Google+ Badge

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

A MORTE E RESSURREIÇÃO DE OSÍRIS...Um símbolo da Morte e Ressurreição do Ascenso...



ELEGIA...

OH! MUSA!!!

CONTAM ENTRE OS DEUSES ANCIÕES,
OS SENHORES DE CONSTELAÇÕES,
SISTEMAS, GALÁXIAS E UNIVERSOS;
OS GRANDES ELOHIM...

A TRÁGICA E TOCANTE HISTÓRIA
DE TRAIÇÃO E MORTE DO UNGIDO,
DO VIVO, BRILHANTE E PODEROSO...

CONTUDO COMO PODE A VERDADEIRA 
VIDA MORRER?

COMO PODE O SÍMBOLO DO VIVO
DEIXAR DE VIVER?

ASSIM OH! MUSA!

PERCEBO NESTA HISTÓRIA O DEDO
SAGRADO DO MISTÉRIO E DO SÍMBOLO.

O DEDO SAGRADO DA REVELAÇÃO DO
SENTIDO INTERNO DA INICIAÇÃO.

OSÍRIS É UM DEUS NEGRO!

SIM, UM DEUS NEGRO APESAR DE BRILHANTE!

POIS NO CENTRO DE TODA A LUZ DA
REVELAÇÃO DO SOL ESTA UM PONTO
DE MISTÉRIO INTRADUZÍVEL E INDIZÍVEL
EM PALAVRAS COMUNS, HUMANAS.

NESTE SENTIDO O NEGRO É SUPERIOR
AO BRILHANTE PORQUE É O TRANSCENDENTE
EM COMPARAÇÃO COM A LUZ DO IMANENTE
E EMANENTE.

É NESTE PONTO QUE MORA OSÍRIS E SUA
HISTÓRIA, É NESTE PONTO QUE MORA
MITRA, DIONISO, ADÔNIS, KRISHNA, RAMA,
QUETZALCOATL, HÉRACLES, TAMMUZ, BUDA
 E FINALMENTE O CRISTO...

O MITO DE TODOS OS GRANDES
ÍCONES DIVINOS E SALVADORES UNIVERSAIS!

Valter Taliesin

TEXTO...

A morte e ressurreição do Deus Osíris é o rito, o mito iniciático mais famoso, enigmático e poderoso dos grandes mistérios da antiga religião egípcia.

Nesta História alguns encontram a mesma ressonância do mito bíblico de Caim e de Abel.
Seth(Caim), Osíris(Abel...sendo Ab o Pai e EL o nome deste ou seja; Abel traz em si o nome do Pai Divino), Isis e Néftis(não existem nomes bíblicos nos livros canônicos) formavam dois pares de casais de gêmeos, filhos do Deus da Terra Geb(Adão) e da Deusa do Céu Nuit(Eva).
Em uma das histórias ditas apócrifas da Bíblia, estas duas irmãs eram por sua ordem gêmeas de cada um dos irmãos sendo que os pais determinaram que cada irmão se casa-se com o par  do outro. No mito, Caim ou Seth não quer abrir mão de seu par(aquela que viria a ser Isis) e se rebela contra a ordem paterna criando tal raiz de amargura dentro de si contra o irmão que o leva a futuramente usar como pretexto(a tal azeitoninha na empada, culpada pelo mau estar digestivo e não o grande consumo de empadas) o tal sacrifício a YHVH(Aton/Rá) para matá-lo.

Enquanto no mito bíblico Caim mata Abel no campo no mito egípcio o assassinato da-se em uma festa que Seth dá e convida o irmão. Durante esta apresenta um sarcófago - que deveria ser então um item de novidade, introduzido entre os deuses e consequentemente explicando sua origem para os mistérios egípcios e posteriores cerimonias fúnebres egípcias, uma reencenação ano a ano do mito divino - e vários convivas são desafiados a entrarem dentro dele numa espécie de competição. Sem suspeitar de nada chega a vez de Osíris e quando o Deus termina de entrar o irmão imediatamente tapa o sarcófago e selá-o... depois despacha-o no Nilo.

Passam-se os dias, Isis aflita vai em busca do marido e não encontrando-o com Seth e Néftis sai com Thoth, amigo e companheiro fiel da Deusa(em outras versões Anúbis) encontra finalmente o sarcófago mas quando o abre o Deus esta morto. Isis recolhe-o planejando ressuscitá-lo. Quando as notícias chegam até Seth, do que fizera a irmã este finalmente se revela no grande vilão da trama para os demais deuses. Vai em buscar do corpo de Osiris, toma-o da Deusa e o separa em 14 partes, espalhando-as por diversas regiões do mundo.

Na sequência do mito vemos Isis, Thoth/Anúbis e a irmã Néftis(gêmea de Osíris e esposa de Seth, se seguirmos a tradição de compará-lo ao mito bíblico de Caim e Abel dos apócrifos) procurando por todo o mundo conhecido as partes do Deus. Isis encontra todas as partes deste, menos o falo. Desta forma fica impedida de fazer o processo de ressuscitação. Quando finalmente encontra-o a Deusa faz amor com este corpo aparentemente inerte mas repleto em si de vida divina potente e gera Hórus, uma espécie de Osíris redivivo, uma centelha do marido que encarna agora no corpo do filho(aqui estamos diante de outro mito antigo, do Deus que é ao mesmo tempo consorte e filho da Deusa). Em Hórus, Osíris o sol oculto, o Deus negro do mistério volta à vida como o Sol da Justiça e da Verdade. E é neste papel que o futuro gerador da dinastia dos faraós vai confrontar o tio em futura batalha épica vencendo finalmente o usurpador do trono.

No momento em que o filho vence o rival com parte de seu Ka ou alma, energia divina, o Deus finalmente ressuscita, mas aqui na Terra não há mais espaço para si. Osíris parte então para o Amenti e se torna definitivamente no Deus negro dos mistérios da vida e da morte. O Deus oculto, O Sol oculto que brilha na Terra através da face luminosa do filho, Hórus. Este casa-se com Hathor(em algumas interpretações ele se casa com a própria mãe, já que é de certa forma o próprio pai redivivo para alguns, assim Hathor seria outra face de Isis) a Deusa do amor e gera os Shensu-Hor ou filhos de Hórus que reinam por milhares de anos sobre a terra do Nilo.

Hórus pode ser associado no mito bíblico então a(olha só que ironia) ao Set bíblico...interessante portanto que ao fazermos analogia entre os dois mitos o filho de Isis e Osíris no contexto bíblico, teria o mesmo nome do algoz do pai, aqui inclusive o mito leva alguns intérpretes a inverterem os sentidos e verem nos descendentes de Osíris a geração dita, decaída de Caim e na geração de Set os inimigos destes, ainda mais que Seth estava associado ao deserto entre Egito e Canaã, um local particularmente especial para o mito bíblico pois é ali, mais precisamente no monte Sinai, que YHVH tem seu portal de manifestação; primeiro a Moisés, depois para os israelitas. Mas geralmente quem faz este tipo de leitura é quem quer demonizar a religião egípcia vendo nestes co-relação com a geração decaída caimita. Enquanto na versão contrária Thoth é associado ao Enoque descendente de Set nesta ele é associado ao outro Enoque, descendente de Caim.

A pergunta que não quer calar é: 

SERÁ QUE EM ALGUM MOMENTO AS DUAS LINHAGENS DIVINAS SE MESCLARAM E O MESMO ENOQUE É TANTO DESCENDENTE DE SET QUANTO DE CAIM?

Pois no decorrer do mito bíblico percebemos que o dilúvio teria um fator motivador: 

A deturpação completa do gênero humano! 

Portanto se associarmos como se faz, o mito egípcio com o mito israelita - não nos esqueçamos que estes viveram, segundo a Bíblia, centenas de anos no Egito, primeiro como convidados dos faraós e depois, quando outra dinastia assume o trono, como servos desta até a libertação mosaica(Mas tendo ouvido Jacó que no Egito havia trigo, enviou ali nossos pais, a primeira vez.
E na segunda vez foi José conhecido por seus irmãos, e a sua linhagem foi manifesta a Faraó.
E José mandou chamar a seu pai Jacó, e a toda a sua parentela, que era de setenta e cinco almas.
E Jacó desceu ao Egito, e morreu, ele e nossos pais;
E foram transportados para Siquém, e depositados na sepultura que Abraão comprara por certa soma de dinheiro aos filhos de Emor, pai de Siquém.
¶ Aproximando-se, porém, o tempo da promessa que Deus tinha feito a Abraão, o povo cresceu e se multiplicou no Egito;
Até que se levantou outro rei, que não conhecia a José.
Esse, usando de astúcia contra a nossa linhagem, maltratou nossos pais, ao ponto de os fazer enjeitar as suas crianças, para que não se multiplicassem.


Atos 7:12-19) - e não nos esqueçamos também que Moisés, segundo Atos dos apóstolos e a tradição hebraica, foi criado e instruído em TODA a sabedoria e ciência dos egípcios... um eufemismo para INICIAÇÃO NOS MISTÉRIOS(Nesse tempo nasceu Moisés, e era mui formoso, e foi criado três meses em casa de seu pai.
E, sendo enjeitado, tomou-o a filha de Faraó, e o criou como seu filho.
E Moisés foi instruído em toda a ciência dos egípcios; e era poderoso em suas palavras e obras.
Atos 7:20-22) e o texto deixa a entrever que Moisés tinha grande autoridade sobre a terra do Nilo e já realizava proezas que o deixaram legendário - algumas versões de atos o chama pelo real título de..." FILHO DA FILHA DE FARAÓ", este era o epíteto que os HERDEIROS do trono usavam pois somente o filho da filha do faraó ou seja; de uma herdeira direta, geralmente a filha mais velha, da primeira esposa ou rainha - que por sua vez costumavam ser irmãs ou sobrinhas dos suseranos - tinha direito ao trono, enfim; o trono era ocupados por homens mas quem determinava QUE homem sentaria no trono era a linhagem feminina - se assim for, obviamente que Moisés não seria literalmente um filho de uma escrava adotado por esta filha do rei, portanto NÃO SERIA um israelita literal, mas sim, este seria  um mito forjado posteriormente, para explicar e justificar de forma velada porque ele se levanta contra seu próprio país em defesa de escravos deste, e também para associá-lo ao mito mais antigo ainda do ungido jogado às águas do rio para ser salvo, mito este tão antigo que vem da Suméria e da figura do rei Sargão de Acad(quando estes se associaram aos sumérios decadentes recriando a civilização como acadiana/suméria)que viveu no mínimo 1000 anos antes de Moisés pela contagem oficial...

É aqui que alguns estudiosos ultimamente começam a ver MUITAS similaridades entre a vida de Moisés e de Akhenaten e entendem que na verdade Moisés nada mais é que uma versão posterior do antigo faraó, o qual na queda de braço entre ele e os sacerdotes de Amon prefere sair definitivamente do país com seu 'povo eleito'...escravos para os seguidores de Amon, seria uma conotação pejorativa dada para estes, os seguidores de Aton, e estes por sua vez, a assimilaram para definirem sua situação espiritual diante do politeísmo cru e literal que se tornara o culto antigo de Amén-Ra - este tipo de 'renovo da fé' não é fato incomum nas grandes religiões  quando estas conhecem períodos de declínio e muita literalidade de seus mistérios, muito pelo contrário; é exatamente o inverso, os reformadores são tão prolíficos quanto os fundadores, basta ver um exemplo íntimo nosso...a religião cristã - aqueles que se converteram à nova religião de ATON, a visão que tenta restaurar o antigo monoteísmo egípcio, em detrimento daquela que havia deixado de ver nos deuses múltiplos, meras faces do ÚNICO mistério e como infelizmente TODA religião da terra, se tornado literal demais, transformando símbolos, figuras, analogias, metáforas, imagens em ídolos, em literalidade e se afastado da pureza original. 

Neste ponto portanto, a religião egípcia NUNCA teria sido uma obra, digamos, 'do Diabo', como querem os fundamentalistas, mas se Estevão em seu discurso em Atos reconhece a grandeza desta civilização e de sua sabedoria e conhecimento - e como sabemos, isto estava literalmente associado à religião, ao culto - penso que os antigos hebreus separavam muito bem o joio do trigo quando o assunto era a terra dos faraós e sua religião ou seja; a pureza cristalina, original, iniciática dos profundos mistérios egípcios de outrora da posterior idolatria e literalidade do mito(uma figura disto é a serpente de Moisés ou poder divino se sobrepondo e comendo as serpentes dos sacerdotes egípcios ou seja; o poder divino destes....não estaríamos aqui diante duma alegoria velada, do poder do culto de Aton sobre o culto de Amém-Rá agora deteriorado?), um escorregão que até a futura nação israelita também viria cometer com o seu YHVH e suas afiliadas(cristianismo, islamismo) idem, com suas visões particularizadas cada uma delas das tradições bíblicas , ou do 'povo do livro'...criando cisões e seitas dentro delas mesmas ou seja; católica, gnóstica, ortodoxa, protestante, evangélica, espírita, xiita, sunita, etc...


Assim sendo, voltando ao assunto central depois deste hiato elucidativo, podemos ver aqui nos mitos de morte e ressurreição de Osíris paralelos tremendos com os mitos bíblicos e demais nações circunvizinhas mostrando uma ORIGEM COMUM destes mitos, uma Sabedoria Original, uma Fonte Comum dos mistérios que depois se deteriora em diversas tradições mais ou menos fieis ao original e a posterior SEMPRE tendo como missão vir para 'restaurar' os mesmos mas depois caindo nos mesmos erros das mais antigas. 

Assim o Enoque bíblico das duas linhagens pode DE FATO ser um só, e representar um momento em que as duas linhagens voltam a se cruzar, de início isto é ALGO BOM, gera seres da estirpe de um Enoque ou Hermes Trismegistus mas com o tempo se deteriora e tudo e todos perdem, como nos mitos atlantes, que acenam para esta civilização ante diluviana, a sua ligação, a sua raiz divina, se tornando carnais(literais) demais...

O fato é que miticamente os SEMSHU - HOR, os filhos de Hórus que reinam no antigo Egito vem de uma terra ao oeste, a pátria ancestral que destruída em um cataclismo, deixa de existir.

Este cataclismo pode ser associado à guerra entre Hórus e Seth pelo trono e esta foi de tal envergadura que a pátria ancestral não resistiu e pereceu numa única noite no oceano(ou segundo outros deslocou-se de lugar e se tornou no que hoje conhecemos como continente antártico, ou pelo menos a maior parte dela).

Os sobreviventes desta catástrofe, guiados pelos iniciados - os Noah, Noés, Utnapshitins, Manus etc... - de Thoth/Hermes/Enoque, aportam em vários lugares do globo que depois fariam associação direta com a mítica terra ancestral e sua fundação...egípcios, cretenses, Tuatha de Danann, maias, olmecas, aztecas, incas, sumérios, arianos etc...

Quanto a Osíris o grande Deus morre e finalmente ressuscita quando da vitória de Hórus sobre Seth, mesmo com a catástrofe que se segue à esta guerra e a destruição da pátria mãe... enquanto o filho parte com Thoth e os demais iniciados para outros horizontes, este volta para a terra de origem dos deuses...um mundo além do nosso mundo...ÓRION! E também SÍRIUS! as duas regiões celestes de onde vieram os deuses civilizadores que se confundiram com os mitos e ritos cósmicos e iniciáticos, como faces do sagrado, da ÚNICA Verdade original simbolizada na figura do SOL, quer como Amén-Rá, Aton, Osiris ou Hórus.

O SOL, ao mesmo instante consorte e filho da Deusa da escuridão(em outros mitos, Nix ou Noite ou ainda Nuit depois Isis, depois Hathor, do céu noturno) ou seja; o eterno YIN/YANG, o bale de SHIVA E SHAKTI, o ir e vir do eterno enlace do sagrado masculino/feminino, a expressão do eterno mistério do UNO!

Assim nos mistérios, quando uma alma parte deste mundo nosso ela se encontra no Amenti... para alguns, um mundo subterrâneo na e da Terra, para outros a pátria de Osíris lá em Órion... na verdade como se trata de OUTRA dimensão do ser pode ser tanto uma coisa quanto outra ou seja; o subterrâneo terrestre ser um portal de entrada para o outro lado, o outro mundo em Órion.

Ali a alma tem, por Thoth e Anúbis( duas faces de uma mesma verdade), um à sua direita simbolizando o gênio da luz e outro à sua esquerda o das trevas, seus feitos pesados na balança. Seu coração é colocado em um prato da balança da justiça(Mâat a Deusa da Verdade e da Justiça, consorte de Thoth)enquanto uma pena(simbolo do dharma, da justiça divina, enquanto seu coração o é do carma pessoal da alma) no outro. Se a balança se equilibrar, tal alma esta salva e pode adentrar o mundo paradisíaco, se porventura o lado da pena pesa mais esta alma é condenada a ser 'devorada por Apophis'...

 O que significa isto? 

Talvez não estamos falando de extinção da mesma mas do mesmo mistério/símbolo e figura do 'monstro' do samsara budista que devora interminavelmente as almas em divida, fazendo com nasçam e renasçam indeterminadamente entre dores e sofrimentos cármico/negativos que precisam ser saldados...ver nele a figura do Satan hebraico e do Diabo cristão é uma conclusão absolutamente lógica a meu ver, em se tratando de religiões comparadas.

Este mesmo Apophis nada mais é que uma nova versão do próprio Seth ou Típhon, assim como Anúbis o é de Thoth e Osíris e Hórus são de Aton e Amé-Rá. Enquanto estes últimos são faces do Sol, do Deus da Luz e Thoth e sua cara metade  Anúbis, da sabedoria, do conhecimento e da vida e da morte, Seth e Apophis/Tiphon o são da escuridão e das trevas infernais e carmáticas negativas, provadoras dos humanos como a roda samsara.

Me pergunto:

Haveria possibilidade do coração pesar MAIS que a pena?


Penso que sim...neste caso a alma EXCEDIA o dharma...um feito e tanto! E portanto estávamos diante do nascimento não de um remido, um salvo do samsara somente, mas do nascimento de um...NOVO DEUS!

Um humano divinizado!

Uma Imago Dei que encarnada conseguiu se realizar, realizar Deus em si, como o próprio Osíris o fizera aliás, e tornar-se UNO com o Mistério ao SUPERAR em grandeza a própria lei que rege toda a forma de manifestação da vida. Assim ao superar a própria manifestação do Ser no mundo ele transcende o ir e vir das almas, não adentra o mundo paradisíaco mas se torna UNO com o divino em tudo presente, descobrindo no fim que o paraíso esta em tudo e em todos...que na verdade ele sempre esteve AQUI...DENTRO DE SI...E a partir de então este ser passa a Ser UM SÓ com a Vida Unitiva saindo não só como a alma redimida do Samsara mas de chofre, se divinizando a partir de sua vida terrena.

Coisa rara?

CLARO, poucos alcançaram isto é nós bem sabemos os nomes e as personalidades de alguns deles que depois passaram para a História universal como 'OS FILHOS DE DEUS' ...OS AVATARES...tão gloriosos que seus mitos se confundem, hora se achando que sempre foram assim e desceram dos céus como encarnações especiais do UNO, hora de que em verdade são super humanos que ascenderam ruma a UNIÃO com este UNO.

No mito da morte e ressurreição de Osíris estava velado o mito da morte e ressurreição de TODAS as centelhas divinas emanadas do Grande Mistério!

No fundo todos nós somos um Osíris, um Hórus, um Thoth em potencial basta que permitamos isto se manifestar em nós e a partir de nós.

E ENTÃO, TUDO SE FARÁ...NOVO!!!

MARANATA!!!

Valter Taliesin



POEMA...

Eu Sou o Sol Oculto
O Deus Negro...
O Profundo Mistério...
O Símbolo máximo da Fonte.
Tu Sois o Véu luminoso,
os 7 Portais da Iniciação,
O Caminho para Dentro...
O mergulhar profundo de minha
Alma.
Tu Sois o grande Mensageiro,
O Revelador dos enigmas...
O Senhor da sabedoria...
O Profeta de todas a eras...
O grande Curador...
E Tu Sois meu Irmão...
Minha Carne, meu lado Devorador...
Sois a figura do Chacal
e o Teste supremo dos grandes mestres
e mestras...
E quem é este que vejo aos pés
de minha Amada?
Sois Tu meu Amado Filho...
A Luz nascida de minha mais profunda
Dor e Escuridão...
O raiar do Sol da Justiça e Verdade...
Juntos nós montamos o Cenário,
encenamos a grande Peça,
Um Quinteto trágico e cósmico,
um flerte com a Eternidade
mais esmagadora e o Infinito
mais desafiador...
Eu Sou Osíris...
Tu Sois Isis, Amada...
Você É Thoth em sua outra face...Anúbis......
Ele À face turva de Seth...
E cá enigmático esta meu Fruto...Hórus...
Um Quinteto de variadas e
multifacetadas cordas...

Valter Taliesin



VÍDEOS SAGRADOS

PHIL THORNTON 

ROSENKRANTZ TOWER - PHARAOH


INITIATION

EAGLE DREAM

DESERT DREAM

HEART OF GREEN

FOREST PATHWAYS

ARCÁDIA 

FONTE YOUTUBE





FONTE DE IMAGENS GOOGLE

Nenhum comentário:

Postar um comentário