Google+ Badge

domingo, 14 de dezembro de 2014

CONTATOS EXTRAORDINÁRIOS DE INTERNOS GRAUS...



A humanidade tem buscado nas estrelas a explicação para:

Quem somos?

De onde viemos?

E...Para onde vamos?

Sem perceber que somos um microcosmos do cosmos que nos circunda!

A manifestação humana é coroa da criação não enquanto ser mais importante do universo mas como a síntese do mesmo!

E quando pensamos em 'humanidade' pensamos em todo o ser ciente e que contém em si o germe divino para se tornar Deus em ação. Portanto pode ser um ser não somente terrestre mas de qualquer outro planeta, sistema, constelação, galáxia, universo ou dimensão.

Neste sentido portanto podemos falar em 'HUMANIDADES' e cada vez mais a própria ciência percebe que este é um termo lacto sensu até no contexto terrestre, quiça se pensarmos em outras esferas do ser...

A convivência, e hoje comprovada miscigenação, de dois tipos de humanidades terrestres mais conhecidas e mais geneticamente próximas a nós; o homo- sapiens e o neanderthal é uma realidade, para muitos incontestável.

Por um tempo pensou-se que o sapiens havia extinguido o outro sem haver interação entre eles mas nos últimos anos provas de que houve sim miscigenação e que temos em nós o gene neanderthal é, tudo indica, uma realidade. Por ironia do destino para os puristas raciais o tipo homo sapiens 'puro' só existe hoje em dia em algumas regiões ...DA ÁFRICA!(http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2014/01/heranca-vantajosa)

Se bem que ainda existem estudiosos que contestem isto(http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/08/estudo-descarta-miscigenacao-entre-homo-sapiens-e-neandertais.html) pensando que a tal 'herança' neanderthal nada mais seria que algo presente no gene de um ancestral comum às duas espécies.

Seja como for, mesmo AQUI, na Terra, o termo 'humanidades' cai melhor que humanidade, para definirmos os seres que ao longo de milhões e milhões de anos vem vivenciando a saga da Vida neste planeta.

Ora, se somos um microcosmo do cosmo ou seja; da ordem - e aqui cada humanidade, de cada planeta, o seria da ordem que a circunda, portanto uma humanidade de outra dimensão teria a ver com o cosmo presente lá, não aqui e vice e versa - podemos dizer que tudo o que descobrirmos de mistério DENTRO de nós poderá ser em escala pessoal vivenciado EM SINTONIA com o que esta FORA de nós, ao nosso redor, mostrando que a SOLIDÃO é pura ilusão e maya existencial.

Propagamos mundo afora o contexto de solidão existencial, dizemos que na morte somos completamente sós, mas se somos um microcosmo de TUDO o que nos rodeia, ainda que morramos aparentemente isolados de tudo e de todos, este isolamento será meramente espacial, pois em verdade aquele ser que parte para a 'grande viagem' esta rodeado, como diz Paulo, por uma 'nuvem de testemunhas' que testifica que ninguém de fato esta só, nem mesmo quando morre. Por isto que em outra parte da Bíblia o Cristo nos diz que há 'festa no céu' por uma alma que se converte, ou seja; volta à busca de sua evolução pessoal e interação crística e divina... porque? Porque esta alma deixou cair o véu de maya, deixou cair o véu da ilusão desta tal 'solidão existencial' para perceber-se una com o divino em si e além de si.

Poderíamos falar assim em SOLITUDE quando pensamos no nosso isolamento pessoal mais que solidão especificamente, pois a solitude transmite a ideia de que este senso de separação é meramente sensorial e mais; muita vezes buscado para uma maior introspecção, do que algo de fato e real. A dificuldade esta em que alguns de nós, infelizmente talvez a ampla maioria, entenda este momento de solitude como solidão, e se fixe na questão espacial e física da ausência de alguém ou 'alguéns' como sendo de vital importância para nosso senso de RELAÇÃO. Mora aqui a dor desta humanidade presente. E pior, se observarmos bem, este senso ilusório de solidão acontece PRINCIPALMENTE nas grandes cidades onde humanos 'trombão' um no outro sem cessar, como enxame de formigas.

Assim, se pensarmos bem, o que falta a nós é entendermos que o isolamento espacial, mesmo quando existe, NÃO DETERMINA nossa solidão mas um estado tridimensional, espacial somente, em que aparentemente estamos sós.

E o mais interessante:

DENTRO de nós estão os meios e o caminho de retorno à unidade tanto de todo nosso sistema de corpos de manifestação quanto de interação com outros seres humanos ou seres vivos.

A FONTE e toda a manifestação NELA E DELA, a partir do centro do SER é o grande mistério que carregamos conosco!

E nisto temos o segredo porque somos o microcosmo do macrocosmo, porque a mesma Fonte de um é a Fonte do outro!

Assim que os planetas, os sistemas solares, as constelações estelares, as galáxias, os universos e dimensões são vistos em escalas macros como 'entidades' no sentido de que para além da manifestação física das mesmas, cada uma respectiva à sua 'ordem' própria, existem corpos de manifestação do Ser assim como existem nas figuras individual e coletiva das humanidades universais.

Em suma, DEUS, ou seja lá o nome que você queira dar para a Fonte é o ponto de origem tanto do micro quanto do macro COSMOS!

E assim o axioma délfico: "HOMEM CONHECE-TE A TI MESMO" ganha pleno e total significado para nós.

Ao nos conhecermos conhecemos o outro que esta ao nosso lado, conhecemos todas as demais formas de vida e conhecemos o espaço e tempo onde se dá a grande odisseia da vida e mais:

CONHECEMOS FINALMENTE A ORIGEM DA VIDA!

Desta forma, as três perguntas capitulares e perenes da humanidade podem encontrar resposta DENTRO de nós tanto pela observação do MACROCOSMOS e sintonia com ele, que nos rodeia, quanto pela introspecção em nosso MICROCOSMOS interno. Não fazendo como o avestruz que enfia a cabeça no buraco tentando se esconder da vida, não fechando-se sentimentalmente e psiquicamente para a vida mas buscando no recesso do Ser o VERDADEIRO contato!

O planeta tem mais de 7 bilhões de humanos mas o que mais se destaca no CONTATO humano neste planeta é o CONFLITO... e o conflito surge do EGOISMO.

O egoismo nada mais é que a introspecção alienada, a introspecção errada, é o lado MAL da ÁRVORE DO CONHECIMENTO DO BEM E DO MAL.

É não um voltar-se para dentro mas um projetar no que ESTA FORA nossas ansiedades interiores como se este fora(reconhecimento, fama, sucesso, riqueza, exclusividade, prazeres etc...) fosse o que realmente nos faltasse.

Eis aqui o grande senão!

FALTAR!

É exatamente neste senso de "perda", perda do paraíso original, e a partir dai todas as perdas subsequentes, que esta a raiz do problema.

Entretanto quando voltamos nosso olhar para dentro conforme o axioma hermético e conforme o axioma délfico, e mais perto de nossa tradição, conforme a visão cristã mística, percebemos que o problema esta NO OLHAR, na perspectiva, nas motivações, NA INTENÇÃO que movem esse olhar.

Quando este olhar esta carregado de:  FÉ, AMOR E ESPERANÇA, as 3 colunas mestras do templo interior do Caminhante, progressivamente os véus de mistério vão caindo um a um, pouco a pouco os laços que unem todas as formas de vida vão se tornando visíveis, pouco a pouco sentimos a presença dos grandes mestres espirituais da humanidade, dia a dia percebemos mais e melhor a vida que nos circunda porque estamos captando a sintonia que parte de uma FONTE COMUM a todos nós.

Quanto mais aumentar o número de humanos com este tipo de olhar ou visão, mais próximo estaremos do número da MASSA CRÍTICA que poderá determinar um EFEITO EM CADEIA que mudará a História de nossa evolução para aquilo que profecias e vaticínios tanto antigos quanto modernos acenam e mais; mesmo as visões avançadas de pessoas como Frank Herbert, Isaac Asimov, Arthur C. Clarke, Robert A. Heinlein, H. P. Lovecraft, Ray Bradbury, H. G. Wells, Julio Verne, Aldous Huxley, Alvin Toffler e tantos outros e outras, inclusive de cineastas como...Gene Roddenberry, Stanley Kubrick, Andrey Tarkovski, Terrence Malik, Christopher Nolan, Darren Aronofosky, Steven Spielberg e George Lucas.

A diferença é que a maioria destes tem uma visão otimista mas menos utópica que os vaticínios dos profetas. Talvez porque enquanto a maioria destes pensam mais no contexto INTELECTUAL desta mudança os profetas pensavam e pensam mais no contexto ESPIRITUAL da mesma e interpretam isto como a UNIFICAÇÃO com o Ser em nós, com o divino resgatado de onde foi um dia perdido.

É a SOPHIA DIVINA que resgatada do exílio volta para o seio do amado em nós, o casamento com O LOGOS DIVINO, a união de SHAKTI com SHIVA!

Herbert por exemplo apresenta MUITO conteúdo espiritual em suas obras mas esta visão NADA tem de utópica ainda que idealista. Qual a diferença? Simples! Herbert coloca em suas obras esta busca, este desejo pelo ideal mas SEMPRE apresenta no fim uma armadilha, uma pegadinha, que não deixa que a utopia seja finalmente atingida. O que se percebe é que apesar de altamente espiritual ele é cético com relação a que os humanos finalmente consigam a UNIFICAÇÃO! Para ele a busca continua eterna, não há um ponto de chegada, mas uma perene necessidade de se manter alerta para as mudanças evolutivas e destas sobre os melhores e mais caros ideais humanos. A saga Duna, sua obra prima, nos mostra isto claramente.

Asimov e Clarke são mais tecnológicos mas o segundo tempera isto com uma visão de evolução que beira a alta espiritualidade em muitos pontos como podemos ver em sua mais famosa obra: 2001 uma odisseia no espaço(que surge a partir do roteiro do filme que fez com Kubrick).

Lovecraft, Verne, Heinlein, Bradbury e Wells são mais fantásticos ou ficcionais sem meramente arranharem o contexto espiritual em suas obras e Huxley e Toffler são mais pensadores da sociedade humana futurista que escritores de obra de ficção. Huxley o faz de forma utópica mas não tanto otimista em ADMIRÁVEL MUNDO NOVO, que apesar de obra ficcional é contudo um oceano de pensamento e Toffler em seus livros de antevisão científica é definitivamente mais otimista ainda que analise com critério os grandes dilemas humanos passados e atuais. É otimista portanto no sentido que entende que PODEMOS atingir a utopia mas criterioso no sentido de que entende que entretanto o caminho até lá é longo, cheio de armadilhas e podemos SIM por tudo a perder. Não é portanto um fatalista nem para bem, nem para mau.

Fora estes ou no meio do caminho entre os profetas e visionários espirituais e pensadores científicos temos pessoas como Helena Petrovna Blavatsky, Rudolf Steiner, Alice Bailey, Annie Besant, Charles Leadbeater, Fritjof Capra, Aleister Crowley, Gurdjieff, Ouspenski, Henrique José de Souza, Fernando Pessoa, Barbara Hubbard Marx, Marilyn Ferguson, Dion Fortune, Herman Hesse, Yogananda etc...que privilegiam um equilíbrio entre as duas visões.

Seus escritos são tanto grandes tratados de espiritualidade e de um futuro calcado na realização do SI mesmo quanto implica tudo isto com um avanço intelectual e tecnológico inevitáveis.

Para estes o humano do futuro será basicamente uma entidade espiritual absolutamente consciente do SI em si que transformará o meio ambiente em que vive através da harmonia entre o natural e o modelado.

Será assim uma transformação que beneficiará a harmonia e sintonia entre natural e modelado e nada agressiva como vemos agora.

O grande objetivo é contudo a unificação com A FONTE, e isto, varia conforme a visão de cada um sobre o que isto significa e a corrente espiritual mais influente neles. Blavatsky por exemplo, tinha uma forte influencia budista enquanto Steiner e Bailey se fixavam mais num tipo de cristianismo esotérico e gnóstico. HJS, Besant e Leadbeater trataram igualmente das duas correntes com forte teor também hinduísta e no caso de Henrique, também de outras tradições ocidentais com forte tempero luso/brasileiro...e Crowley foi tão fundo, mas tão fundo, que até hoje muitos entendem que ele mais que se perdeu nas profundezas da escuridão de seu interior, bem longe da luz que almejava alcançar. Gurdjieff e Ouspenski podem ser definidos como mais técnicos e científicos entre eles...Pessoa o mais místico através de seus poemas, Fortune mais esotérica, e os modernos Capra, Ferguson e Hubbard uma mistura de tudo isto e mais um pouco.

Paulo Coelho surge aqui como uma ponte entre a mentalidade mais simples, popular e estas verdades esotéricas, ocultas, espirituais, científicas e técnicas, empregando frases simples mas de profundo impacto para alcançar o despertar consciencial dos seus leitores. Neste grupo dele poderíamos ainda elencar, Drunvalo Melquisedeque(que entretanto, justiça seja feita, soa mais digamos, 'sofisticado' e 'científico' em seus escritos que os demais ainda que extremamente popular), José Argüelles, Deepak Chopra, Carlos Castaneda, Louise Hay, Chris Griscon, James Redfield, Barbara Hand Clow, Barbara Marciniak dentre tantos.

Ken Wilber, os irmãos McKenna, Timothy Leary, Stanislaw Groff, Fred Alan Wolf, Greg Braden, Grahan Hancock, Steven M. Greer e Amit Goswami dentre outros fazem parte do grupo de Capra, de altos pensadores que unem brilhantemente espiritualidade, intelectualidade, visão científica e escrita poderosa para expor aquilo que entendem das descobertas que encontram no mundo interior e o reflexo disto no exterior assim como os míticos Joseph Campbell e Mircea Elíade.

Seja como for, o que todos estes acima descobriram mais cedo ou mais tarde é que, apesar de necessária a busca externa, em realidade a vital realmente é a interna e toda descoberta externa se não for assimilada corretamente pela mente e coração não passa de ilusão.

Portanto aliavam forte estudo externo... da natureza humana, do meio ambiente, do universo, das ciências, da religião comparada com uma busca intensa e profunda dentro de si mesmos. Mesmos os menos espirituais mais acima citados conseguiram ter este olhar tanto fora quanto dentro de si para comporem suas visões de mundo e daquilo que podemos ou não esperar de nós mesmos coletivamente.

É dentro portanto que esta o verdadeiro caminho de retorno cujos externos são só mapas!

O mapa é bom porque a pessoa se sente mais segura em trilhar por veredas já dantes palmilhadas por desbravadores ulteriores mas chega um ponto que se exige o GRANDE SALTO DE FÉ, a grande proeza pessoal, inalienável e esta... NINGUÉM pode fazer por nós. Nenhum mestre, nenhum guru, nenhum avatar, nenhum salvador externos!

Assim os mais extraordinários contatos, sejam de que grau for, estão realmente DENTRO de nós, e quanto mais próximos da Fonte em nós mais externamente nos sintonizaremos com entidades externas à nós de grande grau evolutivo que poderão nos auxiliar ainda mais nesta jornada para DENTRO.

Interessante isto, ter consciência de que é DENTRO que esta a resposta mas que quanto mais penetramos nosso interior mais descobrimos e mais precisamos de sintonia uns com os outros para que todo este conhecimento circule, cresça, se expanda, se avolume e faça no Tudo o Todo.

E então... micro e macro tornam-se um só na casa do Pai/Mãe da Vida.

OM NAMAH SHIVAYA

Valter Taliesin

VÍDEOS SAGRADOS

Embaixo a vida encenada, cantada e musicada de uma destas entidades que conseguiram ver um mundo inteiro de possibilidade dentro de si mesma...

AKHENATEN DE PHILIP GLASS

ATO I(1/3)



ATO II(2/3)

ATO III(3/3

FONTE YOUTUBE







FONTE DE IMAGENS GOOGLE

Nenhum comentário:

Postar um comentário