Google+ Badge

sábado, 18 de fevereiro de 2017

CAMELOT - Através das Areias do Tempo -



Um Rei, uma Espada, um Trono, um Reino, um Mago, uma Bruxa, uma Rainha, um Filho vilão, um grupo de Cavaleiros e um Segredo...

Camelot nos surge no tempo fugidio como a canção da utopia que todas as raças um dia cantaram em diferentes sintonias...

Por mais lendária que possa ter sido o mito perdura independente da veracidade ou não da história.

Em cada nação e povo da terra o mito da terra utópica, do reino que se diferencia e se sobrepõe à todos os reinos é de uma insistência impressionante.

Teria tal mito surgido no tempo dos reis sacerdotes do início da civilização moderna(em torno de 4000 AC) ou é algo mais profundo em nós e mais antigo em nossa História?

Camelot na verdade é uma das faces e versões do mito e apesar de ser uma das mais famosas, se não a mais famosa, é uma das mais recentes que temos.

Lemúria, Atlântida, o reino Davídico/Salomônico de Israel, o reinado de Ramsés, a Troia de Homero, a Babilônia de Nabucodonozor e seus jardins suspensos, a Creta antes do cataclismo, O reino de Rama na Índia, a própria Roma dos áureos tempos etc...fora os mitos de cidades fabulosas de supostas dimensões diversas à nossa como: Kun Lunn, Shangrillá, Sambhalla, Agartha, Asgard, Olimpo e mesmo Avalon, o celeiro, o berço a matrix da própria Camelot e outras que não há certeza de que dimensão eram como: o Eldorado, Paititi etc...


Estas são imagens mais antigas do que Camelot na idealização, ou de um reino real que alcançou enorme desenvolvimento e poder e criou em torno de si a aura mítica de reino eterno ou de uma manifestação real e o mais fiel possível deste conceito no mundo por meio de um povo que em algum momento alcançou a virtude coletiva necessária para manifestá-lo como tal!

Depois de Camelot poucos foram os mitos surgidos desta envergadura e geralmente no 'novo' mundo' na medida em que as riquezas de maias, incas, aztecas etc...eram descobertas e seu grau alto de civilização e tecnologia arquitetônica revelados! Mas mesmo assim tivemos um grande exemplo na figura de Preste João e seu reino fabuloso que a 500 anos despertou a cobiça de portugueses, espanhóis etc...que como todos os reinos que fazem parte desta mítica nunca foi descoberto mas todos juram que existem indícios de que pelo menos algo, alguma coisa factual gerou o mito.

Assim é Camelot... 


Arthur é uma figura enigmática bem como Morgana, Merlin e às demais...O que foram...SE foram, ainda é debatido...

Me lembro um dia, a mais de 28 anos atrás quando fui comprar uma coleção de banca chamada: "Grandes Líderes" que ao perguntar se já tinha saído o volume sobre o Rei Arthur o dono me disse - 'Já sim, mas nem sei porque lançaram isto, sobre um cara que nem...existiu!'....Não quis contestá-lo mas sai pensando... O que dava tanta certeza à ele que Arthur não existira e também; o que dava tanta certeza a mim que SIM, que ele existirá!?

Percebi então naquele momento como é tremendo o poder do mito! O mito trás uma mensagem do mundo dos ideais como diz Platão e nos aponta o sinal de uma sociedade mais justa, sagrada, fraterna e evoluída; um lugar que, por sermos DIVINOS em essência é de pura Utopia ainda que nossas personalidades sempre interfiram e as imagens utópicas resvalem muitas vezes em preconceitos quer raciais, religiosos, ideológicos etc...como bem sabemos de coisas que no passado nos trouxeram MUITAS amarguras... mas ESTA ALI...a potencialidade do utópico, do ideal, do sagrado... esta ali... DENTRO DE CADA UM DE NÓS, como que esperando acontecer, manifestar-se, esperando quem sabe o povo certo para a hora certa, a humanidade no ponto que deve e tem que estar para poder manifestar-se!

Os peregrinos ingleses, ancestrais dos norte-
americanos vieram para cá para construir aqui a Nova Jerusalém...em uma terra onde se imaginava, manava "Leite e Mel", como foi a Canaã utópica de Moisés e dos seus! Criaram a mais poderosa nação da atualidade e um dos mais poderosos impérios já vistos! De certa forma acertaram e de certa forma também desastrosamente erraram pois O Reino virar um Império nunca é o ideal da Verdadeira Utopia divina! O Reino consagrada... o Império escraviza! 


E voltando nossos olhos cá para a América de baixo...

Seria idiotice continuar crendo que o Brasil recebeu este nome por causa de um pau que queimava melhor que os outros gerando um brasil tremendo quando os que 'o descobriram', os portugueses, estavam vivendo a época fervilhante das lendas sobre HY BRAZIL, a terra mítica dos povos europeus perdida além do oceano Atlântico...E ainda falando de Brasil e de utopias...não faz muito tempo Antonio Conselheiro criou um movimento messiânico de terra sagrada e rei sagrado no nordeste brasileiro que levou à uma pequena guerra civil, e virá e mexe aparecem comunidades aqui ou acolá tentando manifestar este reino idílico.

Mas voltando àquele dia na banca... tenha existido ou não percebi que o que me atraia para a figura de Arthur era a mesma coisa que afastava aquele homem dela; o mito erigido em torno da figura seja ela real ou lendária!

Esta é a diferença do mito para a lenda...o mito pode ser tecido em cima de figuras reais ou não reais pois contém em si o germe da verdade de UM OUTRO PLANO...O PLANO VERDADEIRAMENTE REAL...a lenda por outro lado pode ser só o que é...um conto da carochinha puro e simples sem nenhuma intenção de coisa alguma e totalmente fictícia.

Hoje SEI que algo mais profundo ainda que o mito sempre me ligou à figura de Arthur etc... mas naqueles tempos via que basicamente foi isto que, na minha compreensão causava atração em mim e repulsa naquele homem à figura do grande rei: 


O mito criado em torno dele...

Este para mim acenava para uma figura tão extraordinária no seu tempo que histórias e mais histórias foram sendo acrescentadas como uma camada de cebola sobre ela; e para ele era exatamente estas camadas de cebola que diziam não ter nada no final das contas.

Camelot quer tenha existido próxima ao mito ou bem distante dele entretanto exerceu um fascínio e exerce mais ainda agora sobre os buscadores da luz quanto mais percebemos o quão carente está este mundo de...


VERDADE E JUSTIÇA!!! 

QUÃO CARENTE ESTAMOS DE REIS(governantes) QUE SEJAM HONESTO, DEVOTADOS, BENIGNOS E DEDICADOS À CAUSA DO BEM COLETIVO E DE PESSOAS EM TORNO DELES(AS) QUE VIBREM NA MESMA SINTONIA E CLARO...UM POVO QUE MEREÇA ISTO E NÃO OUTRA COISA POIS NUMA DEMOCRACIA O POVO RECEBE O QUE MERECE...O QUE NÃO ERA O CASO DOS REINOS DE ENTÃO PURAS MANIFESTAÇÕES DO GOVERNO SAGRADO!!!

Entretanto é possível um governante sagrado eleito democraticamente?

Esta é uma pergunta que teremos que responder nos anos que virão...a democracia primeiro tem que permitir nascer UM POVO SAGRADO para que dentre ele nasçam OS GOVERNANTES SAGRADOS!!!


Um povo sagrado não permite JAMAIS que o ilícito seja feito em nome de interesses escusos com desculpas esfarrapadas de assistencialismos isto ou aquilo; um povo sagrado ao perceber que seu governo esta sendo cooptado por grupos de interesses particulares para usarem a máquina governamental para pintarem e bordarem vai às ruas, vai à TV, rádios , às urnas etc e diz NÃO ainda que isto gere um caos social momentâneo e fira nossas necessidades mais imediatas MAS impede a longo prazo de que um mal maior se estabeleça e se perpetue através do poder.

Enfim, esta na hora de respondermos nossas mais secretas e sagradas perguntas sobre como construiremos ou não o reino dos mitos finalmente no plano tridimensional.

Paz e Bem


Valter Luís

(Texto originalmente escrito por mim sob pseudônimo em perfil do Facebook e agora acrescido de alguns detalhes por mim lembrados)





VÍDEOS SAGRADOS


ENAID

Road To Camelot



Lady Of The Lake

O Espírito de Excalibur

Merlin's Secret

Avalon







Nenhum comentário:

Postar um comentário