Google+ Badge

domingo, 30 de setembro de 2012

NATUREZA...meu olhar rumo ao Infinito...

Eu quero caminhar pelos caminhos do mundo com o coração aberto...

Quero beijar a vida como se esta fosse uma deliciosa boca de uma amante fogosa...

Quero sentir seu cheiro, observar seu bailado, sentir sua energia me envolvendo completamente...


A vida tem que ser vivenciada para que possa ser apreendida em toda sua inteireza...

Tem que ser bebida, sorvida como se sorve-se o melhor dos vinhos...

Tem que ser sagrada como a mais sacra das coisas...


Estamos vivendo em dias atribulados...

Dias que gastamos mais tentando nos desfazer das amarras que criar um futuro novo...

Dias verdadeiramente desafiantes...


Neste cenário, ter prazer em se viver tem sido o maior destes desafios...

Sentir a plenitude da vida diante do caos definitivamente é um desafio tremendo...

Mas quem consegue isto...consegue qualquer coisa na vida...


Cada vez que acordo lembro que isto é possível e pode ser vivenciado...

Cada vez que abro meus olhos de manhã percebo ser isto...vital...

Sentir a vida como plena...seja qual for a situação que enfrente...


Olhar o céu se tornou o melhor dos esportes para mim, o melhor dos passatempos...

Seja o tempestuoso céu ou o azul recheado de nuvens de algodão iluminado pelo dourado do sol...

Ver o céu é como enxergar a alma do mundo...o coração da Mãe Divina...


O sol todavia é como se fosse o olho do Pai; quente, envolvente penetrando o coração da Mãe...

Sentir as ondas de energia que dele vem, observar as gotinhas de prana no ar...

Tudo isto não tem preço...


E caminhar com os pés no chão?

Cada estradinha, cada grama, cada bosque, cada montanha, cada jardim, cada mata...

É um símbolo da estrada , do caminho que trilhamos espiritualmente nesta vida...


E molhar os pés num ribeiro? Não tem preço...e as vezes ando muito para poder fazer isto...

Mas quando consigo é como se fosse vitalizado pelas energias que penetram meu corpo...

Comer uma fruta tirada do pé...já consegui fazer isto num dia depois de caminhar muito e estar sedento e esfomeado...delícia...


Dizem que saber viver é uma arte...e se bem soubéssemos, tentaríamos fazer disto uma obra prima...

É como se cada ser humano fosse um artista e sua vida a grande obra...

É a alquimia da alma e da vida de cara aberta para o mundo dos sentidos...o mundo tridimensional...


Demorei muito para ver o mar...estranho já que o amava tanto...

As divindades pagãs que mais me identifico são as marítimas e as celestes que tem certa ligação com a água...Poseidon...Thor...

Assim quando o vi pela primeira vez foi como se retorna-se para um lugar especial...de grande significado...


Ali olhando aquela imensidão, me perdi do mundo...mas foi a segunda vez em que mais me enfeiticei...

Reverenciei as ondas, as deidades do mar com ramos de flores e um dia me perdi uma tarde inteira contemplando seu bailar...

Voltei a noitinha, tomei uma bronca da namorada que ficou me esperando sem saber o que ia de mim...


Mau sabia ela que me encontrava ali, enfeitiçado, sentado na areia, olhando toda aquela imensidão...

Vendo aquele imenso mundo, sentido a brisa no corpo...ouvindo o poderoso marulhar...

Poderia jurar que naquele cenário seria muito fácil ver um dos seres encanados da natureza...


Era pequeno quando entrei num rio, rio pardo em São Paulo...

Um dos mais perigosos rios, muita gente morreu nele...mas eu sem saber nadar...ali... nadei...

Dá para acreditar? Hoje vendo meus medos presentes, lembrando estas coisas percebo...coragem não tem idade...tem estado de espírito e frescor de vida...


Coragem de se viver sem medo...sem receio...com confiança no futuro...

Saber que pode-se morrer a qualquer momento mas não ter medo disto...

Me sentia assim e confesso que depois dos últimos 18 anos de ambições do mundo adulto estou voltando a sentir...


É como se a infância, a entrega total a Deus(a) daqueles tempos volta-se com força...

E os medos da idade adulta, daquela fase que começa aos 30 com os cuidados e responsabilidades...

Fossem perdendo força para uma confiança de criança na vida e em sua plenitude...


Isto pode ser ruim para alguns....irresponsabilidade para outros...para mim é...libertação...renascimento...

Libertação de conceitos que criei nos últimos anos e que agora perdem terreno para uma fé sem limites...um renascimento da entrega total...

Um desejo de ser mais pleno a cada instante...sem medo do que virá depois...e um olhar incessante no centro do furacão da vida e ver ali...calma...paz...amor...segurança...


Neste embalo todavia separo muito bem o que é egoísmo do que é salutar...ou pelo menos...tento...

Jamais usar esta liberdade para prejudicar ninguém mas também jamais me prejudicar por alguém é uma meta...

Simplesmente viver sem medo...ou com o máximo de coragem que for possível...só isto...um desejo sincero...


Antes era ligado à natureza por simbiose, por intuição...sempre me senti ligado a ela...

Hoje sinto que a maturidade me trouxe o senso de inteireza, de pertencimento...de cuidado...de interesse zeloso por ela...

De reconhecer e apreender o que antes era intuitivo, natural e este reconhecer...traz responsabilidades...traz percepções e entendimento sobre a vida...Deus(a) e todas as coisas...


Responsabilidade em me interessar, em preservar, em ser um guardião das coisas...um defensor do sagrado em tudo...

Em perceber a vida e as coisas vivas como absolutamente únicas mas também...unas...múltiplas em manifestação mas unitivas em essência...

Em sentir que sem cada grão de terra, cada matinho, cada gota d'agua não seriamos tão completos...tão sagrados...


E isto para mim independente de sermos e nos sentirmos de outra esfera do Ser ou não...

Sem demonizar-se o natural como alguns fizeram no passado e outros ainda fazem no presente...

Sem ver no mundo tridimensional... o diabo, o demônio...


Sentir Deus/Deusa no natural, é o máximo da espiritualidade para mim pois vencemos a ilusão da separatividade...a ilusão de que a matéria é algo à parte ou até demoníaco no universo...

Quem é preso à ilusão para mim é quem vê  qualquer coisa que não a divindade na criação...

Quem faz isto sonha com uma espiritualidade manca e uma divindade limitada que se restringe a um mundo específico...como que uma divindade assim pode ser criadora? Impossível!!!


O fato de sermos espirituais e termos nossa origem no mundo espiritual deveria ser uma alavanca...

Não um entrave para percebermos que por trás e dentro de toda a matéria que nos circunda...de toda a vida manifesta...de todos os reinos universais...

Está Deus/Deusa em plena potencia...


Assim vivencio hoje em dia o que me circunda...

Assim sinto a vida...sabendo que não sou daqui  em espírito mas que isto não me impede de ver Deus(a) aqui...no meu corpo, no outro(a) e ao meu redor...

Por que Deus(a) não se limita e não se constrange ao se manifestar...Ele(a) simplesmente o É...


Quando voltar para o lugar de origem, para o mundo mental/espiritual quero levar uma única certeza...

Que aqui como lá Deus(a) é...e sempre será...

Eternamente a divindade criativa e sustentadora da vida cósmica/universal...em TODAS as suas nuances e manifestações...



Abraços

Paz e Luz


OM TAT SAT


Vídeos sagrados


Força da natureza...


Mãe Natureza


A Natureza...Eckhart Tolle


Loreena McCkennitt...Mummer's Dance...sempre gostei demais desta musica de Loreena e sempre a associei a natureza e a vida...ao ver a tradução da letra entendi porque

Fonte Youtube...


A Dança Dos Mascarados

Quando à época da primavera
em que as árvores estão coroadas de folhas
Os freixos e carvalhos, bétulas e teixos
estão vestidos com belos laços

Quando as corujas chamam à quieta lua
no véu azul da noite
As sombras das árvores aparecem
Em meio à luz das lanternas

(refrão)
Estivemos caminhando pela noite inteira
E também por uma parte deste dia
Agora, mais uma vez retornando
Trazemos uma guirlanda de flores

Quem vai descer até os sombrios bosques
E lá invocar as trevas?
E amarrar um laço nos braços protetores
Nesta primavera?

O cantar dos pássaros parece preencher o bosque
Que quando o bardo toca
Todas suas vozes podem ser ouvidas
Mesmo após o passar dos dias da floresta

(refrão)

E eles deram as mãos e dançaram
Uma ciranda, em círculos e fileiras
E cai a jornada da noite
Quando todas as cores se vão
"Uma guirlanda de flores nós lhe trazemos
E em sua porta nós estamos
É um broto bem cuidado,
o trabalho da mão de nosso senhor"

(refrão)





















                      FONTE GOOGLE IMAGENS




Nenhum comentário:

Postar um comentário