Google+ Badge

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

DEMÉTER...A Deusa da terra

DEMÉTER

A MÃE TERRA

GAIA...RÉIA...DEMÉTER

Título de Mãe terra foi passando de filha para filha entre as grandes deidades gregas.

Gaia era a Mãe terra original de onde tudo proveio, um conceito muito semelhante ao Ain Soph cabalístico...o grande infinito ilimitado.

Réia era a mãe negra, bruta, poderosa e selvagem seu equivalente cabalístico seria Binah.

Deméter é a mãe produtiva que dá frutos, que mantém a vida e todos os seres vivos. Seu equivalente cabalístico é Malkuth...o reino.

A terra é uma das deidades mães antigas da terra.

Matriarcalistas e patriarcalistas , politeístas e fundamentalistas discutem acidamente se os humanos originais eram monoteístas e depois se 'degeneraram' ao politeísmo ou se eram politeístas e depois 'evoluiram' para o monoteísmo ou se viam a divindade original, como pai ou como mãe ou ainda como um misto dos dois e mais; como algo mais abstrato e não conceitual.

Imagens votivas da deusa terra como uma matrona  gorda e um tanto quanto disforme é corrente em todo mundo e geralmente negra.

Uma lembrança da África que dizem, ancestral de todos os humanos?

Deméter a frutífera, a mãe que tudo provê!

Os humanos sempre sentiram necessidade de serem amados.

Vamos ser sinceros; quando pensamos em amor qual a imagem que imediatamente nos surge?

MÃE!

Como pudemos ficar 2 mil anos pensando e adorando somente ' PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉUS'???

Como pudemos alijar a mãe de seu lugar de direito, una com o pai de toda vida?

Deus não é macho e nem fêmea!

Assim tanto faz chamá-lo pai ou mãe certo?

Para os fundamentalistas....errado!

Mas para aquilo que ficou conhecido como heresias, o veio subterrâneo do cristianismo, pai e mãe sempre estiveram juntos e sempre foram um só no coração dos fiéis.

Deméter e sua filha Coré/Perséfone eram as protagonistas dos mais famosos mistérios da Grécia antiga...os mistérios de Elêusis.

Como escrevi muito já sobre o mito das duas no texto sobre Perséfone creio que agora seria salutar postar um texto de terceiro sobre o assunto de Elêusis para não me repetir.

Vejamos

Os mistérios de Elêusis (também conhecidos como mistérios eleusinos) eram ritos de iniciação ao culto das deusas agrícolasDeméter e Perséfone, que se celebravam em Elêusis, localidade da Grécia próxima a Atenas. Eram considerados os de maior importância entre todos os que se celebravam na antiguidade. Estes mitos e mistérios se transferiram ao Império Romano e sinais dele podem ser notados em práticas iniciáticas modernas. Os ritos e crenças eram guardados em segredo, só transmitidos a novos iniciados.
Deméter e sua filha, Perséfone, (Ceres e Proserpina para os romanos), presidiam aos pequenos e aos grandes mistérios. Daí seu prestígio. Muitos desses mistérios ainda não foram totalmente desvendados; no entanto, no grande complexo de templos de Elêusis, notadamente no grande Templo de Deméter, o Telesterion, os estudiosos têm descoberto esculturas e pinturas em vasos que representam alguns desses ritos.
Os mistérios eleusinos celebravam o regresso de Perséfone, visto que era também o regresso das plantas e da vida à terra, depois do inverno. As sementes que ela trazia significavam o renascimento de toda a vida vegetal na primavera.
Se o povo reveren ciava em Deméter a terra-mãe e a deusa da agricultura, os iniciados viam nela a luz celeste, mãe das almas e a Inteligência Divina, mãe dos deuses cosmogônicos. Os sacerdotes de Elêusis ensinaram sempre a grande doutrina esotérica que lhes veio do Egito. Esses sacerdotes, porém, no decorrer do tempo, revestiram essa doutrina com o encanto de uma mitologia plástica, repleta de beleza.

A doutrina da vida universal[editar | editar código-fonte]

Vaso que ilustra alguns aspectos do culto,Altes MuseumBerlim
O ritual dos Mistérios de Elêusis encontrava expressão na lenda da deusa Deméter e sua filha Perséfone, raptada por Hades(Plutão), rei do Mundo Inferior, quando colhia flores com suas amigas, as Oceânides, no vale de Nisa. Deméter, ao tomar conhecimento do rapto, ficou tão amargurada que deixou de cuidar das plantações dos homens aos quais havia ensinado a agricultura. Os homens morriam de fome, até que Zeus (Júpiter), que havia permitido a seu irmão Hades raptar Perséfone, resolveu encontrar uma forma de reparar o mal cometido. Decidiu, então, que Perséfone deveria voltar à Terra durante seis meses para visitar sua mãe e outros seis meses passaria com Hades.
mito simboliza o lançar sementes à terra e o brotar de novas colheitas, uma espécie de morte e ressurreição. No seu sentido íntimo, é a representação simbólica da história da alma, de sua descida na matéria, de seus sofrimentos nas trevas do esquecimento e depois sua re-ascensão e volta à vida divina.
O mito de Elêusis ainda se encontra vivo hoje nas diversas escolas Iniciáticas que ainda persistem: É a Doutrina da vida Universal, que se encerra no simbólico grão de trigo de Elêusis, que deve morrer e ser sepultado nas entranhas da terra, para que possa renascer como planta, à luz do dia, depois de abrir caminho através da escuridão em que germina.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kerényi, Károly (2004). Eleusis: imagen arquetípica de la madre y la hija. Madrid: Siruela. ISBN 84-7844-772-5.
  • Wasson, R. Gordon; Hofmann, Albert; Ruck, Carl (1993). El camino a Eleusis: una solución al enigma de los misterios. México: Fondo de Cultura Económica. ISBN 84-375-0366-3. (reseña y resumen en inglés.)
  • Virgili, Antonio (2008). Culti misterici ed orientali a Pompei. Roma: Gangemi. ISBN 978-88-492-1409-

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mist%C3%A9rios_de_El%C3%AAusis


De tudo o que foi dito neste texto da wikipédia o que mais me chamou a atenção foi a seguinte frase:

"Se o povo reverenciava em Deméter a terra-mãe e a deusa da agricultura, os iniciados viam nela a luz celeste, mãe das almas e a Inteligência Divina, mãe dos deuses cosmogônicos."

Assim sendo, minha comparação de Deméter com Malkuth, a Shekináh, a Glória de Deus, a nuvem luminosa do santuário da Cabala não é em nenhum momento inapropriada muito pelo contrário.

Como a Luz divina, a Mãe das almas, a Inteligência divina Deméter era uma manifestação da sagrada Sophia, a sabedoria divina... e Malkuth é esta imagem de Sofia mais próxima que temos no contexto cabalístico. A noiva, a esposa, o reino, a luz divina que brilha na escuridão primordial dando luz a todas as formas de vida.

A ÍSIS URÂNICA para os iniciados enquanto o  povo a venerava como A ÍSIS CTÔNICA!

Estamos vivendo um momento na História espiritual do ocidente cujo revivescer do culto de Deus com face de Mãe é já uma realidade muito palpável.

Não estou falando só em ver Maria como rainha do céu, dos anjos, senhora suprema de santos e santas, filha dileta de Deus, receptáculo do espírito santo e mãe de Deus na figura do Cristo mas por outro lado  sem reconhecer-lhe a deidade que os títulos claramente acenam!

Falo de grupos que cada vez mais reconhecem o sagrado feminino e o chamam pelo nome correto...

DEUSA!!!

MÃE DIVINA!

E assim Deméter e todas as suas congêneres, faces do mesmo mistério abscondido estão progressivamente retornando ao centro do palco dos cultos!

Que assim seja pois nesta nova era o retorno do sagrado feminino é mais que bem vindo!

E então Deus e Deusa serão novamente um só e perfeito mistério!!!


Amor e Luz 

Valter Taliesin


Vídeos sagrados

LOREENA McKENNITT

Dante's Prayer
Caravanserai

Beltane fire

Penelope's song

Fonte Youtube






Fonte Google imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário