Vênus e Mercúrio com Antares bem no centro desta conjunção em Sagitário e o Sol(na posição em que esta o Sol, 0 grau e 35 min, recebe influências tanto de  Sagitário  quanto de Capricórnio já que esta fazendo a transição de um para outro) conjunto a Plutão em Capricórnio o signo natal.

Reparem que o nódulo Lunar Norte participa de forma indireta, mas participa, desta enigmática formação astrológica entre Saturno e a conjunção Vênus/Mercúrio/Antares.

Tudo isto nos mostra que pelo menos em termos astrológicos a importância de Antares e Escorpião nesta fatídica data NÃO PODE de maneira nenhuma ser diminuída, muito menos desprezada.

E assim encerramos mais uma viagem pelos mistérios do simbolismo das estrelas e das constelações celestes.


Agora um vídeo sagrado para vocês...EM BUSCA DE ANTARES de William Calera.

Fonte: Youtube


Abraços...

Pax e Lux


VALTER TALIESIN











Nenhum comentário:

Postar um comentário