Google+ Badge

sexta-feira, 27 de julho de 2012

ÍNDIA e os deuses gloriosos do Monte MERU

Nesta busca ancestral por sentido, por divindade, por luz poucas nações foram tão contundentes quanto a Índia.


Seus deuses e deusas povoam em tons e cores o imaginário popular e hoje exercem influencia muito além das terras onde foram originalmente venerados.


Arriscaria dizer que entre as religiões atuais tidas como pagãs pelos povos ocidentais a mitologia indiana é de longe a mais influente ainda que os mitos celtas, egípcios, grego/romanos e maia/aztecas também estejam em alta.


Desde o final do século 19 e num crescendo impressionante a filosofia da Índia tomou o ocidente de roldão influindo inclusive nas religiões monoteístas aqui vigentes. O que tem de judeu e cristão por exemplo que praticam Yoga e meditação transcendental não esta no gibi.


Mestres como... Yogananda, Krishnamurti, Gandhi, Rama krishna, Aurobindo, Osho, Sai Baba e tantos outros se tornaram tão influentes no ocidente quanto os grandes luminares do judaísmo e do cristianismo.


O budismo uma religião nascida na Índia e sua figura central Buda também de certa forma fazem parte do pacote e eu diria que talvez seja o item mais popular dele e a figura de Krishna se tornou uma das mais populares também através do movimento Hare Krishna.


A trimúrti hindu é quase tão citada hoje em dia quanto a trindade cristã....SHIVA VISHNU E BRAHMA não necessariamente nesta ordem são conceitos discutidos em muitos lugares do ocidente hoje em dia.


O hinduísmo e todas as suas ramificações parecem assim terem vindo definitivamente para ficar.


Vejamos um pouco mais sobre estas deidades e sobre Meru o monte santo de onde eles proveem...


MONTE MERU

Obs...tive que usar o tradutor universal porque não encontrei texto em português correspondente.


Mount Meru ( sânscrito : मेरु ), também chamado Sumeru ou seja, o "Meru Excelente" e Mahameru ou seja, "Grande Meru", é uma montanha sagrada em Jain cosmologia , hindu , bem como a cosmologia budista e é considerado o centro de toda a física , universos metafísicos e espirituais. É também a morada do Senhor Brahma e os semideuses ( Devas ).
A montanha é dito ser 84.000 Yojanas elevada (que é cerca de 1,082 milhões km (672,000 milhas), ou 85 vezes o diâmetro Terras'S). Muitos famosos Jainhindu templos foram construídos como representações simbólicas dessa montanha. O ponto mais alto (o broto remate) no pyatthat , um birmanês de estilo telhado multi-camadas, representa o Monte Meru.
Para a montanha equivalente central na cosmologia budista , ver Sumeru .

Localização

Monte Meru dos hindus tradições tem aspectos claramente míticas, sendo descritos como 84.000 Yojana é alta, e com o Sol juntamente com todos os seus planetas e estrelas no Sistema Solar giram em torno dele como uma unidade.

editar ]Geográfica

As dimensões atribuídas ao Monte Meru, todas as referências ao facto de ser como uma parte do Oceano Cósmico, juntamente com várias declarações como essa do Sol juntamente com todos os planetas (incluindo os da própria Terra) circumbulate a montanha, faça determinar a sua localização mais difícil, de acordo com a maioria dos estudiosos. [ 1 ] [ 2 ] No entanto, um número pequeno punhado de estudiosos ocidentais têm tentado muito difícil identificar o Monte Meru ou Sumeru com os Pamir , nordeste da Caxemira . [ 3 ]
Suryasiddhanta menciona que o Monte Meru fica no "meio da Terra" ("bhugola-Madhya") na terra do jambunada (Jambudvipa). Narpatijayacharyā, um texto do século 9, baseado em textos inéditos em sua maioria de yamala Tantra, menciona " Sumeruḥ Prithvi-madhye shrūyate drishyate na tu "(" Su-meru é ouvido para estar no meio da Terra, mas não é visto há) . [ 4 ] Varaha Mihira, em sua Panch-siddhāntikā, afirma Monte Meru estar no Pólo Norte (apesar de nenhuma montanha existe lá também). Suryasiddhānta, no entanto, menciona um Meru Mt no meio da Terra, além de um Sumeru e um Kumeru em ambos os pólos.
Existem várias versões de Cosmologia em textos existentes hindus. Em um deles, cosmologicamente, a montanha Meru também foi descrito como sendo cercada por montanha Mandrachal para o leste, Supasarva montanha a oeste, Kumuda montanha ao norte e Kailash , ao sul. [ 5 ]

editar ]Altura

Um Yojana pode ser entendida como cerca de 11,5 km (9 mi), embora sua magnitude parece diferir ao longo de períodos de tempo. Por exemplo, a circunferência da Terra é 3.200 Yojanas de acordo com a Varahamihira e ligeiramente menos na Aryabhatiya, mas é dado a ser 5,026.5 Yojanas na Suryasiddhānta. O Purana Matsya eo Purana Bhagvata juntamente com alguns outros textos hindus consistentemente dar a altura de 84.000 Yojanas ao Monte Meru que se traduz em 672.000 milhas ou 1.082 milhões de quilômetros.

editar ]Puranic lendas


Uma tentativa de descrever a cosmologia dos Puranas, e Mount Meru, proveniência e desconhecida data exata
Mount Meru encontra mencionar inúmeras vezes no lore hindu . Algumas das lendas mais conhecidas são contadas aqui. Lendas dizem que o Monte Meru eo deus do vento Vayu eram bons amigos. No entanto, o sábio Narada aproximou Vayu e incitou-o a montanha humildes. Vayu soprou com força total para um ano inteiro, mas Meru foi protegido por Garuda com suas asas (ele estava voando alto). No entanto, após um ano Garuda teve descanso por algum tempo. Assim, o ápice da montanha foi quebrado e ele caiu no mar e criado na ilha de Lanka .
Mount Meru foi dito ser a residência do Rei Padamja Brahma na Antiguidade. [ 5 ]
Puranas e épicos hindus , muitas vezes, estado que Surya , ou seja, o deus-sol, juntamente com todos os seus planetas e estrelas juntos como uma unidade, circungirem Monte Meru todos os dias.

editar ]javanês lendas

Esta montanha mítica dos deuses foi mencionado em Tantu Pagelaran , um velho javanês manuscrito escrito em linguagem Kawi do século 15Majapahit período. O manuscrito é descrever a origem mítica do Java ilha, ea lenda de mover algumas partes do monte Meru para Java. O manuscrito explicou que Batara Guru ( Shiva ) ordenou o deus Brahma e Vishnu para encher a ilha de Java com seres humanos. No entanto, nesse momento ilha de Java estava flutuando livremente no mar, sempre caindo e sempre a tremer. Para fazer com que a ilha ainda, os deuses decidiram pregar a ilha sobre a terra, movendo a parte de Mahameru em Jambudvipa ( Índia ) e anexá-lo ao Java. [ 6 ] A montanha resultante é Mount Semeru , a montanha mais alta de Java.

editar ]Notas

  1. ^ Sachau, Edward C. (2001). Índia Alberuni da . Imprensa Psicologia. p. 271. ISBN  978-0-415-24497-8 .
  2. "O Bhagavatam Devi: O oitavo livro: Capítulo 15" . Sacred-texts.com Retirado 2012/03/02 .
  3. ^ A Geopolítica da Ásia do Sul: De Empires iniciais para a Era Nuclear, 2003, p 16, Graham Chapman P. - Ciências Sociais; Os Pamir e da Fonte do Oxus, p 15, George Nathaniel Curzon, o mundo hindu: Uma Enciclopédia Levantamento do hinduísmo, 1968, p 184, Benjamin Walker - hinduísmo; tradição indiana antiga e da Mitologia: Puranas em Tradução, 1969, p 56, Jagdish Lal Shastri, Arnold Kunst, GP Bhatt, Ganesh Vasudeo Tagare - literatura oriental; Jornal do KR Cama Instituto Oriental, 1928, p 38, KR Cama Instituto Oriental - filologia iraniana; Ocultismo na cultura russa e soviética, 1997, p 175, Bernice Glatzer Rosenthal - História; conceitos geográficos na Índia Antiga, 1967, p 50, Bechan Dube - Índia; de dados geográficos no início dos anos Puranas : Um Estudo Crítico, 1972, p 2, o Dr. MR Singh - Índia; Estudos na Proto-história da Índia, 1971, p 17, Dr. Dvaraka Prasada Misra - Índia.
  4. ^ cf. segundo verso de Koorma chakra no livro Narpatijayacharyā
  5. um b J.P. História, Mittal da Índia antiga: De 7300 aC a 4250 aC, página 3
  6. ^ Soekmono, o Dr. R. (1973). Pengantar Sejarah Kebudayaan Indonésia 2 . Yogyakarta, Indonésia: Penerbit Kanisius. p. 119. ISBN  979-413-290-X .

editar ]Fontes

  • Narpatijayacharyā comentário, por Ganeshdatta Pathak, Cublished por Chowkhambha sânscrito Sansthana, Varanasi, Índia, PIN-221001

editar ]Veja também

editar ]Ligações externas




http://en.wikipedia.org/wiki/Mount_Meru



Hinduísmo - 330 milhões de divindades





Os hindus acreditam numa força divina única, mas que assume incontáveis formas. O número de deuses pode ser até maior: talvez um para cada devoto

por Texto Álvaro Oppermann
No sul da Índia, próximo à cidade sagrada de Tiruvannamalai, fica o templo de Bhuvaneshwari. Lá, os monges residentes têm uma única ocupação - bem insólita, por sinal: desde o século 16, ou talvez até há mais tempo, eles fazem um minucioso recenseamento de todos os deuses hindus. Em pergaminho, registram a origem, a função e as relações de parentesco. É uma tarefa gigantesca. O número oficial de deuses na Índia chega a 330 milhões. Extraoficialmente, porém, essa conta bate na casa do bilhão.

Bem-vindo à enigmática Índia. Para entendê-la, é preciso livrar-se de alguns preconceitos que se tornaram moeda corrente no mundo ocidental, como o de "religião única". Sob o guarda-chuva do que chamamos de hinduísmo, abrigam-se centenas - ou milhares - de crenças distintas. Como dizia Sri Ramakrishna, um santo hindu do século 19, "na Índia, existem tantos deuses quanto o número de devotos". Mas isso é colocar o carro adiante dos bois. Vamos começar pelo início da história: o povo ário (ou ariano), fundador da civilização indiana.

Os arianos (guerreiros de pele clara que viviam na Ásia Central, mais ou menos na região da atual Mongólia) invadiram o subcontinente indiano por volta de 1500 a.C. Sobrepujaram os habitantes originais - dravidianos, ou povo do rio Indo. E impuseram suas crenças. Segundo o orientalista Heinrich Zimmer, autor do clássico Filosofias da Índia, o fator inicial que moldou o hinduísmo foi diferente, por exemplo, daquele que forjou as religiões semitas - cristianismo, judaísmo e islamismo. Na tradição semítica, a pergunta inaugural do ser humano sempre foi sobre a natureza de Deus: o que e como Ele é? "O questionamento hindu foi outro", diz Zimmer. "A pergunta ariana era: o que é um homem, uma planta, um animal ou um objeto celeste?

Darma e carma
Segundo a tradição védica (dos Vedas, escrituras sagradas), os sábios hindus - chamados rishis - descobriram que todo ser individual (fosse um homem, fosse uma pedra) estaria ordenado a um fim que lhe seria próprio. Um fim que, caso cumprido, traria a felicidade plena daquele sujeito. Ou seja: existiria uma lei da existência. E isso foi chamado de darma, enquanto a ação de fazer cumprir essa lei recebeu o nome de carma. A sintonia perfeita entre darma e carma leva à suprema iluminação, ou libertação. Já os seres que se afastam em vida da lei da existência se mantêm aprisionados no ciclo de nascimento, morte e transmigração - chamado em sânscrito de samsara.

Os rishis concluíram também que o darma não aparece pronto e do nada para os homens. Essa "lei perene" (segundo a tradução mais correta do termo) jaz latente no Universo. Originária de um "princípio absoluto" - se você quiser chamá-lo de Deus, sinta-se à vontade -, ela assumiu no início duas formas essenciais. A primeira é bondosa; a segunda, terrível (mais ou menos como a misericórdia e a justiça divinas nas tradições semitas). Essa visão do Cosmos ganhou tempero indiano. "Na tipologia humana, o hindu é essencialmente um imaginativo, e sua religião adquiriu plasticidade", diz Carl Ernst, professor de religiões comparadas da Universidade da Califórnia, nos EUA. A bondade ganhou a forma e a personalidade de um deus da manutenção do Universo, chamado Vishnu. O lado terrível ficou com Shiva, o deus da destruição. Por trás deles, impávido e silencioso, estaria o princípio de tudo - Brahma.

Fazendo uma comparação grosseira: se o hinduísmo fosse uma grande empresa, Brahma certamente seria o seu presidente. Logo abaixo, na vice-presidência, as cadeiras seriam ocupadas por Vishnu e Shiva. Porém, essa tríade (trimurti, em sânscrito) não "dá as ordens" diretamente aos milhões de fiéis. No sistema religioso hindu, existe um complexo organograma de "diretores", "gerentes" e "subgerentes" - cujos cargos são ocupados pelos milhões de outros deuses. Na hierarquia sagrada, alguns estão ligados ao braço "corporativo" de Vishnu. Outros, ao de Shiva.

Entender esse jogo é essencial. Em um artigo no Jornal das Sociedades Reais Asiáticas, Ernst demostra que os detalhes assustadores ou picantes da vida no panteão hindu são até bem compreensíveis, desde que se adote o ponto de vista correto. O canibalismo de Garuda (que engole um braço de Vishnu), por exemplo, deve-se a sua filiação ao deus da criação - ele é um braço de Vishnu. Por aí também é possível entender as puladas de cerca e as relações incestuosas dos deuses hindus, ou o nascimento de animais de pais humanos, como o do deus-elefante Ganesha. Essa trama celeste tem, como finalidade última, o cumprimento do darma e a plenitude dos seres. Uma coisa é certa: na Índia, os caminhos do darma aparentemente são infinitos - assim como seus deuses.


Para saber mais
• Filosofias da Índia
Heinrich Zimmer, Palas Athena, 2003.



DIVINDADES HINDUS


Shiva

Shiva
Conhecido como um dos três principais deuses do panteão hindu, Shiva é o deus da renovação. Às vezes é visto como Nataraja (deus das artes e das danças, o dançarino cósmico, bem como o senhor das artes marciais e o protetor dos animais). É o controlador de toda a ira e é conhecido por sua imensa benevolência e misericórdia, concedendo-a a todos muito facilmente. Às vezes ele é encontrado num estado de meditação, demonstrando que é o deus da Yoga.
Possui um terceiro olho que sempre permanece fechado, pois quando abri-lo, toda a criação será incinerada pelo calor abrasivo do fogo da renovação. Dizem os orientais que Shiva protege a casa dos seus seguidores de todos os tipos de males.

Parvati

ParvatiEntre todas as semideusas associadas a Shiva, Parvati guarda a mais alta eminência. Ela é considerada a reencarnação da energia total do universo. Quando retratada junto com Shiva (como na imagem), aparece com duas armas; quando retratada sozinha, é mostrada com quatro braços. É considerada uma deusa do bem.

VishnuPrincipal deus da trindade hindú, representa o modo da bondade e é responsável pela sustentação, proteção e manutenção do universo. É a fonte original de todos os avatares e deuses, e está presente em cada átomo da criação e no coração de todos os seres.
‘Vishnu’ significa “aquele de que tudo penetra” ou “aquele que tudo impregna”, e é tido como o preservador do universo. Está constantemente presente nas conquistas amorosas.
LakshmiDeusa da fortuna; fonte de toda a fartura, beleza e saúde nesse universo. Esposa de Vishnu, é o principal símbolo da potência feminina, e pode ser reconhecida por sua eterna juventude e formosura. Ela sempre pode ser vista sobre uma flor de lótus ou com as flores nas mãos. Atribui-se a Lakshmi o símbolo da Suástica, que representa vitória, sucesso, riqueza, beleza e fartura.
Brahma
BrahmaApesar de Brahma ser um poderoso deus hindu, criador do mundo material, ele é submetido aos cultos populares de Shiva, Vishnu e Devi. São raros so templos dedicados a Brahma, e Ele não é muito adorado nos dias de hoje. Dele, saíram os primeiros seres humanos.
SaraswatiSaraswati está identificada como o rio que leva o seu nome. Os estudiosos a indicam como sendo a responsável pela tradição oral dos ensinamentos, e nos Vedas ela é retratada como a mais importante deidade desa natureza. É a deusa da música, do conhecimento e da poesia.
GaneshaGanesha significa “senhor de todos os seres”. É filho de Shiva e Parvati. É o mestre do conhecimento, da inteligência e da sapiência. É aquele que proporciona a potência espiritual e a inteligência suprema. É o grande removedor dos obstáculos, guardião da riqueza, da beleza, da saúde, do sucesso, da prosperidade, da graça, da compaixão, da força e do equilíbrio.
RamaSétima encarnação de Vishnu, é o príncipe herói do famoso épico hindu, o Ramayana. As proezas de Rama, seu irmão Lakshmana, sua esposa Sita, e o seu fiel amigo Hanuman são muito bem conhecidos em locais por onde o hinduísmo se espalhou. O Ramayana é recontado em revistas em quadrinhos, jogos, filmes, e shows na televisão. Rama é o ideal da justiça.




Além dos deuses citados acima merecem destaquetambém....Surya, Indra, Varuna, Durga, Sita,Hannuman , Kali dentre outros...

Krishna e Buda merecem destaque à parte em nosso enfoque sobre as deidades hindus até porque fundaram-se outras religiões em cima de suas mensagens.

KRISHNA



É o mais popular e amado avatar da Índia, com maior número de templos e devotos. Possuía um apelo físico irresistível.

Nos Puranas é descrito como um pastor tocador de flauta.

No Mahabharata é o sábio que dá o ensinamento a Arjuna no campo de batalha.

Krishna é o maior Deus não ariano no panteão Hindu. Ele foi a oitava encarnação de Vishnu, o Preservador do Universo. Ele incorporou a forma humana para redimir as ações das forças do mal.

O príncipe KRISHNA, que nasceu em MATHURA, e mais tarde tornou-se rei na cidade de DWARAKA, foi uma personalidade de muito influência no MAHABHARATA (o mais antigo texto sagrado da Índia), onde teve importância vital nos acontecimentos épicos que modificaram toda a história do Oriente.

Ele sempre é visto tocando uma flauta, com a qual encanta todas as criaturas vivas. Alguns de seus nomes são GOVINDA, SYAMASUNDAR ou GOPALA - o protetor das vacas.


De acordo com as lendas, a beleza de KRISHNA é insuperável, encantando até mesmo inúmeros cupidos. Ele ficou conhecido por sua força invencível, sua enorme riqueza e por suas dezesseis mil cento e oito rainhas . Os ensinamentos de KRISHNA foram perpetuados no livro "BHAGAVAD GITA", que é considerado por todos os mestres como a essência do conhecimento Védico. Este livro retrata uma conversação entre KRISHNA e seu mais poderoso discípulo, o herói ARJUNA, o arqueiro supremo, na famosa batalha de KURUKSHETRA. 

Há três principais estágios na vida de Krishna: 

No primeiro, Krishna nasceu em uma prisão em Mathura, onde seus parentes foram capturados por um demônio que tomou o lugar de um rei chamado Ugrasena. Sobre essa captura: Um dia, Ugrasena e sua esposa estavam caminhando nos jardins, onde um demônio viu a rainha e sentiu amor por ela. Em sua luta por ela, ele distraiu a atenção de Ugrasena, e assumiu sua forma e concretizou seu desejo. A criança nascida desta união foi Kamsa. Kamsa cresceu para destronar seu pai e prender sua irmã Devaki (filha de Ugrasena) e seu marido Vasudeva. Devaki mais tarde se tornou a mãe de Krishna. 

Então um dia Kamsa estava levando sua irmã recém casada e seu marido Vasudeva para sua nova casa, quando uma voz vinda dos céus os interceptou. A voz disse para Kamsa que a oitava criança de Devaki iria matá-lo. Conseqüentemente, ele aprisionou o casal e começou a matar suas crianças, ano após ano. Sete crianças foram perdidas mas a oitava - o Deus - escapou das mãos do carniceiro e viveu para cumprir sua missão contra Kamsa mais tarde. Krishna nasceu à meia-noite do oitavo dia do equinócio do Bhadrapada (Agosto/Setembro) e foi trazido para Vrindavan por Vasudeva (pai de Krishna) na mesma noite, para salvá-lo de Kamsa. 

Seu pai trabalhou para possibilitar ao bebê Krishna escapar para uma vila próxima e trocá-lo com outra criança. Ele foi criado pela família de pastores de vacas de Yashoda e Nanda Raja. Krishna cresceu como um garoto pastor de vacas. 

No segundo, já como jovem, Krishna conquistou todas as garotas da vila com sua boa aparência, charme e atenção. Apesar de Radha ser sua favorita, ele flertou com as outras gopis também. Ocasionalmente ele se divide em vários, assim ele pode dar atenção a várias garotas de uma só vez. Estas estórias, que são boas lendas no nível superficial, também são interpretadas no nível de espírito. 

Brajbhoomi, onde Krishna nasceu, compreende as cidades gêmeas de Mathura e Vrindavan. Esta não é apenas uma terra sagrada onde Krishna nasceu, mas um lugar cheio de reminiscências divinas. Foi aqui que ele encontrou pela última vez Radha, sua companheira inseparável. Vrindavan, há 15km de Mathura, foi o local favorito do casal divino. 

No terceiro, como adulto, Krishna passou seu reinado no nordeste da Índia pela morte do rei Kamsa, evento este que é visto como a restauração do dharma. Na história do Mahabharata, ele então ajuda Arjuna, servindo como seu condutor de carroça e seus irmãos (os irmãos Pandava) em uma guerra para restaurar seu direito de reinar. 

Em uma noite antes da batalha maior, Krishna e Arjuna tiveram uma longa discussão a respeito da natureza do dharma e do cosmos, que é preservado no Mahabharata como o Bhagavad Gita. No final da discussão, Krishna se revelou para Arjuna como Vishnu. As explicações de Krishna são contadas nos templos Vishnu e no festival anual de Ras Lila. 


BUDA



No século IV a.c. viveu na Índia aquele que seria o 25º Buda. Sidarta Gautama era filho de um poderoso rei de uma região na Índia. Quando ainda era criança, um profeta alertou a seu pai que se ele tivesse contato com a realidade do mundo ele abandonaria a condição de príncipe.

Preocupado com essa profecia, seu pai cercou o palácio com um muro e o manteve dentro desses limites, oferecendo a Sidarta os prazeres do mundo material. Certa feita, já casado e com filho, Sidarta se afastou dos domínios do palácio e teve seu primeiro contato com o mundo "lá fora".

Durante sua jornada encontrou um homem velho, um cadáver e um mendigo pedindo comida. As imagens lhe foram tão fortes que nunca mais se esqueceu delas. E descobriu que todos nós estamos condenados aos quatro sofrimentos humanos (nascimento, doença, velhice e morte).

Buda quer dizer aquele que é iluminado. É um título dado àqueles que atingiram a iluminação. Depois que o Buda Sakyamuni (Sidarta) desencarnou, seus discípulos continuaram pregando e passando seus ensinamentos.

Nessa época, na Índia, o hinduísmo era a religião predominante e a intolerância religiosa dos hinduístas obrigaram os budistas a procurarem um outro local para viver. Dessa forma o budismo se espalhou pela Ásia, mais especificamente na China, no Japão, na Mongólia e no Tibet. Em cada país desse o budismo misturou suas premissas com o xamanismo local, o que acarretou no surgimento de várias escolas budistas com diferenças significativas de uma para outra.

Atualmente estima-se que exista 360 milhões de budistas no mundo, sendo 300 mil somente no Brasil. É comum a utilização de incenso e flores pelos budistas. O incenso simboliza a imortalidade da alma. Assim como quando o incenso acaba, seu cheiro permanece no ambiente, o corpo físico quando morre deixa a alma que perdura eternamente.
As flores simbolizam a impermanência da vida, pois com o tempo elas vão murchando assim como nós que com o tempo vamos nos modificando. 

- * - 

O Buda não era um deus. Ele foi um ser humano que alcançou a iluminação por meio de sua própria prática. De maneira a compartilhar os benefícios de seu despertar, o Buda viajou por toda a Índia com seus discípulos, ensinando e divulgando seus princípios às pessoas, por mais de 45 anos, até sua morte, aos 80 anos de idade. De fato, ele era a própria encarnação de todas as virtudes que pregava, traduzindo em ações, suas palavras. 

O Buda formou uma das primeiras ordens monásticas do mundo, conhecida como Sangha. Seus seguidores tinham as mais variadas características, e ele os ensinava de acordo com suas habilidades para o crescimento espiritual. Ele não exigia crença cega; ao contrário, adotava o "venha e experimente você mesmo", atitude que ganhou os corações de milhares. Sua, era a senda da autoconfiança, que requeria esforço pessoal inabalável. 

Após a morte de Shakyamuni, foi realizado o Primeiro Concílio Budista, que reuniu 500 membros, a fim de coletar e organizar os ensinamentos do Buda, os quais são chamados de Dharma. Este se tornou o único guia e fonte de inspiração da Sangha. Seus discursos são chamados de Sutras. Foi no Segundo Concílio Budista em Vaishali, realizado algumas centenas de anos após a morte do Buda, que as duas grandes tradições, hoje conhecidas como Theravada e Mahayana, começaram a se formar. Os Theravadins seguem o Cânone Páli, enquanto os Mahayanistas seguem os sutras que foram escritos em sânscrito. 




Sobre hinduísmo seria interessante ver este

Agora vejamos um vídeo interessante...

Fonte Youtube








Nenhum comentário:

Postar um comentário