Google+ Badge

sábado, 16 de novembro de 2013

A REBELDIA TRANSGRESSIVA E EVOLUTIVA...





5

A aventura...

O caminho a ser trilhado, o caminho a ser desbravado...

O caminho a ser decidido pela alma que evoca mistérios...

O 5 é um número que traz à alma os mistérios do caminho oculto de forma livre, sem os entraves dos planos, dos esquemas, dos cálculos.

Não que estas coisas em si sejam erradas, longe disto...

Mas no 5 pleno a alma encontra um sentido de revolução, de rebeldia potentes e evolutivos que quebram travas e não as constrói ausentes nos demais números.

Um 5 como número de alma(vogais do nome) fala de uma alma aventureira, rebelde, revolucionária em outras vidas.

Um 5 como número de expressão alma(consoantes do nome) de um  personalidade livre, rebelde, aventurosa...nesta vida.

Um 5 como destino(somatória total do nome) revela uma alma que busca em si esta liberdade, este livre acesso ao mundo das experiências não só na vida mas como caminhada rumo a Fonte.

Um 5 como número de missão(data natal) fala do caminho a ser trilhar, da forma como uma alma deve desenvolver seus demais dons e talentos no mundo, como deve gerir sua vida e expandir sua luz neste mundo.

Não, este texto não é para falar do 5 mas da aventura, da liberdade, da rebeldia, da revolução.

Lia um texto hoje em uma revista que falava da geração de 68 e de que com a iniciativa 'Procure saber' alguns pináculos desta geração poderiam ter colocado uma pá de cal sobre o túmulo aberto de tal geração que insistia em não ser concluída, fechada.

O elemento transgressor, na visão do articulista, era a última reserva que ainda sobrava e respirava mito de tal geração já que com as denuncias sobre mensalão e coesitas mais a ética já não podia mais ser elencada como bandeira a não ser por fanáticos defensores do indefensável por uns e não por outros como vemos tristemente ser feito por tais almas perdidas.

Pensar na transgressão como um elemento vitalizador da sociedade é algo que vem sendo discutido desde a revolução francesa com mais eficácia que em outros tempos. Estes últimos 200 e tantos anos tem sido anos onde  vários movimentos libertários abalaram milhares e milhares de anos de modelo social onde uma pequena elite tinha absolutamente tudo e uma gigantesca maioria dependia do humor desta para ter o  básico.

Se o governante era bom, benévolo, o povo comia e vivia bem; se era mau o povo passava privações tremendas e isto sem nenhum tipo de poder de veto, nem que seja simbólico(voto) para os tais.

Porque escrevi simbólico?

Porque o voto em si tem mais poder de mito que efetivo enquanto escolha do indivíduo pois o poder MESMO ele só demonstrará quando da efetivação por parte dos escolhidos dos anseios dos que escolheram.

Mas é exatamente este mito, este símbolo que representa o poder do voto. É um aviso ao governante de que se estes anseios que este voto simboliza não forem supridos e saciados a contento o mesmo poderá ser a arma que o tirará do poder.

O voto em si não faz o governo mas é o poder que pode mudar os governantes!

E percebemos que este contexto de revolução, de rebeldia esta mais ligado ao ato de escolha do que imaginamos.

O ato de escolha transcende o meramente político e penetra nos mistérios da vida como um todo.

Como aliar a rebeldia, a revolução, com a evolução e o crescimento num universo onde supostamente tudo deveria funcionar segundo as leis da vida?

Talvez seja este elemento transgressor, fortuito da criação o que nos revela a teoria quântica.

A possibilidade que a vida seja não só um conjunto de leis que regem a vida universal  mas e principalmente um campo de possibilidades onde criamos cada dia nossa própria vida é ao mesmo instante instigante e amedrontadora!

Porque?

Porque sugere uma possibilidade irrestrita de criar mas também uma provabilidade real de consequências em tudo aquilo que se cria e interage aqui!

Ou seja; perde-se a noção de criar conforme um plano e um modelo x ou y de uma divindade externa a si e parte-se do pressuposto de que somos a divindade em ação criando e que o que criamos traz consequências e também que, como vivemos em coletividade há uma necessidade de que as escolhas individuais trabalhem em prol da criação coesa, sintônica sob pena desta sociedade se eclipsar e se destruir.

Portanto as leis da vida continuariam vigorando sobre o criar universal sempre que este criar interferi-se na liberdade de outrem!

Uma lei reguladora tanto interna quanto externa ao humano(dentro e em torno do humano) regeria a manifestação da vida mesmo que em sua origem tivesse na massa caótica das probabilidades mil sua origem!

Dai que surge a necessidade de explicar-se o famoso E SE?...

E nos encontramos diante das teorias que aventam universos paralelos!

Tal explicação surge exatamente deste confronto entre o ilimitado da explicação das escolhas provabilísticas de um universo quântico diante das leis de um universo manifesto e de seres cientes que interagem entre si.

Como tal ser agiria se tomasse tal e tal decisão?

Afinal se há probabilidades infinitas de escolhas não há um destino programado mas SEMPRE haverá consequências das escolhas assim poderia o mesmo ser em outro universo ter tido a possibilidade de escolher diferente do que fez aqui ou acolá?

E se há esta possibilidade haveria então outros universos paralelos ao nosso onde agimos diferente deste?

E se há os tais todavia existiria uma fonte original, um universo original, um ente original de onde partiu todas as probabilidades paralelas?

Segundo minha forma de ver sim!

Este ente original é o EU SOU em nós, este universo original é o ponto de onde o EU SOU SE MANIFESTA encarnado no mundo tri dimensional e esta encarnação se torna múltipla ou diversificada em diversos universos paralelos conforme as possibilidades que aquela entidade pudesse ter de escolher infinitas vezes de forma ligeiramente diferente uma da outra o que acarretaria outras consequências das demais escolhas.

Por isto acho que o elemento rebeldia, transgressor é tal vital para a criação quanto a lei e a ordem.

Por ele, pelo elemento transgressor e rebelde nós humanos colocamos lenha na fogueira ou seja; criamos a destruição de cenários que já não nos interessam mais e criamos outros onde existe vitalidade e interesse em continuar-se a jornada, onde a lei e a ordem será consequentemente de novo restaurada só para mais à frente, quando aquela situação tornar-se obsoleta ser de novo destruída e criada outra e assim sucessivamente.

Enfim; é o elemento SHIVA presente com o BRAHMA E O VISHNU...

Destruição e recriação com criação e manutenção!

SHIVA É TÃO VITAL AO UNIVERSO QUANTO BRAHMA E VISHNU!

Neste sentido inclusive Shiva manifesta-se puramente como o grande incognoscível pois enquanto Brahma é a expressão do manifesto e Vishnu a do sagrado presente neste manifesto Shiva é o mistério caótico de onde procedem as energias que destroem o manifesto quando deixou de ser relevante e recriam o cenário para que o divino se manifeste novamente, de nova forma, e dai as leis da vida e da ordem da manutenção do novo Aeom se fazem novamente necessárias...

Ser rebelde portanto é a necessidade da alma em certos momentos de sua caminhada evolutiva assim como ser criativa em outra e regrada e planificada em outra.

O que a alma tem que descobrir é quando é o momento do que!

E isto a alma só vai saber em profunda comunhão com a fonte em si...o Elemento original de onde todas as escolhas procedem, todos os universos se expressam, todas as vontades encontram...A VONTADE...O EU SOU EM NÓS...

Por isto dizemos e repetimos...

SÓ EXISTE UMA VIDA MANIFESTA DE FATO...O EU SOU...O DIVINO EM NÓS, EM TODAS AS COISAS E ALÉM DE TODAS AS COISAS...Este mistério age no mundo através dos seres cientes, e individuais que escolhem, que agem conforme a visão e compreensão que tem de dada situação etc...e o que escolhem criam seus universos...os universos paralelos portanto são o cenário do EU SOU atuando através da alma e com diversas facetas de si mesmo que poderíamos chamar ego ou personalidade o que me leva a entender por exemplo, um Valter de outro universo como o mesmo EU SOU que eu, a mesma extensão de alma mas não a mesma personalidade já que houve diferenças entre as escolhas de ambos...

Talvez esteja errado, não sei, mas diante do mistério do livre arbítrio, das leis da vida e das possibilidades que as escolhas podem ou não trazer de diferenças em nossas vidas é a única forma mais clara que entendo tais coisas hoje mas...estamos sempre aprendendo e interagindo...então...

Paz profunda!

Valter Taliesin

Vídeos

ROSSINI

La Cenerentolla

O barbeiro de Sevilha

Guilherme Tell

Fonte Youtube





Fonte de imagens Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário