Google+ Badge

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

MELQUISEDEC...O REI DO MUNDO...



O REI DO MUNDO




Fonte Youtube




Quando Abrão voltou, depois de ter derrotado Codorlaomor e os reis que estavam com ele, o rei de Sodoma foi ao seu encontro no vale de Save(QUE É O VALE DO REI).
MELQUISEDEC, rei de Salém, trouxe-lhe pão e vinho; ELE ERA SACERDOTE DO DEUS ALTÍSSIMO(EL ELYOM).


Ele pronunciou esta benção:


"BENDITO SEJA ABRÃO PELO DEUS ALTÍSSIMO
QUE CRIOU OS CÉUS E A TERRA,
E BENDITO SEJA O DEUS ALTÍSSIMO
QUE ENTREGOU TEUS INIMIGOS NAS TUAS MÃOS."


E Abrão lhe deu o dízimo de tudo.
                           Gênesis.14.17-20.




A esperança, com efeito é para nós qual âncora da alma, segura e firme, penetrando além do véu, onde JESUS entrou por nós, como PRECURSOR, feito sumo sacerdote para o ÉON(ERA),segundo a ordem de Melquisedec.


Este Melquisedec é de fato Rei de Salém, sacerdote do Deus altíssimo.
Ele saiu ao encontro de Abraão quando esse regressava do combate contra os reis, e o abençoou.
Foi a ele que Abraão entregou o dízimo de tudo.
E seu NOME significa em primeiro lugar, REI DE JUSTIÇA; e, depois, REI DE SALÉM, o que quer dizer REI DA PAZ.


SEM PAI , SEM MÃE, SEM GENEALOGIA, NEM PRINCÍPIO NEM FIM DE VIDA!


É assim que se assemelha ao FILHO DE DEUS, e permanece sacerdote para SEMPRE!
                        Hebreus.6.19;7.1-3....para melhor compreensão pode-se seguir com o restante do capítulo.


YHVH jurou e jamais desmentirá:


TÚ ÉS SACERDOTE PARA SEMPRE, SEGUNDO A ORDEM DE MELQUISEDEC.
                        Salmos.110.4....todo este salmo é tido por messiânico tanto por judeus quanto por cristãos, obviamente com os segundos focando na figura de Jesus... assim toda a leitura do salmo seria salutar.


EU SOU MELQUISEDEC, o sacerdote do Deus altíssimo; eu sei que sou verdadeiramente a IMAGEM, do verdadeiro sumo sacerdote do Deus altíssimo e [...] o mundo.
                        Apócrifo de Melchisedec....fragmentos.


ELE É NA REALIDADE O REI DE TODA A TERRA E PAI DE TODOS OS REIS.


Melquisedec era honrado por todos os povos e chamado de pai dos reis.
                        Apócrifo, A Caverna dos tesouros Cap. 29.4-5....mas todo o cap é MUITO interessante.


A figura de Lord Melquisedec como podemos ver nos textos acima é altamente misteriosa e controversa para o mundo judaico/cristão não é de hoje.


Percebemos pelos apócrifos escritos paralelamente aos textos ortodoxos que tal figura era tida em altíssima conta naqueles tempos.


Mesmo o texto ortodoxo de Hebreus revela isto.


Hoje em dia a interpretação teológica convencional sobre tais textos é bem simples:


Cristo é um sacerdote segundo a ordem de Melquisedec não porque este fosse algo ou alguém sobrenatural mas que este apesar de não pertencer a linhagem de Levi e não ter pai ou mãe israelita exercia o sacerdócio para Deus e até abençoou o pai dos israelitas Abraão.


Desta forma o escritor aos Hebreus enfoca Cristo, que não sendo da tribo de Levi mas de outra tribo(Judá) também teria direito a exercer o sacerdócio independente de não ser um levita.


Entretanto me parece que a forma de se ver Melquisedec apenas como um tipo de Cristo não era tão consenso assim naqueles tempos.


Basta vermos como disse, os dois textos apócrifos que postei acima.


1.O texto aos Hebreus exalta sobremaneira a figura de Melquisedec o que deixa margens para que se crie em cima desta figura tais elocubrações.


2.Não é ele Melquisedec que é um sacerdote segundo a ordem de Cristo mas Jesus Cristo que é um sacerdote segundo a ordem de Melquisedec...mesmo o escritor depois se auto corrigindo e dizendo que ....'é assim que ele se assemelha ao Filho de Deus e permanece sacerdote eternamente'... ele na verdade não consegue apagar a força das palavras do Salmo de onde emprestou tais palavras e que diz que o Messias é que é sacerdote segundo a ordem de Melquisedec e não este do Messias.


3. Mesmo um dos apócrifos após enaltecer Melquisedec como uma figura praticamente divina depois tenta se corrigir dizendo-o ser uma Imagem do Filho de Deus.


4.Quando o escritor aos Hebreus traduz o nome do sacerdote deixa implícito que pelo menos para ele era irrelevante se Melquisedec governava ou não uma Jerusalém naqueles tempos pois para ele o importante era que o nome Salém significasse PAZ e este rei era o REI DA JUSTIÇA E DA PAZ.


 5. A questão mais controversa não é tanto se ele era sem pai e mãe, ou sem genealogia israelita mas a frase.....NEM PRINCÍPIO OU FIM DE DIAS....
Aqui o escritor parece demonstrar cabalmente um Melquisedec sobrenatural e não humano.
Se as duas afirmações primeiras são mais fáceis de se adequar a teologia convencional esta contudo é bem mais complicada.


6. O escritor aos hebreus tenta adaptar sua teologia  sobre Cristo em cima claramente de uma tradição muito antiga sobre a importância de Melquisedec que deveria vigorar entre os judeus de então, pois como todo adorador bem sabe aquele que DÁ O DÍZIMO esta em tese se submetendo ao que o recebe e o que ministra ou serve pão e vinho esta claramente exercendo um papel superior ao que come e bebe ...portanto para os judeus a figura de Melquisedec não deveria ser qualquer coisa.


7.Algumas tradições trabalham com a hipotese de ele ser sim um ser humano comum mas não qualquer um  e sim SEM o filho de Noé que exerceria o sacerdócio no lugar do futuro monte do templo guardando as relíquias de Adão e Eva.
Dai se aceitaria perfeitamente que o Pai Abraão rendesse-lhe reverências.


8. Interessante o fato do apócrifo Caverna dos tesouros dizer claramente que ele era reconhecido como REI DO MUNDO e que isto lhe foi outorgado devido a sua poderosa presença quando apareceu diante dos 12 reis(uma clara analogia a Cristo e seus 12 apóstolos) que o proclamaram unanimemente.
Estes 12 reis simbolizavam todo o plâneta naquele dia e segundo o apócrifo eles construiram em homenagem a Melquisedec a cidade de Jerusalém para dali ele reinar sobre todos .


9.Interessante também é que o vale onde Abraão se encontrou com o rei de Sodoma e no qual Melquisedec lhe foi ao encontro tivesse o nome de vale de Save ou vale do rei como que destacando tal vale em relação a alguma figura real tão importante que o vale lhe era associado....me pergunto; será que havia alguém mais importante que Melquisedec naqueles tempos?


10.Ficamos sempre com a interrogação no ar....que sêr é este que nos dias de então quando aparentemente só a familia de Abraão conhecia o suposto Deus verdadeiro e que... não só o conhecia também, mas era o PRINCIPAL adorador  e ministrador deste Deus no mundo?


Diante de tudo isto com o passar dos anos a mitica em torno de Melquisedec foi cada vez mais se tornando forte e com o encontro de outras tradições que falavam sobre um suposto Rei do mundo a figura de Melquisedec ganhou ainda mais credibilidade principalmente entre a corrente espiritual alternativa a partir do século 19.


RENÉ GUENON escritor do início do século 20 é contudo o autor moderno que mais trouxe luz(ou confusão  dependendo da ótica de quem lê) a este assunto com seu livro sobre o Rei do mundo e nele fazendo clara associação entre Melquisedec e todas as tradições sobre esta figura entre os demais povos.


Outro escritor que tornou o tema popular no ocidente na mesma época foi SAINT-YVES D'ALVREYDE em sua obra Missão na Índia.


Na idade média inclusive, uma outra figura enigmática foi associada quer a Melquisedec quer ao apóstolo João,que supostamente para alguns que ouviram Cristo dizer... 'QUE IMPORTA A VC QUE ESTE VIVA ATÉ QUE EU VOLTE?'Jo.21.21-23... não iria morrer, e que foi associada a ele por inferência... por considerarem-no o tal discípulo amado a quem Jesus se referiu.


Esta figura enigmática que passou a ser conhecida como PRESTE JOÃO teria se comunicado inclusive com lideranças da época, e muitos empreenderam viagem para o Oriente para localizar seu suposto reino.


Ou seja; para muitos Preste João e Rei do Mundo seriam sinônimos assim como Melquisedec.


Vejamos agora alguns  textos sobre o assunto para melhor exemplificarmos a universalidade desta mítica não só por nossas palavras mas também por meio das pesquisas de outras pessoas.



Melquisedeque (em hebraico מַלְכִּי־צֶדֶק / מַלְכִּי־צָדֶק (Malkiy-Tzadeq) Meu rei é justiça) é um personagem bíblico do livro de Gênesis que interagiu com Abraão quando este retornou vitorioso da batalha de Sidim. É descrito como o rei de Salém e que não deixou descendência.
Este rei de Salém poderia ser o mesmo, conhecido na história suméria (onde viveu) como o Oannes (nome muito semelhante ao de Yohanes, um Rei Etíope). Diz-se que não teve ascendência nem descendência a quem a mitologia atribui-lhe características sobre humanas, quase como um semi-deus da altura. Alguém de enorme valor que instruiu os povos e lhes deu a civilização.


Apesar das raras referências a ele na Bíblia, o Livro Sagrado refere-se a Melquisedeque como um sábio rei de uma terra chamada Salém e "sacerdote do Deus Altíssimo." (Gênesis 14:18). No Novo Testamento, ele é comparado a Jesus, de que é dito ser "da ordem de Melquisedeque" (Epístola aos Hebreus).
Segundo o texto do Pentateuco, Melquisedeque foi o rei da cidade de Salém (que significa "paz"), a qual se acredita ter sido a cidade posteriormente conhecida por Jerusalém.
Melquisedeque teria tido importância no direcionamento de Abrãao - o primeiro registro bíblico da doação de dízimos decorre desta ocasião. Abrãao e Melquisedeque seriam, portanto, contemporâneos, de acordo com as narrações bíblicas.
Destaca-se na sua história a ausência de menções (comuns nos registros bíblicos) a seus antepassados. Como se pode interpretar de alguns versos (Hebreus 7:3), Melquisedeque fora um homem sem genealogia, sem filhos ou parentes conhecidos. O lugar onde seu corpo jaz também é ignorado, o que aumenta a crença de que sua real existência seja improcedente, ou de que se tratava de um homem de prestígio perante à divindade e que, por esta razão, seu corpo não tenha sido destruído, como se terá passado a Enoque ou a Moisés, talvez.
Ao nome Melquisedeque pode ainda ser atribuído o significado "Rei de Justiça" em função de ser uma possível junção de mais de uma palavra do idioma hebraico.
Seu nome já foi usado nas denominadas "Índias", que se referiam à atual Etiópia, Índia e Himalaia.Nessas 3 culturas havia referências a um "Rei da Terra", que seria o próprio Melquisedeque.
Desde o alvorecer dos tempos, existe a tradição de uma Terra Sagrada ou Paraíso Terrestre, onde os mais elevados ideais da humanidade são realidades. Povos de todo o mundo antigo conheciam pelos nomes de Monte Olimpo, Ratnasanu, Hermadri, Monte Meru, cidade celestial(que ficava na terra de Asar, dos povos da Mesopotâmia), Terra de Amenti (Livro Sagrado dos Mortos, dos antigos egípcios), cidade das Sete Pétalas de Vishnu( ou Cidade dos Sete Reis de Edom, ou Éden da tradição judaica), Na Ásia Menor no passado e hoje acreditam em uma cidade que é conhecida como Shamballah( é o templo dos Deuses. O Erdami dos tibetanos e mongóis), Para os persas era Alberdi ou Aryana terra de seus ancestrais, Os hebreus a chamam de Canaã, Os conquistadores espanhóis a chamavam El Dorado, os celtas chamavam de Terra dos Mistérios, Na Idade Média era a Ilha de Avalon.
O Reino de Agartha, formado por 7 cidades sagradas e uma 8ª cidade, denominada Shamballah. Segundo a tradição é governada pelo monarca chamado Melki-Tsedeq (conhecido como o Rei do Mundo). Melki-Tsedeq também é conhecido como Melquisedeque (citado na Bíblia (Gênesis 14.18-20 e Hebreus 6.17-20;7.1-3).



Cristofania

Alguns teólogos cristãos acreditam que Melquisedeque teria sido uma aparição do Messias antes de seu nascimento.
No Antigo Testamento há várias menções ao Anjo do SENHOR que muitos acreditam terem sido aparições de Cristo antes de encarnar. No entanto, Melquisedeque poderia ter sido o aspecto terreno da pré-encarnação de Cristo em uma forma corpórea temporária.
Outros teólogos, no entanto, acreditam que Melquisedeque teria sido apenas uma tipologia de Cristo, tratando-se, pois, de um acontecimento ou de um ensinamento que se relaciona com as realizações de Jesus.
Na epístola aos Hebreus, o autor leciona que Melquisedeque não teve nem pai e nem mãe, nem ascendência e nem descendência:
Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; a quem Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça e depois também é rei de Salém, que é rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas, sendo semelhante ao filho de Deus, permanece sacerdote para sempre. (Hebreus 7:1-3)
Segundo os cristãos é certo que Melquisedeque é "tipo" de Jesus.
Na Biblia,Melquisedeque é referido como sacerdote do Deus Altissimo em Genesis 14:18.19 quando traz pão e vinho e recebe de Abrão o dizimo do conquistado,e abençoando-o disse:"Bendito sejas Abraão, do Deus Altissimo,o Possuidor dos céus e da terra e bendito seja o Deus Altissimo que entregou teus inimigos em tuas mãos" .Referenciado também em Salmos 110.4:"Jurou o Senhor e não se arrependerá:Tu és um Sacerdote Eterno segundo a Ordem de Melquisedeque." Em Hebreus,além do já citado temos 7:4 :Considerai,pois,quão grande era este a quem até o patriarca Abrão deu os dizimos dos despojos" havendo outras citações e explicações ,havendo no 5:11 "Do qual muito temos que dizer,de dificil interpretação,porquanto vos fizestes negligentes para ouvir." o que abre um leque de possibilidades que em principio ,considerando-se a afirmação de Paulo,não devem ser consideradas cristofanias.



A hipótese de Sem ter sido apresentado com o nome de Melquisedeque

Falando das gerações de Noé, a Bíblia relata em Gênesis 6:9-10 que o patriarca gerou três filhos varões chamados: Sem, Cam e Jafé. Se esta ordem respeitar a cronologia dos nascimentos, teremos que Sem foi o filho mais velho.
Sabe-se que Sem era mais velho que Jafé como está descrito em Gen10:21 e que Cam era o filho caçula de Noé (Gênesis 9:24), sendo que, nos países orientais, principalmente nos tempos antigos, a primogenitura era uma posição altamente valorizada e, portanto, Sem já era de facto aquele que receberia a bênção de seu pai.(Gen. 9:26-27)
Como se não bastasse, Sem foi contado por merecedor desta bênção também por sua atitude bem aprovada por seu pai, quando seu respeito foi mostrado na ocasião em que Noé havia se embriagado com vinho e tinha ficado nu em sua tenda.
Tem-se que Sem foi quem deu continuidade à liderança de Noé, na Terra. Todo o povo conhecido seria então liderado por Sem, segundo a Bíblia relata:
Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo.(Gen. 9:27)
Sem foi quem mais teria vivido dentre seus irmãos. Diz a Bíblia em Gen. 11:10-11 que Sem era da idade de cem anos quando gerou Arpachade e depois viveu ainda outros quinhentos anos que totalizam uns impressionantes seiscentos anos. Isto significaria tempo de vida suficiente para ver os filhos de seus filhos até a 12ª geração, de modo que Sem pôde ter visto Jacó, filho de Isaque e neto de Abraão, que segundo sua própria antecedência, seriam filhos de Sem. Assim, no mundo da época de Abraão, ainda restaria um homem que teria vivido no Mundo Antigo, antes do Dilúvio, e este homem e Abraão teriam vivido simultaneamente durante cinquenta e oito anos.
Abraão recebeu um chamado de Deus, para sair do meio de sua parentela e ir para uma terra que Deus o mostraria. Abraão habitava em meio de uma terra idólatra que não conhecia o Deus de Noé. Contudo, Abraão obedeceu como quem conhecia a este Deus. Indaga-se assim quem teria ensinado Abraão acerca de Deus e quem seria o homem mais velho e supostamente sábio da Terra. Deste modo, só poderia ter sido Sem.
Segundo Gen 14:18, há evidências de que Abraão conhecia Melquisedeque, que era o rei de Salém e o sacerdote do Deus Altíssimo. (Gen. 14:18)
A tese de que Melquisedeque teria sido Sem, busca respaldo no fato de que Abrão não teria sido o primeiro homem na Terra a ter o seu nome mudado por Deus. Indaga-se por que os pais de Melquisedeque teriam antevisto o seu futuro como rei e puseram seu nome de Melquisedeque que significa "Rei de Justiça". Pois se Deus escolheu um homem preparado para liderar um povo remanescente, que não como os outros que novamente estavam arraigados no paganismo, continuava a crer no Deus Altíssimo, logo Melquisedeque seria Sem, por se tratar de um homem experimentado, sábio, conhecedor e acima de tudo líder desde a geração que prosseguiu ao Dilúvio.
Gen 9:26 - "E disse: Bendito seja o Senhor Deus de Sem…"
Desde sua mocidade, Sem mostrava temor pelo Deus de seu pai - O Deus Altíssimo.
Assim, esta tese acredita que Sem, possivelmente, teve o seu nome mudado para Melquisedeque, pois seria um Rei de Justiça, assim como Abrão teve o seu nome modificado para Abraão, para ser mais condizente com aquilo que ele seria: Pai de muitas nações.



  1.  



[editar] Melquisedeque na Biblioteca de Nag Hammadi







Uma coleção de primitivos textos Gnósticos encontrados em 1945, conhecidos como Biblioteca de Nag Hammadi, contém um tratado sobre Melquisedeque (Códice IX). Nele, o autor afirma que Melquisedeque "é" Jesus[1]. Como Jesus Cristo, Melquisedeque vive, prega, morre e ressuscita, tudo numa perspectiva Gnóstica. A Vinda do Filho de Deus Melquisedeque trata sobre seu retorno para trazer a paz, apoiado pelos deuses, e ele é o Rei e Líder Religioso que distribui a justiça[2].







Referências






  1. Robinson & Meyer, James M. e Marvin. The Nag Hammadi Library in English (em inglês). [S.l.]: HarperOne, 1978.
  2. Texto completo de Melquisedeque em inglês: http://www.gnosis.org/naghamm/melchiz.html
Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Melquisedeque



AGARTHA

Agartha ou Agarta, por vezes chamada de Agharta, seria um reino situado dentro da Terra, e, neste sentido, a crença em sua existência estaria associada às teorias da Terra Oca e à cidade sagrada de Shambhala.
Shambhala, não necessariamente entendida como um reino subterrâneo, no imaginário do budismo e do hinduísmo, dentre outros, acha-se associada ao axis mundi, ou eixo primordia mitológico de um povo ou cultura, sendo uma das oito cidades sagradas localizadas em quarta dimensão, como entende a tradição ocultista, baseada principalmente em textos do hinduismo, budismo e taoismo.
A partir desse reino mítico, um monarca chamado Melki-Tsedeq, ou Melquisedeque, governaria o mundo. Este misterioso personagem é citado na Bíblia (Gên. 14:18-20 e Heb 6:17-20 e 7:1-3). No Budismo tibetano crê-se que haveria canais de ligação entre Shambhala e o reino budista (no exílio na Índia desde a ocupação chinesa comunista de 1950) dos Dalai Lama.



A ocultista russa Helena Petrovna Blavatsky, que apresenta ao ocidente farto e rico material filosófico das escolas orientais no final do século XIX, associa Shambhala a um destino escatológico: seria o berço do Messias que apareceria para libertar a Terra antes do fim do Kali Yuga, ou ciclo de destruição de mundos.[1] Tal reino seria mencionado nos Puranas, coleção atribuída ao Vyâsa ("compilador") Krishna Dwaipâya, autor do grande épico hindu Mahabharata, sânsc. Mahābhārata.[2]
Em toda a Ásia Menor, não somente no passado, mas também hoje, acredita-se na existência de uma cidade de mistério, cheia de maravilhas, conhecida como Shambhala, ou Shamb-Allah, ou, entre os povos tibetano e mongol, Erdami. Na China, no panteão do taoismo, é considerada a residência da Mãe Sagrada do Oeste, que o budismo chinês depois associa a Kuan Yin ou Guan Yin, e o japonês a Kannon, divindade da misericórdia, advinda da representação indiana original de Avalokiteshvara, "O que olha para baixo" (em socorro dos seres), Cherenzig no Tibete.
O explorador polonês Ferdinand Ossendovski, no início do séc. XX, refere-se ao reino de Agartha, crença provavelmente inspirada na cidade mitológica de Shambhala, como um reino habitado por milhões de indivíduos, governados por Rigden Jyepo (tib.), soberano ou rei do mundo. No livro Bestas, Homens e Deuses, Ossendovski, que ouviu várias histórias ao viajar pela Ásia Central, faz referências a Agartha, mostrando que o povo oriental crê em tal fato, especialmente os tibetanos, mongóis e chineses. Toda a natureza se calaria para louvar o rei do mundo em suas manifestações no plano físico.
No final do século XIX, o marquês Saint-Yves D'Alveydre viajou pela Índia e arredores e ouviu relatos semelhantes, que registrou na obra Missão da Índia.

[editar] terra celestial e paraíso terrestre, mundo oculto e manifesto

Entre as raças da humanidade, desde o alvorecer dos tempos, existe a tradição de uma terra sagrada ou paraíso terrestre, onde os mais elevados ideais da humanidade são realidades vivas. Este conceito é encontrado nos escritos mais antigos e nas tradições dos povos da Europa, Ásia Menor, China, Índia, Egito e Américas. Esta terra sagrada poderia ser conhecida por pessoas merecedoras, puras e inocentes, razão pela qual constitui o tema central dos sonhos da infância.
O caminho para essa terra abençoada, este mundo invisível, domínio esotérico e oculto, constitui a motivação principal e a chave-mestra de ensinamentos misteriosos e sistemas de iniciação. Essa chave mágica é o Abre-te, Sésamo! que destranca as portas de um mundo novo e maravilhoso. Os antigos Rosacruzes a designavam pela palavra vitriol, combinação das primeiras letras da frase vista interiora terrae retificando invenes omnia lapidem, para indicar que "no interior da Terra está oculto o verdadeiro mistério". O caminho que conduz a este mundo oculto seria o da iniciação.[3]
Na Grécia antiga, nos Mistérios de Elêusis e pelo Oráculo de Delfos, esta terra celestial era chamada de Monte Olimpo e de Campos Elísios. Também nos tempos védicos primitivos era chamada por vários nomes, tais como Ratnasanu (pico da pedra preciosa), Hermadri (montanha de ouro) e Monte Meru, lar dos deuses no Hinduísmo.
A compilação dos Eddas, textos islandeses referentes à mitologia nórdica, também menciona esta cidade celestial, que ficava na terra de Asar, dos povos da Mesopotâmia, terra de Amenti do Livro Sagrado dos Mortos, dos antigos egípcios, a cidade das Sete Pétalas de Vixnu e a Cidade dos Sete Reis de Edom, ou Éden da tradição do judaismo. Em outras palavras, o paraíso terrestre.
Os persas denominam-na Alberdi ou Aryana, terra dos seus ancestrais. Os hebreus chamam-na Canaã e os mexicanos Tula ou Tolan, enquanto os astecas chamavam-na de Maya-Pan. Os conquistadores espanhóis que vieram para a América acreditavam na existência de tal cidade e organizaram muitas expedições para procurá-la, chamando-a de El Dorado, Eldorado, ou "Cidade do Ouro". Provavelmente souberam a seu respeito pelos aborígenes que a a ela se referiam como Manoa ou "Cidade Cujo Rei se Veste com Roupas de Ouro".
Para os celtas, esta terra sagrada era conhecida como "Terra dos Mistérios", Duat ou Dananda. Uma tradição chinesa fala de uma Terra de Chivin ou Cidade das Doze Serpentes.
Na Idade Média estava associada à Ilha de Avalon e à saga dos Cavaleiros da Távola Redonda, que, sob a liderança do Rei Arthur e a orientação do mago Merlin, empreendiam a busca do Graal ou Cálice Sagrado, símbolo da obediência, da justiça e da imortalidade, e que teria sido usado na última ceia de Jesus com os apóstolos e, após a crucifixão, contido o sangue do "golpe de misericórdia" dado pelo soldado Longino e guardado pelo devoto José de Arimatéia.

  1. Blavatsky, Helena P. Glossário Teosófico. São Paulo, Ground, s/d, p.598
  2. Idem Op. Cit., pp.529/530; 750/751
  3. Tomas, Andrew. Shambhala. A misteriosa civilização tibetana. Lisboa, Bertrand, 1979, pp.19-29

[editar] Bibliografia

  • Blavatski, Helena Petrovna. Glossário Teosófico. São Paulo, Ground, s/d.
  • BLOFELD, John. A Deusa da Compaixão e do Amor. São Paulo: Edições Ibrasa, 1994.
  • Ossendowski, Ferdinand. Bestas, homens e deuses. SP, Hemus, s/d.Bêtes Hommes et Dieux-beasts, Men and Dogs. Paris, Plon-Nourrit, 1924.
_________________________ Homme et Le Mystere En Asie. Idem, 1925.

  • Saint-Yves D'Alveydre. Missão da Índia na Europa. SP, Madras, 2005.
  • Tomas, Andrew. Shambhala. A misteriosa civilização tibetana. Lisboa, Bertrand, 1979.

[editar] Ligações externas


Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Agartha






Melquisedec

Quem seria realmente MELQUISEDEC??? Nos enigmas do Universo, no verso do profeta, nos ciclos esotéricos e gnósticos, Melquesidec se encontra em um patamar acima de APOLÔNIO DE TIANA

Provas da existência deste Ser Superior podem estar delineadas até mesmo no ritual de ordenação sacerdotal da Igreja Católica. Consta de outros tempos, da lenda ou existência de Apolônio de Tiana que havia ensinamentos universais, transcendentes que afirmavam: Tu és “SACERDOCE IN AETERNUM SECUNDUM ORDINEM MELCHISEDEC”,

Na tradução livre do Latim - Tu és um sacerdote eterno, segundo a Ordem de MELQUISEDEC.”

Provas reais ou não, existem diversos documentos e citações de várias seitas iniciáticas que garantem Ter sido JESUS um gran sacerdote da Ordem de MELQUISEDEC.

Novamente emerge o Enigma. Verdade, fantasia, lenda ou realidade. MELQUISEDEC, realmente existiu???

Coincidência ou não, os orientais citam muito em documentos e crenças tribais ou monastéricas a existência de um REI DO MUNDO. Houve um ser enigmático: perfeito e corpóreo, simplesmente etéreo. ELE chegou inclusive a ser comparado à mais alta forma de Consciência Divina. Este Ser Superior habitou e criou no Planeta Terra, um lugar especial, Um Ponto de Luz, Um Portal Oculto, mas extremamente real e verdadeiro. Este lugar foi denominado e recebeu o nome de Shambhala. Os segredos de Shambhala deram origem a estudos, pesquisas e devoções....

Melchisedec seria o Guardião deste reflexo de Universo em solo Terrestre????

Consta das crenças e dos próprios escritos em Latim que - quando O Guardião da Luz se manifesta por alguns segundos – em hora sagrada na Terra, toda a Natureza pára em brilho intenso: é como se o tempo parasse na Eternidade Celestial. Então , nada se ouve, e , em reverência angélica, animais se põem quietos, serenos, e os pássaros nem ao menos gorjeiam. O silêncio preenche o espaço. É meditativo e respeitoso assim como é o Silêncio da Voz de Deus....

Tudo, enfim... silencia. Não se escuta nem o murmúrio dos rios ou o borbulhar das correntezas. Não se percebe ou se consegue ouvir – neste segundo eterno - o farfalhar das folhas, tampouco o rumor e o quebrar das ondas do mar... A Paz Divina é a Sombra Repleta de Luz... é, ao mesmo tempo, harmonia e concórdia do Silêncio.

E é neste momento especial, ao nascer de um Ano Novo ou ao principiar de um Natal ou mesmo ao nascer de um filho (a) ou ao raiar ou anoitecer de um dia, que pessoas que atingiram um grau elevado de iluminação e equilíbrio poderão entrar em sintonia perfeita com o Cosmos

E irá paira no ar uma sensação como que se tudo houvesse parado e o mundo inteiro ficasse envolto num manto de quietude e de imensa paz.

Narram profetas e inciáticos que até o vento se torna quieto. Nenhuma folha cai, nenhuma pedra rola, nenhum regato murmura, nem ao menos se ouve o murmúrio das fontes. Tudo é Simplesmente Paz... Harmonia... e Imantado Silêncio.

Um Silêncio, Quietude, onde se percebe claramente uma vibração sonora, assim como o OM (Aum), permeando todas e tocando singelamente todas as coisas.

É o momento de GRANDE PAZ. Continuam os profetas e magos: “ aquele momento em que o REI DO MUNDO, o SUBLIME MELQUISEDEC abençoa a vida na Terra e acaba como se fosse uma nova colheita, revitalizando tudo e todos.

E para os mais sensitivos, neste determinado e exato momento cósmico a natureza parece parar... o vento pára de soprar suavemente. E, todos os elementais da Natureza seguem o mesmo caminho: silenciam. Os animais aquietam-se, tudo se torna sereno. E novamente, nos quatro cantos do planeta, os sensitivos e iniciados percebem isto claramente em determinados momentos indemarcáveis, não muito freqüentes. É o único espasmo de tempo onde os galos não cantam.

E para tentar explicar ainda mais esses mistérios. Podemos decorrer outra vez da sabedoria oriental. Afirmam os povos da Índia e outros povos que ainda vivem nos planaltos do Himalaia: que este é o momento em que o “Rei do Mundo” fala com Deus. Na verdade, eles acreditam em outras palavras ser o momento em que Melquisedec, pelos orientais ligados a G. F. B. cujo nome de Sanat Kumara, ponto focal da manifestação divina no nosso Logos Planetário, pronuncia o Som Cósmico, o AUM. Melquisedec é confirmado pelo Amén. E a Sua missão de mentor da Terra perante o Absoluto Deus se cristaliza e energiza em segundo etério, eternidade cósmica, na velocidade da Luz Sagrada, todo o planeta, expressando com perfeição a Parcela Divina de um Deus sem forma, apenas Energia Pura...

Voltando a fatos históricos, podemos ilustrar a veracidade da existência de Melquisedec...

Em 1920 um polonês que trabalhava na Rússia, F. Ossendowski foi surpreendido pela revolução bolchevista e teve, então, que empreender uma fuga através da Sibéria, Mongólia, e Tibete. O que ocorreu nesta trajetória, Ossendowsski transformou em um um livro, que se tornou um Best Seller mundial intitulado BESTAS, HOMENS E DEUSES.

Este livro se tornou muito polêmico por envolver revelações inusitadas, coisas fora do comum no mundo ocidental que ele soube e testemunhou durante 18 meses de viagem por aquelas mais recônditas regiões do planeta. E assim como toda obra reveladora de de teor e conhecimentos incomuns, logo o autor foi muito criticado e colocado em cheque. Todavia, com o passar dos anos ninguém conseguiu provar que a historia narrada, como um todo, fosse formada apenas por fantasia ou delírios.

Vamos agora descrever o que Ossendowsky conta naquela obra, entre muitas outras coisas interessantíssimas, é importante citar uma passagem, quando ele estava atravessando a planície perto de Tangan Luc. ...

"O guia da caravana, um homem simples, bruscamente disse: Parem! Desceu do camelo, havendo este, sem qualquer ordem, do guia se deitado. O mongol também se prostrou com as mãos sobre no rosto em sinal de prece e começou a repetir o mantra sagrado do Tibete” OM MANI PADME HUNG.
E imediatamente, os outros mongóis também desceram de seus camelos e começaram a orar
“Que será que aconteceu, perguntava a mim mesmo enquanto observava em minha volta o verde brilhante do capim que se estendia até o horizonte, onde um céu sem nuvens recebia os últimos raios do sol. Os mongóis rezaram durante algum tempo, conversaram entre si, e depois de apertar os arreios de seus camelos, prosseguiram a viagem." Ossendowsky então indagou sobre aquela parada brusca. E um dos guias respondeu: - Senhor notastes como o rebanho de cavalos na planície ficou imóvel? Vistes que até os carneiros se acomodaram ao chão? Notastes que as aves cessaram o vôo e as marmotas pararam de correr e que os cães emudeceram??? E, senhor, O ar vibrou de repente e suavemente trouxe, de longe, as notas de uma canção que penetrou no coração dos homens, dos animais e das aves. O céu e a terra ainda não se movem, o vento não sopra e o sol pára sua trajetória; num momento como esse, o lobo, que está se aproximando sorrateiramente dos carneiros, não continua no seu propósito de rapina, o rebanho de antílopes apavorados para sua fuga precipitada; a faca cai da mão do pastor que está para sacrificar a ovelha, e o voraz arminho deixa de perseguir a confiante perdiz salga. Todos os seres vivos ficam assustados e rezam, esperando que se cumpra seu destino. Foi o que aconteceu agora; e o que acontece toda vez que o Rei do Mundo, em seu palácio subterrâneo, reza procurando saber o destino dos povos da Terra”

Na Bíblia está escrito que Abrão foi abençoado por MELQUISEDEC numa fase de sua vida, por certo quando ele ainda não havia sido envolvido. Sabemos que na realidade Abrão recebeu a bênção do REI DO MUNDO numa época em que ele ainda não havia se comprometido, mas a descrição bíblica a respeito desse Grande Ser está mesclada propositadamente com inverdades que visam desviar a pessoa do real sentido do REI DA ETERNA PAZ. Este é um dos muitos pontos em que a Bíblia sofreu alterações profundas.

Vejamos, pois,inicialmente, aquilo que está escrito a respeito de Melki-Tsedeq

Lirteralmente O Seu nome significa Rei da Paz, Rei da Justiça, ESTÁ FEITO ASSIM À SEMELHANÇA DO FILHO DE DEUS E PERMANECE SACERDOTE PARA SEMPRE.

Também, Na Pistis Sophia dos Gnósticos Alexandrinos, Melquisedec é citado como GRANDE RECEBEDOR DA LUZ ETERNA.

Ele recebe a Luz inteligível, por um raio emanado diretamente do Princípio para refletir o mundo, que é o seu domínio. É por isso que Ele também é chamado FILHO DO SOL. Na epistola aos Hebreus, Paulo diz que Melquisedec é o Rei da Paz; que não tem pai nem mãe nem genealogia, que não tem começo nem fim de vida, sendo, portanto feito á semelhança do filho de Deus e permanece sacerdote para sempre. Ele é Jesus Cristo que nunca abandona seus irmãos

Forças negativas adulteram as citações constantes na Epistola aos Hebreus fazendo com que seja aceito que aquele que abençoou Abrão foi Melquisedec. Houve uma alteração fragrante do texto bíblico. Sendo Melquisedec Quem é, sacerdote do Deus Altíssimo, não corresponde àquele ser que como tal é citado na Bíblia. Sendo Ele, a manifestação da Justiça Divina na Terra, não cabe na posição daquele que abençoou Abrão. São duas naturezas totalmente distintas e opostas, senão vejamos:

Paulo - Epístolas - 7:1 - Este Melquisedec, rei de Salém, sacerdote de Deus altíssimo, que saiu ao encontro de Abrão, quando ele voltava de destruir os reis, e o abençoou; 7:2 a ele deu Abrão o dízimo de todos os despojos. Disse Paulo. Quanto ao seu nome, primeiramente se interpreta como ‘rei de Justiça’, e depois ‘rei de Salém’, que quer dizer rei de paz; (aparecendo) sem pai nem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias, sem fim de vida, tornado assim semelhante ao filho de Deus, permanecer sacerdote para sempre.
Agora vamos comparar com Gênese 14-18, 14-19 e 14-20 onde fala de Melquisedec e é dito haver ele recebido 10% de tudo aquilo que havia sido tomado dos povos vencidos, dos despojos de guerra tomado aos reis que haviam sido vencidos por Abrão. Então onde o rei de justiça? -A parte que assinalamos em negrito mostra a natureza cósmica de Melquisedec e como podemos ver não combina absolutamente com a parte anterior. Mais uma vez Abrão foi enganado quando pensou estar pagando o dizimo dos despojos de guerra a Melquisedec. Melquisedec é o “Grande Recebedor da Luz Eterna”, O “Representante da Justiça de Deus na Terra”, como então iria Ele receber dízimo, e ainda mais em se tratando de despojos de guerra, coisas espoliados dos povos vencidos em guerras sanguinárias?... Melquisedec, Rei de Salém... Ora, Salém quer dizer PAZ, então como é que um rei da paz recebe despojos de guerra? Existem documentos secretos que afirmam haver Jesus participado de cerimônias de iniciação. Podemos afirmar que sim e também que uma delas ocorreu junto à Ordem de Melquisedec. Por isso é que ser Jesus um sacerdote da Ordem de Melquisedec pode significar a Extensão Cósmica do Próprio Cristo.....

Retornando aos documentos históricos vamos encontrar citações de que A Ordem de Melquisedec é também conhecida pelo nome de ORDEM DO SACERDÓCIO REAL, ou ORDEM DA JUSTIÇA DIVINA. Melquisedec representa a Superior Justiça Divina na Terra, o máximo do “Reino da Eterna Paz”. Melquisedec é um Ser que sempre esteve presente neste planeta em todos os ciclos de civilização, sendo, portanto a manifestação perene do próprio PODER SUPERIOR na Terra. Segundo afirmam os orientais é Melquisedec é Quem exerce a função de governo oculto a Terra nos Santo dos Santos de Shambhala. Como afirma Michel Coquet[2]: Melquisedec - Sanat-Kumara - ocupa assim o mais elevado lugar sagrado de nosso planeta onde se encontra a Tradição Primordial, o lugar onde o desígnio de Deus é conhecido... Certa vez APOLÔNIO visitou o Reino de Agartha (Shambhala) quando esteve com o Rei do Mundo, MELQUISEDEC. Quando do regresso Apolônio de Tiena introduziu a Eucaristia no seio do Cristianismo. A Eucaristia era um rito praticado na Suprema Ordem de Melquisedec. E o Rei do Mundo é representado por dois atributos essenciais: PAZ e JUSTIÇA. Ele não tem, como diz a Bíblia, genealogia por não ser humano e sim Divino e possuir corpo etéreo. Diz René Guénon baseado no que pesquisou, e no que disse Saint Yves d'Alveydre num livro intitulado "Missão da Índia" e publicado pela primeira vez em 1910 na França: O nome Melquisedec, ou mais exatamente Melki-Tsedeq, não é outra coisa do que o nome sob o qual a própria função do "Rei do Mundo" se encontra expressamente designado na tradição Judaico Cristã. A tradição indiana, citada por René Guénon, em sua obra O Rei do Mundo, diz: “Ele é o Manu esse homem vivo que é Melki-Tsedeq, é Manu que continua, com efeito, perpetuamente (em hebreu leôlam), isto é, por toda a duração do seu ciclo (Manvantara), ou do mundo que ele rege especialmente. É por isto que ele não tem genealogia, porque a sua origem é não humana, visto que ele próprio é o protótipo do homem. E realmente ele foi feito à semelhança do Filho de Deus visto que, pela Lei que formula, é para esse mundo a expressão e a própria imagem do Verbo Divino”. Ainda segundo as tradições da Mongólia, da Índia, do Tibet e de muitos outros povos orientais Melk-Tjedec (= Dharma-Râja) vive em uma "cidade", que é conhecida como o nome de Agartha, segundo muitos situada possivelmente no Himalaia. Existe um número muito grande de lendas a respeito de "Shambhala" (Agartha), especialmente quanto à sua localização e natureza, assim como sobre o povo e o modo de vida do povo que habita, assim como citações de pessoas disseram haver estado lá. Entre muitas lendas existe uma que diz que certa vez um caçador se defrontou com um portal escondido numa floresta nas montanhas por onde penetrou e chegou ao reino de Agartha. Ao regressar ele começou a narrar o que houvera visto, então os lamas arrancaram-lhe a língua para que ele não continuasse a falar sobre aquilo que houvera visto, para que não falasse dos "MISTÉRIOS DOS MISTÉRIOS". Diz a TRADIÇÃO que "os seres integrantes de Agartha possuem todas as forças visíveis e invisíveis da terra, do inferno e do céu, e que tudo podem fazer pela vida e pela morte dos homens. Eles podem ressecar os mares, mudar os continentes em oceanos ou reduzir as montanhas e os mares em desertos. Eles podem fazer as árvores, as sebes e a grama brotarem, sabem transformar em moços fortes os homens velhos e fracos, e podem ressuscitar os mortos". O Rei do Mundo conhece todas as forças da natureza, lê em todas as almas humanas no grande livro do destino e reina invisível. Segundo tudo indica, o clássico romance de J. Hamilton, já transformado em filme, intitulado Shangrilá é uma obra inspirada em tudo aquilo que se diz de Agartha. A história do romance se baseia na existência de um lugar paradisíaco, um lugar de perene felicidade onde as pessoas nem sequer envelheciam, tal como se diz exatamente a respeito de Agartha. Shangrilá, um mito? Uma lenda?... um vale maravilhoso, encravado entre as altíssimas montanhas do Himalaia, um vale de clima ameno no seio de um mundo coberto de neves eternas onde reina uma eterna paz. Segundo um outro mito o Reino de Agartha situa-se num mundo subterrâneo que ocupa grande parte do planeta e que somente pessoas dignas podem chegar até ele, como aconteceu com APOLÔNIO e muitos outros. O reino sagrado de Agartha seria dirigido por Melquisedec, mas há outras fontes que O colocam num nível ainda mais elevado, assim podemos dizer que uma pessoa só pode chegar até onde reina o Rei do Mundo sendo conduzido, é impossível encontrar por si mesmo o acesso, pois certamente não se trata de um local físico na Terra e sim de um plano divino a nível da Terra. Somente pela pureza, pela vibração precisa é que o acesso se torna possível, portanto somente os justos podem chegar até lá. Muitas vezes os pontífices de Lhasa e de Urga enviaram mensageiros ao Rei do Mundo, mas nunca conseguiram encontra-lo. O "chiang-chumn Barão Ungern mandou o jovem príncipe Puntizig ao Rei do Mundo com uma mensagem, mas ele voltou apenas com uma carta do Dalai Lama. O barão então voltou a manda-lo, mas o jovem príncipe nunca mais voltou”. Um dos Dalai Lama do Tibet e brâmanes da Índia em certa ocasião escalaram altas montanhas que nunca tinham sido pisadas pelos habitantes da região e encontraram inscrições gravadas nas rochas, mas tudo em vão para alcançar o mundo de Agartha e desvendar o misterioso enigma do Rei do Mundo. Podemos dizer que qualquer profano jamais chegou até lá. O próprio nome Agartha significa inatingível, inacessível, inviolável, morada da paz. A história de Melk-Tsedeq sem dúvidas é um dos mais importantes enigmas da historia da humanidade. Certa vez Ossendowsky perguntou a um Lama bibliotecário de um famoso mosteiro, se alguém já havia visto o Rei do Mundo. Ele respondeu que depois da instalação do Budismo no Oriente o Rei do Mundo já havia aparecido cinco vezes durante os festejos do Budismo antigo no Sião e na Índia. Eis o que disse o Lama: "Ele estava numa esplêndida carroça puxada por elefantes brancos, enfeitados de ouro, pedras preciosas e seda; usava uma capa branca e levava na cabeça uma tiara vermelha, da qual caiam franjas de diamantes que lhe cobriam o rosto. Abençoava o povo com uma maçã de ouro encimada de um cordeiro [3], então os cegos voltaram a ver, os surdos voltaram a ouvir, os doentes voltaram a andar e até mortos saíram de seus túmulos nos lugares por onde o Rei do Mundo passou” Faz cento e quarenta anos que Ele apareceu em Erdeni-Dzu e depois visitou também os mosteiros de Sakia e Naranchi Kure”. Em outra ocasião o Hutuktu falou para Ossendowsky: Você vê esse trono? “Numa noite de inverno, chegou um desconhecido que subiu ao trono e retirou seu bachlyk, o ornamento que levada na cabeça. Todos os Lamas então caíram de joelhos, porque, naquele desconhecido, tinham reconhecido o homem que as bulas sagradas do Dalai Lama, do Tashi Lama e de Bogdo Khã estavam anunciando desde muito tempo. A ele pertencia o mundo inteiro e todo os mistérios da natureza eram-lhe conhecidos e ele dominava o destino de todos".

[1] A grafia correta é Melki-Tsedeq
[2] Luzes da Grande Fraternidade Branca Michel Coquet - Edit. Madras - São Paulo
[3] Vejam de onde vem o simbolismo do cordeiro existente como figura representativa de JESUS na igreja cristã.
[4] O cavalo branco é um símbolo que está presente em muitas Tradições autênticas de todas as épocas e civilizações. Existem vestígios do Continente de UM e também da Atlântida, na arte maya, nos petrogrifos e dolmens dos druidas e celtas. A própria Igreja católica aparece como o cavalo de São Jorge que vence um dragão no seu Cavalo Branco. O cavalo branco é sinal de Mistério. Símbolo de Cristo de Aquários, pouco importa o seu nome (Maytreia, para os tibetanos; Chenrazi para os mongóis; Iman Jahdi, para os muçulmanos; Sossioh, para os persas). Ele expressa o Avatar Branco do Ocidente, o Instrutor da Humanidade do próximo futuro.

Fonte:http://luzescelestiais.br.tripod.com/rei_do_mundo.htm


Bem, como podemos ver esta figura esta presente de forma inconteste nas tradições de inúmeros povos...se real ou se imaginário, se humano ou inumano não sabemos(eu pelo menos reconheço que não sei)... mas o que percebemos é que o homem, o sêr humano, tem uma verdadeira NECESSIDADE de se sentir protegido, guiado,  de sentir que nossa jornada aqui tem sentido, tem fundamento, não é um jogo aleatório de dados.

Assim a figura do rei do mundo surge como uma âncora para todos nós que enfrentamos o dia a dia rotineiro e monótono e quando somos acordados para alguma coisa geralmente é para a tragicidade da vida.

Um 11 de Setembro, as duas guerras mundiais, terremotos, maremotos,vulcões, crimes hediondos...enfim...diante destas duas facetas da vida(rotina/tragédia), figuras como a de Melquisedec surgem como lenitivos, como significados para nossas vidas.

Acreditarmos que não meramente exista um Deus distante ou transcendente(para os que crêem claro)mas que esta ativo na vida humana através de inúmeros emissários de luz de diversas graduações...torna a vida mais suportável.

Parece que a sina do homem é crêr SEMPRE independente do quão ruim esteja nossa situação.

A FÉ REMOVE MONTANHAS aprendemos....

E assim seguidos nossa jornada crendo, acreditando, buscando sentidos, significados e... mais que tudo proteção e direção.

Ninguém acredita que o pior pode lhe suceder a qualquer momento e se suspeita disso ...tem dentro de si a certeza que NDA vai lhe acontecer se buscar a Deus, aos anjos, aos protetores ou seja lá que nome lhes demos.

O rei do mundo é mais um na escala destes sêres a quem supostamente temos condições de recorrer na hora de aperto!

Sim, hoje em dia a busca pelo rei do mundo como intercessor é muito mais 'normal' que entendê-lo como um hierarca da evolução da Terra .

Temos uma necessidade absoluta de nos sentirmos protegidos de alguma forma.

Entretanto coisas ruins continuam a acontecer e....com pessoas supostamente boas!

As vezes eu me pergunto ....será que não estamos agindo errado diante destas Entidades?

Digo, mesmo nós que nos dizemos de ....Fé?

Sim, pois por mais que preguemos a palavra do otimismo e do incentivo o mundo degrada-se cada vez mais e leva muitos dos supostos bons de roldão!

Será que estamos entendo errado o recado Deles?

Será que estamos compreendendo errado a dita PALAVRA SAGRADA?

Será que estamos ouvindo corretamente o que estão a nos dizer... SE... estão nos dizendo alguma coisa?

Quantos líderes espirituais com pés de barro não tem surgido nos ultimos tempos e desencantado milhões de pessoas?

E o que fazem estas pessoas?

VÃO ATRÁS DE OUTROS QUE LHES ENCANTEM DE NOVO!

Esta síndrome de 'seguidor' que carcome nossa alma é de fato o que querem estas Entidades se realmente atuam neste orbe?

Ou Eles estarão esperando um ALGO MAIS de nossa parte?

Olhemos que no texto de Hebreus é dito que Cristo entrou através do véu como PREDECESOR....predecesor de quem cara pálida?

De algum futuro avatar?

NÃO!

MAS  SIM DE CADA UM DE NÓS!!!

Em suma; ele foi o predecesor que abriu o véu para que nós também possamos adentrar o mesmo recinto sacro, o santo dos santos e retirarmos o véu também!


ELE SENDO CAMINHO NOS INCENTIVA A CADA UM SERMOS ESTE MESMO CAMINHO!


Segundo o texto bíblico ELE FOI AS PRIMÍCIAS, O PRIMOGÊNITO OU SEJA; O PRIMEIRO DE MUITOS COMO ELE(Apocalipse.1.5-6;I.Corintios.15...!


E o texto não fala de sêres especiais que viriam dos Céus após Ele(ainda que um ou outro possa ter vindo não é a Eles que tais textos se referem pois Eles não estariam aqui em provação mas em... missão) mas de cada humano que despertaria para a Verdade de Deus em seu Interior!

Cada vez que dependemos mais de religiões organizadas, grupos auto nomeados, confrarias de mistérios POR MELHORES QUE ESTAS SEJAM estamos delegando a outrém um direito e um poder que de fato deveria ser....NOSSO!

Não que vejo como errado pertencer ou atuar em algum grupo....LONGE DISTO, mas da forma como temos feito, a religião e os grupos tem se tornado TUDO menos o repositório da libertação tão anelada!

Tenho para mim que em existindo estas entidades que são intermediárias entre O MISTÉRIO MAIOR e cada um de nós elas estão MUITO TRISTES não só com a humanidade mas principalmente com a MAIORIA dos que se dizem seguidores da luz e de seus ensinos.

Pois do jeito que tenho percebido as coisas ultimamente parece que quanto mais o sujeito se agrega a um grupo específico de supostos luminares pior o dito fica.

O maior ranço de intolerância, de dogmatismo, de preconceito, de fundamentalismo, de imbecilidade que tenho encontrado na Internet INFELIZMENTE é com seguidores de N tipos de religiões ou grupos diferentes que se sentem SANTOS demais PARA PARTILHAR SUA FÉ COM O OUTRO DE FORMA EQUILIBRADA, SADIA E LUMINOSA!

Os tipos mais escrôtos se abrrogam em defensores de 'suas fés' e simplesmente despregam com seus atos e escritas o que suas fés tanto predicam!

Na verdade estou cansado de tanta palhaçada com nome de espiritualidade!

E penso que existe UMA FORMA MELHOR de buscarmos o sagrado sem tanta petulância e irracionalidade!

Desta forma entendo que estamos vivendo dias decisivos onde os verdadeiros espirituais deverão REALMENTE adorar ao PAI/MÃE em Espírito e em Verdade!

E esta necessidade para mim é mais imperiosa em muitos que se dizem tanta coisa!

Mas não vivem nem um centímetro da argamassa que une todas as coisas e constrói o mundo....O AMOR!

Espero ter-me feito entender...

Assim ofereço o vídeo seguinte aos buscadores DE FATO de fazer-se a Vontade do Pai/Mãe na Terra nos dias que hora correm....


CONSPIRAÇÃO ESPIRITUAL....





Fonte Youtube


Abraços...

Paz e Lux


VALTER TALIESIN










Nenhum comentário:

Postar um comentário