Google+ Badge

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A INSUSTENTÁVEL 'LEVEZA' DO 'NÃO' SER

A mais de 25 anos atrás Milan Kundera um dos mais falados e melhores escritores da segunda metade do século 20 lançou um livro espetacular, hoje um clássico, que depois virou filme excelente e famoso de Phillip Kauffman nas interpretações de 3 nomes que viriam a se tornar sinônimos de qualidade artística : o mítico Daniel Day Lewis,a deusa Juliette Binoche e a grande Lena Olin....


A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER...


Como o próprio titulo diz o livro tratava de puro existencialismo...o qual poderiamos enfocar por dois ângulos completamente distintos...


Por um lado a dificuldade de se SER, de se existir enquanto humano, enquanto ser ciente na nossa sociedade constantemente em mutação e muitas vezes esta nem um pouco suave.


Por outro a etericidade daquilo que nos forma no mais profundo , no mais íntimo que não tem peso nem medida definidos na Terra(pelo menos ninguém ainda conseguiu definir a contento o quanto pesa uma alma rs....) em contraposição ao corpo que a envolve.





Basta darmos uma olhada no sumário do dito livro que veremos estas duas idéias básicas presentes na obra...


A LEVEZA E O PESO


A ALMA E O CORPO


AS PALAVRAS INCOMPREENDIDAS


A ALMA E O CORPO


A LEVEZA E O PESO


A GRANDE MARCHA


O SORRISO DE KARENIN



É um trabalho delicioso , primoroso de Kundera; mais que um romance ....um tratado filosófico dos mais profundos sobre a vida e o existir.


Mas pelo titulo de meu texto vocês já devem ter percebido que eu vou enfocar um OUTRO viés deste conceito da insustentabilidade e que hoje em dia tem estado tão em voga.


A INSUSTENTABILIDADE DE 'NÃO SER'....


Sempre existiu no mundo o desejo de perenizar-se de celebrizar-se de alguma forma.


Áquiles por exemplo; vai à guerra de Tróia mesmo sabendo pela sua mãe que nela pereceria porque o desejo de perenidade através das gestas era-lhe muito mais atraente do que ser rei e viver uma vida calma , serena  e tranquila.


Alexandre por outro lado toma Áquiles como exemplo a ser seguido e parte rumo ao desconhecido com um exército grande mas muitas vezes inferior em número ao de seus inimigos e muda completamente a face do mundo de então através de batalhas e conquistas memoráveis porque dentro de si ansiava por glória eterna....perene....ser lembrado como um dos heróis da antiguidade... como um Héracles, um Teseu e como disse antes seu ídolo maior... um Áquiles.


Talvez quem sabe dentro de sua mente se sentia uma reencarnação do cujo não!?


Mesmo figuras nefastas da História universal como Hitler tiveram a princípio o desejo de perenizar-se através de seus heróis favoritos....no caso deste de Parsifal o cavaleiro do graal.


Alguém duvidaria que Napoleão não via em si um novo César?


Assim ao longo das eras o ser humano dito 'normal' é tudo menos atraente para a maioria de nós.


A normalidade da vida hodierna não contém em si para muitos de nós os germes da eternidade.


Quantas vezes não ouvimos frases como....estou marcando compasso, estou girando em circulos, preciso fazer alguma coisa de minha vida urgentemente etc....?


Quantas vezes nós não dissemos as mesmas coisas!?


Ainda talvez nem tanto com desejo de sermos famosos mas pelo menos de nos destacarmos em alguma coisa, de alguma forma, nem que seja profissionalmente?


Aqui mesmo neste Blog ou em qualquer lugar da internet no fundo o que estamos fazendo é um exercício de visibilidade, de quanto podemos ou não nos comunicarmos, falarmos com os outros, passarmos as nossas mensagens, sermos conhecidos ou até reconhecidos ...


Claro, se existe um objetivo de passar-se coisas boas como o que pretendo aqui tal exercício me parece salutar, até necessário, mas por outro lado, quanta futilidade e pior; quanta coisa ruim tem sido disseminada mundo afora no intuito das pessoas se tornarem famosas.


Vejam os vídeos do YOUTUB e cia por exemplo....


Quantas celebridades da noite para o dia,instantâneas, quantos jovens que nem do cueiro sairam e estão na boca do povo devido a algo postado em tais lugares?


Claro....quanto surge uma Susan Boyle o mundo agradece mas....ela é uma avis rara neste mundo de faz de conta cibernético!


Vivemos um momento onde é INSUSTENTÁVEL para a maioria de nós não sermos famosos, célebres, conhecidos  e ouvidos.


A Celebridade é hoje uma meta não só desejada mas facilmente alcançada com os meios que dispomos.


Obviamente isto tem seu lado bom quanto seu lado mau como tudo nesta vida.


Uma pessoa com boa cabeça que sabe discernir com clareza entre realidade e fantasia sabera administrar e bem a celebridade caso venha alcança-la quer aqui na internet, quer escrevendo livros, fazendo filmes, novelas, teatro , política etc...mas quantas pessoas despreparadas estão se tornando famosos da noite para o dia, se tornando 'referência de comportamento' para zilhões de pessoas e as quais não tem nas suas vidas pessoais a mínima estrutura nem de gerirem suas vidas quanto mais serem exemplo de alguma coisa seja lá para quem for?


Realmente é insustentável para muitos de nós sermos cidadãos comuns....nos percebermos desconhecidos, sem relevância no macro de nossa sociedade.


'Creio sinceramente que cada um de nós que estejamos aqui na internet tenhamos em maior ou menor grau isto conosco.'


Mas em muitos isto já se tornou....patológico DEMAIS a ponto de suas estadas aqui serem não só invasivas na vida de outros internautas mas verdadeiramente PREJUDICIAIS!


Sites de intolerâncias... racial, religiosa, sexual,política,filosófica,ideológica tem cada dia mais encontrado mais e mais adeptos sedentos de darem sua 'opinião' sobre o que entendem ser 'o certo e o errado' para não somente suas vidas mas a vida da sociedade como um todo.


VIDE O CAMARADA QUE CHACINOU PESSOAS NA NORUEGA e muitos outros que estão por ai encapados debaixo de discursos neofacistas e repletos de desejo de serem reconhecidos como alguém importante indo na mesma linha.


A celebridade em si NÃO É ERRADA mas o uso que se faz dela e principalmente os deuses com pés de barro que são alçados ao topo de nossas venerações é que podem ou não fazer a diferença para melhor ou pior.


Figuras célebres, algumas já falecidas,como Joseph Campbell,Herman Hésse, Paulo Coelho,J. K. Rowling,Woody Allen,Scarlet Johansson,Angelina Jolie, Brad Pitt, Johnny Depp,Leonardo DiCaprio,João Paulo 2,Marilyn Monroe,Michael Jackson,Helena Blavatsky,Rudolf Steiner,Getúlio Vargas etc...todas tiveram que lidar com o culto as suas personalidades, a celebridade, a adoração ou a crítica a suas obras e vida...aqueles que tinham uma boa estrutura interna não só suportaram o fardo como legaram uma história(ou estão ainda legando) impar a nossa sociedade já outras naufragaram fragorosamente entre o homem ou mulher e o mito criado em torno de si.


A insustentável leveza de' não se ser'....este fio de meada que separa o desconhecido do famoso e que leva muita gente a pagar mico em realit shows mil por ai tem na verdade origem na necessidade humana de PLENIFICAR SUA EXISTÊNCIA...


Ao nos afastarmos cada vez mais de nossa Divindade Interior, do Espírito Divino que Deus(a) nos deu nos tornamos vazios e carentes e tentamos preencher tal vazio com estas muletas de reconhecimento humano.


Ao deixar de ver Deus em si o ser humano passou a desejar que os OUTROS vissem Deus nele ou pior ....fizessem dele um Deus.


Reparem na postura dos artistas que vão receber os prêmios famosos de cinema ,tv e música da vida, alguns procuram ser pessoas o mais normais possíveis mas muitos tem um jeito de andar, de falar, de portar, de interagir com repórteres e público que parecem luzeiros inesgotáveis de neon dizendo....SOU FAMOSO....SOU DEMAIS!


Nunca mais vi uma festa de prêmios da música tal a pose insuportável de CELEBRIDADE que certos artistas ostentam cansativamente ante as camêras e flashs.


'Agradecem' o prêmio como se estivessem lhes fazendo nada mais que a obrigação ante a 'grandeza' que são e não como reconhecimento de um bom trabalho.


E dia a dia estamos vendo esta 'insustentabilidade' entre ser-se normal e celebridade contaminar a atual geração de humanos mais e mais.


Pendurar uma melância no pescoço para se aparecer hoje em dia é modéstia... 


O negócio agora é balançar o 'popozão ' nas festas regadas a todo tipo de drogas ilícitas para parecer uma 'cachorra'(devo estar provavelmente desatualizado no termo né? rs) mais 'vaga' que as outras....ou andar com as calças caindo mostrando o reguinho ou a cueca para os 'manos ' verem que eu sou' múdernú' e tocar o som na 'música' mais cheia de palavrão possível em alto e bom som com o capo do carro levantado, rua acima rua abaixo, para 'atrair' as 'minas' e a atenção da rapaziada e em contrapartida encher, com o perdão da palavra... SACO, de quem pensa e gosta diferente.


Hedonismo, narcisismo, culto a personalidade....tudo isto temos visto e revisto em nós mesmos e na nossa sociedade atualmente em doses cavalares.


Felizes daqueles de nós que acordam enquanto é tempo e percebem que a verdadeira perenidade é o DEUS QUE ESTA EM NÓS...manifestando-se dia a dia em pról do bem pessoal e comum de todo o mundo.


Abraços....


Pax e Lux


Valter Taliesin'







Um comentário:

  1. Meu amigo
    realmente é uma insustentável
    pesada condição de anonimato,
    te digo que ser o anonimato
    hoje em dia é que se tornou
    realmente a celebridade...
    sabe no que reside isso,
    nãao é?
    É a troca do ser pelo ter
    não se visa o ser
    leia-se a insustentável levesa do ter......

    ResponderExcluir