Google+ Badge

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

O PODER DO SOM E O RESGATE DO SAGRADO FEMININO...




O poder do Som...

O poder da voz humana potencializada por um instrumento sagrado, de propagação do som...

O Som que se espalha cria, sustenta, destrói e recria...

De uma passagem obscura da Bíblia vem a meditação de hoje:

Ora Jericó estava rigorosamente fechada por causa dos filhos de Israel; ninguém saía nem entrava.
Então disse o Senhor a Josué: Olha, tenho dado na tua mão a Jericó, ao seu rei e aos seus homens valorosos.
Vós, pois, todos os homens de guerra, rodeareis a cidade, cercando-a uma vez; assim fareis por seis dias.
E sete sacerdotes levarão sete buzinas de chifres de carneiros adiante da arca, e no sétimo dia rodeareis a cidade sete vezes, e os sacerdotes tocarão as buzinas.
E será que, tocando-se prolongadamente a buzina de carneiro, ouvindo vós o seu sonido, todo o povo gritará com grande brado; e o muro da cidade cairá abaixo, e o povo subirá por ele, cada um em frente.
¶ Então Josué, filho de Num, chamou aos sacerdotes e disse-lhes: Levai a arca da aliança; e sete sacerdotes levem sete buzinas de chifres de carneiros, adiante da arca do Senhor.
E disse ao povo: Passai e rodeai a cidade; e quem estiver armado, passe adiante da arca do Senhor.
E assim foi que, como Josué dissera ao povo, os sete sacerdotes, levando as sete buzinas de carneiros diante do Senhor, passaram e tocaram as buzinas; e a arca da aliança do Senhor os seguia.
E os homens armados iam adiante dos sacerdotes, que tocavam as buzinas; e a retaguarda seguia após a arca; andando e tocando as buzinas iam os sacerdotes.
Porém ao povo Josué tinha dado ordem, dizendo: Não gritareis, nem fareis ouvir a vossa voz, nem sairá palavra alguma da vossa boca até ao dia que eu vos diga: Gritai. Então gritareis.
E fez a arca do Senhor rodear a cidade, contornando-a uma vez; e entraram no arraial, e ali passaram a noite.
Depois Josué se levantou de madrugada, e os sacerdotes levaram a arca do Senhor.
E os sete sacerdotes, que levavam as sete buzinas de chifres de carneiros, adiante da arca do Senhor, iam andando, e tocavam as buzinas, e os homens armados iam adiante deles e a retaguarda seguia atrás da arca do Senhor; os sacerdotes iam andando e tocando as buzinas.
Assim rodearam outra vez a cidade no segundo dia e voltaram para o arraial; e assim fizeram seis dias.
E sucedeu que, ao sétimo dia, madrugaram ao subir da alva, e da mesma maneira rodearam a cidade sete vezes; naquele dia somente rodearam a cidade sete vezes.
E sucedeu que, tocando os sacerdotes pela sétima vez as buzinas, disse Josué ao povo: Gritai, porque o Senhor vos tem dado a cidade.
¶ Porém a cidade será anátema ao Senhor, ela e tudo quanto houver nela; somente a prostituta Raabe viverá; ela e todos os que com ela estiverem em casa; porquanto escondeu os mensageiros que enviamos.
Tão-somente guardai-vos do anátema, para que não toqueis nem tomeis alguma coisa dele, e assim façais maldito o arraial de Israel, e o perturbeis.
Porém toda a prata, e o ouro, e os vasos de metal, e de ferro são consagrados ao Senhor; irão ao tesouro do Senhor.
Gritou, pois, o povo, tocando os sacerdotes as buzinas; e sucedeu que, ouvindo o povo o sonido da buzina, gritou o povo com grande brado; e o muro caiu abaixo, e o povo subiu à cidade, cada um em frente de si, e tomaram a cidade.
E tudo quanto havia na cidade destruíram totalmente ao fio da espada, desde o homem até à mulher, desde o menino até ao velho, e até ao boi e gado miúdo, e ao jumento.
Josué, porém, disse aos dois homens que tinham espiado a terra: Entrai na casa da mulher prostituta, e tirai-a de lá com tudo quanto tiver, como lhe tendes jurado.
Então entraram os jovens espias, e tiraram a Raabe e a seu pai, e a sua mãe, e a seus irmãos, e a tudo quanto tinha; tiraram também a toda a sua parentela, e os puseram fora do arraial de Israel.
Porém a cidade e tudo quanto havia nela queimaram a fogo; tão-somente a prata, e o ouro, e os vasos de metal e de ferro, deram para o tesouro da casa do Senhor.
Assim deu Josué vida à prostituta Raabe e à família de seu pai, e a tudo quanto tinha; e habitou no meio de Israel até ao dia de hoje; porquanto escondera os mensageiros que Josué tinha enviado a espiar a Jericó.
E naquele tempo Josué os esconjurou, dizendo: Maldito diante do Senhor seja o homem que se levantar e reedificar esta cidade de Jericó; sobre seu primogênito a fundará, e sobre o seu filho mais novo lhe porá as portas.
Assim era o Senhor com Josué; e corria a sua fama por toda a terra.

Josué 6:1-27

As pessoas nos dias atuais gostam muito de destacar as passagens sangrentas da Bíblia como prova de que YHVH era um Deus sangrento etc... Muitas vezes estas mesmas pessoas leem o Gita e são devotas de Krishna, não vendo, ou não querendo ver, o mesmo padrão de violência nele.

Para mim só uma coisa explica este tipo de visão...

PRECONCEITO INVERTIDO...

Por anos aprendemos que a Bíblia era a 'palavra de Deus', por anos a fio acreditamos que tudo o que esta ali é de inspiração divina, por anos a fio interpretamos estes relatos como coisas literais e necessárias para que a vontade de Deus fosse feita no mundo ou seja; que Israel se estabelecesse e em cima do sangue pagão construísse uma nação de onde viria o Cristo e que por fim, sobre o sangue do Cristo, o próprio Deus encarnado, viria a redenção do mundo.

SANGUE...SANGUE...SANGUE...

Realmente não tem, desculpem o trocadilho...'cristão que aguente' tanto sangue, ainda mais fazendo leitura literal da Bíblia fanaticamente a favor quando crente e depois contrária, quando se torna; ou converso de outra religião ou ateu.

Então...dai uma hora 'vemos a luz' e descobrimos que o Deus da Bíblia não passa de uma quimera, que é um arremedo divino e descobrimos as religiões orientais, pagãs ocidentais, cultos new age, cultos pagãos africanos, ateísmo etc... 

Descobrimos outros mundos, outras visões sobre Deus ou sobre a inexistência Dele e passamos a crer que o Deus da Bíblia era um erro, era um mau, ou o próprio Mal.

Bem, e como reagimos a Krishna e sua insistência para que Arjuna perpetrasse a matança de seus amigos, de seus conhecidos, até de familiares no exército rival?

Geralmente fazendo leituras alegóricas do texto!

E dai me pergunto:

PORQUE OS MESMOS NÃO ENTENDEM DE UMA VEZ POR TODAS QUE O MESMO TIPO DE LEITURA PODE SER FEITA NA BÍBLIA???!!!

Bem, é isto que eu tenho feito ou pelo menos tentado, desde que criei este Blog em muitos textos aqui postados.

Tento passar através de textos conhecidos da Bíblia, e literalmente INTRAGÁVEIS... lições simbólicas, figuradas, alegóricas, analógicas, imagéticas, metafóricas e espirituais daquilo que literalmente perturba muita gente.

Assim, entendo que se posso ler o Gita desta forma posso fazer a MESMA coisa com a Bíblia e vou mais longe: 

Digo que ESTAS são realmente as únicas leituras que deveriam ser feitas de tais textos! 

Textos que pegam a visão humana de Deus, que pegam as ações humanas em nome de Deus, muitas vezes carregadas de coisas questionáveis e trazem nas entrelinhas mensagens completamente diferentes...profundas, das verdades universais.

Assim como as leituras dos contos dos irmãos Grimm trazem mais que os textos apresentados, mais ainda trás um livro difícil e enigmático como a Bíblia...

Vamos à passagem...

Lendo literalmente veremos que Israel: 

IS(Isis, a Mãe da vida, o manto negro da noite, a terra produtiva, o útero sagrado) RA(Amén-Rá, o Sol divino, a luz primordial, o Filho divino) EL(El, o senhor supremo, O céu estrelado, o Pai gerador) esta prestes a iniciar a conquista da dita terra prometida.

Israel traz no nome interessantes analogias com as duas terras essenciais de sua História: O Egito onde foi forjado como nação e Canaã onde originalmente peregrinaram os patriarcas e onde receberam dos mundos extrafísicos a promessa de se tornarem uma grande nação, nação esta que se tornaria de importância capital na evolução humana e de síntese do sagrado. 

Israel traz em seu nome as letras de duas da maiores divindades egípcias e da principal divindade fenícia/síria/cananeia.

É como se lêssemos nas entre linhas o seguinte:

Esta nação que vocês estão vendo, vinda do Egito, onde foi provada e testada até à morte, esta nação em verdade é a sucessora dos mistérios egípcios antigos e também dos mistérios cananeus, povo que irá conquistar.
Esta nação tem por missão unir estas tradições numa só e trazer uma nova luz sobre o que suas mitologias falam sobre o sagrado.

EL não era só a principal divindade cananeia mas também da poderosa civilização Fenícia ao lado(e futuramente da não menos importante Cartago na Africa) e da gloriosa Síria ao norte.

EL tinha muito a ver com PTAH outra grande divindade egípcia e mais ainda com Anu a principal divindade suméria, terra de nascença do patriarca Abraham...

Abraham: AB(Pai em hebraico, também escrito ABBA, tanto usado para designar o pai humano como principalmente o Pai celeste) RA(Amén-Rá, o Sol divino, a luz primordial, o Filho divino) HAM(Ram ou Rama, o pai progenitor dos árias e uma das encarnações de Vishnu imediatamente antes de Krishna)...

Portanto no nome dos dois patriarcas hebreus encontramos embutidas as tradições das principais nações dos tempos antigos: os árias indianos e persas, os egípcios, os fenícios/sírios/cananeus e os sumérios.

Como sabemos, o alfabeto surge naquela região entre Fenícia, Síria e Cananeia e depois se espalha pelo mundo circunvizinho. Das nações que dele se apropriou ninguém fez melhor uso simbólico e anagramático que os israelitas.

Seus textos tem camadas e camadas interpretativas quando são permutadas as letras que os compõe. Assim não é de admirar que nos nomes dos dois patriarcas principais(o outro é Isaque ou Isaac ou ainda...Yitzhak, definitivamente um hiato calmo, leve e suave entre os fogosos e poderosos tempos de Abraham e Israel) encontremos interessantes analogias com a manifestação divina e das raças universais antigas mais importantes neles.

É como se através dos nomes de Abraham - anteriormente Abram ou pai Ram sem o elemento Ha ou Ra, o prana divino, o Sol central, que é nele o Yod criativo introduzido para gerar o que seu nome em potencial o designa...Pai...e assim veremos este Yod nascente no seu filho, de sua mulher sagrada, a antiga Sarai, agora Sarah...mãe de Ra...O Yod de Yitzhak -  e Israel - anteriormente Jacó ou Yakov, ou o Yod suplantador, que terminando sua função cármica de tirar a primogenitura e a benção do irmão além da riqueza do tio, tem agora na mudança de seu nome um novo papel a desempenhar, seu verdadeiro e dhármico papel...agora como Israel é o príncipe de Deus ou seja; a perfeita manifestação da trindade...Mãe Terra/IS, Filho Sol/RA e Pai Céu/EL - recebêssemos toda a tradição dos povos antigos.

Segundo compreensão histórica Abraham era semita, seu povo era semita, mas em seus nomes(dele e do neto) encontramos os troncos Camitas e Jafetitas da tradição bíblica, como que unidos: 3 em 1.

Nestes 3 troncos podemos ver ainda a simbologia da trindade...o criador(semita), o sustentador(jafetita) e o destruidor(camita)...(vide o mito de Noé e seus 3 filhos...Gênesis caps...9-10).

Ou seja; Deus manifesto, Deus em sua criação, Deus dentro do espaço e do tempo. O transcendente agindo na esfera do emanado e imanente de si mesmo...

Também se analisarmos a vida dos 3 patriarcas veremos esta analogia em suas histórias:

Em Abraham o criador, o pai das nações, em especial do povo israelita, o povo dito da promessa.

Em Itzaq o sustentador, o pai que mantém, que permanece, durante a vida do qual nada é tão grandioso nem para bem nem para mal mas tudo se mantém estável.

Em Israel o destruidor, o pai que destrói e recria...destrói a unidade familiar ao barganhar a primogenitura com o irmão e depois enganar o próprio pai e roubar a benção universal que este daria ao irmão.  Ao ir até o parente e com o tempo se apropriar do melhor de suas riquezas através de estratagemas mágicos e por fim na figura de seus descendentes ser o cutelo vingador do carma coletivo sobre os cananeus e em cima das cinzas de suas cidades recriar uma nova nação que se tornaria chave na História universal.

No hinduísmo encontramos a melhor versão divina dos 3 em Brahma(Sem -  Abraham - Suméria/Síria/Israel/Arábia), Vishnu(Jafet - Yitzhak -Índia/Pérsia/Grécia/Céltica/Germânia e Escandinávia) e Shiva(Cam - Israel - Egito/Etiópia/Fenícia/Canaã/Troia/Roma)...

Portanto no nome dos dois patriarcas hebreus, na linguagem e letras comuns de onde nasceu o alfabeto, encontramos tanto os principais nomes das divindades e raças antigas, quanto as indicações de que eram eles a síntese espiritual das 3 raças originais pós diluvianas:

OS SEMITAS, OS JAFETITAS E O CAMITAS...

E é esta nação que esta agora às portas de Jericó.

Jericó era até um tempo destes considerada a cidade mais velha do mundo, com cerca de 10 mil anos(sua fundação portanto é contemporânea ao ocaso da última e mais famosa ilha de Atlântida, a ilha de Poseidon do mito platônico e pode ser ela uma das primeiras cidades pós dilúvio a ser construída). Entretanto com o aumento das descobertas em várias regiões hoje podemos dizer que se não é a mais velha, esta entre as mais antigas.

Era assim um emblema conquistá-la!

E por isto os israelitas recebem a incumbência de conquistá-la de forma incomum...

A partir do poder do Som...

E tudo isto estilizado e simbolizado pelo número 7!

7 sacerdotes...

7 dias...

7 trombetas...

7 voltas no ultimo dia...

7 toques no ultimo dia...

Nos dia anteriores dão uma volta e um toque em cada dia. Portanto em 6 dias...7 sacerdotes tocam 7 trombetas uma vez.

Ao lermos de chofre o texto parece um toque contínuo e se assim foi simboliza que no sétimo dia tudo foi diferente.

Neste dia eles deram 7 voltas e 7 toques intercalados!

7 sacerdotes com 7 trombetas dando 7 voltas no sétimo dia e tocando 7 vezes!

Há outros elementos poderosos no texto:

A arca da aliança...

Os guerreiros preparados para a guerra...

O povo em geral...

No sétimo dia, depois da sétima volta, e do sétimo toque, dos 7 sacerdotes, todos GRITAM, gritam com todo o poder de seus pulmões, com toda a força de suas cordas vocais, com todo o impeto e arrojo de seus corações, um grito que se torna um puro mantra/decreto de destruição, e as muralhas...ruem...caem por terra!

E os guerreiros invadem a cidade e a passam ao fio da espada queimando-a em seguida!

Somente uma prostituta que ajudara os espias israelitas anteriormente se salva, ela e sua família.

Esta prostituta vem por casamento a fazer parte da linhagem que dará origem ao rei Davi e depois a Jesus Cristo(E Salmom gerou, de Raabe, a Boaz; e Boaz gerou de Rute a Obede; e Obede gerou a Jessé;



Me pergunto: 

Será que estamos falando de uma prostituta comum aqui, ou daquilo que era comum no mundo antigo...prostitutas cultuais...sacerdotisas da Deusa?

Se assim for estamos diante de mais um elemento simbólico...o sagrado masculino resgatando o sagrado feminino da destruição que ele mesmo idealiza!

A única coisa que vale a pena salvar da cidade é uma devota da Deusa, mais nada! E esta virá a ser ancestral do rei ungido e do futuro ente que se tornará o ícone supremo dos avatares encarnados no mundo!

Como é dito que a casa de Raabe(nome original da Deusa em forma de Leviathan bíblico ou a grande Dragão Tiamat na Suméria/Babilônia...Tu quebraste a Raabe como se fora ferida de morte; espalhaste os teus inimigos com o teu braço forte. Salmos 89:10...Naquele dia o SENHOR castigará com a sua dura espada, grande e forte, o leviatã, serpente veloz, e o leviatã, a serpente tortuosa, e matará o dragão, que está no mar. Isaías 27:1...Farei menção de Raabe e de Babilônia àqueles que me conhecem; eis que da Filístia, e de Tiro, e da Etiópia, se dirá: Este homem nasceu ali. Salmos 87:4) se localizava nas muralhas da cidade entendemos que a região do muro onde esta se localizava não caiu, ou se caiu ela milagrosamente nada sofreu!

Interessante, pode ter caído toda a muralha menos onde estava a casa desta mulher icônica e que se mostra tão simbólica no nome e na futura genealogia da casa real mais famosa de todos os tempos...tanto é que segundo as teorias de conspiração mundo afora, TODAS as casas reais posteriores e boa parte das famílias nobres, principalmente as europeias teriam, ou dizem ter, sangue desta casa real, tais teorias interpretam o santo graal como o sangue real desta casa através da família de Jesus ou até mais ousadamente... de Jesus e Maria Madalena.

Neste sentido pensemos em Josué, o líder hebreu que ordena o resgate de Raabe.

Josué e Jesus(tradução grega) é o MESMO nome em hebraico ou seja; Yeshua ou Yehoshua...Josué é considerado por muitos comentaristas bíblicos como um dos tipos de Cristo, o que significa que em sua pessoa e nos detalhes de sua vida existem muitas coisas que lembram e prefiguram Jesus.

Já outras correntes vão mais além e dizem que ele foi simplesmente uma encarnação anterior de Jesus.

Seja como for, não deixa de ser sintomático que o líder hebreu que chega com Shekinah, a Sabedoria Maior(a nuvem que aparecia sobre a arca e o santuário) também conhecida por Glória de Deus, e ordena o resgate de Raabe que traz em si o nome da Deusa, a Sabedoria menor, tenha o mesmo nome daquele que quase 1500 anos depois se chamaria também Yeshua, nasceria de Maria, uma hipóstase de Shekinah, a Sabedoria maior e teria uma relação estreita e hoje em dia digna de debates acalorados, com Maria Madalena, a Sabedoria menor com a qual executaria o mesmo trabalho de resgate que fizera quando esta estava na figura de Raabe.

Este resgate é a meu ver ilustrativo daquilo que quero mostrar...de que nestes textos podemos ver que o sagrado feminino tinha sido vilipendiado pelos arcontes e sido denegrido nas culturas de então. As grandes revelações que estas culturas tiveram do sagrado no passado estavam morrendo...e fediam.... A manifestação de Shekinah nos céus como forma de nuvem sobre a arca e do Logos em forma do líder hebreu ou no mínimo este sendo um tipo deste, e depois todo o drama reencenado por Jesus e suas duas Marias me mostram claramente que a religião mosaica em essência NUNCA foi patriarcal puramente, mas tratou de resgatar veladamente o sagrado feminino para uma forma mais sutilizada e sagrada. Tratou de tirar as rebarbas que fizeram da Deusa "a prostituta" para fazer com que retorna-se ao seu assento de rainha dos céus...a Glória divina!

E isto podemos ver no próprio nome da deidade...

YHVH

Ou YaHVeH sendo que Yah corresponde ao elemento masculino e VeH ou eVeH ao elemento feminino....

Como TETRAGRAMMATON poderia ser lido como:

Y...Pai...
H...Mãe...
V...Filho...
H...Filha...

Ou seja...

 NO "EU SOU O QUE SOU"...ESTA O MISTÉRIO DA UNIDADE DA DUALIDADE DA MANIFESTAÇÃO DIVINA COMO VIDA...O MISTÉRIO DO GERADOR E DA GERATRIZ - PAI E MÃE...O MISTÉRIO DA EMANAÇÃO DE TODA A VIDA - FILHO E FILHA...SENDO O PAI... AIN, O MISTÉRIO INEXPLICÁVEL; A MÃE... AIN SOPH OU O ESPAÇO ILIMITADO; O FILHO... AIN SOPH AUR OU A LUZ ILIMITADA; E A FILHA... A ÁRVORE DA VIDA OU A FRUTÍFERA MATÉRIA QUE PRODUZ INCESSANTEMENTE AS VIDAS INDIVIDUAIS EM TODAS AS DIMENSÕES DO SER A PARTIR DO RAIAR DOS FACHOS DA LUZ ILIMITADA DO FILHO EM SEU VENTRE ETERNO...EM OUTRAS PALAVRAS...A SABEDORIA MAIOR(A MÃE) E A MENOR(A FILHA)...

Neste nível em que tratamos falamos por imagens e metáforas pois que estamos traduzindo o cerne do próprio mistério e dai que somente por figuras, analogias, simbologias etc...isto pode ser feito.


Percebam a ciranda dos números, as metáforas nos fatos, as figuras nas pessoas, a simbologia nos nomes, a magia nos atos, o poder do símbolo radiante através de cada letra, de cada palavra e dos atos descritos!

Estamos aqui diante de algo muito maior e mais profundo do que a destruição de uma cidade.

Assim como a destruição de Atlântida tem imensos significados simbólicos a destruição de Jericó também.

Assim como Atlantis se torna sinônimo de maldição divina e reinício de um novo mundo, Jericó também.

Nas muralhas de Jericó encontramos o poder do mito da criação, sustentação, destruição e recriação...

7 é o número da plenitude, da completitude, da perfeição, da manifestação plena do divino emanado e imanente:

1.Portanto o número de sacerdotes simboliza o divino em sua plena manifestação...O ESPÍRITO.

2. O número de trombetas simboliza o conjunto dos atributos divinos...o elemento AR.

3. O número de dias, os dias criativos divinos e o dia da sustentação ou 'descanso'...o elemento ÁGUA.

4. O número de voltas, as rondas evolutivas de criação nos seis dias e depois; sustentação, destruição e recriação com 7 voltas no sétimo dia.
Os seis toques únicos e longos dos seis dias são os dias definitivamente criativos e expansivos e os 7 toques intercalados do ultimo dia representam que após um período de sustentação vem o fim e o recomeço.
Os sete toques intercalados do ultimo dia são o morrer de um mundo e o nascer de outro. O fim de uma era e o início de outra. O fim de um criação e o início de uma nova criação ou uma... recriação...o elemento TERRA é a ronda dos seis dias e o elemento FOGO...as sete voltas do último dia.

Por isto a destruição de Jericó torna-se determinante e emblemática para todo o contexto das histórias hebraicas.

Ali morre um mundo e nasce outro!

Morre uma criação e começa outra!

A partir dali o medo se espalha sobre toda a região e todos percebem que o fim inevitável chegou...que o novo pede passagem para o velho...que o renovo quer espaço no lugar daquilo que já esta gasto!

Os principais elementos de 7 se manifestam 5 vezes, temos portanto um pentagrama, simbolo universal do humano... a síntese de toda a criação.

Em cada ponto do pentagrama temos um 7, somados temos: 7+7+7+7+7 = 35 = 8

Oito é o número do infinito e aqui simboliza os guerreiros e o povo em geral... é o ponto dentro do pentagrama ou o pontapé inicial do próximo símbolo, o hexagrama ou estrela de seis pontas, um velho símbolo iniciático e particularmente associado a Israel e que tem no seu centro o 7 e que dará origem a um novo símbolo de sete pontas cujo centro é o 8... mas aqui basicamente o 8 se manifesta no quinteto de 7 especificamente através de sua somatória.


É este ponto central que define o final de todo o drama.

Depois de toda a ritualística mágica dos 7 dias é deste ponto central, deste 8 infinito que parte o Som que promove o fim de uma era e o início de outra. O fim de uma civilização e o começo de outra. O fim de um mundo e o nascer de outro. O fim de uma criação e uma nova surgindo.

O Senhor de certa forma despedaça Raabe, A Senhora, o culto matriarcal e eleva o patriarcal em seu lugar. Despedaça ao conquistá-la para si, ao fazer dela sua refugiada, e ao fazer ruir as muralhas onde estava, da cidade que simboliza toda uma civilização que esta prestes a ruir sobre o poder do novo que chega irrevogavelmente.

Mas misteriosamente o sagrado feminino permanecerá oculto dentro do próprio cerne ou coração do sagrado masculino. O Senhor oculta Raabe, A Senhora, no lugar mais importante da hierarquia da nova nação que começa. O tronco ancestral que dará origem a uma das mais sagradas linhagens reais da História e que culminará naquele que os cristãos definem como O Filho de Deus, a síntese de um novo tipo de humanidade e que o esoterismo entende como o grande avatar que trouxe o elemento crístico para nossa evolução.

Ironicamente é do sagrado feminino simbolizado em Raabe a prostituta, provavelmente sacerdotisa cultual da Deusa, que vem a surgir a síntese de todo o mistério crístico no mundo. E não só dela, mas na figura de Rute também e futuramente de Maria, a mãe direta do avatar e de Maria Madalena que NO MÍNIMO, era aquela que melhor apreendeu o Cristo dentro de si e se tornou um símbolo desta mesma Raabe, a Pistis Sophia, a Sabedoria perdida, violada pelos arcontes, submissa até à prostituição que é finalmente resgatada pelo Logos, o esposo, o Cristo e se torna o par consorte supremo do universo.

É como se o mito dissesse mais ou menos o seguinte:

Embutido nesta História de sangue, suor e lágrimas onde aparentemente um Deus macho destrona uma Deusa fêmea, esta em verdade escondido o mistério do reencontro de Sophia pelo Logos, a libertação dela dos arcontes(o culto deteriorado da velha Canaã) para a Glória da Shekinah divina, presente metaforicamente na Nuvem Luminosa sobre a Arca da aliança(a Sabedoria maior, que nunca se perdeu pois quem se perde é sua face menor no mito de Pistis Sophia e que depois viriam a ser simbolizadas nas duas Marias: A Mãe do Avatar e a apóstola amada ou quem sabe...consorte Dele...)...

Em verdade YHVH não destrói o culto da Deusa mas o culto deteriorado dos arcontes USANDO a Deusa. Ele a vela, a oculta em si, sob o manto de Shekinah e a coloca oculta dentro da linhagem sagrada de onde virá os reis messias e o Messias supremo.

Portanto quando YHVH destrói Raabe o monstro primal e símbolo do caos aquoso original que os textos aqui citados descrevem em verdade estamos diante do mito que expõe a ordenação da criação a partir do caos original, o nascer da vida a partir do corpo da Deusa despedaçada pelo Deus...o despedaçar em verdade é o parto, as dores atrozes que fazem nascer de dentro da própria Deusa seu algoz...é a Luz que racha as trevas ao meio, e o Rebento que abre caminho e sai de dentro da Mãe.

Raabe portanto tem sua vida anterior destruída e renasce com outra leitura no contexto israelita.

Ela é a Resgatada e volta novamente a unir-se a Shekinah... a Face maior de Sophia com a Face menor...e no futuro encarnará de novo, e também virá a encarnar a Face maior, as duas juntas, participando do drama sagrado do próprio Logos que através do Som da boca dos magos sagrados destruiu as muralhas que escravizavam Raabe, ou Sophia sob o julgo dos arcontes. No futuro, assim como o Logos chega com Shekinah para destruir as muralhas que prendem a Face menor de Sophia, Ele voltaria, agora em carne e Ela também para CONJUNTOS à Face menor e um número de outros seres sagrados (doze ao todo, simbolo do universo como os doze espaços de manifestação simbolizados pelo zodíaco) estabelecerem dentro do contexto evolutivo humano a maior conquista do gênero: 

A CONSCIÊNCIA CRÍSTICA E CÓSMICA!

Assim, diante das muralhas de Jericó podemos ver MUITO mais que um Deus iracundo destruindo um povo.

Podemos ver a própria História das eras, do ir e vir de povos, civilizações, mundos, universos e criações.

Vemos o drama do próprio Todo emanando de si Tudo e periodicamente...criando, sustentando, destruindo e recriando... sempre numa escala ascendente de luz maior, todas as coisas espaciais e temporais até que estas finalmente conquistem A ETERNIDADE DE SER NA INFINITUDE DO SER...

EXATAMENTE como no mito do GITA e da terrível guerra dos Baratas no MAHABHARATA!!!

Termino dizendo que só arranhei a ponta do mistério...tenho certeza que alguém em algum lugar poderá fazer outras leituras deste texto, quem sabe até mais profundas e proveitosas e continuar mostrando que por trás de tanta literalidade de dor e sangue pode haver camadas e camadas de mistérios e de revelações sobre o Mistério Maior e a manifestação da Vida!

OM NAMAH SHIVAYA

Valter Taliesin

VÍDEOS SAGRADOS

PHIL THORNTON & HOSSAN RAMZY








FONTE YOUTUBE






FONTE DE IMAGENS GOOGLE

Nenhum comentário:

Postar um comentário