Google+ Badge

sábado, 1 de março de 2014

A JORNADA DO HERÓI E O HERÓI...Dois mitos hoje mais vivos e necessários do que nunca....






Texto criado originalmente como post em site de relacionamentos e tornado maior e mais abrangente aqui no Blog...entendo que este tema seja mais relevante do que muito supõem...


A jornada do herói é um mito em si mesmo...


É o caminho iniciático que o desafia, desperta, acorda seu potencial até então oculto ou não plenamente manifesto.


Os 12 trabalhos de Hércules, o voto de nazireu de Sansão, a fuga de Davi e Moisés para o deserto, a peregrinação de Abraham na terra prometida, Teseu enfrentando o labirinto antes de encarar o Minotauro, Ulisses e seus embates com Poseidon e Calipso para voltar para os braços de Penélope ainda que com a ajuda de Atena, Jason e os argonautas e todas as suas vicissitudes antes de encontrarem o velocino de ouro, Jesus jejuando por 40 dias e 40 noites no deserto e depois tentado por Satan antes de começar seu ministério avatárico, Paulo 3 anos recluso no deserto após o encontro transformador da estrada de Damasco sendo preparado interiormente para se tornar no verdadeiro fundador do cristianismo como o conhecemos hoje, Pedro e a negação de seu mestre para depois se tornar no mestre das chaves dos mistérios do céu, Arthur Pendragon e os anos de anonimato até a prova da retirada da espada da rocha, César e o embate com os druidas gauleses - diz uma história que ele arrebatou deles simplesmente excalibur levando-a para Roma a qual foi o verdadeiro poder por trás dos césares, onde esteve até ser levada por outro imperador Maxêncio em guerra com o rival Constantino para a Grã Bretanha quando percebeu que o papel de senhora do mundo de Roma como era conhecida nos tempos pagãos estavam chegando ao fim - antes de ser digno de ostentar a toga e o cetro de senhor de Roma, Alexandre e a rejeição do pai e os testes de coragem e sabedoria com Aristóteles antes de ser o que foi, Daniel e seus amigos e a alimentação a que se submeteram contrárias as refeições dos caldeus no palácio do rei para se tornarem magos da corte e a prova diante de todos que a escolha deles foi a correta, Jacó e a fuga diante da ira do irmão depois de usurpar-lhe  a primogenitura e a benção começando com a visão da escada de Jacó passando pelos sofrimentos nas mãos de Labão para purgar o que fez ao irmão chegando depois à reconciliação com o irmão Esaú e terminando na luta física( ou metafórica como queiram) com uma entidade sagrada que identificou como uma epifania divina por uma noite toda até o amanhecer e sua mudança completa num ente sagrado, O Batista e suas provas no deserto antes de revelar-se a Israel, Krishna e suas provas antes de enfrentar o tio, Rama e Sita e as provas que enfrentaram antes de serem felizes... estes são alguns dos exemplos do mito da jornada, do caminho iniciático que forma o herói ou o manifesta.




A jornada portanto é tão importante quanto o herói em si!




A jornada é o caminho iniciático e o herói mesmo que o seja em potencial só se manifesta, só se torna o que nasceu para ser se aceita o que as moiras determinaram para si, as provas que os deuses colocaram diante de si para que o que tem dentro de si aflore. 


Sim, mesmo Jesus o Cristo, tanto no tempo oculto quando ninguém sabe ao certo o que foi ou fez de si, quanto depois do batismo, quando se tornou o receptáculo do Espírito divino teve diante de si provas iniciáticas para despertar o que era em essência. A prova no deserto, foi um ponto decisivo neste caminho só superado pela noite de sofrimento no monte das oliveiras quanto suou gotas de sangue(prova suprema que o preparou para o ato supremo de sacrifício de um avatar), este foi o teste decisivo para que toda a plenitude do Espírito o preenchesse para que nos anos seguintes exercesse seu ministério sagrado...




TODOS portanto tem que aceitar seu destino, as provas que despertarão o que são dentro de si. 


Mesmo eles dando sinais do que seriam no futuro como Héracles matando as serpentes que o rival lhe coloca no berço, mesmo assim houve o momento onde o MOMENTUM teve que manifestar-se diante dele e ele reconhecer no rei que lhe impõe as provas iniciáticas conhecidas hoje como os 12 trabalhos de Héracles, não um inimigo em si mas o iniciador sagrado que este era. SIM as vezes não somos amigos, pupilos, nem sinceramente gostamos de fato de nossos iniciadores, mas são eles que o sagrado colocou diante de nós, em nosso caminho para que através deles nosso potencial divino, nossa porção herói se manifeste e cumpramos as missões sagradas que nos levarão a mudarmos a sociedade em que vivemos e quiça o futuro de toda a sociedade humana.




Vejam o caso do grande Osíris, de grande rei benfeitor do Egito à posição sagrada de maior Deus, ou revelador do Deus único teve que encarar as provas com o irmão que lhe odiava, o futuro grande Deus trevoso Seth, a ponto de ser por fim morto e esquartejado por este em 14 partes que foram cuidadosamente buscadas e juntadas por sua devota esposa Isis e a irmã deles Néftis esposa de Seth(mas não sua parceira neste ato vil), a ultima parte encontrada foi o falo com o qual Isis  finalmente, consegue reviver o grande Deus  e se relaciona com ele nascendo deste ato supremo e sagrado o Deus Hórus o grande falcão divino que nasce com a missão de vingar o pai. Este morto e ressuscitado, se torna na grande divindade suprema egípcia, o sol negro, misterioso e oculto, o senhor da vida e da morte e parte para Órion de onde reina sobre a vida de toda nação.




Outro caso interessante é de José filho de Jacó, neto de Isaque e bisneto de Abraham...


José de filho dileto do pai, cuidado e amado de forma especial por ser o único filho da mulher mais amada, Raquel(Benjamin ainda não  houverá nascido e quando nasce a mãe morre em seu parto) em detrimento da irmã e primeira esposa Leia e das concubinas Zílpa e Bila, é vendido pelos irmãos que o odiavam a mercadores midianitas os quais o vendem no Egito. Ali encontra favor na casa do oficial militar supremo de Faraó, se torna seu mordomo mas cobiçado pela mulher ninfomaníaca deste para amante e rejeitando veementemente tal oferta acaba encarando uma prisão injusta(sim, pois o marido que conhecia a peça que tinha mas não podia encarar a pecha de chifrudo nobre prefere encarcerar o justo José ao invés de matá-lo que seria a pena correta caso cresse que realmente o rapaz devesse)...ali na prisão os anos passam e só Deus sabe as vicissitudes que enfrentou! Onde estariam os sonhos que o revelaram no passado como o grande herói que seria? Os sonhos que o faziam até primaz sobre o próprio pai o grande Israel? Parecia tudo jogado as traças, tudo perdido, mas então dois oficiais 'pisam na bola' e vão parar na mesma cadeia em que ele estava; o padeiro mor e o copeiro mor, duas funções essenciais e vitais para o rei, os crimes que cometeram não sabemos mas ambos estão ali por ofenderem o rei...Ali ambos tem dois sonhos os quais os perturbam. José vendo suas angústias pede para que lhe contem os sonhos e os interpreta e da forma como o faz assim acontece; o padeiro é condenado à morte na forca e o copeiro libertado e restituído a sua função...José pede que este interceda por ele mas o tempo passa e nada acontece até que o Faraó tem dois sonhos que lhe enchem de perguntas... Convoca os magos do Egito mas ninguém consegue decifrá-los(a história se repetira mil anos depois com Daniel e Nabucodonozor) neste momento o copeiro lembra de Jose, este então é trazido à presença do rei e não só interpreta os sonhos(não antes de dar toda a glória disto à divindade em si manifesta) quanto sugere que este coloque à frente do Egito alguém sábio e capaz o qual faça as coisas necessárias para que aproveite-se a parte boa do sonho para que os egípcios sobrevivam diante da parte má...O rei diante de todos testifica que ninguém supera José nestes quesitos e assim o coloca como príncipe supremo do Egito, abaixo apenas dele Faraó, e tudo acontece como José previu... dai que a privação atinge até o pai e sua família e lá vão os irmãos ao Egito buscar alimento... José depois de tantos  anos os reconhece mas eles não o reconhecem, afinal era um garoto de 17 anos quando foi vendido foi por eles e agora é um homem de mais de 30 anos! Depois de testá-los severamente e de perceber que mudaram e se arrependeram do que lhe fizeram José se revela a eles e mais, diz com todas as letras...'FOI PARA A PRESERVAÇÃO DA VIDA QUE DEUS PERMITIU QUE VOCÊS FIZESSEM O QUE FIZERAM' - José portanto atingiu aquele ponto em que todo herói é iluminado e enxerga todo o seu passado não como erros e acertos, sorte ou azar, mas como fios que teceram o grande momento em que esta agora, pronto para cumprir ou cumprindo sua missão...se não tivesse acontecido a jornada iniciática do herói dura e tremenda que ele enfrentou, não iria ninguém sobreviver quer de sua família quer do médio oriente e norte da África, regiões afetadas depois de 7 anos de bonança por 7 anos de uma das maiores secas já registradas na História! Seria uma catástrofe de proporções quase que diluvianas e assim tudo se deu como se deu para que o herói em José se manifestasse e a jornada do herói lhe levasse ao plano sagrado que mudou o destino de todo aquele mundo e quiça do nosso ...e para melhor!




Com Moisés, entre 200 e 400 anos depois de José dá-se o  oposto. 


De infante  indigente hebreu colocado em um cesto num rio pela mãe e a irmã, pois do contrário seria morto pelos guardas do rei, para a posição de FILHO DA FILHA DE FARAÓ ao ser encontrado por esta e criado como se fosse seu( tudo indica usou de algum estratagema para ocultar a origem da criança e num país onde não seria anormal o conluio entre uma divindade e a filha do Faraó, tido inclusive como um ser divino, pode ter dito ser este filho do deus nilo, o que se sugere até no próprio nome que deu a criança que significa 'retirado das águas' e não qualquer água,  mas as águas do sagrado deus que dava vida a todo o Egito), título com os quais os futuros herdeiros ao trono eram conhecidos e chamados já que quem reinava era o homem mas quem determinava o sangue real era a mulher(dai porque casavam entre eles principalmente e esta tradição parecia ser mais lata naqueles tempos... no meio hebreu é a mesma coisa, o homem herda as propriedades do pai mas quem determina quem realmente é o herdeiro legal é sua mãe, se for de sangue hebreu, nobre, ou real, será o seu filho o herdeiro legal e não o filho de uma não hebreia e no caso de nobres e reis de alguém fora da nobreza ou realeza)...Esta parece tudo indica ser a tendência até então para a vida de Moisés e uma história hebraica apócrifa que apresenta Moisés como um grande general do Egito que conquistou a Etiópia para o Faraó sugere que ou ele era um dos candidatos ou de fato próprio herdeiro oficial do trono Egípcio... Até que não sabemos como, ficou sabendo de sua ascendência hebreia e ai sua jornada do herói muda completamente...tudo indica disfarça-se e vai ver o que esta acontecendo com seus irmãos de sangue, ali vê um egípcio espancar um hebreu(aparentemente parece ser só um capataz, mas a fuga dele do Egito posteriori sendo quem era, sugere que esta entidade possa ser alguém de grande envergadura, quem sabe um outro herdeiro real como ele? Um rival? O que explicar-se-ia sua fuga pois sendo quem era não temeria a delação de um mero escravo, como o texto diz, ou até de um egípcio comum que tivesse presenciado o crime pois seria a palavra do Filho da Filha de Faraó contra a desta pessoa...tudo indica assim que quem foi morto e quem ameaça delatar Moisés devessem ser muito mais do que aparentam ser no texto) o fato é que com isto foge do Egito temendo por sua vida e no deserto depois de 40 anos finalmente encontra o sentido heroico para sua vida...Deve voltar ao Egito, agora não mais como o grande herdeiro real mas sim como um grande mago, um grande profeta, um grande líder espiritual e temporal que deverá encarar o Faraó da ocasião(diferente do que mostram alguns filmes e defendem alguns teólogos entendo que era alguém que Moisés nem conhecia pois haviam se passado 40 anos, provavelmente a princesa sua mãe, o Faraó de seu tempo e toda a corte de então, pelo menos os mais velhos já haviam morrido, o próprio fato de Moisés com 80 anos ser comissionado para esta missão já é espetacular em si!) e libertar o povo que o outro herói, José levou ao Egito o qual com o tempo de povo amigo e irmão dos egípcios tornou-se a pedra nas sandálias destes...e tudo se faz como a divindade que o escolhera diz que seria, e mesmo agora não confiando mais em si mesmo(Moisés reluta tremendamente demonstrando que o príncipe orgulhoso e corajoso que fora havia se encolhido diante do pastor pacato que com o tempo se tornara)...talvez se a chamada fosse logo quando fugira tivesse obedecido imediatamente pois é um Moisés voluntarioso que socorre as pastoras filhas de Jetro do ataque de outros pastores em seguida a sua fuga, mas agora 40 anos depois é um homem de idade esperando a morte chegar, mas sua jornada do herói exigia justamente isto, não sabemos porque não foi como príncipe que a divindade atuou através dele mas optou por levá-lo a 40 anos de trabalho como pastor no silencioso deserto, só sabemos que esta foi a jornada necessária tanto interna quanto externa para que o verdadeiro poder divino no herói sagrado se manifestasse, ele nunca foi tão filho do Nilo, mais sagrado quanto foi a partir de seus 80 anos até sua morte misteriosa(morte ou ascensão?) as vésperas da conquista de Canaã...




Assim, milhares de anos se passaram, o mundo entrou e saiu de diversas crises e o mito do herói e sua jornada persistem... 


Porque o mito do herói perdura em nossa sociedade moderna?





Porque no fundo sonhamos em ser pessoas desprendidas que fazem de tudo para que o bem maior e o bem comum prevaleçam no mundo.

Mesmo com TODAS as nossas pisadas de bola, mesmo com todos os NÃOS que temos dado quer voluntaria ou involuntariamente à vida e ao bem coletivo, na maioria de nós o desejo de vermos uma sociedade mais justa, fraterna, igualitária, livre, progressiva e protegida dos perigos tanto interiores nascidos dos cânceres maus curados dela mesma ou advindos de fora(ou que supomos advir) é algo que mantemos vivos dentro de nós.





Homens como Campbell, Freud e Jung mais alguns outros analisaram e dissecaram a jornada e o mito do herói e chegaram à conclusão que isto é algo nato, dentro de nós, não imposto de fora. 
É como se nossas almas no fundo se vissem e se entendessem assim. 
O que os mitos antigos na verdade fazem é mostrar almas que conseguiram traspassar além do véu do eu menor, beberam desta Fonte em si e criaram novas histórias através de suas vidas. 
Por falar nisto...Jung, Freud e Campbell, cada um à sua moda e de sua maneira foram e são heróis modernos que estudando o interior da mente e corações humanos, bem como nossas civilizações e culturas trouxeram mudanças efetivas e determinantes para a humanidade e a compreensão de si mesma individualmente e coletivamente.




Reparem na imagem aqui colocada de Batman o cavaleiro das trevas de Christopher Nolan de 2008, o primeiro filme de super-herói de quadrinhos a superar a marca do bilhão de dólares nas bilheterias(e àquela altura um dos raros de qualquer gênero a fazer isto) e o único até agora a atingir o status de obra prima para a maioria dos especialistas de cinema que geralmente reservam este termo aos filmes intimistas e para a maioria dos mortais difíceis de digerir de cineastas em sua maioria europeus, iranianos ou asiáticos, com raros e nem sempre consensuais (exceção Woody Allen, Francis Coppola, Stanley Kubrick e talvez mais meia dúzia) exemplares americanos entre os tais...




Depois disto o que temos percebido é que os filmes calcados nos super heróis - um mito moderno que rememora os heróis da antiguidade, os, como diz a Bíblia, varões de fama, alguns filhos de deuses e mortais como; Gilgamesh, Héracles, Rama, Krishna, Zoroastro, Sansão, Teseu, Jasão,Abraham, israel, Moisés, Jose, Áquiles, Ulisses, Orfeu, Perseu, Davi, Arthur etc... - se tornaram grandes campeões de bilheteria e vários deles ultrapassando a barreira do bilhão...



Na categoria dos super heróis de quadrinhos temos além deste Batman o seguinte...O cavaleiro das trevas ressurge, Homem de ferro 3 e Os Vingadores, este simplesmente a terceira maior bilheteria de todos os tempos, atrás dos únicos duas vezes bilionários... Titanic e o campeão Avatar.





E por falar em Avatar ele faz parte da categoria de filmes de heróis que não fazem parte de quadrinhos.

Avatar, o ultimo Harry Potter,o primeiro Hobbit, o terceiro senhor dos anéis, o último James Bond são filmes de heróis bilionários(Jack Sparrow e seus dois filmes que conseguiram ultrapassar a barreira do bilhão não contaria pois ele é um anti herói)!





Também não poderia deixar de citar Star Wars, um mix supremo da jornada do herói criado e forjado na mente luminosa( ainda que tremendamente contestada e a meu ver e por um bom grupo de pessoas...INJUSTIÇADA, pelos que entendem cinema apenas pelo olhar não menos luminosos mas com um outro contexto de figuras como Bergman, Renoir, Kurosawa, Visconti e cia)...
Joseph Campbell o grande antropólogo e mitologista era não só amigo pessoal de Lucas quanto reconhecidamente era considerado por este junto com Stanley Kubrick um dos seus gurus...e Campbell era um entusiasta portentoso do trabalho do amigo.

Star Wars é o mito do herói numa galáxia distante transportado das esferas sublimes de citações e de memoráveis homenagens a diversos heróis da nossa mitologia terrestre além de serem filmes deliciosos de se ver e hoje um dos maiores clássicos já feitos.

Existe até uma religião Jedih hoje em dia no mundo, nascida dos mitos da série de filmes, animações, quadrinhos e livros posteriores aos filmes( e com a compra da Lucas film pela Disney falam em nova trilogia a caminho)...é um tremendo mega mito moderno que encontra similar apenas em outra Star...


A Trek e em Indiana Jones!

Esta fez um outro caminho. Nascida na TV nos anos 60 e depois de algumas temporadas cancelada, voltou como filme 10 anos depois e não parou mais de crescer e se expandir como arte pop... aliás; voltou como filme exatamente porque nos 10 anos que separam a extinção da série e o filme de cinema Star Trek se tornou cultuada no mundo todo!

Depois do filme inaugural e dos subsequentes, todos de excelente bilheteria - ainda que não estratosféricas como da série Star Wars cujo menor bilheteria supera os 700 milhões e as maiores os 900 sendo que depois de relançado no cinema a trilogia original tornou-se bilionária, isto sem falar na tal de bilheteria corrigida da época de lançamento para a moeda atual - tais filmes trouxeram novas séries adaptadas da original(spin of), livros, quadrinhos e um verdadeiro mundo paralelo.




Indiana não só fez destacar ainda mais o ator de maior sucesso de Star Wars, Harrison - Han Solo - Ford quanto trouxe a mítica oculta através dos tempos das arcas da aliança, cultos sinistros, o santo graal, caveiras de cristal, etês etc...
Com 4 filmes de gigantescas bilheterias mais toda uma cultura derivada em torno tem mais uma vez em Lucas um pais esmerado agora ao lado de outro grande midas criador...Spielberg.

Indiana é um herói completamente aventureiro, sem medo do desconhecido e praticamente procurando-o...a série sempre mostra ele de início em sua vida pacata de professor de arqueologia para logo a seguir o lançarem nas mais espetaculares aventuras cujo objetivo não é mudar nada na sociedade humanas, no contexto social em que ele vive mas despertar no expectador duas idéias básicas...

1. Mesmo o mais comum dos mortais pode um dia vir se encontrar diante de um acontecimento limite em sua vida que o lance de cabeça em um mundo onde terá que descobrir o herói dentro de si se quiser sobreviver.

2. Nosso mundo 'normal' esta recheado de 'anormalidades' 'anomalias' que se conhecidas fossem poderiam mudar completamente quer para bem ou para mal a História humana e é este homem aparentemente comum e pacato que mudando completamente de contexto tem que lidar com elas.

ESta série de Lucas/Spielberg/Ford teve dois filhores de sucesso; um no cinema em até agora dois filmes estrelados por Nicolas Cage(os dois... A lenda do tesouro perdido) e asérie de filmes televisivos estrelada por Noah Wyle(ex ER)...O guardião...todas se esmerando em beber e comer e BEM na fórmula consagrada nos filmes de Indiana.




Outras duas séries de TV imortais tornadas filmes como Arquivo X(2 filmes de sucesso) foram pelo mesmo caminho(Mulder, Scully, Dogget e Reyes são para todos os efeitos grandes heróis) e Battlestar Galactica que depois da releitura fantástica de 2003/2007(a original é digamos, uma série que aproveitou o boom Star Wars em 1977 como fez os filmes citados acima com Indiana, deliciosa de se ver  e que se tornou cult )se tornou numa das obras mais poderosas da mitologia da TV e aproveitando bem o mito da jornada do herói tornou-se uma franquia já com duas spin of(Cáprica...de curta duração e agora Battlestar Galáctica: Blood & Chrome) e outros aderentes(filmes para TV etc)... Rumores dizem que terá nova leitura, agora no cinema.

Vale salientar aqui que além dos episódios soberbos que tinha o capítulo final desta releitura da Battlestar Galáctica original foi uma das melhores coisas que já vi tanto na TV quanto de cinema!




Portanto na categoria dos filmes mais rentáveis do mundo, daqueles que o povo tem mais vontade de ver, estão os filmes dos heróis, de pessoas que lutam contra aquilo que entendemos mal no mundo com a coragem que gostaríamos de ter em nosso dia a dia.

Entretanto não nos contentamos só em sermos heróis existenciais, pessoas que sobrevivem com coragem e força diante de um mundo cruel, ou que sentimos como cruel; queremos os poderes interiores e exteriores que poderiam realmente nos ajudar a fazermos a diferença.





Mas no computo final das coisas o herói realmente é decisivo?

Nos mitos sim, e pelo menos durante um bom tempo sua influência parece manter a sociedade num nível melhor de existência...





Se pensarmos em heróis modernos, de carne e osso como Gandhi, Luther King, Chico Mendes e tantos outros que sendo excepcionais como pessoas eram contudo absolutamente normais enquanto humanos os quais todavia influenciaram de forma decisiva certos povos e certas questões de nosso mundo MESMO sem super poderes evidentes, veremos que eles podem SIM influenciar e mudar muita coisa!




Uma obra que por outro lado não só glorifica o mito do herói mas ao mesmo tempo o põe em xeque( sempre é bom olharmos os dois lados da moeda) é a obra prima da literatura... Duna de Frank Herbert, que se tornou em famosa série de livros foi adaptada pelo mitológico diretor David Lynch para o cinema e que hoje apesar de cult, continua como um dos filmes mais defenestrados da História...
Depois teve sorte melhor na TV em uma mini-série excelente e cogita-se a tempos que terá uma nova versão para o cinema...

Nesta obra o herói é não só o escolhido que muda o contexto das coisas, aquilo que parece ser a ordem natural quanto aquele que se questiona e se julga o tempo todo...
Paul Atreides é a princípio um ente tranquilo em sua figura de herói messiânico mas no segundo tomo da obra, O messias de Duna coloca em xeque esta figura e assume a figura no final da obra de profeta contestador de si mesmo e do mundo que criou...

É um trabalho brilhante de Herbert que vê na figura do herói não algo estático mas vê na sua jornada, na sua figura, pontos essenciais e consequentes do mundo, da criação das civilizações e culturas ao longo do rio do tempo... 

Frank Herbert através dos olhos profundamente perceptivos, enigmáticos e multifacetados de Paul Atreides(Duna, O Messias de Duna e Filhos de Duna) bem como de seu sucessor Leto II(Os filhos de Duna e O Imperador Deus de Duna) enxerga os resultados advindos de suas ações(de seus dois heróis) como ramificações surgidas das tais e mais; coloca os mesmos criteriosamente pesando os prós e contras do que criaram e sempre que podem se recriando de novo e mais; vendo na humanidade um celeiro eterno e um ventre perene da criação de heróis e seus mitos, suas glórias e também desilusões...




Se formos contar aqui os filmes que ultrapassam a barreira dos 300 milhões de dólares e ficam entre isto e o 1 bilhão como os dois Thor, o homem de aço, o primeiro Batman de Nolan, os 4 Batman anteriores, os 4 Superman mais antigos, os dois primeiros Homem de ferro, Capitão América, os dois Hulk, A primeira trilogia do Homem aranha, o filme atual dele, os dois Sherlock Holmes do astro de Homem de Ferro Downey Jr, o ultimo Hobbit, os dois primeiros filmes do anel, todos os demais Harry Potter, os filmes de Nárnia, os filmes dos X Men e de Wolverine etc...veremos que a quantidade dos filmes mais populares, mais assistidos, mais locados, mais baixados em internet, mais visto em TV são de heróis e super heróis!






Gladiador e O Tigre o Dragão que duelaram no mesmo ano(2000) foram dois destes filmes de gigantesco sucesso e que além do mais se tornaram com o tempo... cultuado, clássicos, míticos e hoje são verdadeiras obras primas do cinema...

Foram e são dois filmes desta safra portentosa dos milhões e milhões de dólares e grande celebridade universal que fizeram vibrar o mundo e trouxeram 5 heróis fantásticos...

O imortal Máximus, brilhantemente interpretado(e oscarizado) por Russell Crowe num embate épico com o não menos imortal Cômodus de Joaquim Phoenix em Gladiador...




E os 4 personagens centrais de O Tigre e o Dragão...

Li Mu Bai(Chow Yun Fat), Yu Shu Lien(Michele Yeoh), Lo(Chang Chen) e o mais destacado dos 4...Jen(Zhang Ziyi) uma personagem que transcende os outros 3 até porque briga dentro de si com as polaridades luz e trevas e se formos ser sinceros dos 4 é a figura central da trama pois este bem e mal, esta luz e trevas que brigam dentro dela são nada mais nada menos que o Tigre e o Dragão do título fora que a luta dos outros  três personagens além de suas próprias histórias e dramas é tentarem salvar espiritualmente a personagem magistralmente interpretada por Ziyi...






Este filme por sinal de Ang Lee daria lugar a dois trabalhos fantásticos nesta área do herói mitológico(e também extremamente rentáveis e célebres) com outro mestre chines da arte de filmar...Zhang Yimou e seus; Clã das adagas voadoras e Herói( o título já diz tudo!) com a mesma Ziyi Zhang do filme de Lee nos dois filmes e  o mega astro dos filmes de artes marciais... Jet Li mais Maggie Cheung, Tony Leung e Donnie Yuen(outro grande astro das artes marciais na tela) em Herói...um soberbo trabalho onde a história é não só narrada através do tema, do roteiro, da direção e da interpretação de cada personagem mas através das cores que a imagem assume no decorrer do filme sempre que um novo contexto é ventilado e que mostra o caminho do herói percorrido pelo personagem de Li e seus embates com os 4 outros personagens(fora o personagem do imperador vivido por Cheng Dao Ming) que bem ou mal são também heróis(na verdade estão mais para anti heróis)...este jogo de cores e imagem para contar a história o diretor também usa com louvor em Clã das adagas voadoras...fora obviamente o show de artes marciais magistralmente coreografas que são um caso especial tanto em Tigre e Dragão quanto nestes dois filmes.





Hoje em dia mesmo as mulheres que até uns 25 anos atrás tinham aversão a quadrinhos de super heróis em sua maioria hoje não só consomem tais itens quanto vão prazerosas em grupos verem nos cinemas o super herói do momento!



Isto sem citarmos a TV onde a maioria das séries de grande sucesso da atualidade trazem super heróis ou heróis entre elas...em exibição temos...Arrow(Arqueiro verde), Supernatural, Cavaleiro sem cabeça, Agentes da S.H.I.E.L.D., Battlestar Galáctica Blood and Chrome(filhote da extinta e excepcional Battlestar Galáctica), Sherlock, a magistral Game of Thrones fora séries animadas dos Vingadores, o esquadrão Hulk, Liga da justiça, Liga da justiça jovem, Titãs, Homem de ferro, Homem aranha, Batman,Thor dentre outras e tudo isto regado a muito sobrenatural e fantasia nelas...neste sentido Grimm, Once upon a time, e Once upon a Wonderland podem ser inseridos no mesmo barco.




Valeria a pena mencionarmos aqui grandes clássicos do cinema passado que contribuíram para o tema...O herói e a jornada deste... os quais arrebentaram nas bilheterias em sua época e no correr dos anos se fossem corrigidas as mesmas para o valor da moeda atual se tornariam estratosféricas...

Os Dez mandamentos, El Cid, Ben-Hur, a série de filmes Planeta dos macacos, Sansão e Dalila, Rei dos reis, Quo Vadis, Spartacus e alguns clássicos mais modernos, boa parte campeões de bilheteria outros com boas bilheterias somente mas com trilhas sonoras soberbas que se tornaram míticas e fizeram mais por seus filmes que as próprias qualidades narrativas destes...como Excalibur(este independente da soberba trilha é uma obra prima), A última tentação de Cristo(outra obra prima e polêmica sobretudo), As brumas de Avalon, Watchmen(heróis ao mesmo tempo anti heróis), V de vingança, Troia, o Fúria de Titãs de 1980 e seu remake e continuação mais recentes, Rei Arthur, todos os Terminator, O último dos moicanos, A paixão de Cristo, A Fonte da Vida e a maxi-série de TV Merlin estrelada por Sam Neill dentre outros.  

Charlton Heston aqui no imortal Ben-Hur, mas foi também o inesquecível coronel Taylor de Planeta dos macacos, o mítico Rodrigo de Bivar o El Cid e claro; Moisés do supremo os Dez mandamentos dentre muitos outros...Heston a meu ver é o ator que melhor encarnou a figura do herói e sua jornada no cinema em todos os tempos ...



Joseph Campbell escreveu um clássico sobre o tema; O heróis de mil faces, um dos grandes livros que mostram como a humanidade sempre teve necessidade do mito do herói e como o mundo presente pena por ter aberto mão dele em alguns momentos do passado recente.





O retorno dele nos últimos 12 anos pode ser considerando bem vindo para os grandes estudantes de mitologia.





Mesmo as figuras de heróis tradicionais e ligados ao mundo religioso como Jesus sofreram uma revolução em suas mitologias nos últimos tempos com resgates ou pelo menos um debate acirrado e muitas evidências novas sobre não só tais figuras mas também de personagens até então à margem de suas histórias como Maria Madalena ou completamente demonizadas nelas como Judas Iscariotes.

Assim ao vermos num mundo em convulsão a sede, a fome dos humanos pelas figuras tradicionais da mitologia que entendemos como heróis ou destas novas advindas do mundo dos quadrinhos percebemos que o que falta mesmo é percebermos que TODOS NÓS tempos dentro de nós esta capacidade de superarmos nossos limites e sermos mais...muito mais! Muito mais do que os dominadores deste mundo pois se cada humano de boa vontade acordasse para o que é em essência os mesmos seriam desalojados de seus tronos como diz o ditado, ONTEM!





E como dizia a história do Fantasma o espírito que anda( que eu conheço duas razoáveis adaptações para o cinema)...de século em século, de descendente para descendente algo como um espírito indomável passando de para para filho permanecia no mundo, dentro das selvas de Bengala e de lá influenciava não só na região em que existia mas onde sua lenda chegava, em qualquer parte do mundo e o símbolo da caveira que ostentava no anel e que ficava impregnado para sempre no rosto de quem socava era um simbolo de que aquele tinha sido alcançado pela justiça do mundo dos heróis, do mundo que cada um de nós trazemos dentro de si.







Amor e Luz

Valter Taliesin



VÍDEOS SAGRADOS

Peter Gabriel - A última tentação de Cristo



Hanz Zimmer - Batman o cavaleiros das trevas 


Tan Dun e Yo Yo Ma - O Tigre e o Dragão


Hans Zimmer e Lisa Gerrard - Gladiador


John Willians - Star Wars


Elmer Bernstein - Os Dez mandamentos

Bear Mcreary - Battlestar galáctica

FONTE YOUTUBE












FONTE YOUTUBE





Nenhum comentário:

Postar um comentário