Google+ Badge

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

CASAIS DIVINOS: MARIA E JOSÉ

José, Maria e Jesus



Fonte: Google imagens






Um tempo provável em torno de 8 AC...


Uma jovem de tenra idade talvez 12 ou 13 anos recebe um estranho visitante em seu quarto quando cumpre suas obrigações espirituais(imaginação minha),não sabemos quem ela era, a tradição nos passou a imagem de uma jovem humilde de pais também humildes, moradores do campo, mas uma jovem profundamente espiritual e segundo a versão católica ela mesma também de nascimento especial.


Esta jovem estava prometida em casamento a um homem bem mais velho provavelmente entre 28 e 33 anos(não acredito em um José mais velho que isto, muito menos um ancião de mais de 70 anos). As agruras pelas quais ele passou depois disto tanto em Belém quanto indo e vindo do Egito inviabilizam isto, além do que sua profissão exigiria um homem ainda em pleno vigor de saúde se quisermos aceitar o carpinteiro da tradição como factível.


Maria e José assim aparecem na maioria dos relatos e dos contos de natal mundo afora, um casal sem eira e nem beira, habitantes da humilde vila de Nazaré que são obrigados a saírem em plena gravidez da mulher para que seu primogênito nascesse na cidade de seus ancestrais....Jessé e David.


No ocidente não existe história mais bela e mais singela que esta....


Deus aprouve separar um humilde casal para serem mãe e padrasto de seu filho....sim pois aquele visitante inoportuno do quarto de Maria era um Anjo , um emissário divino que vem lhe trazer as boas novas...ELA SERA MÃE DO PRÓPRIO FILHO DE DEUS.


Hoje para nós acostumados a mítica cristã é muito fácil aceitar este relato com olhares enlevados mas será que uma humilde garota judia de mais de 2 mil anos atrás, criada na Lei e costumes judeus reagiria com a delicadeza e a prontidão contida nos textos sacros?


O que implica para um judeu, uma judia o termo filho de Deus?


Nascimento sem a participação de um homem?


Divindade igual a Deus?


Receber uma visita sobrenatural em seu quarto depois de 400 anos que os últimos relatos proféticos foram compilados e escritos, estando portanto supostamente o povo a séculos a ver navios sem profecias, visitações, revelações etc...e lhe pedindo algo tão atípico a sua crença não lhe traria estranheza!


Desta foram nos surge a pergunta...


Serão os relatos realmente escritos por um judeu, no caso Mateus pouco depois da assunção do Cristo?


Ou por alguém EM NOME DELE bem depois que os discípulos partiram deste mundo, talvez alguém gentio?


Entretanto a questão não é nem de se duvidar do relato em si mas de tentarmos traçar um limite entre o que conhecemos do judeu de então e do que a tradição cristã nos passa e no que isto implica para este status quo representado pela religião judaica de então.


Seria realmente o Cristo e sua vinda tão revolucionários assim a ponto de convencer-se uma jovem judia de que ela seria mãe do próprio Deus?


Uma visão simplesmente impossível de se conceber na religião de seu povo onde Deus transcendia e muito o humano, mesmo a Torah estando recheada de termos anthropomórficos(se bem que hoje sabemos que existem diversas leituras da tal que não a literal)?


Se buscarmos na mitologia dos países vizinhos a Israel encontraremos algum paralelo que descreva o que aconteceu com Maria?


Pelo menos na Grécia antiga sim, inúmeros são os relatos de mulheres humanas geralmente virgens que foram possuídas por Zeus e outros deuses antes ou depois de sua noites de núpcias, geralmente o Deus ou assumindo a forma de seu marido ou até formas alegóricas como chuva etc... e delas gerando semideuses.


Inclusive um casal de gêmeos Castor e Polux foram gerados após sua mãe ter copulado com o deus e depois com o marido, sendo que cada um dos gêmeos puxou o gene de um dos pais...um imortal e o outro mortal.


Alguns dos textos alternativos cristãos aliás apresentam uma lenda similar do Cristo, como ele tendo um gêmeo, sendo que este era completamente humano enquanto ele era divino....geralmente em tais lendas este outro Jesus seria o apóstolo Tomé(Dídimo o apelido de Tomé quer dizer gêmeo) aliás o evangelista da Índia o que talvez, se tais lendas tiverem um fundo de verdade, expliquem o porque de existirem tradições na Caxemira que asseveram que Cristo esta enterrado lá.....


Talvez seja o seu gêmeo  não?


Seja como for na minha visão Jose e Maria NÃO ERAM o casalzinho humilde que a tradição procura nos apresentar(pelo menos a tradição aceita pela ortodoxia).


O termo aramaico por exemplo usado para designar a profissão de José pode sugerir bem mais que um simples carpinteiro, vendo alguns tradutores o termo pedreiro e outros construtor.


José poderia assim ser uma espécie de arquiteto ou engenheiro ou mestre de obras, abastado e bem longe da figura que aprendemos venerar no natal.


Maria neste mesmo tom poderia ser uma moça prendada de família também abastada, talvez até sacerdotal por parte de pai ou de mãe(ela era parenta de Isabel mãe de João Batista, mulher de Zacarias um sacerdote do templo),e segundo algumas visões mais arrojadas ela poderia ser até uma espécie de vestal do templo ou seja, uma das filhas de Levi especialmente separadas para se casarem com os levitas e os sacerdotes.


Desta forma onde ficaria se assim fosse a ancestralidade do Cristo em relação a Davi?


Sabemos que na cultura judaica quem define a ancestralidade de um judeu é o sangue materno não o paterno.


Apesar de ser uma cultura eminentemente patriarcal o que definia racialmente se um judeu era do sangue da raça era sua mãe.


Assim... o que definiria o Cristo como um filho ou não de Davi seria se sua mãe o fosse também ?


O relato de Mateus aponta para a genealogia de Salomão o filho de Davi escolhido para sucedê-lo no trono como sendo a de José. 


A de Lucas aponta para um outro filho de Davi, Natan e alguns estudiosos dizem que esta seria a linhagem de Maria não de José.


Apesar de ambas conterem o nome de Jose não o dela.


Assim podemos aferir 3 coisas...


1. Maria poderia ser tanto de ancestralidade real como sacerdotal vindo no correr do tempo as duas castas sagradas se miscigenando, dai que talvez ela fosse do ramo de Natã.


2.José ser tanto de ascendência Natânica quanto Salomônica independente de Maria ser uma coisa ou outra.


3.Somente José ser um descendente de Davi. 


Bom, se pressupormos que Jesus era realmente filho de Deus ou seja; nasceu sem o concurso de José por meios alheios ao conhecimento humano de então(Espírito Santo,inseminação artificial  ou seja o que for) e apenas José fosse descendente de Davi então legalmente Jesus não teria efetivamente NENHUM direito ao trono de Davi, pois em suas veias não correriam sangue deste.


A única forma de se aceitar que ele o fosse é se Maria fosse de alguma forma descendente também de um ou dos dois ramos assim como José, além do ramo sacerdotal.


Neste caso aqui nem creio que venha ao caso impor-se apenas a ascendência materna que determinava se uma pessoa era judeu de fato, pois os reis de Israel e Judá como Salomão e Davi bem mostraram, viviam casando-se com israelitas não nobres e até estrangeiras.


Talvez este costume de se determinar um judeu pela mãe seja um costume pós diáspora babilônica, um jeito de preservar-se a raça.


Seja como for me parece que este casal além de extremamente espiritual, era de bom nível social e de casta nobre elevada, muito distante da imagem tradicional que hoje temos.


Existem seríssimas duvida sobre o tal censo que determinou a ida do casal até Belém sendo que o mais próximo que se chegou disto aconteceu em torno de 6 DC portanto uns 12 anos ou mais distantes da data considerada correta para o nascimento do Cristo.




Fonte: Google imagens


Também um dos evangelhos sugere que quando os magos chegaram até a criança o casal morava em uma casa (Mateus 2. 11)não num estábulo, assim a imagem dos pastores e do estábulo de Lucas somados aos magos de Mateus adorando o menino em uma manjedoura não bate com a realidade dos dois evangelhos.


Inclusive que ao pedir para os magos darem uma dica de quando aconteceu verem a estrela, Herodes somou dois mais dois e percebeu que para garantir que o Cristo morresse teria que matar crianças de 2 anos para baixo...


Portanto a serem verazes os fatos quer de Lucas ou de Mateus....2 anos se passaram entre as cenas descritas por Lucas dos pastores, anjos, manjedoura etc....e a cena com os magos.


Todas as descrições natalinas parecem serem construídas como uma imensa colcha de retalhos, com contos e mitos que estava sendo disseminados por ocasião do forjamento do cânon sobre a figura de Jesus e sua história.


E muitos destes mitos se assemelham demais segundo alguns estudiosos a outros cultos de mistérios e seus salvadores que naquele tempo disputavam espaço com o cristianismo pela alma do Império romano como o culto de Mitra,de Ísis e Hórus e os mistérios de Dioniso dentre outros...


Uma rápida pesquisa na internet revelará a quem ler este texto que existem, tantos prós como contras, vários estudos que enfocam isto.


Seja como for se compararmos com a mítica egípcia Maria se assemelha a Ísis, Jesus a Hórus e José a Thot amigo de Osíris e protetor de sua viúva e de seu filho.


Não estou dizendo que o Cristo e sua história sejam um plágio destas outras como muitos asseveram mas poderiam ser estas outras mitos ancestrais que acenavam para a vinda majestosa e miraculosa do Cristo?


Uma forma da divindade única se comunicar com todos os povos do mundo através dos mitos para que quando chegasse o momento do encarne de seu filho todos encontrassem em sua história a similaridade com seus mitos e uma melhor assimilação deste?


Não sei....mas poderia ser...


Por outro lado também poderia ser que estas entidades divinas não sejam nem um pouco particulares mas uma cadeia ininterrupta de manifestações da divindade em diversos povos com características avatáricas similares.


Alguns todavia preferem ver todas elas como mitos, do mundo dos arquétipos ....nada mais, inclusive o Cristo!


Maria e José funcionam assim como o mais sagrado dos casais da tradição cristã ortodoxa(sim pois no campo da tradição alternativa eles contam com a concorrência de um casal que será meu enfoque no próximo texto daqui a 3 dias).


Tudo o que gira em torno deste casal cheira mito, cheira manifestações da mítica poderosa que move os povos e o mundo desde priscas eras.


Maria para o cristianismo corporifica em si A NOVA EVA, a mãe de uma nova humanidade, a mulher da profecia de Gênesis 3.15, não através de se marido José mas de seu filho o NOVO ADÃO o Cristo.


José é o tutor , o santo que nega-se a si mesmo toma sua cruz e segue o Cristo mesmo que com isto venha a fazer parte como coadjuvante de luxo nesta gloriosa história.


Ele não é o pai oficial do Cristo mas ninguém amou mais o salvador neste mundo quanto ele a não ser Maria.


Somente o amor poderia fazer com que ele se submetesse a todo este processo de cabeça erguida caso o mesmo não seja uma lenda piedosa.


José e Maria não pregaram, não escreveram livros(pelo menos até onde sabemos), nem sabemos direito se entendiam a implicância de tudo o que lhes aconteceu mas foram as pessoas certas, na hora certa que mudaram o mundo para sempre.


O que aconteceu com suas vidas quer verdade ou mítica pura transcende em muito o que  poderia acontecer em um bilhão de anos com qualquer outra pessoa.


E entretanto suas histórias são tão curtinhas, tão introdutórias neste processo, no livro que relata a história do Cristo(o novo testamento) que ficamos bestificados como hoje em dia ela exerce uma função tão majestosa no maior dos ramos cristãos e ele é um dos santos mais venerados do mesmo.


Sendo reconhecidos em todos os demais ramos como exemplos de dedicação, entrega e santidade sem limites!


Fora o que hoje estamos descobrindo nas correntes alternativas cristãs sobre eles, o Cristo Madalena, Thiago e tantos outros mais...


Maria e José um casal sagrado e divino como poucos...


Maria e José vivos mais do que nunca neste momento em que vivemos...


Textos para pesquisa...


Virgem Maria
Eustache Le Sueur.jpg
"Salve, cheia de graça. O Senhor é convosco!" Santíssima Virgem Maria
Theotokos (que significa Mãe de Deus)
Imaculada Conceição
Mãe da Igreja
Virgem Assunta
Rainha do Céu e da Terra
Nascimento Celebra-se a 8 de Setembro. em Possívelmente Jerusalém[carece de fontes?] Morte Lembra-se a 15 de Agosto. Veneração por Igreja Católica Romana e Igreja Ortodoxa. Principal templo Basílica de Santa Maria Maior - Vaticano. Ver lista de santuários marianos Festa litúrgica 1 de Janeiro Padroeira Ver invocações marianas "Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela."
São Lucas (Lc 1.38) Portal dos Santos


Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_(m%C3%A3e_de_Jesus)




São José
Saint Joseph with the Infant Jesus by Guido Reni, c 1635.jpg
São José com o menino Jesus
de Guido Reni Castíssimo esposo de Maria,
Pai adotivo de Jesus,
Descendente de Davi e
Patriarca da Igreja
Festa litúrgica 19 de março - solenidade de São José; 1 de maio - festa de São José, o trabalhador; Padroeiro: dos pais, das famílias, dos carpinteiros e de toda Igreja Portal dos Santos

Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Jos%C3%A9


e mais ainda....


http://www.mariadenazare1.kit.net/suavida.htm


http://www.montfort.org.br/old/index.php?secao=cartas&subsecao=doutrina&artigo=20040729210300&lang=bra


http://jesusapocrifo.blogspot.com/2007/10/jos-e-maria.html


Cada um destes sites trazem suas questões, suas afirmações, sobre Maria e José e tudo o que significam na história do Cristo, tentei dar o endereço de sites divergentes para que pudéssemos ter uma abrangência maior do tema em questão e sermos o mais justos possível, ainda que tendo nossa própria idéia sobre os tais.


Maria, José e Jesus


Fonte: Google imagens




Para encerrarmos um vídeo bem legal... Meu bom José com Rita Lee...






Fonte : Youtube




Abraços


Pax e Lux


VALTER TALIESIN









Nenhum comentário:

Postar um comentário