Google+ Badge

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

IMAGO DEI: IMAGEM E SEMELHANÇA...O grande segredo do jardim Secreto...

IMAGO DEI

Quando as mentes mais privilegiadas entre nós pensam em Deus o que pensam?

Termos como: TRANSCENDENTE, IMANENTE, EMANENTE, ETERNO, ILIMITADO, IMUTÁVEL, TUDO, TODO, FONTE, O NADA CONCEITUAL ETC... são alguns dos que são usados pelos tais para definirem aquilo que em verdade é considerado pelos mesmos como indefinível, portanto tais definições apenas são suficientes para nossa compreensão do incompreensível não para a apreensão real do mesmo.

Para a apreensão do mesmo nossas melhores mentes usam um termo simples mas que tem em sim toda a complexidade da vida: UNICIDADE...

E é aqui, nesta unicidade que esta, penso eu, o grande segredo do Jardim secreto sobre os seres humanos.

Vejamos o texto básico, capitular que atesta a mesma na Bíblia.

Um texto que a mais de 3500 anos tem despertado as mais diferentes paixões e interpretações no coração e na mente dos intérpretes do mesmo:

E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.
E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.
¶ E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.
E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o réptil da terra, em que há alma vivente, toda a erva verde será para mantimento; e assim foi.
¶ E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom; e foi a tarde e a manhã, o dia sexto.

Gênesis 1:26-31

Falei dos 3500 anos que tem tal texto mas isto se imaginarmos a versão monoteísta dele. Se pensarmos em sua fonte comum, as tradições sumérias, esta data pode até ser recuada para 5500 ou até mais!

É uma tradição antiga, muito antiga, que Deus(antes os deuses) criou o ser humano conforme sua imagem, e conforme sua semelhança e que encontra paralelo em outras tradições tão ou até mais antigas que a hebraica como a egípcia e a hindu, dando a entender uma fonte comum de tradição cuja datação mais conservadora sugere a civilização suméria, surgida em torno de 5500 AC entre os rios Tigre e Eufrates.

Mas a pergunta: De onde vieram os sumérios? Ou ainda, Porque mesmo recuando tanto no tempo temos a impressão de que surgem praticamente como uma civilização pronta, acabada? Tem sido respondida de diversas maneiras pelos estudiosos tanto ortodoxos quanto alternativos.

Os primeiros imaginam um povo evoluindo progressivamente, do neolítico para a grandeza do que consideram'primeira civilização' só que as provas desta 'evolução' são quase nada, praticamente escassas. o que se tem é um 'milagre' civilizatório de tal envergadura naquela região por aquele tempo que as lendas, e tradições dos próprios sumérios, que a mesma deu-se pela intervenção direta do que chamam de 'deuses', passa a ser tratada cada vez com mais seriedade por um número cada vez maior de estudiosos que levantam pelo menos duas possibilidades:

I. Estes tais deuses representam uma civilização ainda mais antiga e ancestral que a suméria , a qual perdeu-se nas brumas do tempo(e dai vem os mitos sobre civilizações como Tule, império Rama, Atlântida, Lemúria etc...)de tal forma que o que restou das mesmas além de lendas foram indícios aqui ou acolá, civilização esta destruída naquilo que o próprio texto bíblico descreve como 'dilúvio universal'(os fundamentalistas em verdade veem a própria civilização suméria como esta civilização ante diluviana já que aceitam literalmente a datação de mais ou menos 4000 anos para a criação do homem, dai o dilúvio teria ocorrido algo em torno de 2500 AC) uma catástrofe associada hoje em dia ao fim da era glacial por volta de 12000 AC.

II. A intervenção direta de entidades extraterrestres tão avançadas que sua tecnologia passou por milagrosa para os povos de então e que escolheu a região entre os rios, Tigre e Eufrates para estabelecerem um povo que civilizou e transformou na primeira grande civilização terrestre. Neste quadro, toda e qualquer 'prova' de civilização anterior ao povo sumério é creditada a este 'povo das estrelas' que  estaria nos visitando a pelo menos 500 mil anos atrás e não de civilizações autóctones terrestres. Neste grupo se dividem pessoas como ZECHARIA SITCHIN que falam de um tipo extraterrestre só os ANNUNAKI e outros como ERICH VON DANIKEN(só para ficar nos dois mais célebres) que imaginam diversas civilizações nos visitando e influindo sobre nós.

O QUE REALMENTE SE PASSOU EM NOSSO REMOTO PASSADO?

Não podemos nos furtar à tal pergunta, mesmo com os paleontólogos e arqueólogos oficiais SEMPRE tentando tapar o sol com a peneira, querendo que engulamos o tal processo evolutivo natural sem nenhuma contestação e praticamente monótono e longo deste o mais baixo símio até finalmente o homo sapiens(passando, agora dizem, por outros ramos alternativos de humanidade) e desprezarmos achados arqueológicos ou paleontológicos, considerados 'anômalos' como se anomalias fossem coisas naturais e não resultado de algo, de alguma coisa que possa ter interferido no meio ambiente de então.

As provas de que cidades como Tiahuanaco podem tem mais de 12 mil anos de idade e de que a construção da mesma exigiu um grau de tecnologia extremamente avançado parece não comover tais ortodoxos a repensarem suas teorias.

As descrições dos vimanas hindus, inclusive de suas construções, tão precisas nos livros antigos indianos parecem não demovê-los da diretiva de ver em nosso passado apenas o que suas mais queridas teorias querem ver. Entretanto explicarem COMO uma civilização arcaica pôde descrever com precisão tanto a construção quanto o voo de aparelhos mais pesados que o ar em remoto passado isto eles não explicam, com a maior cara de pau sugerem que são mitos sobre o mundo divino, SIM, mundo divino, mas que tipo de mundo divino é este então que hoje praticamente conseguimos reproduzir com exatidão com nosso aparelhos voadores e em alguns casos ainda nem chegamos lá???

Quando eles acenam para o tal 'mundo divino' não é porque creem em Deus ou deuses, mas porque acreditam que tais coisas não passam de lendas, de fantasias da cabeça do homem primitivo sobre deidades criadoras...claro, só não explicam como estes Vimanas hoje podem ser reproduzidos quase que à exatidão pelas nossas mais modernas aeronaves, como o fabuloso avião invisível americano e até o mais misterioso, o triangular, visto em várias partes do mundo e até confundido com tecnologia extraterrestre de tão avançado que é.

Portanto quando fala-se em nosso remoto passado, quando lemos na Bíblia coisas como o texto acima, a impressão que temos é que algo, alguma coisa, EXTRAORDINÁRIA, aconteceu em algum momento de nossa evolução que mudou os rumos da mesma para sempre!

O mito do jardim do Éden, da criação do homem e da mulher, e depois das primeiras civilizações que povoaram a terra, sugerem que em algum momento de nosso remoto passado, algo, alguém, interveio decisivamente em nosso código genético de tal forma que não só acelerou nossa evolução quanto nos tornou...SEMELHANTES a este interventor!

O Gênesis chama esta entidade em seu primeiro capítulo de ELOHIM e no segundo, mais especificamente de YAHVEH ELOHIM! Se era ou não o Deus todo poderoso, original e verdadeiro, como o descrito acima pelas nossa melhores mentes que imaginam Deus ou se era um, digamos, 'aderente', um demiurgo menor, como afirmam os gnósticos, ou entidades extremamente evoluídas que praticamente se encaixaram tão bem no papel de divindades...não sabemos mas o que sabemos é que a possibilidade de termos em nós A IMAGEM E SEMELHANÇA deste interventor impressa em nosso DNA e talvez até naquilo que entendemos como alma ou espírito é MUITO GRANDE...diria que praticamente INEVITÁVEL, tal a quantidade de provas que pouco a pouco desanuviam nosso passado e acenam para aquilo que aqui chamarei de INTERVENÇÃO e não de CRIAÇÃO em um primeiro momento. Depois veremos como caminhará nosso raciocínio.

ELOHIM é um termo plural, entendido pela ortodoxia e pelo fundamentalismo como ' termo majestático' ou seja; um termo que exprime a glória, os atributos da divindade. Por aqueles um pouco mais abertos é entendido também como a possibilidade de ser um termo que define os anjos, ou um dos tipos de entidades ditas angélicas que criam o universo EM NOME do verdadeiro Deus. Para os que veem contudo na Bíblia um livro que 'depura' tradições mais antigas politeístas dos antigos sumérios o termo em verdade define os deuses e deusas da tradição suméria ou seja; manteve-se o plural de divindades ocultos no nome mas a atividade criadora é colocada no singular. Quer dizer, QUASE pois na questão da dita 'criação' do homem o termo usado é plural...mais uma vez o conceito de 'termo majestático' é invocado pelos fundamentalistas e alguns mais afoitos acenam inclusive para uma proto revelação original da trindade cristã.


o sei, o que sei é que ELOHIM é uma multiplicidade, e seja lá o que for esta multiplicidade, ELA é considerada a criadora da raça humana ou como entendem os que defendem a intervenção alienígena, ou de outras raças mais avançadas da própria terra, de uma recriação, de uma mistura de genes entre sua adiantada raça com o homem primitivo.

FAÇAMOS...

Esta palavra é clara, entidades coletivas falam entre si. 

Várias entidades! 

Claro, caberia aqui imaginarmos uma trindade cristã falando entre si, mas num texto onde por todos os meios uma religião monoteísta AVESSA a este conceito de trindade(a judaica) permite que se mantenha uma palavra assim no ato da criação humana é para dizer o mínimo...estranho.

O que aconteceu para que neste ponto o dito ELOHIM monoteísta parecesse definitivamente múltiplo como advoga seu nome para esta tradição?

Foi um lapso do redator original, que recriava um texto politeísta em versão monoteísta?

Ou foi proposital, para mostrar que apesar de DEUS SER UM as entidades criadoras em verdade foram...MUITAS em NOME Dele?

À NOSSA IMAGEM, CONFORME A NOSSA SEMELHANÇA...

O que poderia ser entendido como Imagem e Semelhança de Deus em um ser...finito fisicamente falando, denso, material, limitado mentalmente(usamos somente 10% de nossa suposta capacidade mental e o excepcional filme LUCY de Luc Besson, estrelado por Scarlet Johansson e Morgan Freeman dá uma dica do que poderia ocorrer se chegássemos aos 100%), e espacialmente(precisamos de tempo para nos locomovermos e para abreviarmos este tempo, de veículos, primeiro animais depois mecânicos para isto)?

Só para ficarmos nas diferenças mais óbvias entre nós e o Todo Poderoso?

Analisemos cada palavra em sua origem e tentemos entender um fiapo disto tudo.

IMAGEM...

Imagem (do latimimago) significa a representação visual de imagens.1 2 3 Em grego antigo corresponde ao termo eidosraiz etimológica do termo idea ou eidea, cujo conceito foi desenvolvido por Platão. À teoria de Platão, o idealismo, considerava a ideia da coisa, a sua imagem, como sendo uma projeção da menteAristóteles, pelo contrário, considerava a imagem como sendo uma aquisição pelos sentidos, a representação mental de um objeto real, fundando a teoria do realismo. A controvérsia estava lançada e chegaria aos nosso dias, mantendo-se viva em praticamente todos os domínios do conhecimento.
Em senso comum, envolve tanto o conceito de imagem adquirida como a gerada pelo ser humano, em muitos domínios, quer na criação pela arte, quer como simples registro foto-mecânico, na pintura, no desenho, na gravura, em qualquer forma visual de expressão da idria.
Nas ciências exatas, como a matemática, o termo "imagem" é entendido como representação de um objeto especializado, que exige técnicas e ferramentas especiais.
Em senso comum, hoje em dia, entre outras, imagens são as veiculadas pelos anúncios publicitários impressos em páginas de revistas ou expostos nas paredes de edifícios; os cartazes afixados em muros e murais; a própria arquitetura dos edifícios e das obras de engenharia; os utensílios domésticos e todas as ferramentas; as vestimentas; os veículos de transporte; as representações sagradas; todo material impresso e finalmente toda exibição em telas de cinema e de televisão.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Imagem

Fiquemos então com o básico do texto acima...com Platão e Aristóteles e as definições que deram ao termo e que são responsáveis até hoje pelo entrechoque ou em alguns casos pela 'coesão' do que hoje entendemos por IMAGEM. Claro, o que temos em nossas Bíblias é a versão latina, greco/romana do termo original aramaico ou hebraico para o que o autor do Gênesis quis definir.
O que será que ele realmente queria definir em sua linguagem original?

O comentarista bíblico Derek Kidner afirma que as palavras imagem e semelhança se reforçam mutuamente, não havendo, portanto, distinção teológica entre elas[1]. Andrés Ibáñez Arana afirma que a palavra hebraica equivalente à imagem, significa reprodução, imitação, ser igual, enquanto que a equivalente à semelhança significa cópia[2]. Portanto, dizer que o homem é imagem e semelhança de Deus, significa dizer que o homem é como Deus, reflete a Deus. Isso é elucidado em Gênesis 5.3: “Aos 130 anos, Adão gerou um filho à sua semelhança, conforme a sua imagem; e deu-lhe o nome de Sete”. Perceba que Sete é imagem e semelhança de Adão. Ou seja, assim como um filho se parece com seu pai, o homem se parece com Deus.
http://www.napec.org/reflexoes-teologicas/criador-e-criaturas-o-que-significa-ser-imagem-e-semelhanca-de-deus/

Recorro aqui a um escritor fundamentalista porque bem ou mau são os que melhores se aprofundam nestas coisas da Bíblia... de termos, de origem de palavras etc...ainda que suas conclusões geralmente se fixem meramente no literal da interpretação. Assim como fonte de informação o texto acima me é útil ainda que talvez minhas conclusões possam ser bem díspares.
Vejam que na língua original dos hebreus o termo IMAGEM segundo Andrés Ibáñez Arana significa...reprodução, imitação, ser igual...Já para o comentarista  bíblico Derek Kidner não há distinção teológica entre elas mas uma reforça a outra.
Mas fiquemos com a distinção do primeiro para analisá-las...
A entidade, ou entidades que 'criaram' os humanos reproduzirem nestes o que ele ou eles seriam, tornaram os humanos uma imitação de si mesmas, tornaram-no um igual a si.
Portanto IMAGEM é ser igual, idêntico, reproduzir o original e aqui você pode deduzir se Platão ou Aristóteles estão ambos certos ou um deles errados...isto infere que imagem seja algo IDEAL como sugere Platão ou seja; uma ideação da mente do criador em nós ou ao contrário; somos nós a projeção do que intuímos por Deus, ou seja; nossa projeção de Deus é o que nos indica sermos sua imagem, algo visto ou revelado para nós?A igreja cristã parece ser em essência aristotélica e a REVELAÇÃO de Deus é algo factual no espaço/tempo, e que literalmente foi visível através daquilo que definem como epifanias divinas no antigo testamento e como encarnação de Deus que definem em Jesus Cristo.  No primeiro caso Deus existe independente de mim e portanto é um ideal que almejo, uma ideia que faço, não importa se revelado ou não. No segundo caso eu projeto minha ideia do que seja Deus naquilo que dele conheci através de sua revelação, ou palavra, epifania e no caso de Jesus, encarnação. Uma junção disto é imaginarmos que um ideal, que algo que seja existente realmente no mundo divino seja algo semelhante ao que eu projeto sobre ele em termos mas mantenha em si algo de misterioso, além do meu conhecimento comum. Neste caso Deus tanto é ideal, algo que almejo sem ver quanto uma projeção do que entendo por ideal.
Surge aqui a teoria do IMANIFESTO/MANIFESTO...O Imanifesto é o que nos apresenta Platão o Manifesto é o que nos apresenta Aristóteles, a conclusão final é que ambos podem simbolizar Deus na medida em que o Manifesto é o que eu posso apreender dele, portanto projeto e o Imanifesto o que posso intuir mas não consigo projetar, manifestar, apenas vivenciar quando permito Ele SER em mim, sem que palavras traduzam o que vivencio para a compreensão comum.

Como imagens de Deus portanto seríamos de fato um paradoxo...projetamos a sua imagem na criação através de nossos pensamentos, palavras e ações ou seja; um antropomorfismo de certa forma, onde Deus pode ser visto e assimilado pelo que sua imagem, o homem é e representa ainda que o homem seja meramente uma cópia, uma manifestação disto e não O SER EM SI. E somos também NA ESSÊNCIA DO SER este Imanifesto, este mistério que não se consegue apreender por pensamentos, palavras e ações mas pode ser VIVENCIADO quando deixamos de lado nossas conceituações e deixamos O SER meramente SER, sem explicações, só COMUNHÃO...

Assim na definição hebraica unida às conceituações platônicas e aristotélicas o ser humano tanto projeta em si mesmo o que entende de Deus, o que supõe revelado por Ele, o que supõe que Ele seja, quanto vivencia dentro de si o mistério de ser algo mais profundo, misterioso, inexplicável, insondável que existe em nós e que seria aquilo de Deus no ser humano que é além da revelação e da projeção...é o ideal indefinido.
Portanto ser imagem de Deus é reproduzirmos em pensamentos, palavras e ações o que de Deus conseguimos apreender, aquilo que chamamos de revelação, manifestação ou projeção, uma verdadeira imitação do sagrado em nós, mas também implicar em SER IGUAL ou seja; em ter em si algo mais profundo, inexplicável, que traduzimos como PRESENÇA EU SOU que é indefinível pelos outros conceitos.

SEMELHANÇA...
Cópia...espelho, reflexo...
Analisando genericamente Kidner tem uma certa razão em dizer que ambos se complementam e se completam.
Mas se formos criteriosos veremos que semelhança enfoca o Manifesto...não o Imanifesto.
Enquanto imagem traduz o que conhecemos como Deus em nós, na natureza e também define o que não conhecemos Dele, mas o que intuímos, vivenciamos em nós mas não podemos conceituar... em semelhança ficamos fixamente como o que somos em nós e que revela que Deus existe e É A REALIDADE por trás de todas as cópias. Neste sentido é como se vivêssemos, como dizem algumas teorias, em um universo holográfico, como se fôssemos projeções de camadas e camadas de outras 'realidades' e estas de outras num escalonamento que terminaria naquilo que os conceitos humanos e dos seres manifestos deixam de fazer sentido. Pois o único sentido é só o primeiro Ser no seu SER ou seja; a primeira revelação do Imanifesto, O Manifesto, que seria como manifestação... A ÚNICA REALIDADE CONCEITUAL...DEUS REVELADO...MANIFESTO...EMANADO...
Na semelhança portanto não conseguimos apreender a IMANÊNCIA que conseguimos intuir em imagem só a EMANÊNCIA ou seja; a manifestação decrescente da primeira manifestação para as demais, cada vez mais ilusórias ou no termo moderno, holográficas...

Em Imagem percebemos que Deus EM NÓS pode Ser uma Realidade além dos conceitos, em Semelhança percebemos somente os conceitos que formamos Dele em nós e através de nós.
Imagem nos possibilita o Nirvana, Semelhança o mundo dos deuses e deusas!
Imagem nos eleva ao Ideal intuído, Semelhança traz até nós a projeção que fazemos do que intuímos!
Assim, no mito do Éden o FAÇAMOS seja lá quem foi que o pronunciou FAZ diferença sim!
Se entendermos que estamos tratando de um mito literal então tanto os deuses e deusas criadores da mitologia suméria, quanto os aliêns vistos neles pelos modernos intérpretes, quanto aqueles que veem nestas figura de ELOHIM, os anjos, perceberemos que a criação aqui, a imagem e semelhança tão almejada é algo que trazemos quer no físico, quer na alma destas entidades das quais somos imagem e semelhança.
Se entendermos entretanto que falamos tanto do transcendente quanto do Manifesto ELOHIM é realmente os atributos desta divindade invisível que se revela ao mundo ao criar o homem, ao revelar o homem no mundo pois não só este traz sua semelhança, como uma cópia conceitual do primeiro manifesto quanto no profundo do seu Ser guarda uma fagulha do
transcendente, uma capacidade de tornar-se UNO com o oceano infinito além dos conceitos, um estado portanto indefinível em termos humanos, conceituais...semelhantes por um lado a certas descrições do sagrado mas que imageticamente conseguem trazer um fiapo de luz INDECIFRÁVEL dentro de si mesmo DESTE mesmo sagrado. 

Paz e Bem

Valter Taliesin

VÍDEOS SAGRADOS

ARVO PART

Tabula rasa
Alina

Silentium


Te Deum

Miserere

Adam's lament

Fonte Youtube




FONTE DE IMAGENS GOOGLE

Nenhum comentário:

Postar um comentário