Google+ Badge

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

KUKULKAN/QUETZALCOATL/VIRACOCHA...A Serpente Emplumada...







FONTE GOOGLE IMAGENS

3 culturas proto americanas se tornaram sinônimo de cult nos últimos tempos principalmente entre a subcultura do mundo new age... 

A MAIA...A AZTECA...E A INCA...

Nestas 3 culturas entre diversas divindades uma se destaca e se torna tão poderosa e influente quanto outras figuras de deuses salvadores e civilizadores de outras culturas...

A SERPENTE EMPLUMADA...

KUKULKAN entre os maias...

QUETZALCOATL entre os aztecas...

VIRACOCHA entre os incas...

A Serpente emplumada é também um dos grandes símbolos da sabedoria e do conhecimento dai o porque ser considerada uma deidade civilizadora.

Mas como poderíamos nos beneficiar deste conhecimento hoje em dia?

Ou o real e verdadeiro conhecimento iniciático da serpente de sabedoria estará para sempre perdido?

Como disse antes, nos últimos tempos através da cultura new age, especialmente pela overdose de 2012 temos observado uma curiosidade intensa das pessoas sobre estas 3 civilizações proto americanas e sábios e anciões ligados as três tradições tem sido ouvidos para contar o que sabem sobre a grande deidade...

Como veremos alguns estudiosos associam a mesma deidade maia/azteca( muito mais comum) Quetzalcoatl/kukulkan a Viracocha o grande deus civilizador inca vendo nos 3 uma única deidade...e estou propenso a concordar com eles...

Vejamos assim alguns textos que colhi e que trazem alguma luz sobre o assunto logo abaixo...

Abraços..

Paz profunda..

ValterTaliesin..

OM TAT SAT...

Vídeos sagradosCHICHEN-ITZÁ...Pirâmide de Kukulkan

Excelente documentário completo do The History Channel...Confronto dos deuses...A história de Quetzalcoatl...

Mini documentário ...A rota de Viracocha em espanhol...

Este vídeo que infelizmente só consegui encontrar em italiano e não em português comenta a associação que o estudioso Zecharia Sietchin faz não só entre Kukulkan, Quetzalcoatl e Viracocha mas deste com o Hermes/Mercúrio greco/romano, o Thoth egípcio e principalmente o sumério Ningishzidda como sendo a mesma deidade civilizadora do conhecimento e da sabedoria...alguns inclusive associam todos estes a figura de Cristo enquanto 
.
Fonte Youtube


Kukulcán



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Kukulcán era a versão maia do deus asteca Quetzalcóatl, a serpente emplumada.
Para os maias "kukul" significa sagrado ou divino e "can" significa serpente.
Para alguns pesquisadores este Deus (o mesmo Quetzalcoatl dos astecas) provém da cultura tolteca, para outros provém da cultura olmeca.
Em todo caso sua origem é muito anterior aos maias e esta presente em toda a América Central.
Entre os restos arqueológicos de Chichen Itza se lhe pode observar como uma serpente que desce nos vértices do edifício em forma de colunas de ar durante os dois equinócios. Foi uma deidade rapidamente assimilada pela aristocracia, apesar de que tenha se incorporado ao panteão maia em uma época tardia. Aparece como uma das divindades criadoras sob o nome de Gucumatz, e como deidade dos ventos com o nome de Ehecatl na esteira 19 de Ceibal. Em Chichen Itza foi conhecido como o "Estrela d'Alva". Alcançou especial transcendência na península de Yucatán, em onde seu nome foi utilizado por muitos governantes para legitimar seus poderes e alcançar maior prestígio.

Kukulcán é o nome maia de Quetzalcóatl, personagem importante no Período Posclásico dos maias, no livro sagrado popol vuhse lhe conhece como "GUKUMATZ" . Aqui o vemos em um desenho de um baixo -relevo de Yaxchilán.
Quanto a suas diferenças com relação a Quetzalcóatl, parece que muitas delas se deviam às diferenças climáticas entre ambas regiões. Para os Astecas, Quetzalcoatl não só era o Senhor do Sol, mas o próprio Deus-Sol do país. Kukulcán além disso tem os atributos de um Deus-Trovão. No clima tropical de Yucatán e a Guatemala, o Sol ao meio-dia parece desenhar as nuvens de seu ao redor com formas serpenteantes; destas emanam o trovão, a luz e a chuva, por isso Kukulcán pareceria haver atraído aos maias mais como um deus do céu que como um deus da própria atmosfera, apesar de que muitas vezes as esteiras do Yucatán representem a Kukulcán com o ar saindo de sua boca, como muitas representações mexicanas de Quetzalcoatl.
Kukulcán , do qual falam os arqueólogos, é a deidade que mais freqüentemente aparece nos manuscritos do Códice de Dresden e outros. Tem o nariz comprido e truncado, como o de um tapir, e nele se encontram todos e cada um dos signos de um deus dos elementos. Caminha sobre a água, maneja tochas ardentes e se senta na árvore cruciforme dos quatro ventos que com tanta freqüência aparece nos mitos americanos. Evidentemente é um deus do cultivo e herói, já que se lhe vê plantando milho, levando ferramentas e continuando uma viagem, feito com que estabelece sua conexão solar.
Segundo as crônicas maias, Kukulcán, da mesma forma que Quetzalcóatl, é o conquistador que chegou em Yucatán pelo mar desde o Oeste, para finais do século XV, e se transformou em caudilho e fundador de sua civilização. Da fusão dos dois mitos, Kukulcán aparece como o senhor do vento porque rege e governa a nave que lhe conduziu a Yucatán e ao povo que fundou.
Ícone de esboço

http://pt.wikipedia.org/wiki/Kukulc%C3%A1n



Quetzalcóatl



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Quetzalcoatl.
Quetzalcóatl é uma divindade das culturas de Mesoamérica, em especial da cultura asteca, também venerada pelos toltecas e maias. É considerada por alguns pesquisadores como a principal dentro do panteão desta cultura pré-hispânica. Os astecas incorporaram esta deidade em sua chegada ao vale do México, no entanto modificaram seu culto, eliminando algumas partes, como a proibição dos sacrifícios humanos.
O nome de Quetzalcóatl é composto de duas palavras de origem náuatle: quetzal, que é uma ave de formosa plumagem que habita a selva centroamericana e cóatl, "serpente" e é usualmente traduzida como "Serpente Emplumada", "Pássaro Serpente", ou "Pássaro Serpente da Guerra"; Especula-se que a origem desta deidade provém da cultura olmeca, no entanto sua primeira aparição inequívoca ocorreu em Teotihuacan. A cultura teotihuacana dominou durante séculos o planalto mexicano. Sua influências culturais abarcaram grande parte da mesoamérica, incluindo as culturas maia, mixteca e tolteca. Os maias retomaram a Quetzalcóatl como Kukulkán.
Quetzalcoatl representa as energias telúricas que ascendem, daí a sua representação como uma serpente emplumada. Neste sentido, representa a vida, a abundância da vegetação, o alimento fisico e espiritual para o povo que a cultua ou o indivíduo que tenta uma ascese espiritual.
Posteriormente, passou a ser cultuado como deus representante do planeta Vênus, simultaneamente Estrela da Manhã e Estrela da noite, correspondendo, com o seu gêmeo Xolotl, à noção de morte e ressurreição. Deus do Vento e Senhor da Luz, era, por excelência, o deus dos sacerdotes. É às vezes confundido com o rei sacerdote de Tula. Governava o leste.
Segundo fontes incertas e tradições orais, uma das representações deste deus é um homem branco, barbado e de olhos claros. Esta representação seria uma das justificativas da teoria de que os povos indígenas, durante a conquista da Nova Espanha (Mesoamérica), acreditaram que Hernán Cortez era Quetzalcóatl. O acadêmico multiculturalista Serge Gruzinski, analisando as crônicas do século XVI sobre a conquista do México, compartilha da crença de que os astecas realmente acharam que Cortez fosse Quetzalcóatl e essa é uma das razões pela qual os espanhóis dominaram tão facilmente a América Central.
O cacau, fruto tipicamente americano, era usado durante os rituais ao deus como uma bebida quente, o xocóatl, bebida que deu origem ao chocolate tão apreciado atualmente.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Quetzalc%C3%B3atl



Viracocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Viracocha - Porta do Sol, detalhe.
Viracocha ou Wiracocha ou Huiracocha (no idioma quechua: Apu Kun Tiqsi Wiraqutra) é a divindade invisível, criadora de toda a cosmovisão andina, era considerado como o esplendor original, o Senhor, Mestre do Mundo, sendo o primeiro deus dos antigos tiahuanacos, que provinham do lago Titicaca, de cujas águas teria surgido, criando então o céu e a terra. É o arquétipo da ordem do universo no homem.
Deus andrógino criado por si mesmo, hermafrodita, imortal, introduzido durante a expansão Wari-Tiwanaco, é o deus principal, criador do Universo e tudo que nele existe: a terra, o sol, os homens, as plantas, adotando distintas formas, e se acreditava que ele estava em toda parte.
O culto ao deus criador supõe um conceito que abrange o abstrato e o intelectual, e era destinado apenas à nobreza.
Este deus, ou Huaca, aparentemente também está presente na iconografia dos habitantes de Caral e de Chavín, antigas cidades no atual território do Peru.

[editar] Etimologia

Em quechua, tiqsi significa "fundamento, base, início"; enquanto que wiraqutra provém da fusão dos vocábulos: wira (gordo) e qutra (que contém água - lago, lagoa). Na simbologia dos antigos andinos, a gordura era um símbolo da energia, e a água o elemento capital do ciclo vital do universo.
Quando os primeiros cronistas chegaram à América, a língua espanhola estava ainda em plena evolução, carecendo de normatização em seu alfabeto. Em tais casos, era comum o uso do V como o U para representar indistintamente a vogal u, e a semi-consoante W, que hoje tanto se escreve com U ou HU, naquele idioma. Por esta razão a grafia do nome deste deus foi largamente transliterada como Viracocha, e ainda outros escreviam Huiracocha ou Huiraccocha. Em outras versões seu nome era Ticci, Tiki ou Teisi.

[editar] Doutrina

Viracocha, assim como outras deidades, era nômade e tinha um companheiro alado - o pássaro Inti, uma espécie de ave mágica, conhecedora do presente e do futuro, representada nos mitos orais como um colibri com asas de ouro (Quri qinqi).
Na mitologia inca atribui-se a este deus todo-poderoso a faculdade de dirigir a construção de tudo que é visível e invisível. Organizando o universo em três mundos relacionados entre sí, em dualidade e harmonia.
  • Hanan Pacha: o mundo de acima, habitam os seres celestes, constelações, astros, raios, estrelas, arco-íris, nuvens.
  • Kay Pacha: o mundo daqui, convivem os seres terrestres, as montanhas, os lagos, os homens, os animais, as plantas.
  • Uchu Pacha: o mundo subterrâneo, vivem os mallquis que são as sementes, os ancestrais enterrados para que na terra nasçam os homens novos.
Estes mundos estão relacionados através da Yacumama e Sachamama que os atravessam:
  • Yacumama é o poder das águas e da fecundidade. No mundo de acima é o raio, no mundo terreno é o rio, e no subterrâneo é a serpente.
  • Sachamama é o poder da fertilidade, que no mundo de acima é o arco-íris, aqui no terrestre é a árvore, e no subterrâneo é a serpente de duas cabeças, uma em cada extremidade.
Entre esse mundo interior ou subterrâneo, existe uma comunicação física através dos orifícios da terra, covas, crateras, lagoas, denominadas genericamente de pacarinas, relacionadas à origem dos seres viventes.
Entre o mundo terreno e o celeste, a comunicação se torna ideal. O homem se converte no mediador e intérprete dos mundos.
Iniciou sua obra no mundo dos antigos (ñawpa pacha), talhando na pedra as figuras dos dois primeiros seres humanos, dos primeiros homens e mulheres que vão tornar-se os fundamentos de seu trabalho.
Quando Viracocha coloca estas estátuas nos vários lugares que lhes correspondem e, e lhes dá nome, animam-se ganham vida na escuridão do mundo primitivo (ñawpa pacha), posto que não havia ainda o deus cuidado de dar luz à Terra, que era então iluminada apenas pelo claror de Titi, um puma selvagem e chamejante, que vive no alto do mundo - certamente o jaguar que se entrelaça com outros animais nas representações totêmicas do Império Inca e das culturas pré-inca e incas.
O mundo visível chama-se Kay Pacha, mas ainda está incompleto porque Viracocha postergou o labor de criação completa do mundo, com o nascimento dos seres humanos que vão desfrutar dele.
Satisfeito com os homens, o deus prosseguiu em seu projeto, agora pondo em seu lugar devido os filhos Sol (Inti), a Lua (Mama Quilla), a infinitas estrelas, até cobrir toda a abóboda celeste com suas luzes.
Depois, Viracocha dirige-se ao norte para, a partir de lá, chamar ao seu lado as criatura que ele acabara de dotar com vida própria.
A partir de Tiahuanaco, Tiqsi Huiracocha delegou as tarefas secundarias da criação a seus dois ajudantes, Tocapu Huiracocha e Imaymana Huiracocha, que iniciam imediatamente as rotas do leste e oeste dos Andes, para - a cada instante nestes largos caminhos dar vida e nome a todas as plantas e animais que vão fazendo aparecer sobre a face da terra, na sua linda missão de auxiliar e complementar a obra realizada antes por seu deus e senhor Huiracocha, missão que terminam junto a a orla do mar, para depois mergulhar regiamente nas suas aguas, uma vez cumprida a tarefa ordenada pelo deus criador principal do universo e dos incas e pre-incas ao que parece desde a época de Caral.
Nos mitos orais Huiracocha mostra-se como um sábio governante da época de Caral que ditou as leis da economía de retribuição (trueque, sistema de distribuição do trabalho) como também da Ayllu a grande unidade familiar andina. Viracocha logo ascendeu a categoría divina, igual a de todos os grandes governantes pre-incas e incas.
Devido a ser o principal icone da mitologia inca, no vocabulário moderno, em todo os Andes centrais, é um nome de tratamento de respeito como senhor.
Ícone de esboço

http://pt.wikipedia.org/wiki/Viracocha


Este texto abaixo teve tradução automática do inglês para o português...qualquer termo 'macarrônico' se porventura houver advém disto...
Gratidão

Viracocha / Kukulkan / Quetzalcoatl

 

A Serpente Emplumada Deus é um dos grandes mistérios das antigas culturas americanas, ele foi chamado Viracocha pelos Incas, Kukulkan pelo Maias, Quetzalcoatl pelos astecas, Gucumatz na América Central, Votan em Palenque e Zamna em Izamal. Ele e, em alguns casos seus "homens" foram descritos como sendo brancos, homens barbudos em alguns escritos e como alguém com pele branca de cabelo, no rosto e olhos de esmeralda bonitas em outros.
Viracocha / Kukulkan / Quetzalcoatl (é) são um dos muitos enigmas da história da nossa terra.
Mesoamericana lendas em geral, todos parecem apresentar o mesmo Deus, apesar do fato de que cada cultura mesoamericana teve sua tradição "própria" sobre a criação da humanidade.   Existe um elemento comum em todos eles - Viracocha/Kukulkan/Quetzalcoatl- esta divindade ou é diretamente envolvidos no processo real de criação ou age como protetor da humanidade e advogado.   Algumas das histórias variam tanto ligeiramente e de forma significativa, mas manter para a parte mais um tema comum, como descrito acima.
Muitas semelhanças e paralelos existentes entre mesoamericana e indiano (Índia), suméria e mitologia egípcia, bem como ter muitos elementos comparáveis ​​com as histórias da Bíblia.

Debates arqueológicos incendiar ainda com freqüência regular sobre as datas das culturas mesoamericanas.   Em alguns casos, os estudiosos afirmam cultura mesoamericana em um nível sofisticado que existia antes da Suméria Antiga, que atualmente é aceita como a mais antiga civilização.

Consenso História lugares humanos nas Américas somente após o tempo do estreito de Bering, a travessia a ter lugar entre 12.000 e 9.000 aC.   entanto aceites achados arqueológicos mostram seres humanos nas Américas, já em 30.000 anos atrás, controverso encontra empurrar essa data muito mais volta para pré-história, alguns achados datam de milhões de anos.

Os Incas, Maias e Astecas tinham culturas que estavam prosperando e bastante avançada em muitos aspectos.   os calendários, e arte desses povos foram pelo menos igual, se não superior em qualidade para os padrões europeus e que do antigo Egito.
A divindade conhecido como Viracocha / Kukulkan / Quetzalcoatl foi dito ser o responsável por dar estes ofícios ao, incas, maias e astecas.
As técnicas de arquitetura e construção de muitas das pirâmides e outros edifícios e ruínas em rival América Central e em alguns casos parecem mais sofisticados do que os utilizados pelo Egito para as Grandes Pirâmides de Gizé.   Assim como as Pirâmides de Gizé muitas das datas de construção ainda estão sob debate científico, bem como arqueológico.   locais como Egito muitos mesoamericanas levantam a questão de como esses monumentos foram construídos, como a pedra usada nestas construções foram extraídos, como eles foram transportados (de grandes distâncias) e como eles foram colocados.

Os Incas: Viracocha

Os incas, que teve uma grande tecnologia (relativamente falando) quando os europeus ainda eram nômades bárbaras, disse que sua tecnologia foi ensinado a eles por Viracocha, que foi descrito como um, Europeu Deus barbudo.
Viracocha foi o criador dos incas, o Sol, a Mãe Terra e tudo o mais.   Viracocha foi chamado o fundador supremo, e Criador de tudo.
Lendas dos índios Aymara dizer que o Criador Deus Viracocha subiu de Lago Titicaca durante o tempo de trevas para trazer luz. 
Viracocha foi um deus da tempestade e um deus do sol que foi representado como usar o sol para uma coroa, com raios em suas mãos.
Viracocha fez a terra, as estrelas, o céu ea humanidade, mas sua primeira criação desagradou-lhe, então ele destruiu com um dilúvio e fez um novo, melhor, moldar figuras de barro e dando vida a eles .   Depois disso, ele instruiu esses seres de sua própria criação na linguagem, costumes, artes, limpeza, conhecimento e comportamento civilizado e finalmente voou alguns deles para diferentes continentes, que eles deveriam habitar desde então.   Em algum momento posterior Viracocha e seus assistentes viajou para muitos países para verificar como o seu instruções estavam sendo seguidos. 
Viracocha saiu eventualmente, algumas lendas dizem através do Oceano para o leste, outras lendas dizem a oeste alguns dizem que ele saiu, caminhando sobre a água, outros que ele deixou em uma jangada feita de viver e se contorcendo cobras e outros ainda dizem que em um navio fantástico que pias e viaja sob as ondas que só podem ser destinadas a descrever um submarino.  Ele prometeu um dia voltar.   Pensou-se que Viracocha iria voltar a aparecer em momentos de dificuldade.

Referências também são encontrados por um grupo de homens chamados a "Suncasapa" ou "barbudos" eram os soldados de Viracocha ou os "guerreiros Angélicas de Viracocha".

Nota: Mais tarde, um dos Reis Inca (o governante Inca oitavo) assumiu o nome de Viracocha.

Império Inca existiu na América do Sul, abrangendo partes do atual Peru, Bolívia, Equador, Chile e Argentina, com capital na cidade moderna de Cuzco, Peru. Não se sabe quanto tempo o império existiu como não há debate acadêmico até hoje, alguns dizem que tão cedo quanto 9000 aC outros apenas dar-lhe uma data de 1200 @ CE até a morte do último imperador nas mãos dos conquistadores espanhóis em 1533 .

De muitas maneiras Tiahuanaco, na Bolívia, é um enigma arqueológico foi datado entre 15.000 aC e 9.000 aC (datas ainda muito debatido por muitos estudiosos).   Este "namoro" é baseada em evidências geológicas claro que o Altiplano em que a cidade foi construída não subiu à sua altura atual até que em algum lugar entre @ 12.000 e 8.000 aC, e do fato de que Tiahuanaco continha uma "Porta do Mar" mostra que a cidade existia antes disso ea data de 15.000 aC é provavelmente o mais preciso.   A Kallasasaya uma estrutura ampla em Tiahuanaco foi determinado para ser astronomicamente alinhados para os céus e lançou-se como um observatório em torno de 15.000 aC.

A construção de pedra monumental envolvido é até hoje inexplicável, tanto quanto o corte de vestir e transportar as pedras formam as duas pedreiras utilizadas, sendo um deles 10 milhas de distância e os outros 50 quilômetros de distância, levantando a questão de como os enormes blocos foram transportados em uma idade antes que o cavalo foi domesticado na América do Sul e da roda supostamente não existia.

Um exame detalhado das estruturas mostra uma técnica pouco atrás de seu edifício. Os blocos de pedra eram entalhado, em seguida, montados em conjunto para que eles interligados em três dimensões destas ranhuras que continham bronze foram capazes de suportar as pedras um contra o outro.   Este é um fato interessante, pois as Américas supostamente não têm uma idade de bronze . O resultado foi edifícios fortes o suficiente para resistir a terremotos.

Tiahuanaco é um exemplo de engenharia tão monumental que supera até mesmo o trabalho dos egípcios. Blocos de pedra sobre o site pesa nada até 65 toneladas. Eles não suportará as marcas de cinzel, de modo que o meio pelo qual eles estavam em forma continua a ser um mistério.

Também existe a possibilidade de que o do Inca foram os retardatários para a área de assumir sites pré-existentes de construção e acrescentando a eles.   Esta teoria é dado algum crédito pelo fato das diferenças óbvias na qualidade e estilo de arquitetura, onde as gerações posteriores do Inca adicionado e, em alguns casos expandido estruturas existentes.

Muitos dos sites mais um campo na Mesoamérica caber o mesmo padrão, muitos mostram duas distintas e diferentes estilos arquitetônicos e níveis de tecnologia, isso é verdade para os maias e os astecas e não apenas o Inca. 

Se este for o caso eo do Inca foram retardatários Por que não há sinais de que os substituídos?

O consenso científico de toda quando muitas ruínas do Sul e da América Central foram construídas é baseada em fragmentos de cerâmica.   O consenso é errado!

A Maya: Kukulkan

As lendas dizem que ele veio do céu para a terra, e por causa disso ele foi representado como uma serpente emplumada em todas as ruínas de sítios arqueológicos do México.   metade homem Considerado e deus metade em um único ser, o pássaro quetzal foi escolhido como seu totem, o pássaro representa o céu ea terra serpente representando.
De pele branca e barbudo, Kukulkan era também o deus da vida e da sabedoria divina.   Ele trouxe amor, penitência, e isenção de os rituais habituais de sacrifício e oferta de sangue.
Ele era um ser místico que se reuniu com pessoas de lugares distantes, e tinha o poder de curar os enfermos e trazer os mortos de volta à vida. Quando ele partiu para o leste, viajando o oceano em uma jangada de serpentes, ele prometeu a seus seguidores que ele iria voltar.
Ele costumava dizer: "ytzeen Caan, ytzeen muyal", que em antigos meios maias: ". Eu sou o orvalho ea substância do céu"
Tal como acontece com muitos mitos sobre deuses e deusas - Mitos maias discutir conexões com o ser de outros reinos que vieram para a Terra para semear o planeta.
Muitas pessoas vêem na história do Popol Vuh a história de deuses extraterrestres que vieram para baixo e fez o homem à sua própria imagem. Quando eles fizeram o homem que ele era perfeito - viver o tempo que eles fizeram - ele podia ver longe e largo - vidente - e era tão perspicaz como eles eram.
Eles perceberam que eles tinham feito um concorrente que era tão sábio como os próprios Deuses. Então, eles o destruíram e começou tudo de criar o homem atual. O homem moderno vive vidas mais curtas, não é tão inteligente, e está aqui para agir como uma corrida servo dos Deuses.
Dentro de sua cultura que eles têm lendas de visitar Deuses do espaço exterior. Nos últimos mil anos, o ser conhecido como Kukulkan a Grande Serpente Emplumada era um Deus que trouxe o ensino da paz para esta parte do mundo e apareceu como um Deus branco com uma barba. Os desenhos de lhe parecer quase idêntico aos desenhos de o ser conhecido como Ea ou Enki nos ensinamentos antigos sumérios.

Civilização maia

Os maias são um povo do sul do México e norte da América Central, com cerca de 3.000 anos de história rica. Os maias faziam parte dos pré-colombianas mesoamericanas culturas. Ao contrário do mito popular, nunca a Maya "desapareceram", milhões ainda vivem na região, muitos deles ainda falam um da família Maia de línguas.
A civilização Maia evoca nas cidades imaginação gloriosos, obras de arte preciosas, jóias esculpidas de jade e ouro, em cima de grandes rituais pirâmides gigantescas - e ainda a maioria das grandes cidades foram abandonados antes da época da conquista. 

O significado da palavra Maya ilumina alguns dos mistérios que cercam este grande povo. Nos Vedas Hindu, a Maya foram descritos como uma tribo de navegadores que circum-navegou o globo, tendo sabedoria e conhecimento. Na Índia, eles eram conhecidos como a 'Naga Maias ", na Grécia, como o 'Cara Maias ", e no Egito, como o'Maya'.  Para este dia, os falantes de antigos maias manter um conhecimento profundo das raízes do mundo grande línguas. "O Maya palavra em sânscrito significa, "o maravilhoso poder de criação, o poder de Deus, para medir, limitar, para dar forma ... o início menos causa que traz a ilusão do mundo. "

Evidência arqueológica mostra a Maya começou a construir arquitetura cerimonial pelo menos 3000 anos atrás, e talvez até muito antes.   Há algum desacordo quanto às fronteiras e diferenças entre os maias cedo e seu vizinho pré-clássico da civilização mesoamericana, a cultura olmeca.   Embora o olmeca parecia ter influenciado a Maya cedo.

Os maias desenvolveram as cidades famosas de Tikal, Palenque, Copán e Kalakmul, bem como Dos Pilas, Uaxactun, Altun Ha, e muitos outros locais na área. Eles desenvolveram uma agricultura intensiva, o império da cidade centrada consistindo de numerosas cidades-estados independentes ( Assim como Suméria e Índia antiga!). Os monumentos mais notáveis ​​são as pirâmides que construíram em seus centros religiosos e dos palácios de acompanhamento dos seus governantes.   Outro importante vestígios arqueológicos incluem as lajes de pedra esculpidos normalmente chamadas estelas (os maias chamavam tétum , ou "árvore-pedras"), que retratam os governantes juntamente com textos heiroglyphic descrevendo sua genealogia, as vitórias de guerra e outras realizações.

Sistema de escrita

O sistema de escrita maia (geralmente chamada hieróglifos a partir de uma vaga semelhança superficial com a escrita egípcia, à qual não se relaciona) era uma combinação de símbolos fonéticos e ideogramas. É o sistema de escrita apenas do mundo pré-colombiano que pode representar completamente idioma falado no mesmo grau como a linguagem escrita do velho mundo. A decifração dos escritos maias tem sido um processo longo laborous. Bits de que foram pela primeira vez decifrados no século 19 e início do século 20 (principalmente as peças que têm a ver com números, calendário e astronomia), mas grandes avanços vieram a partir dos anos 1960 e 1970 e acelerou rapidamente depois disso, de modo que agora o maioria dos textos maias podem ser lidos quase completamente em seus idiomas originais.

Infelizmente excesso de zelo padres espanhóis logo após a conquista ordenou a queima de todos os livros maias. Nosso conhecimento do pensamento maia antigo deve representar apenas uma pequena fração de todo o quadro, por um dos milhares de livros nos quais toda a extensão de sua aprendizagem e ritual foi gravado, apenas quatro sobreviveram até os tempos modernos.   Enquanto muitas inscrições em pedra sobreviver ( principalmente a partir de cidades já abandonadas quando os espanhóis chegaram), apenas três livros e algumas páginas de um quarto sobreviver das bibliotecas antigas. Caroços retangulares de chips de gesso e pintura são uma descoberta freqüente na arqueologia Maya, pois eles são o tantalzing restos do que tinha sido livros depois de todo o material orgânico tinha deteriorado.

Matemática

Os maias (ou seus predesessors olmecas) desenvolveram independentemente o conceito de de zero (de fato, eles parecem ter vindo a utilizar os séculos conceito antes do Velho Mundo), e usou uma base 20 sistema de numeração. Inscrições mostrá-los na ocasião de trabalhar com quantias até as centenas de milhões de pessoas. Eles produziram extremamente precisas observações astronômicas; seus prontuários dos movimentos da Lua e dos planetas são iguais ou superiores a qualquer outra civilização trabalho de observação olho nu. O cálculo Maya do comprimento do ano solar foi um pouco superior ao calendário gregoriano. 

 

Astecas: Quetzalcoatl

Quetzalcoatl ("serpente emplumada") é o nome asteca para a divindade Serpente Emplumada-da antiga Meso-América, um dos principais deuses de muitos mexicanos e norte da Central civilizações americanas.
O nome "Quetzalcoatl" significa, literalmente, quetzal-pássaro cobra ou serpente com penas da Quetzal (o que implica algo divino ou precioso).
Quetzalcoatl era o Senhor de Inteligência e dos ventos na mitologia asteca.
Quetzalcoatl originou-se como um deus da água. O primeiro mito que ele aparece, ele é chamado de "Serpente Precious" e foi "o espírito das águas que fluem ao longo das curvas sinuosas dos rios"
Mito conta que Quetzalcoatl fez o seguinte para a humanidade:
  • Nomeado todos os marcos da Terra (montanhas, mares, etc)
  • Milho Descoberto (milho)
  • Fogo criado (sob o disfarce de Mixcoatl)
  • Fundada a cultura maguey - cerveja octli e embriaguez cerimonial
  • Instrução deu de música e dança
  • Doenças oculares curados, cegueira, tosse, aflições pele; deu aos sacerdotes a prática da curandeiro , o elenco de diagnóstico de lotes (uma espécie de adivinhação médica)
  • Ajudou com problemas de fertilidade
  • Procriado linhagens reais
  • Estabeleceu o sacerdócio - deu a instrução apropriada de sacrifício e criou o Tonalmatal (Livro dos Dias destino)
  • Animais domesticados.
Quetzalcoatl e Tezcatlipoca se agrupam em torno Tlaltecuhtli e dividi-la ao meio, uma metade criação da Terra, o outro dos Céus.

Lugar de Quetzalcoatl entre os deuses

Tlaloc: Os dois compartilham uma estreita relação em seu disfarce como Ehectal. Desta maneira, Quetzalcoatl pode ser visto como subordinado a Tlaloc. Afinal, é Ehectal que anuncia a chegada das chuvas. É então uma grande ironia, considerando que em alguns mitos Quetzalcoatl é mais velho do que Tlaloc e, além disso, é dito ter criado Tlaloc (juntamente com outros deuses).
Tezcatlipoca: Fora de todos os deuses, é a que Quetzalcoatl é mais intimamente associado. Em uma conta, Quetzalcoatl não é mais do que um aspecto de Tezcatlipoca, o Tezcatlipoca Branco. No entanto, normalmente é muito mais complicado do que isso. Por qualquer motivo que pode ter sentido, o povo decidiu há muito tempo que estes dois seriam confinados a uma existência yin-yang. Os dois deuses para sempre agir fora sua polaridade no palco cósmico.   Por um lado, eles trabalham juntos na criação da Terra e dos Céus, enquanto que, por outro lado, eles são constantemente hostis entre si. Eles parecem sempre estar a tentar destruir um ao outro e eles costumam ter sucesso, embora Tezcatlipoca é geralmente mais vitorioso. O exemplo mais claro de seu relacionamento é visto com a Lenda de Quetzalcoatl o Homem. Dificilmente pode ser coincidência que é Tezcatlipoca seguidores do que iniciam a disputa religiosa em Tula que leva ao banimento de Topiltzin.

Uma explicação de seu conflito permanente é da natureza de seu ser. Como Tezcatlipoca é imprevisível, que é perigosa combinação tendo em conta o facto de que também é considerada Tezcatlipoca onisciente e onipotente. Quetzalcoatl, em comparação é o salvador da humanidade. Ele não é tão poderoso, mas ele não precisa ser. Seus atos são o que importa. Eles são, no final, mais poderoso, devido à sua importância para o povo, do que qualquer dos feitiços e ilusões Tezcatlipoca pode lançar. No final, o que poderia ter sido uma questão de que as pessoas realizaram mais próximo de seus corações. Para não importa toda a força e poder teve, as pessoas temiam onde, como eles se sentiram em débito com Quetzalcoatl.

relação de Quetzalcoatl / Tezcatlipoca é muito semelhante à rivalidade associada com a "deuses" Enlil e Enki do panteão sumério.
Os astecas são um povo mesoamericano de uma tribo do México central, com uma rica mitologia e do património cultural. Em nahuatl, a língua nativa dos astecas, "Aztec" significa "alguém que vem de Aztlán". O asteca também se referiram como o Mehika ou Meshika ou astecas , a origem do nome "México". Curiosamente a maioria dos nativos no que chamamos de México estão ofendidos com o título mexicano.
Pouco se sabe dos primeiros astecas, não manter muitos registros escritos. Sua história foi principalmente passados ​​de boca em boca, de uma geração para a seguinte. Diz a lenda que eles vieram de uma ilha chamada Aztlan, significando Branco Coloque -Alguns estudiosos fazem uma ligação linguística entre Aztlan e Atlantis .
No códice asteca Tira de la Peregrinación, comumente chamado de Scrolls Migração. Os pergaminhos têm os astecas deixando Aztlan, que foi descrito como uma ilha em um lago com Chicomoztoc descrito como sete templos no centro da ilha.
Quando sua cidade capital foi construído é outro tema muito debatido de argumento para muitos estudiosos.   Ele é atual aceita por muitos que o asteca cidade do Capitólio foi construído em algum momento no 14 º século.   Esta é diretamente em desacordo com muitos achados arqueológicos e antropológicos.   Como uma cidade do tamanho, escala e grandeza de Tenochtitlán poderia ter sido construída no período de tempo estipulado pela ciência mainstream parece impossível pelas regras do senso comum, bem como as suas habilidades tecnológicas supostamente primitivos.
A civilização asteca continha cerca de 15 milhões de pessoas que viviam em cerca de 500 cidades. Cerca de 300.000 pessoas viviam em Tenochtitlan. Nesta cidade famosa, a controlada pelo governo e foram responsáveis ​​para lidar com impostos, fome, punição, e de negociação de mercado. Punição na cidade de Tenochtitlan foi aplicada para quebrar qualquer código de leis do governo. Infratores foram escravizados em condições de trabalho por um período de tempo específico. Se o crime passou a ser menor, a lei-breaker foi acusado de uma série de taxas ou multas.
Os astecas falavam uma língua chamada Nahuatl (pronuncia NAH waht l). Ela pertence a um grande grupo de línguas indígenas, que também incluem as línguas faladas pelo Comanche, Pima, Shoshone e outras tribos do oeste da América do Norte. Os pictogramas astecas usados ​​para se comunicar através da escrita. Algumas das fotos simbolizado idéias e outros representados os sons das sílabas.
Variações dessa linguagem ainda são faladas em algumas das áreas mais remotas do México em que as culturas indígenas ainda estão vivos. Nahuatl é uma variação de um grupo maior conhecida como linguagem de uto-asteca. Outras variações sobre esse grupo de idiomas ainda são faladas em algumas das regiões que vão do centro do México pelo norte do México em no sudoeste dos Estados Unidos, incluindo o Pima, Tohono O'ohdam do Arizona.
A Pirâmide Cuicuilco no México é outro enigma.   Foi geologicamente datada de antes de 8500 aC com base no fato de que existia antes da primeira erupção vulcânica do Monte Xitli.   Este "fato" ainda está em debate.





Avatar da verdade

Deixe a luz da Verdade queimar a ignorância de sua mente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário