Google+ Badge

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

LEVANDO A VIDA



Fonte : Google imagens


LEVANDO A VIDA...

Geralmente duas coisas as pessoas querem dizer, comunicar, transmitir, quando usam esta frase.


1.Que a vida não deve ser um problema, mas um gingado gostoso para quem tem jogo de cintura.


2.Que apesar de tudo, de todas as mazelas, gemendo, ou sorrindo nós temos que seguir adiante.


AMBAS traduzem o conteúdo positivo que sugere a frase.


Ambas focam no não desistir, no não baixar a cabeça para as dificuldades do dia a dia e encarar de cabeça erguida o que vier.


A primeira contudo transmite mais poesia, beleza,música,samba...


A segunda coragem, disposição,arrojo,desprendimento...


A primeira é um local dentro do Ser de onde as pessoas podem tirar beleza do feio, canto do choro,enxergar o espaço para celebrar a vida mesmo que muitos digam que isto não é possível.


A segunda é uma forma de expressar este Sêr, é a marcialidade em pessoa ,cada dia e visto como um novo desafio, onde bem e mal que neles houverem são só detalhes no cenário todo, o ideal é você preparar-se para enfrentar o que vier com a disposição e a calma de um guerreiro diante de um exército inimigo e que sabe que além do fator se há ou não sentido em tudo aquilo, há contudo na forma em que se empreende o combate.


Geralmente as pessoas ditas otimistas se dividem entre um destes grupos ou quando muito( e talvez bem poucos) mesclam os dois em seu dia a dia.


Já se falou muito que as pessoas do primeiro grupo tendem a ser mais passivas enquanto a do segundo ativas,ou seja; as do primeiro grupo aceitam com mais placidez os revezes da vida e tentam não combater os tais mas demonstrar que pairam além dos tais...Os de segundo grupo pelo contrário, geralmente não aceitam revezes com facilidade mas tem muita capacidade em transformá-los em novas oportunidades tentando demonstrar que são maiores que os mesmos.


Parece a mesma coisa mas existe uma sútil diferença...


Os do primeiro grupo sentem-se pairar ou seja;estarem acima, transcenderem os problemas.


Os de segundo grupo sentem que são mais fortes, mais poderosos, maiores que os problemas que enfrentam.


Os de primeiro grupo não vêem nas dificuldades oportunidades pois para eles a vida toda em si é uma festa, uma oportunidade de celebrar, é o tipo de pessoa de quem se diz que seria feliz num castelo ou numa senzala.


Os do segundo grupo jamais se sentiriam felizes numa senzala e nunca deixariam de lutar para sair dali...


Os do primeiro grupo mais que levar a vida são digamos 'levados' por ela como diz a famosa musica de Zeca pagodinho, estou num barraco beleza, se um dia chegar a ter uma mansão beleza também...


Os de segundo grupo catam ela(a Vida) pelo cangote(metafóricamente claro rs) e tentam lhe dar o rumo que entendem ser o melhor para si. Mesmo sabendo que nem sempre tudo sai do jeito que queremos....ELES NUNCA DESISTEM!


Geralmente os membros de ambos os grupos apesar de em essência serem otimistas natos não costumam compreender muito a metologia um do outro e acusações entre eles como fulano é muito parado(para ficar só nos termos publicáveis rs) ou fulano não para um minuto , não desiste nunca , a titulo de censura costumam ser bem comuns.


Seja como for penso que uma síntese entre estas duas formas otimistas de ver a vida talvez fosse o mais salutar para os que empreendem a jornada senão vejamos...


Porque não unir o pairar sobre os problemas com um olhar aguçado para enxergar soluções para os tais?


Porque não unir o sorriso estampado no rosto com uma ação mais positiva para que este sorriso estampe mais rostos no mundo?


Porque não unir o vida leva eu com um de vez enquanto ...vida leva eu para este endereço aqui?


Porque não unir o eterno samba no pé com um pouco de pé na tábua também?


Porque não unir o sou feliz em qualquer lugar... com um pouco de... eu melhoro qualquer lugar em que esteja?


Sabe, não estamos digamos dizendo para nenhum dos lados deixarem suas filosofias de vida, mas penso em um aproximar destas filosofias enquanto compreensão do que podemos realmente ser e fazer com nossas vidas.


Sendo assim  poderíamos inverter estas exemplificações......


Porque não unir este nunca esmorecer do guerreiro, sempre disposto a vencer os combates com uma certa disposição interior de pairar de vez em quando sobre estes desafios?


Porque não unir um pouco desta seriedade estampada no rosto com um belo sorriso bonachão de vez em quando?


Porque não unir esta fixação por objetivos e metas por um arregaçar de mangas, um chinelo no pé e uma viajem deliciosa ?


Porque não unir este estar sempre a mil por hora com uma boa relaxada no clube da esquina?


Porque não unir o eu construo o meu lugar e mundo com um pouco de contemplar agradecido o mundo que já se tem?


Se não corre-se o risco de termos patologias como vermos pessoas diante de grandes catástrofes cantarem e sambarem para manifestar energia positiva, sem entenderem que por mais que se sintam otimistas não é aquilo que definitivamente pede o momento ou de outros em pleno desfile de carnaval quererem que todo mundo encare tudo aquilo com uma seriedade absurda.


Aliás; foi aqui que o Carnaval para mim deixou de ser interessante...


Quando a folia foi transformada num grande negócio parece que a essência dela foi-se junto!


As brigas entre as agremiações por ocasião das apurações, que deixou de ser uma celebração conjunta por todos terem feito um bom carnaval onde fatalmente haverá um vencedor, para se transformar em uma guerra acirrada de uma contra a outra pois sabem o que 'implica' financeiramente(conseguir melhores subsídios públicos ou patrocínios etc) e em status ser declarada vencedora ...demonstram isto.


Perdeu-se o prumo que poderia criar uma síntese legal entre as duas visões que estou falando.


Entre o levar a vida descompromissado, sem medo de ser feliz(Essência e a única seriedade real do carnaval) com um arrojo maior e um desejo maior de atingir um fim(Tornar este carnaval o mais popular ,famoso e internacional possível)!


Muito menos vermos acabarem, como vemos nos grandes centros, o carnaval das esquinas, das ruas mesmo, dos grupos de crianças e adultos fantasiados, dos pequenos blocos, pequenos bailes.


Os grandes centros como Rio, São Paulo e Salvador sobrevivem basicamente destes grandes e monstruosos eventos onde paga-se caro(para ver e desfilar) por uma suposta espontaneidade e ginga no pé , aliás; o que mais aparece nas telas da TV são caras e bocas de famosos e endinheirados que não tem uma coisa nem outra!


Não que eles não merecessem um lugar ao sol só porque não sabem sambar direito ou porque são ricos e famosos, mas será que outros que não podem pagar tão caro e nem são famosos e tem até mais classe no gingado não mereciam também?


No fundo tudo se resume a fazer a síntese certa, a mistura certa... coisa que passou de longe nesta transição do carnaval de uma festa genuinamente popular para uma festa 'popular' para inglês(ou gringo) literalmente ver!


Não temos o charme de Veneza,nem a aura mágica de New Orleans assim a forma que encontramos para internacionalizar o carnaval brasileiro foi transformar tudo num gigantesco evento de luz,tecnologia,sensualidade e cores, deu tão 'certo' que nos grandes centros o carnaval popular de verdade praticamente morreu!!!


Alguns lugares do nordeste contudo parecem ser uma luz no fim do túnel onde um carnaval genuinamente popular convive com os grandes blocos de frevo etc.. e com isto atraem mais e mais turistas de outras línguas, cansados das grandes produções hollywoodianas de Rio, São Paulo e Salvador(de ficarem refrigerando seus bumbuns nas arquibancadas dos sambródomos da vida quando não são famosos ao invés de participarem da folia) que pouco tem hoje em dia de raiz e espontâneo a não ser o samba e este aliás tem deixado a desejar nos últimos tempos no quesito inspiração e ritmos colantes e contagiantes que ficam na boca e memória do povo por muito tempo como sambas enredos clássicos de outrora.


Estes(tais turistas) realmente buscam a essência do que realmente forjou o carnaval brasileiro, acima da sensualidade, dos neons, tecnologias e cores dos grandes centros, dos camarotes de a ou b recheados de globais ou stars hollywoodianos...e que são...a alegria, o despojamento, o gingado, as músicas populares simples mas de uma qualidade temática insuperável, as vozes do povão cantando suas alegrias,dores e mitologia sem a ditadura de uma marca qualquer ditando quem deve ou não desfilar,ser clicado etc.. claro, sabemos que o mínimo de organização nestes desfiles talvez peçam grupos 'amortalhados'(putz até o nome dá desgosto rs) e dançando separados mais a frente sendo  'dazelite'(para quem não é brasileiro a forma PtLulista de se referirem ao que entendem um grupo privilegiado. Como tal termo era dito de uma tacada só por eles...dai saía este encosto ai... rs... o termo correto é... DAS ELITES), fazer o que, quando se entrava no Inferno grego, tinha-se que dar moedas ao barqueiro tétrico e cavernoso, Caronte, não é mesmo?


Mas o problema é que a tal 'festa do povo' nos grandes centros tem é mais enchido o barco destes carontes da vida travestidos de patrocinadores, de moedas de ouro... e o povão mesmo....ou paga uma grana salgada para ver nas arquibancadas, sem o luxo e os requintes do resto 'dazelite' nos citados camarotes disto ou daquilo,e que entre um desfile e outro dos quais participam para abrilhantarem as agremiações ainda mais com suas 'luzes', sobem neles para comerem seus quitutes,fazerem suas necessidades fisiológicas, serem clicados com seus sorrisos orelha a orelha e até ganharem um cachêzinho quando o desfile não tem digamos um potencial 'sapucai' de ser, ou o que é mais comum; preferem ver o desfile monótono e interminável de escolas de samba pela rede de TV favorita do país.


Um 'prazer' que geralmente termina num grande bocejar 30 minutos depois que você começou a assistir ....


A medição do Sinal dá o grande percentual dos que ligaram suas TVs no dito, Ah! se o aparelhinho medisse quantos estão acordados após uma hora ou duas dos mesmos desfiles começarem...quantas tvs estão falando para  ouvidos que a muito deixaram de as ouvir e olhos de ver, os quais preferiram os braços de Morfeu a tudo aquilo.


Mas que quais autômatos repetem o ritual todos os dias e todos os anos, em que hipoteticamente um grande audiência esta grudada, vibrando na telinha!!!


E assim, quando você viu não foi a nenhum clube, não observou as pessoas brincando nas ruas como antigamente, ou melhor, não brincou com elas, não foi nem pierrô, nem pirata, nem colombina, nem messalina...foi só um espectador(a) que acordou alta madrugada na sala ou seja lá onde você se predispôs a acompanhar a festança só para perceber que dormiu em frente a Tv que reproduzia hipoteticamente um espetáculo tão 'inebriante' e 'enfeitiçante' que faria com que todos que o vissem caíssem de quadro saldando os deuses pagãos do carnaval.


Sera que estes outros centros mais distantes dos grandes centros, mais fiéis as tradições, estão encontrando um meio termo nisto tudo?


Será que eles encontraram a síntese que enfoquei aqui?


E consequentemente estão atraindo pouco a pouco o turista lá de fora que quer ver realmente o que a tradição do carnaval brasileiro tem e não o que as mirabolantes e paetéticas(união de paetês com...patéticas) idéias de um 'carnavalesco' entendem sobre isto?


Até onde vejo me parece que sim....espero que continue!


Ser feliz e construirmos nossa felicidade são duas formas positivas de fazermos a mesma coisa...vivermos a vida!


Se usamos um ou outro caminho basicamente não importa pois a probabilidade de dar errado é zero!


Todavia talvez esta vida queira que alquimistas surjam e que estes criem a amálgama entre estas duas formas positivas de viver-se a vida sem que nada do potencial humano quer seja considerado passivo ou ativo seja desprezado!  


Um belo vídeo para todos agora...Peninha... VOU LEVANDO A VIDA...aqui nesta bela canção o cantor e autor ilustre faz um síntese legal entre o ser feliz com o que se é e se tem sem desprezar novas possibilidades em criar coisas novas e interessantes...letra muito bem sacada!

Fonte: Youtube




Abraços


Pax e Lux


VALTER TALIESIN









Nenhum comentário:

Postar um comentário